Bem vindos ao Fanfics da Cah. Sou Camila Cocenza, futura garota de programa! E não, não é o que estão pensando, apenas pretendo cursar Engenharia da Computação. Para mais informações: cahcocenza@hotmail.com

16/09/2011

Fire - Parte II

N/A: Segunda atualização de Hoje o/ Aproveitem

Ah, algum dia não to prometendo nada, eu disse ALGUM DIA trago o bônus de Fire (:

POV Bella

- Droga! – Peguei meu hobby e desci as escadas correndo.

Por Deus, quem seria uma hora dessas?!

Desci as escadas o mais rápido possível, com medo da pessoa usar a campainha novamente e acordar Anthony.

Assim que alcancei a maçaneta, a destranquei e abri a porta. Fiquei parada, sem reação, enquanto olhava para o homem ali.


Por reflexo, fechei a porta e dei um passo para trás.

Deus... Não podia ser real, ou podia?!

Sim, sim! Era meu Edward!

- Oh... – Abri a porta novamente, mas ele já não estava mais ali. – EDWARD! – Corri, descalça, pelo meu pequeno jardim e o avistei há alguns metros de distancia de mim. Ele se virou, e eu disparei em sua direção, alcançando-o rapidamente e jogando-me em seus braços – Oh, meu amor...

- Bells...

Fechei os olhos, aspirando seu cheiro e apreciando o calor do seu corpo tão perto ao meu.

- Edward, Edward, Edward... – Choraminguei, contra seu pescoço, mas logo me afastei, socando-o – EDWARD!

- Ai. – Ele se desvencilhou, alisando o braço – Porque está me batendo?

- Porque estou te batendo?! – Passei a mão por meus cabelos, andando de um lado para o outro. – Seu idiota! O que você tem na cabeça? Onde esteve por todo esse tempo? Seu inútil, seu... Seu desgraçado.

Voltei a abraçá-lo, fechando meus braços ao redor de sua cintura.

- Me desculpa...

Não respondi. Ergui minha cabeça e toquei seu rosto. Só agora havia percebido que havia uma pequena mascara branca tampando o lado esquerdo de seu rosto. Eu estava prestes a perguntar o porquê daquilo, mas um carro passou na rua e tinha alguns garotos dentro.

- Ei tia, você é gostosa...

- Vem dar uma voltinha com a gente, vem...

- Idiotas... – Edward murmurou, segurando minha mão e me puxando em direção a porta de casa. Assim que entramos ele fechou a porta. – Qual o seu problema Isabella? Porque saiu vestida dessa maneira e...

Antes que ele terminasse de falar, voltei a abraçá-lo e colei nossos lábios. Tentei beijar, mas aquela proteção atrapalhava, quando coloquei minha mão nela Edward me empurrou devagar.

- O que...

- Não. – Ele suspirou – Você não precisa ver isso.

- Mas...

- Bella, não vim aqui para discutir contigo. – Passou a mão pelos cabelos. – Eu só precisava saber como você estava.

- Como acha que estou? – Suspirei, virando o rosto – Meu marido some sem dar explicações, não liga, não dá sinal de vida...

- Me perdoe, eu só... Você não merece viver ao lado de um homem como eu.

- Como você? – Rolei os olhos – Não acha que quem tem que decidir isso é eu?

- Sim, mas... Eu só tomei a iniciativa, te poupando.

- Você sempre foi tão idiota! – Encostei minha testa na dele, enquanto voltava a chorar – Não quero discutir, não agora. Estou com tantas saudades...

- Bells, eu...

- Shhh.

Voltei a colar minha boca na dele. Suspirei, sentindo todo meu corpo se arrepiar enquanto meus dedos enroscavam-se em seus cabelos.

Os braços de Edward fecharam-se ao redor de minha cintura, puxando-me para mais perto de seu corpo. Sua língua enroscou-se na minha de forma deliciosa e provocante. Nos beijamos com ardor, sem nos preocupar com o ar, tentando recuperar todo o tempo sem nos tocar.

Ele girou meu corpo, prendendo-me entre o seu e a parede. Sua mão agarrou minha coxa, colocando-a em sua cintura.

- Edward... – Gemi, enfiando minhas mãos dentro de sua camisa, erguendo-a e retirando-a de seu corpo. Suspirei, deslizando minha mão por seu tórax. Ele estava mais malhado do que antes. – Deus, que saudades...

- Eu também estou com saudades princesa.

Em um movimento rápido movimento dele, eu já estava em seu colo, sendo carregada pela sala, pelas escadas, até chegar ao meu quarto, nosso quarto.



POV Edward

Eu beijei a mulher dos meus sonhos e da minha vida, como nunca beijei antes. Levantei-a no colo e a envolvi com meus braços, levando-a para nosso quarto, explorando cada milímetro de sua boca, de seus lábios, de sua língua. Senti suas lágrimas se misturarem à saliva. Eu era completamente apaixonado, alucinado e obcecado por ela.

- Você quase me matou, Edward. 

- Me perdoe. P- Encostei nossas testas. - Pode deixar, isso nunca mais irá se repetir. Não consigo viver sem ter você.

Ela sorriu o sorriso mais lindo do mundo. Bella passava os dedos pelos meus cabelos, descendo para meu rosto. Abri a porta do quarto e para minha total surpresa tudo estava como antes.

Caminhei até a cama, deitando-a ali.  Suspirei no seu pescoço e deixei minha boca colar ali. Seus pêlos arrepiaram e eu passei a língua bem superficialmente por eles, arrepiando mais ainda.

Escorreguei meus dedos pelo ombro dela e desci até os seios, brincando por cima da blusa.

- Edward...

Ela começava a reagir.

- Estou precisando tanto de seu calor, Bella... – Sussurrei no seu ouvido. 

Ela fechou os olhos e deixou a cabeça cair. Beijei sua testa, seus olhos, seu nariz, seu queixo.

- Continuo, amor? 

- Uhum.

Bella sorriu de olhos fechados e passou os braços ao redor do meu pescoço. Beijei de leve sua boca, que se abriu um pouco. Beijei seus lábios devagar, um por um. Beijei agora de língua, ela me apertando com os braços, deixei meu corpo pesar sobre o dela.

Tirei lentamente nossas roupas e beijei seus seios.

- Está mais linda do que antes...

Subi alcançando seus lábios, apertando-a em minhas mãos, sentindo seu corpo quente contra o meu.

- Eu não era linda?

Sorri, segurando suas pernas e colocando-as ao redor de minha cintura.

- Você sempre foi linda, eu é que já não s...

- Shhh! – Sua mão tapou minha boca – Vem, me ama. – Assenti. Segurei meu membro e o guiei para sua entrada. – Edward?

- Sim?

- Pode... ir devagar?

Beijei sua boca, enquanto soltava meu peso sobre ela, pedindo passagem com meu membro em sua pequena passagem.

- Deus... – Gemi contra seus lábios, sentindo-a me apertar.

Fechei os olhos começando a me mover lentamente dentro dela. Logo, abri os olhos para ver sua reação. Bella estava mordendo os lábios, com as bochechas coradas e os olhos rolando devagar.

- Geme meu nome princesa.

- Ed...

- Isso, de novo, vai.

Ela fez o que eu pedi. Desloquei meu quadril, aumentando um pouco mais a velocidade de minhas estocadas. Eu estava me segurando para não me afundar com força dentro dela, mas isso a machucaria.

- Como senti falta... disso. – Suas unhas afundaram-se em meus ombros – Mais rápido, por favor...

Calei sua boca com a minha, deixando nossas línguas brincarem uma com a outra, enquanto eu lançava meu quadril com mais força e precisão.

O quarto estava preenchido por nossos gemidos abafados. O nosso suor já se misturava, exalando aquele cheiro maravilhoso... O nosso cheiro. Mordi sua boca, sentindo seu centro me apertar, levando-me a loucura

- Bella...

- Eu vou...

Suas pernas se apertaram ao redor de minha cintura, e pequenos espasmos denunciaram que ela estava chegando a seu ponto máximo, e eu a acompanhei, liberando-me dentro dela. Deixei meu corpo tombar sobre o dela, abraçando-a com força.

Fiquei parado, ali, ouvindo seu coração disparado, mas me afastei quando ouvi seu choro. Rolei para o lado e a trouxe para cima do meu peito.

- Não chore...

- Não me deixe mais.

- Eu não vou. – Alisei suas costas – Estarei ao seu lado até o dia que você não me quiser mais.

- Pare de dizer bobagens! Eu te quero pra sempre... Sempre quis. – Seu rosto saiu do meu peito e aproximou-se do meu – Como pode pensar que eu não poderia te querer mais apenas por causa do seu rosto. – Sua mão alisou a minha mascara branca – Eu te amo pelo que você é... Pela maneira que você me trata, todo carinho e amor...

- Mas aquele dia. – Virei o rosto, evitando olhá-la – No dia que você foi me ver no hospital, você teve nojo de mim...

- Não. – Ela riu chorando – Não senti nojo de você, eu apenas estava... Nervosa.

- Você não precisa mentir, eu mesmo tenho nojo de mim quando me olho no espelho.

Bella bufou, levantando-se e vestindo seu Hobby.

- Vista-se, tenho que te mostrar algo.

Sentei-me na cama e vesti minha cueca que ela jogou para mim.

- Onde vamos? – Indaguei, saindo do quarto com ela.

- Shhh, fale baixo.

Bella capturou minha mão e me arrastou pelo corredor, parando enfrente a uma porta azul bebê.

- O que...

- Vem, entre.

POV Bella

Edward estava parado próximo ao berço de Anthony, olhando nosso pequeno.

- Eu... Eu...

  Fiquei surpresa quando ele virou-se e saiu do quarto. Fui atrás dele, encontrando-o encostado na parede.

- Edward.

- Um filho! – Sussurrou ele, entre lágrimas – Nós temos um filho.

- Sim, um lindo menino. – O abracei, beijando sua bochecha que não estava coberta pela mascara.

- Não acredito que perdi isso... – Seus braços enlaçaram-me – Não acredito que não estive ao seu lado para acompanhar tudo.

- Sh... – Segurei seu rosto em minhas mãos. – Mas você está aqui agora, é isso o que importa.

Edward sorriu, rindo baixinho.

- Um filho, nós temos um filho!

- Sim amor, um meninão lindo, como o pai dele.

Ele me ergueu no ar, girando-me.

- Eu já o amo tanto.

Sorri, beijando seus lábios.

- Vem conhecer melhor Anthony.

- Anthony? – Arqueou as sobrancelhas, sorrindo torto.

- Sim, quando descobri que era menino me lembrei das conversas que tínhamos. Era esse o nome que você queria caso tivéssemos um menino quando eu engravidasse.

- É.

Voltamos para dentro do quarto.

- Quer pega-lo? – Indaguei.

- Ele... Ele pode acordar.

- Nosso menino é um amor, não acorda nem que a casa caia. – Me aproximei do berço, pegando meu pequeno. – Oi meu amorzinho...

Meu bebê se remexeu em meus braços, resmungando baixinho.

- Ele... é tão pequeno.

- Sério? Eu acho que ele está enorme.

Edward sorriu, aproximando-se. Passei Anthony para seus braços, e ri baixinho, vendo-o segurar o filho todo desengonçado. Ele inclinou-se, colando seus lábios na bochecha de Thony.

- Ele é lindo.

- Bom. – Mordi os lábios, abraçando-os. – Sempre fomos bem... Intensos, não poderia sair outra coisa, principalmente quando o pai é você.

- Mentirosa como sempre Bells. – Sorriu torto.

- Acho que está na hora de irmos deitar.

- Sim, estou cansado e... Hm... Com um pouco de fome.

- Oh... – Cruzei os braços – Porque não me disse antes? Coloque Anthony no berço, vou preparar algo para você.

POV Edward

Assim que Bella saiu do quarto coloquei o pequeno garoto no berço e fiquei ali, apoiado na grande admirando-o. Estava um pouco escuro o quarto, mas eu podia muito bem ver seus cabelos castanhos e suas bochechinhas gorduchas. Era meu filho, com Bella.

Sorri alisando seus cabelos e sai do quarto, fechando a porta devagar.

Desci as escadas observando a casa que não havia mudado muita coisa, apenas a TV era nova, as cortinas e sobre os armários havia diversas fotos minha e de Bella, e dela com Anthony.

Fui tão idiota... Bella realmente me amava não pelo meu físico, mas por quem realmente sou... Não acredito que perdi todo esse tempo longe do meu filho de dela.

Caminhei para a cozinha e a encontrei mexendo na geladeira. Me encostei na parede, observando-a.

- Quantos meses Anthony esta?

Ela deu um pulo, assustando-se.

- Edward! – Bella riu, levando a mão ao peito – 8 meses.

Fiz as contas mentalmente.

- Então você engravidou antes... Antes...

- Sim. – Ela mordeu os lábios, da mesma maneira de sempre, fechou a geladeira e veio até mim – Eu ia te contar um dia antes do seu acidente, mas resolvi esperar até domingo, já que sempre almoçávamos na casa dos seus pais, eu contaria para você e para todos, mas depois do que te aconteceu... – Bells fechou os olhos – Eu pensei que fosse perder nosso bebê, eu passei mal e... Bom, e depois Carlisle não me deixou te ver e me afastou do hospital.

- Oh... – Enlacei sua cintura – Eu tinha uma idéia totalmente diferente.

- Eu até imagino o que se passou por sua cabeça. – Torceu os lábios, rolando os olhos – Eu já disse que você é idiota?

- Sim. – Sorri – Concordo plenamente contigo.

- Pois é, agora vem comer. – Ela me puxou até a mesa, onde tinha um prato com alguns sanduíches. Minha barriga roncou.

Droga. Fazia muito tempo que eu não comia coisas “boas”.

Enquanto eu devorava os lanches Bella, me olhava e me colocava a par de tudo o que aconteceu nesse tempo que estive longe. Fiquei super deprimido ao saber sobre minha mãe.

- É tudo culpa minha. – Suspirei, encostando-me na cadeira – E como ela está agora?

- Ela ainda toma remédios para a depressão, mas depois que Anthony nasceu às coisas melhorou um pouco. Vamos lá todos os dias. Carlisle diz que o único momento que ela sorri é quando está com nosso filho.

Passei a mão por meus cabelos, suspirando.

- Amanhã quero vê-la.

- Sem duvida. – Bells riu, vindo se sentar em meu colo – Se eu não vou levo Anthony até ela, ela vem até nós. Agora vamos deitar, estou cansada.

- Eu também.

Eu a ajudei a lavar a pouca louça que sujei e subimos para o quarto. Enquanto Bella ia ao banheiro me deitei na cama, sentindo o alivio de estar em casa.

Tirei minha mascara, passando a mão em meu rosto que estava coçando. Droga, aquele material estava me dando coceira.

Antes que Bella voltasse do banheiro eu voltei a colocá-la. Ela saiu, e logo estávamos abraçadinhos. Era maravilhoso ter a mulher da minha vida deitada com a cabeça nos meus braços.

Eu brincava com uma mecha dos seus cabelos, enrolando-a no dedo.

Ela me beijou no peito e apoiou o queixo na minha pele. Eu contemplei seus olhos cor de chocolate brilhando.

Parei de respirar quando senti algo em meu pé...

- Bella tem... Tem algo no meu pé.

- Acho que já sei quem é... – Ela riu.

- Como assim “quem é”?

- Psiusiusiusiusiu...

Franzi a testa ouvindo o ronronar se aproximando.

- Desde quando temos um gato?

- Presente do seu irmão – Bella sorriu, puxando um enorme gato branco para cima do seu corpo. – Ele me deu de presente de aniversário, disse que eu precisava de uma companhia...

- Hmmm, acho que ela não gosta de mim. – Apontei para o bichano, que me olhava de um jeito estranho.

- Não é ela amor, é ele.

- Agora entendi o motivo. – Suspirei, encarando o animal que tentava roubar minha mulher de mim - Bella jogue-o no chão.

- Amor, desde pequeno Eddie dorme na cama comigo.

- Ed...Eddie?

Ela riu, levantando-se e levando o gato até o sofá, deitando-o ali.

- Sim. Eddie. Gostou? Seu irmão que escolheu.

- Pudera! – Rolei os olhos, abrindo os braços para que ela se aconchegasse ali. Bella riu, beijando-me daquele jeito apaixonado.

- Vamos fazer amor novamente? – Ela pediu, colocando-se sobre mim e agarrando meus cabelos. – Você está cansado?

- Sempre cheguei cansado do quartel e isso nunca me impediu de apagar seu fogo.

Ela gargalhou, mordendo meu queixo.

- Sua mulher esteve em chamas por todo esse tempo e você não estava aqui... Que bombeiro imprestável você é.

- Me desculpa. – Sorri, alisando suas costas – Mas eu posso fazer o trabalho agora.

- Oh, sim, você vai, mas...

- Mas?

- Você vai tirar essa mascara.

- Bella, não. – Bufei.

- Vamos fazer o seguinte. Eu desligo o abajur, assim não vou ver o que você quer tanto esconder. – Rolou os olhos, como se eu fosse bobo. – Vamos, isso ai deve estar te irritando.

Nisso ela tinha razão.

- Promete mesmo não olhar?

- Prometo.

- Tudo bem. – Suspirei. – Apague a luz.

- Ok! – Ela mordeu os lábios, entusiasmada por ter conseguido.

Assim que o quarto ficou completamente escuro retirei minha mascara, colocando-a no chão, ao lado da cama. Logo senti o corpo de Bella voltando a pesar sobre o meu.

Seus lábios escorregaram por meu rosto marcado pelo fogo.

- Eu amo você do jeito que você é, juro que não ligaria caso um dia, Deus me livre, você ficasse, mudo, cego ou perdesse algum membro do seu corpo. Eu te amo... E quando uma pessoa ama de verdade ela está ao lado da outra pessoa no que der e vier. E eu estou aqui amor, ao seu lado. – Sua boca encontrou a minha, e ela sussurrou – Quando você se sentir confiante para deixar eu te ver sem essa mascara me diga. Não vou te pressionar, mas só quero deixar bem claro que nada vai fazer mudar o que sinto por você.

Girei na cama, subindo sobre seu corpo e beijando os lábios da mulher mais incrível que já conheci.

Como fui idiota! Perdi tanto tempo chorando, pensando que ela me desprezaria...

[...]

Abri meus olhos, acostumando-me com a luz que entrava no quarto. Suspirei, sem conseguir conter um sorriso.

Há muito tempo eu não acordava tão bem e tão feliz como hoje. Apertei meus braços ao redor da cintura de Bella e coloquei meu rosto em seus cabelos, aspirando seu cheiro maravilhoso.

Havíamos feito amor à noite toda e depois dormimos assim, de conchinha.

 - Eu te amo princesa. – Beijei seu ombro nu. Retirei meu braço de sua cintura e me despreguicei, esticando meu corpo na cama.

Franzi a testa ao ouvir o pequeno ruído que vinha da babá eletrônica. Um resmungo baixinho soou e eu pulei da cama, quase caindo.

Rapidamente coloquei minha boxer e caminhei até o closet, abrindo-o devagar. Encontrei algumas calças de moletom minhas ali e coloquei uma.

Antes de sair do quarto voltei até a cama, beijei a boca de Bella, peguei minha mascara e sai do quarto. No corredor eu a coloquei e ponderei antes de entrar no quarto de Anthony.

E se ele se assustasse? Afinal, não é todo dia que um bebê acorda e vê um homem mascarado entrando em seu quarto.

Seu choro começou a ficar mais alto. Entrei no quarto chamando a atenção dele para mim assim que abri a porta. Meu pequeno garoto estava de pé dentro do berço, me olhando curioso.

- Oi. – Acenei para ele, fazendo-o franzir a testinha. – Não precisa chorar ok? Não sou o boi da cara preta nem  o bicho papão... – Suspirei, aproximando-me dele – Sou seu papai.

- Ah! – Ele soltou um gritinho, e eu dei um passo para trás, fazendo-o rir.

- Sua mãe já deve ter falado de mim para você, não é?

O menino se sentou dentro do berço e pegou algo. Aproximei-me mais, vendo-o brincar com um carrinho prata sorrindo.

POV Bella

Acordei confusa, ouvindo gargalhadas da babá eletrônica.

Sentei-me na cama confusa, lembrando-me de tudo o que aconteceu na noite passada. Suspirei, prendendo meus cabelos e voltando a me deitar na cama.

Puxei a babá eletrônica para cima da cama e sorri, ouvindo os gritinhos do meu bebê. Ele estava feliz.

Anthony devia ter acordado cedo e Edward ouviu.

Me levantei da cama, procurando minha camisola e colocando-a.

Sai do quarto e entrei no de Anthony, vendo a cena que um dia ousei pensar que nunca veria.

Edward estava sentado na cama que havia ali no canto do quarto, com as costas encostada na cabeceira. Nosso pequeno estava em seu colo, agarrado aos seus cabelos rindo.

Edward sorriu assim que me viu. Os olhos falando por si, a cor mais linda do mundo.

- Como assim? Estão brincando e nem me acordaram?

Anthony virou-se para me olhar e também sorriu.

- Bom dia. – Edward deu espaço para que eu me sentasse ao seu lado.

- Bom dia meus amores. – Beijei a testa de Anthony e os lábios de Edward. Logo depois voltei a olhar para meu filho, que tinha o carrinho prateado em mãos – Já ouviu ele falando Edward?

- Não. Ele já fala?

Torci os lábios assentindo.

- Diz para o papai filho. O que é isso ai... – Toquei o carrinho.

- BIBI!

 Meu marido riu, fascinado.

- Que garoto esperto! O que mais sabe falar?

- Filho, qual é o nome do nanau?

- dieeeee

- Oh, até o Eddie já faz parte de seu vocabulário! – Meu marido mordeu os lábios – Fale mais para o papai.

- Ele não sabe mais. – Expliquei, deitando minha cabeça em seu ombro – Sabe como é triste ver o cabeção te rasgou toda saber o nome do gato e não falar mamãe?

- Hm, isso deve ser triste.

- Muito triste.

- Bom, o legal vai ser quando ele disser papai.

- Depois de mamãe. – Completei.

- Não vamos discutir sobre isso não é Bells?

Suspirei, dando de ombros.

- Não. – Neguei, alisando seu rosto. – Eu te amo.

- Eu também te amo, muito. – Sorriu – E dessa vez não vou fazer mais nenhuma burrada. Quero curtir você e nosso filho.

- Sim, meu mascarado. – Pisquei, fazendo-o torcer os lábios.

- Não me chame assim princesa.

- Por quê? – Sorri aproximando meus lábios de seu ouvido. – Sabe o que eu descobri ontem?

- Não. O que?

- Tenho fetiche por homens mascarados.

Ele gargalhou, fazendo Anthony – mesmo sem saber o motivo ou entender – gargalhar também. Eu os acompanhei.

Agora em diante, poderíamos recuperar esse um ano e oito meses perdidos. E apenas de toda dificuldade que encontraríamos pela frente, se estivermos juntos, tudo vai ser superado.

“A beleza nunca é, e nunca deve ser o ponto mais importante numa relação.
Muitos vêem a beleza exterior, mas a verdadeira beleza está dentro de cada um de nós. A beleza não está no corpo ou no rosto, onde muitos procuram, mas sim na alma onde poucos encontram.”
(Autor Desconhecido)

8 comentários:

evelyn caroline disse...

Aiii que lindoo! Ficou perfeito, Cah. Adorei muito esse capítulo, realmente emocionante. Por favor, não demore a postar o bônus :´)

Izah disse...

ADOREEEI :)
Quanta bobebira do Ed eiin

Tina Cullen Fanfics disse...

AMEI!!!!! foi lindo! ainda bem q ele entendeu, agora da forma correta.....tomara q tenha mesmo um bonus.....

Anônimo disse...

Ohhhh....
Esse final foi lindo!
Até que fim esses dois tão juntos! *-*

Gabrielly disse...

lindo!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!
ahhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhh
rsr
o cap esta otimo!
e... a proposito... me desculpe por naum ter commentado ultimamente mas... eu ando viajando muito mas assim q posso eu comento... então vc vai ter q me perdoar qando eu naum comentar..
rsrsrsrs
bjs!!!!!!!!
Gabi

Anônimo disse...

Adorei,gostaria que postasse no bonus o encontro do Edward e a Esme.

Julia disse...

Cah, deu ruim aqui na Fire porque a partir de(Em um movimento rápido movimento dele, eu já estava em seu colo, sendo carregada pela sala, pelas escadas, até chegar ao meu quarto, nosso quarto.)não ta dando mas pra ler. As palavras simplesmente SOMEM!

Camila Cocenza disse...

OMG, verdae, obrigada por avisar, vou arrumar ^^

Postar um comentário