Bem vindos ao Fanfics da Cah. Sou Camila Cocenza, futura garota de programa! E não, não é o que estão pensando, apenas pretendo cursar Engenharia da Computação. Para mais informações: cahcocenza@hotmail.com

25/04/2011

One-Shot - O Proibido


One-shot - O Proibido
* Censura 18 anos *

Sinopse: Proibido pelo simples fato de Edward ser o garoto que adotei...
Foi errado, e é errado... mas eu não conseguia resistir aquele garoto.


CLIQUE AQUI PARA LER O ESPECIAL Parte I
CLIQUE AQUI PARA LER O ESPECIAL Parte II
FLASH BACK

O Proibido


Ela caminhou entre as pessoas no aeroporto. Suas mãos estavam tremulas e suadas. Isabella não sabia exatamente como seria vê-lo depois de cinco anos distantes, ela ainda se lembrava a primeira vez que o viu, quando seu ex-marido falecido marido ainda era vivo.

Flash Back ON

- Você tem certeza Jake? – A morena indagou em um sussurrou – Ele já é tão velho, talvez não tenhamos feito o certo.

- Bella, nós dois não temos tempo para adotar uma criança menor querida. – O moreno beijou a bochecha dela – Além do mais esse menino está no orfanato desde que nasceu, a mãe dele o abandonou no hospital, ela era jovem e não tinha condições de cuidar dele. – Jacob deu de ombros – Vai ser legal.

Black se sentia horrível em não poder dar o que a mulher mais queria... Um filho.

- Tudo bem. – Isabella sorriu.

- E depois podemos adotar outro – Ele mordeu a orelha dela – Uma menininha.

- Eu topo.

A campainha tocou.

- Deve ser ele. – O moreno sorriu para sua mulher – Pedi para que Joe fosse buscá-lo. – Os dois caminharam juntos até a porta. Jacob abriu e deu espaço para o jovem Edward entrar. – Olá Edward, seja bem vindo garoto. – Black tocou o ombro dele.

- Obrigada Sr. Black. – O rapaz de 16 anos corou.

Isabella mordeu os lábios enquanto observava-o. Apesar de ter apenas 16 anos o garoto aparentava ter muito mais. Seus cabelos estavam desalinhados de uma forma um tanto vulgar, o que era um contraste com seu sorriso que era muito inocente. Seus olhos verdes, sua pele branca...

- Essa é Isabella, minha mulher.

O garoto sorriu torto para a mulher em sua frente.

Já ela retribuiu ao sorriso.

- Olá Edward.

- Olá Sra. Cullen.

- Oh não querido, por favor, apenas Bella.

- Ok.

E foi assim que tudo começou.

Flash Back OFF

Isabella fechou os olhos e balançou a cabeça tentando afastar as lembranças.

Seu corpo todo se contraiu quando uma respiração quente batendo contra sua nuca.

- Edward? – Ela indagou em um sussurro e logo ouviu a risada rouca do garoto que havia adotado há seis anos.

- Oi mamãe. – Ele ironizou tocando a cintura dela e girando-a, a fazendo virar-se de frente para ele e estremecer.

Os olhos dos dois se encontraram por alguns segundos e Edward podia ver a culpa que Isabella sentia ali, no par de orbes castanhos chocolate.

A morena piscou algumas vezes e se afastou um pouco admirando o homem a sua frente.

- Edward? – Indagou novamente, mas agora era mais uma pergunta com um tom de incredulidade.

Como ele havia ficado tão... Forte assim?

- Não está mais me reconhecendo Bella? – Ele sorriu torto.

- Uau, você... – Isabella mordeu os lábios, tentando encontrar palavras – Cresceu.

- Cinco anos fazem a gente mudar muito.

Ela entendeu o duplo sentido que havia naquela frase, mas fingiu não notar.

- Bom, mas olhe só para você. – Isabella mudou de assunto e tocou o braço dele – Com vinte e três anos, recém-formado em medicina...

Edward sorriu mostrando aquele antigo sorriso envergonhado, mas logo foi substituído por um irônico.

- Resolvi seguir os passos da mamãe... – Ele não pode deixar de olhá-la de cima a baixo e quando encontrou seus olhos sorriu, mas foi um sorriso verdadeiro – Eu tenho que te agradecer por tudo, se não fosse por você eu nunca teria chegado onde estou.

- Querido, você chegou aonde está por méritos seus. – Sorriu – Vamos para casa? – Bella mordeu os lábios, insegura – Seu apartamento ainda não está completamente pronto, você terá que ficar algumas semanas em minha casa.

- Sem problemas. Vamos?

- Sim.

Eles foram para o estacionamento do aeroporto. Edward guardou sua mala no porta-malas e depois entrou no carro que já estava ligado, com Isabella no volante.

- Com saudades de Los Angeles? – Ela perguntou, enquanto saia do estacionamento e dirigia pela rua asfaltada.

- Você não imagina o quanto.

Disfarçadamente Isabella esfregou uma perna na outra, mas infelizmente isso não passou despercebido por Edward.

O rapaz cerrou os olhos mordendo os lábios.

Aquela mulher estava mais linda que antes. Um suspiro escapou de seus lábios chamando a atenção dela.

- Algum problema?

- Nenhum. – Negou. Não demorou muito para que Bella parasse o carro enfrente a enorme casa onde vivia sozinha. – Isso aqui continua a mesma coisa.

- Sim. – Ela riu.

- Mas não é muito grande para se viver sozinha? – Edward arqueou as sobrancelhas – Ou você...

- Não. – Ela negou rapidamente. – Depois que me divorciei de Jacob não tive outros relacionamentos.

- Está todo esse tempo sem sexo?

Bella o olhou corada.

- Eu disse que não tive relacionamentos isso não inclui sexo sem compromisso. – Deu de ombros. Dessa vez foi à vez dele corar. – É... – Pigarreou mudando de assunto – Vamos entrar.

Ela havia mesmo dito a verdade. Não teve nenhum relacionamento sério apenas algumas transas sem compromissos, mas era a mesma coisa que nada, não era aqueles homens quem ela queria, quem ela queria era proibido, não podia nem ao menos pensar em querer.

Eles entraram na casa e os olhos dos dois fixaram-se no sofá, mas logo Isabella o chamou para subir a escada e o guiou até seu antigo quarto.

- Eu mudei algumas coisas. – Isabella apontou para as cortinas, a cama, a raque e a TV.

- Ficou perfeito, obrigada.

- Vou deixar você sozinho – Ela mordeu os lábios – Estarei na cozinha preparando nosso almoço.

- Ok.

Assim que ela saiu do quarto o rapaz sentou-se na cama alisando os cabelos. Ele sabia que seria difícil voltar para casa depois do que aconteceu, mas já não agüentava mais ficar distante, reprimindo aqueles sentimentos, eles precisavam conversar e isso aconteceria ainda hoje.

Edward retirou a roupa e foi para o banheiro redecorado. Tomou um banho demorado e quando desceu para o andar de baixo a encontrou na cozinha. A morena usava um vestido branco e seus calos estavam molhados, ela também havia tomado banho.

Irresistivelmente, os olhos do rapaz desceram até o traseiro empinado dela. O vestido branco estava meio transparente e aquilo permitiu que ele admirasse a calcinha fio dental que ali estava.

Isabella virou-se ao sentir um par de olhos queimando em suas costas.

Edward apressou-se em sentar e cruzar as pernas, tentando esconder sua ereção.

- Espero que não se importe de comer macarronada. – A mulher que adotou ele aproximou-se se inclinando sobre a mesa para colocar ali a macarronada, o que permitiu a Edward ter a perfeita visão de seu busto, os bicos dos seios dela estavam durinhos fazendo o volume em sua bermuda crescer mais.

Isabella parou de babar no peito desnudo de Edward e sentou-se de frente para ele, servindo-o.

- Isso aqui parece estar ótimo. – Comentou ele, enrolando o macarrão com o garfo.

- Não se deixe enganar pela aparência. – Ela o alertou rindo. – Eu realmente teria feito algo melhor se tivesse tempo, mas cheguei do hospital e fui te buscar.

- Eu podia ter vindo de taxi.

- Edward! – O repreendeu.

Os dois voltaram a comer em silêncio, mas sempre flagravam um ao outro se olhando.

- Sinto muito por Jacob. – Edward suspirou – Eu não pude vir, estava em semanas de prova na faculdade...

- Tudo bem. – Isabella deu de ombros – Podemos mudar de assunto?

- Por mim tudo bem. – Ele coçou o queixo – Porque se separaram? – O rapaz cerrou os olhos e apertou a ponta da mesa, pondo ali quase toda sua força – Eu sempre encontrava vocês pela casa se abraçando, se... Se beijando.

Isabella soltou o garfo, irritada com a pergunta dele, mas logo se acalmou. Ele não tinha culpa de nada a culpa sempre foi e sempre seria ela.

- Culpa. – Deu de ombros – E as coisas entre nós foram desmoronando aos poucos, fora isso descobri que Jacob me traia.

- Culpa? Por quê? – Ele mordeu os lábios. Ela não respondeu, ele sabia a resposta, mas queria a ouvir falando. Isabella levantou-se da cadeira e colocou o prato na pia, Edward fez o mesmo. Antes que ela saísse da cozinha ele segurou seu pulso, puxando-a contra seu tórax – Porque Isabella?

- Me solte Edward, por favor.

Ele não respondeu, forçou o corpo de Isabella a andar para trás enquanto seus olhos não se desgrudavam dos dela.

- Por que Bella? – Os dentes dele brincaram no lóbulo de sua orelha, fazendo-a gemer – Será que é por causa do que aconteceu naquela noite? – Edward fechou os olhos lembrando-se. – Mais especificamente no meu aniversário de 17 anos... Jacob estava trabalhando, eu não quis festa, nós dois ficamos sozinhos aqui. Estávamos sentados no sofá, eu inocentemente entre suas pernas, mas tudo aconteceu de repente, lembra-se? – Ele abriu os olhos e desceu seus lábios para o pescoço dela – Sem nenhuma explicação começamos a se tocar e nos beijar...

Isabella sentiu um nó se formar em sua garganta.

- Me desculpa... – Ela começou a chorar.

- Desculpas pelo que mamãe? – As mãos de Edward ergueram o vestido dela – Por ter transado comigo aquela noite ou por ter me mandado no dia seguinte para estudar em outro país?

A morena apertou os olhos com força tentando concentrar-se, mas as lembranças voltavam na cabeça dela e o pior é que ela havia gostado, gostado até demais.

- Nós não devíamos... Eu não devia. – Seus dedos se se embolaram nos cabelos dele – Fomos longe demais... Você tinha apenas 17 anos e eu... Praticamente te induzi a se entregar para mim.

Ele negou com a cabeça.

- Não é induzir quando a outra pessoa também quer. – Afastou-se encostando sua testa na dela.

- Mas foi errado, era errado, é errado! – Ela sussurrava já entrega nos braços dele.

-Sim, mas isso não nos impediu de continuarmos.

Isabella o afastou, saiu de seus braços e foi para o outro lado da cozinha com as mãos na cabeça.

- Edward, você era menor de idade. – Ela fechou os olhos prendendo o choro – Eu era casada... E você, você era praticamente meu filho, o menino que Jacob e eu adotamos. O que eu fiz foi errado, foi... pedofilia.

O rapaz mordeu os lábios andando até ela, agarrando sua cintura e a colocando sobre a mesa.

- Então o problema era minha idade? – Ele pressionou seu quadril contra o dela – Então significa que agora podemos ter uma transa como aquela? – As mãos dele prenderam as pernas dela em sua cintura e a retirou de lá.

Antes que ela respondesse sua boca foi coberta pela dele. Os lábios macios e quentes moviam-se sedentamente contra os de Isabella e logo aquela língua infiltrou-se na boca dela, buscando a dela.

Ela passou noites sonhando com aquela boca, sempre acordava toda molhada e quente.

A morena sabia que aquilo era errado, mas não conseguia parar... Era como a primeira vez, quando tudo começou do nada. Sua consciência gritava que aquilo era errado, mas ao contrario do que os outros pensam não é o cérebro que manda no corpo, mas sim o coração.

Edward não a culpava pelo o que aconteceu. Ele também sempre quis... Foi ele quem buscou aquilo. Várias vezes ele era pego por ela admirando o corpo dela, eram provocações com olhos e gestos.

As costas de Isabella tocaram algo macio. Ela abriu os olhos vendo que estava no quarto dele.

- Por favor... – A morena implorou – Não faça isso, não vou conseguir conviver com a culpa... Já é tão difícil.

- Não se sinta culpada. – O rapaz mordeu a boca dela, levantando seu vestido e apertando sua coxa.

- Deus...

A boca dele escorregou para o pescoço dela, logo Edward a sentou na cama e retirou seu vestido. Seus olhos verdes ficaram fixos naqueles seios rígidos e não demorou muito para que sua língua estivesse deslizando por eles, levando Isabella a loucura.

- Continua tão deliciosa.

- Edward...

A mão dele desceu até sua calcinha, empurrando-a para o lado e penetrando-a com dois dedos. A morena gemeu mais alto, quase que desesperadamente, e aquilo apenas o incentivou a continuar.

Edward não conseguia enxergar aquilo como um erro. Os dois não tinham nenhum laço! Ela não era sua mãe de verdade, ela não era nada dele... Era apenas a mulher que ele desejou desde a primeira vez que a viu.

Os quadris de Isabella rebolavam contra seus dedos e sua boca sugava o bico do seio dela.

- Garoto...

Os gemidos dela o enlouqueciam. Eles eram pare ele e não para Jacob, como costumava a ser.

Retirou os dedos dela.

- Está gostando? – A boca dele voltou à orelha dela.

A morena apenas assentiu, entorpecida. Suas mãos apressaram-se em despir o homem sobre ela, seus dedos prenderam-se no cós da calça dele, abaixando-a junto com a boxer que o rapaz usava.

Logo os dois estavam nus, os dois corpos enroscados na enorme cama branca, os lábios conectados em um beijo calmo, mas ao mesmo tempo sedento.

O rapaz encaixou-se entre as pernas dela e deixou apenas a cabeça de seu pau penetrar aquela entrada quente e apertada. A mulher sob seu corpo remexeu-se impaciente, querendo que ele a preenchesse por inteiro.

- Vem...

Edward colou sua testa na dela.

- Só se você me prometer que não vai me expulsar de sua casa amanhã – Ele fechou os olhos – Que não vai se arrepender.

Ela mordeu os lábios enlaçando a cintura dele com suas pernas.

- Eu não vou.

- Jura?

- Juro.

Ele voltou a colar sua boca na dela enquanto ia abrindo espaço com seu membro na pequena entrada dela.

- Tão apertada. – O suor escorria pela testa dele enquanto Edward fazia uma força sobrenatural para não sair bombando feito um louco.

As unhas de Isabella escorregaram por toda a costas dele.

Seu quadril deslocava-se em um vai-e-vem frenético fazendo os gemidos da mulher tornarem-se gritos.

Ela estava tão excitada. Ao contrario do que ela havia dito, há quase dois anos já não sabia mais o que era um orgasmo. E aquele garoto que lhe fez ter um há 5 anos atrás está novamente próximo de repetir aquela façanha.

O rapaz rodou para o lado trazendo Isabella para cima do seu corpo, a morena não protestou, apenas apoiou as mãos no peito másculo de Edward e começou a mover-se sobre ele, erguendo e descendo seu quadril de encontro ao dele.

- Isso...

- Ah... Rebola Bella.

Antes que ambos atingissem ao orgasmo Edward a retirou de cima do seu corpo.

- O que foi? – Ela perguntou ofegante e confusa.

- Vem cá.

O rapaz sentou-se com as costas contra a cabeceira e voltou a puxar Isabella para seu colo. As pernas dela rodearam sua cintura e suas mãos buscaram apoio no ombro largo e másculo de Edward

Eles voltaram a se encaixar, sem nenhum momento desviar os olhos um do outro.

Edward havia aprendido muita coisa na faculdade. Muitas coisas que as mulheres gostavam, porém não era para as mulheres que ele queria mostrar o quão bom no sexo era, mas sim para Isabella talvez assim ela realmente notasse que ele era sim homem bom o suficiente para ela.

E novamente Edward segurou a cintura de Isabella cessando os movimentos. Com muita delicadeza deixou-a deitada na cama de bruços, aproveitou para espalhar beijos por toda suas costas suada e tensa.

- Erga um pouco essa bundinha para mim. – Pediu ele segurando as coxas dela e a ajudando.

Isabella apoiou os cotovelos na cama sem muita força.

Edward segurou seu quadril e roçou seu pau naquela boceta apertada e toda meladinha. Ambos gemeram. Logo o membro viril já estava todo dentro dela.

A morena estava louca de desejo, seus dentes mordiam com força o travesseiro que estava próximo ao seu rosto. Seus castanhos reviraram-se de prazer quando Edward saiu de dentro dela e voltou com tudo.

O pau grosso e grande estava sendo mastigado pela boceta dela. Ele não agüentava mais, ela não agüentava mais, por isso desistiram de prolongar o prazer e deixaram que o orgasmo explodisse.

Os dois corpos caíram exaustos na cama e foi assim que Edward pegou no sono.

***

As mãos grandes de Edward apalparam a cama, buscando pelo corpo de Isabella. Quando o encontrou aconchegou-se mais contra ela.

- Oi... – Sussurrou ele abrindo os olhos. – Acho que peguei no sono.

Ela riu deslizando os dedos pela bochecha dele.

- Sim, você dormiu.

- Pensei que quando eu acordasse você não estaria aqui...

- Eu prometi, não prometi?

Edward sorriu.

- Está se sentindo culpada?

- Muito.

Ele riu abraçando a cintura dela. Os dois se calaram, apenas ficaram se olhando.

- Fica comigo.

- Não podemos.

- Claro que podemos. – Os dedos dele afastaram a franja que caia no rosto dela – Entramos na justiça com o pedido de cancelamento nos papeis da adoção então nos mudamos para Londres, onde ninguém sabe quem é você, eu conheço bastante gente lá, garanto que vai dar tudo certo.

Isabella mordeu o queixo dele enquanto refletia o que ele acabara de lhe dizer.

- Eu não sei...

- Bom, eu sei o que eu quero e o que eu sempre quis em minha vida: você. – O rapaz suspirou. – E não adianta negar porque eu sei que você também me quer, mamãe.

- Preciso pensar. – Ela se sentou na cama.

Edward beijou as costas nua dela e sorriu.

- Já pensou?

- Não.

- E agora?

- Edward!

Ele a puxou de volta para a cama colocando seu corpo sobre o dela.

- Deixe-me te agradar um pouco... – A boca do rapaz sugou a dela – E agora?

- Acho que preciso pensar um pouco mais... – Um sorriso safado se estampou nos lábios dela.

Edward deixou a ponta da sua língua escorregar pelo queixo e boca dela.

- E agora?

- Hmm está quase me convencendo.

Ele riu colando sua testa na dela sabendo exatamente o que dizer para convencê-la.

- Eu te amo... – Sussurrou, fazendo-a arfar – Te amo há cinco anos e te amarei para sempre.

Os olhos dela arderam.

- Oh Edward! – Seus braços enlaçaram o pescoço dele puxando-o para um beijo apaixonado – Quando nos mudamos?

Alguns meses depois...

Edward chegou exausto do hospital, mas estava preocupado com Isabella. Ela havia ligado para lá avisando que estava um pouco mal e que não poderia ir trabalhar.

Rapidamente jogou suas coisas sobre o sofá e foi para o quarto. Ele abriu a porta de vagar e a viu sentada na cama, coberta por dois edredons e com um pote de sorvete nas mãos.

- Oi amor. – Sussurrou.

A morena desviou os olhos da TV e sorriu para o homem pelo qual era apaixonada, mas logo seu sorriso desmanchou e ela começou a chorar.

- Saia daqui!

- Qual o problema? – Ele ignorou seu pedido e se aproximou – Você não foi trabalhar, está estranha há dias e agora está me mandando sair daqui. Eu fiz algo que te magoou?

Isabella suspirou com todo aquele carinho, sem duvida não existia homem mais perfeito que aquele.

Antes que ele voltasse a perguntar algo ela pulou da cama e correu até ele, abraçando-o.

- Amo você Ed, não me deixa.

- Eu não vou te deixar princesa.

- Mas... eu... eu...

Edward suspirou exasperado quando viu Isabella voltar a chorar. Estava confuso, nunca havia visto sua mulher naquela situação.

- Amor, se acalme. – Insistiu ele. A morena assentiu, mas logo se afastou dele e correu até o banheiro, soltando todo o sorvete que havia comido. – Droga, amor, o que está acontecendo?!

Isabella, com a ajuda do ex-filho adotivo levantou-se e escovou os dentes. Edward a levou para o quarto e deitou-se na cama ao lado dela.

- Me desculpa... – Ela sussurrou agarrando-se no peito dele. – Eu estou muito feliz, é o que eu sempre quis, mas já você...

- Princesa me diga sobre o que esta falando.

- Olhe você mesmo. – A morena inclinou-se abrindo a mesinha ao lado de sua cama e retirou de lá um palitinho.

Os olhos de Edward arregalaram-se quando viu as duas linhas azuis indicando que Isabella estava grávida.

- Oh meu Deus!

- Eu sei que você ainda é novo para ser pai, mas não quero que se sinta preso de ficar comigo apenas por causa dessa criança.

Ele rolou os olhos ignorando Isabella. Apoiou suas mãos na barriga dela e depois encostou sua cabeça ali.

- Como você é idiota. – Edward bufou sorrindo. – Acha mesmo que eu não iria gostar de ter um filho com você?

- Bom, eu não sei, nunca conversamos sobre isso... – Ela brincou com os dedos da mão, tímida.

- E o melhor é que não é meu irmão, mas sim meu filho. Bella é meu filho com você.

Edward abraçou Isabella, colando seus lábios nos dela.

- Que bom que você está feliz – Ela riu, seu humor oscilando – Meu sonho sempre foi ter um filho.

- Por isso você me adotou.

- E olha que irônico, o menino que era para ser meu filho acabou de me dar um.

Os dois riram. Edward voltou a descer sua mão na barriga dela ainda impressionado.

- Essa coisinha aqui vai ser muito bem vinda ou muito bem vindo.

- Eu te amo Edward.

- Eu sei mamãe.

- Tecnicamente não sou mais sua mãe.








9 comentários:

Bex disse...

ah, eu gostei... amei na verdade...
muito bom...
Diferente...
Serio adorei o lance da Bella ser mais velha que o Edward, geralmente é o contrario... na maioria das vezes, ela é a adotada, ela é a novinha inexperiente e tals...
amei
bjinhus

♥nanah♥ disse...

- Eu sei mamãe.

- Tecnicamente não sou mais sua mãe.

- Mas em breve será... do meu filho.

Ownt*---*
Ameei.
Teem bonus?

michely disse...

*-* Oun! Ki fofo!
Amei ess One!
Completamente diferente de tudo ki eu já li!
Bella mais velha,Edward quase seu filho etc...Foi muuuuuuuuito bom !
AMEI ! ^.^

Uma perguntinha : Vai ter Capitulo Bônus?! Hehe
Bjos :*

Izah disse...

aaaaaai adorei essa pequena ironia no fina, na vdd gostei da one toda né rs

bem diferente, sai um pouco dos "padrões" das fics que eu curto ler ... então vai ter um pequeno bônus para suas leitora

Zenilda disse...

oi linda...
entao gostei muito,achei um pouco diferente,mais tudo o q envolve a Bella e o Edward eu simplesmente amoooooooooooo
beijusss querida

sandry costa disse...

Oi Cah
amiga ta show
vc sempre com suas ideias merabolantes
voltando a te perguntar, qtos anos vc tem mesmo? kkkkkkkkkkkkkkk - nossa o lemon tava perfeito
parabens, saudade de vc - mas a falta da net ta fazendo bem pra nós leitoras kkkkkkkkkkkkkkkkkkkk
beijao

Anônimo disse...

Adorei! Caah a bella mais velha! Tá demais mesmo!S2

moohcelestino disse...

Cah eu tive que ler aqui de novo, pra assim saber como ocorre os
próximos capítulo. Indo ler depois deixo minha opi...

Anônimo disse...

Amo as suas estórias, são perfeitas!

Postar um comentário