Bem vindos ao Fanfics da Cah. Sou Camila Cocenza, futura garota de programa! E não, não é o que estão pensando, apenas pretendo cursar Engenharia da Computação. Para mais informações: cahcocenza@hotmail.com

26/02/2012

Começo do capitulo 15 de Dont Forget

N/A: ANTES DE LEREM QUERO DEIXAR BEM CLARO QUE ESSE NÃO É O CAPITULO COMPLETO, ESTOU POSTANDO APENAS PARA SABER O QUE ACHAM, GOSTO DA OPINIÃO DE VOCÊS E QUERO QUE TODAS - OU A MAIORIA - FIQUEM SATISFEITAS... TO COM UMA PUTA FALTA DE IDEIA PARA ESCREVER A RECONCILIAÇÃO DOS DOIS E NÃO VAI SAIR OUTRA COISA QUE NÃO SEJA ESSA. ESPERO QUE ENTENDAM... TODA AUTORA TEM SEUS MOMENTOS DE NÃO SABER O QUE ESCREVER.

Só para explicar, a fanfic ainda não vai acabar, tem muita coisa e draminha para acontecer ainda... Me perdoem, sério, queria fazer Edward sofrer e etc, mas realmente não tenho ideias...

---- x ----

Levantei-me quando a chuva começou a ficar mais forte, corri para baixo de um ponto protegendo-me. O primeiro táxi que passou eu peguei, passando o endereço da única pessoa em que eu poderia confiar e que tanto magoei. Eu precisava me desculpar, dizer que estava errado o tempo todo.

Eu precisava ver Isabella.

Capitulo 15

POV Edward

Apertei o interfone, mas a luz não ligou.

- Droga, está desligado.

Olhei para o portão, torcendo os lábios. Ele era alto, mas o escalei, pulando-o, atravessando o jardim e parando na porta. Bati, esperando que alguém me atendesse. Já se passava das 00h20min, há essa hora ela já devia estar dormindo. Virei-me de costas pronto para ir embora, até que a ouvi me chamar.

- Edward?

Rodei em meus calcanhares, vendo Isabella ali na porta.

- Oi. - Sorri tristonho, sentindo o peso em minha consciência por tudo de mal que lhe disse. - Será que podemos conversar? Se não quiser eu vou embora... - Ri amargo - Só não sei para onde.

Ela franziu a testa, negando com a cabeça.

- Vem, entre.

A luz do abajur da sala estava acesso, clareando quase tudo. Uma garrafa de vinho estava aberta sobre a mesa de centro, próximo a alguns papeis e uma musica baixa tocava.

- Está acompanhada? - Indaguei - James está aqui?

- Não Edward, estou só afogando as magoas. - Deu de ombros cruzando os braços sobre o peito. Foi só ai que eu percebi que ela usava um hobby rosa de seda, amarrado em sua cintura. - O que quer conversar a essa hora?

Coloquei a mão no bolso, constrangido, sem saber por onde começar.

- Eu estou me sentindo muito mal. – Confessei, mordendo os lábios e desviando os olhos – Sabe, por tudo que disse a você em nossas discussões e...

- Não precisa se preocupar. – Me cortou, forçando-me a olhá-la novamente. – Falamos besteira quando estamos de cabeça quente.

- Você não me odeia?

Ela riu, sentando-se no sofá e pegando a taça com vinha, bebendo.

- Como poderia? – Perguntou irônica. – Você foi meu primeiro homem, é o pai dos meus filhos e o idiota que amo. – Deu de ombros – O fato de você ter me traído não diminui o que eu sinto, eu até tentei, mas é difícil, sabe? As coisas que aconteceram ainda parecem surreais, foi tudo tão de repente... Tão rápido.

Sentei-me no sofá, ao seu lado.

- Pois é. – Entrelacei meus dedos, apoiando meus cotovelos no joelho. – Fico mais aliviado em ouvir isso. – Confessei, virando o rosto para olhá-la. Isabella mordiscou os lábios. – Porque se você me odiasse, seria mais difícil confessar que nesse tempo todo, o errado sempre fui eu.

- O que está querendo dizer?

- Bella... – Abaixei os olhos, constrangido – Tânya e eu... Nós nunca tivemos nada, eu não a conhecia antes do meu acidente, só a vi uma vez, no hospital, quando você teve aquela crise de ciúmes. – Respirei fundo, passando a mão pelos cabelos – Estou sentindo algo tão ruim aqui dentro. – Confessei, massageando meu peito – Me sinto culpado por ter feito você sofrer, por ter brigado com Emmett, por ter ido contra a vontade de Meg e meus pais... Estou tão mal. – Fechei os olhos, sentindo o medo e o desespero me tomarem. – Eu não tenho para onde ir, não sei em quem confiar... Porra, eu não me lembro de quase nada, sinto-me tão perdido... Minha filha me odeia, todos estão contra mim e eu errei ok? Acreditei naquela louca por que... Não sei o porquê, mas eu me sentia seguro ao lado dela desde que acordei no hospital, ela era a única do meu lado... E parecia realmente gostar de mim.

- Bom, mas se você gosta dela... – Isabella começou a falar. Abri os olhos novamente, vendo-a dar de ombros com indiferença e desviar os olhos. – Fique com ela, quem ama perdoa.

Balancei a cabeça, negando.

- Eu não a amo, pensava que amava... Eu me convenci que a amava. – Limpei meu rosto, percebendo que chorava – Ela tirou as coisas mais importantes da minha vida, me privou da verdade, me afastando da minha família, de você e dos nossos filhos.

- Vem cá, não chore. – Aceitei seu abraço, encaixando meu rosto em eu ombro. – Como sabe que realmente não teve nada com ela?

- Eu a peguei mentindo. – Contei. – Além disso, o meu notebook ajudou, sabia que eu tenho um diário?! Droga, claro que sabe lembrei que em nossa lua de mel você o leu.

- Sim. – Riu baixinho, alisando meu braço.

- Me desculpe, por favor, sou um imbecil, depois de tudo o que falei para você vim te procurar.

- Eu disse que poderia voltar quando quisesse. – Alisou meu rosto, sorrindo. – Além do mais, essa casa também é sua, tem tanto direito de estar aqui quanto eu.

- Obrigado, mesmo. – Sorri, enquanto ela secava minhas lágrimas – Você é incrível, consegue agir comigo como se eu não tivesse feito toda merda que fiz. Tenho certeza que fiz a escolha certa, meus filhos não podiam ter uma mãe melhor.

Ela me deu um lindo sorriso, enquanto suas mãos desciam por meu tórax, me causando arrepio.

- E eu pensando que hoje seria meu ultimo dia como Sra. Cullen. Eu estava bebendo para assinar os papeis do divorcio.

- Ah... – Olhei para a mesa de centro, vendo os papeis – Você ainda vai assiná-los?

- Sou eu quem pergunta. – Afastou-se de mim – Você quer que eu assine Edward?

Abaixei o rosto, negando com a cabeça.

- Eu não me lembro de muita coisa, mas eu tenho certeza de uma coisa, que nunca te traia, quer dizer, de certa forma traia, mas acreditando ter traído antes... – Afirmei, erguendo os olhos para vê-la me encarando de forma suave. – Sei que você merece coisa melhor, um cara que não seja como eu, que não te diga coisas estúpidas e grossas sem saber das coisas... Um cara tipo o James. Anthony e Meg gostaram dele...

- Sim, gostaram muito. – Deu de ombros – James é um cara legal, mas não serve para ser pai, ele mesmo já deixou isso claro e além do mais não quero outro homem.

- Mas vocês não... – Gesticulei com a mão, fazendo-a rir.

- Não, não temos nada e nunca tivemos.

- Como? Naquele dia você...

Ela suspirou torcendo os lábios, sabendo a que eu me referia.

- Sim, eu estava bêbada, mas não aconteceu nada entre nós, eu apenas dormi com ele, ou melhor, na cama dele, já que James foi para o sofá. – Isabella voltou a me abraçar, encaixando seu rosto em meu pescoço – Nem consigo acreditar que está aqui... Deus, quando me disse que noivaria hoje eu chorei tanto, como todos os outros dias que antecederam, desde seu acidente, era horrível pensar que você estava morto e que nunca mais voltaria para mim, e do nada você volta, mas dizendo ter outra, o que também me fez chorar, mas por outro lado me senti aliviada – Suas mãos alisaram minha nuca, remexendo eu meus cabelos – Você estava feliz. Anthony e Meg não haviam lhe perdido, apenas eu, mas poderia sobreviver com aquilo... – Sua testa encostou na minha – Estou feliz, por ter me procurado...

- Eu precisava me retratar contigo, sobre tudo o que disse e que fiz. Nunca vou me perdoar por isso.

- Shhh. – Tocou meus lábios.

- Não é o certo. – Neguei, me levantando – Você não pode me aceitar assim, não depois de tudo.

Bella também se levantou, limpando suas lágrimas.

- Sou eu quem decide isso, não você. Só que tenho medo... Medo de que você me faça sofrer novamente... Eu... Não suportaria.

- Você não me perdoou Bella, não é? Você sempre vai se lembrar que preferi acreditar em outra mulher à em você, vai se lembrar que nos viu se beijar... Você me perdoou? – Voltei a perguntar. Ela não respondeu, apenas travou o maxilar. E eu já sabia sua resposta. – Sei que não. Eu devia ir embora, mas sou idiota, não posso deixar Anthony e Meg. – Caminhei até ela, tocando sua bochecha. – Podemos tentar, por favor?

- Podemos tentar. – Seus braços enlaçaram meu pescoço – Sinto tanta sua falta...

- O que tínhamos parecia ser tão especial. – Confessei, lembrando-me do modo como a descrevia em meu diário – Eu sei que te amava.

- Não me ama mais? – Indagou com a voz chorosa.

- Não me lembro, não mesmo, mas você é tão apaixonante... – Corri meus dedos por seu queixo – Seus sorrisos são lindos, sua risada, seus olhares... O modo como fala, como se move... Não sei o que sinto, mas toda vez que te vejo sinto meu estomago revirar.

A boca dela buscou a minha em um simples e singelo selinho.

- Eu vou fazer você me amar. – Sussurrou, segurando meu rosto – Eu prometo.

- Vai mesmo me dar essa chance?

POV Bella

Sorri, sentindo meu coração disparar e mais lágrimas escaparem de meus olhos.

- Eu disse que sempre estaria te esperando. – Olhei para Edward que tinha os olhos vermelhos, a testa franzida e uma expressão de confusão e dor. Ele havia chegado atordoado e até eu entender o que tentava me explicar... Balancei a cabeça, voltando a abraçá-lo com força, deixando um soluço escapar por meus lábios. – Emmett vai me matar.

Comentei entre lágrimas.

- Por quê?

- Por estar te aceitando de volta. O cara que tanto me fez sofrer a anos atrás e novamente – Dei de ombros, beijando seu pescoço – Mas como eu te disse, quem ama perdoa, e eu te amo muito, muito mesmo, a ponto de tentar esquecer que já beijou outra mulher... Mesmo que você tivesse me traído eu te perdoaria. Te amo o suficiente para esquecer tudo. Eu poderia muito bem te mandar embora daqui e nunca mais voltar – Edward me olhou confuso, sem saber o que dizer. – Só que a vida é curta demais para ficar guardando rancores, não é? Porque não tentar voltar tudo como antes ao invés de ficar chorando por ai, pelo que aconteceu, vivendo infeliz... Você não teve culpa, apesar de ter sido burro o suficiente para acreditar em uma mulher que nem se lembrava. – O empurrei, socando seu peito com força – Seu idiota! Estúpido!

Logo o puxei pela gola da camisa, o beijando devagar.

Eu precisava perdoá-lo... Eu não saberia viver sem ele, meus filhos precisavam dele... Nosso bebê recém descoberto precisaria dele, assim como eu.

Suas mãos abraçaram minha cintura, puxando-me contra seu corpo.

- Eu vou fazer por valer essa sua confiança. – Sussurrou contra minha boca – Nunca mais irei te magoar.

- Não mesmo, ou sou eu quem irá te matar. – Agarrei seus cabelos, voltando a colar minha boca na sua, deixando a ponta da minha língua deslizar por seus lábios, entrelaçando-se com a dele. – Eu sonhei com isso durante todas as noites em que me deitei em nossa cama. – Corri minha mão por sua barriga, erguendo sua camisa. – Deus... Como sinto sua falta!

- Você tem um gosto tão bom, é viciante.

- Espere. – O empurrei – Preciso te contar algo.

- O que?

- Eu estou grávida. – Disparei, vendo-o arregalar os olhos e descê-los para minha barriga. – E antes que você diga alguma bobagem, sim esse bebê é seu...

- Mas... Nós... Como?!


Um comentário:

Anônimo disse...

Ameei a reconciliação, está certo que edward realmente tem quer sofrer mais e crescer, para poder aprender a enfrentar as consequencias dos seus atos. Mas a Bella não precisa mudar o jeito dela para isso, até acho que Edward vai sofrer bem mais porque ela o perdoou tão fácil, ela sempre foi assim, mesmo sem realmente perdoar ele, ela prefere o ter perto...
Edward vai aprender isso do jeito ruim, pela culpa, pelo arrenpedimento, e talvez quando ele ter a memória de volta (seraaa que ele vai ter???) ele vai amadurecer à força.
Estou amando o rumo da fic, edward merecia mesmo mais uma dose de sofrimento desde de im sorry.

Postar um comentário