Bem vindos ao Fanfics da Cah. Sou Camila Cocenza, futura garota de programa! E não, não é o que estão pensando, apenas pretendo cursar Engenharia da Computação. Para mais informações: cahcocenza@hotmail.com

16/09/2011

Don't Forget For Me - Capitulo 6

N/A: Como  eu disse hoje no Nyah...

Eu sei, nem adianta mais pedir desculpas. Sei que estou pisando na bola e demorando para atualizar minhas fanfics, mas as coisas andam tão corridas em minha vida. 

Acordo as 6:30 todos os dias e vou para meu curso em uma empresa daqui, fico lá até as 14:30 e quando chego em casa já é 15:00 das 15:00 as 18:00 muitas vezes tenho que preparar trabalhos, estudar pra prova e apresentações... Quase não tenho tempo para escrever. Das 18:00 as 22:00 tenho escola.

Espero que compreendam ''/ Fora tudo isso mês que vêm tem ENEM, e eu estou estudando muitooo.

Bom, lá no final do capitulo vou propor algo a vocês.


Capitulo 6

>POV Edward


Eu já estava acordado há algum tempo, mas continuava na cama, encarando no teto branco. Era tão frustrante ficar tentando pensar em alguma coisa quando você não tem nada para pensar... E mais frustrante ainda quando se tenta lembrar-se de algo e não consegue... Em minha memória há um enorme buraco, onde informações estavam apagadas.

Às vezes, eu tentava puxar de minhas memórias algumas lembranças, coisas simples como momentos da minha infância, o nome da minha primeira namorada ou até mesmo como conheci Tânya... Mas nada, nada vinha em minha mente e tudo isso só me dava uma puta dor de cabeça.

Eu tinha poucas informações sobre mim, só sei que tenho 25 anos, sou médico e... Só. O meu médico me disse que aos poucos minha memória voltaria e que eu não devia ficar forçando muito.

Olhei para o lado e observei Tânya dormindo.

Há uma semana atrás, quando acordei do coma e a vi ao lado de minha cama foi a coisa mais estranha que me aconteceu – claro, já que não me lembro de outras coisas estranhas que me ocorreram. No inicio foi difícil dividir o mesmo quarto com ela, mas aos poucos fui percebendo o quão incrível e linda ela era. Sério, não quero me gabar, mas eu soube escolher muito bem minha namorada.

Mas sabe quando algo não bate? Tânya podia ser exuberante, mas não parecia fazer meu tipo. É, eu sei... Como posso dizer uma coisa dessas se eu nem seu meu tipo?!

- Edward... – Ela abriu os olhos, despreguiçando. – O que faz acordado tão cedo?

- Não sei. – Dei de ombros tentando sorrir. – Eu sempre acordo cedo, deve ser um costume.

- Hmmm... – Tânya resmungou, arrastando-se para mais perto de mim e deitando a cabeça em meu peito.

Fiquei parado, sem me mexer. Apesar de saber que ela era minha namorada e tudo mais... Era tão estranho abraçá-la... Ela... Ela era tão... Desconhecida para mim.

- Vou tomar um banho. – Rapidamente sai da cama e me dirigi para o banheiro.

Talvez, com o tempo eu me lembrasse de tudo e as coisas voltariam a ser normais.

POV Bella

- Meu anjo, você precisa se alimentar. – Alisei os cabelos de Margareth.

- Não to com fome. – Ela apoiou o rosto na palma da mão.

Anthony deu um gritinho e esticou o pequeno bracinho, dando o pedaço de miolo de pão que comia para Meg.

- Não quero Thony, obrigada.

Meu bebê sorriu e voltou a enfiar o pão na boca. Suspirei sentando-me ao lado de Meg, puxando-a para mais perto de mim.

- Tem certeza que não quer comer querida?

- Não quero mãe.

- Ok. – Beijei sua testa – Pegue sua mochila, vou terminar de dar café ao seu irmão e já vou te levar para a escola.

- Ta bom.

Ela me deu um beijo em minha bochecha e pulou da cadeira, arrastando-se para a escada. Voltei a olhar para Anthony, que se divertia com seu pão. Eu agradecia tanto por ele ser pequeno e não entender muito bem as coisas. Claro que eu percebi que ele sentiu a ausência de Edward, mas era fácil distraí-lo.

- Porquinho... – Peguei uma frauda e limpei sua boca suja, fazendo-o rir novamente. – Não sei o que seria de mim sem você e sua irmã.

Logo, estávamos nós três no carro. Meg e Anthony no banco de trás e eu dirigindo rumo à escola dela.

- A senhora vem me buscar?

- Sim princesa, estarei aqui.

- Não me chame de princesa. – Pediu, me surpreendendo. Estacionei meu carro enfrente a escola, retirei meu cinto e virei para trás vendo-a com a cabeça encostada na janela e os pequenos olhinhos fechados. – Papai me chamava assim...

- Me desculpe. – Pedi.

- Tchau, amo você.

Meg me beijo e saiu do carro, caminhando para dentro da escola. Fiquei ali até que ela estivesse para dento, e quando isso aconteceu liguei o carro de dirigi de volta para casa dos meus sogros. Esme já estava acordada, assim como Carlisle, que estava pronto para sair.

- Foi levar Margareth querida?

- Sim Esme. – Dei um meio sorriso a ela, enquanto me sentava no sofá.

- E você garotão, já tomou café? – Carlisle se sentou ao meu lado, puxando Anthony para seu colo.

- Sim vovô, ele já tomou.

- Percebi... – Sorriu meu sogro – Está mais pesadão.

Meu filho riu, agarrando os cabelos loiros de Carlisle. Fiquei observando os dois brincarem, mas logo tive que desgarrá-lo do avô que tinha que ir trabalhar.

- O vovô volta para brincar com você no almoço. – Beijou a testa de Anthony e a minha, levantou-se e foi até Esme. – Tchau amor, até o almoço.

Os dois trocaram um abraço carinhoso e um selinho.

Senti inveja de Esme...  Eu não teria mais esses momentos, como acordar e ter Edward ao meu lado, de sair sabendo que ele estaria ali quando eu voltasse ou até mesmo chegar em casa e vê-lo sorrindo para mim daquela maneira encantadora. Eu não poderia mais me agarrar a ele a noite depois de ter feito amor e dormir ouvindo-o dizer que me ama, porque ele já não estava mais aqui... Agora, eu sairia e não o teria me esperando, eu chegaria e não teria seus beijos... Eu dormiria sozinha... Sem seu calor, sem seus braços, sem seu amor.

POV Edward

Caminhei pela cozinha do apartamento, mexendo minha xícara de café com uma pequena colher, dissolvendo o açúcar.

- Podemos fazer alguma coisa diferente hoje, tipo... Sei lá, passear no parque, ir ao shopping...

Me sentei a mesa junto com Tânya.

- Não sei, estou com um pouco de dor de cabeça. – Alisei minha testa.

- Já tomou seus remédios?!

- Sim. – Dei de ombros – Mas essa dor não passa.

Beberiquei meu café e franzi a testa. Uma coisa não havia se passado por minha cabeça antes e Tânya não havia falado nada também.

- Algum problema Edward? – Ela veio até mim, quando a xícara escorregou da minha mão.

- Tânya... – Eu a olhei, confuso – Quem são meus pais?! Onde eles estão?! Eu tenho pais? Eles estão vivos? Eles sabem sobre mim? Eu... Eu...

- Calma! – Ela segurou meus ombros – Lembra-se o que o Dr. disse sobre ficar forçando sua memória?

- Mas eu preciso saber. – Me levantei, andando pela cozinha – Você não tem idéia de como é terrível não saber quem eu sou de verdade... Não sei de nada sobre mim...

- Não vamos conversar sobre isso agora. – Ela caminhou até o balcão, pegando um pano e torcendo-o. – Você não está em condições... São... São tantas coisas.

- Por favor. – Fui até ela, pegando sua mão – Por favor. Eu preciso saber de algo.

- Edward...

- Por favor.

Ela me olhou mordendo os lábios, e aquilo me arrepiou por algum motivo.

- Não sei se é uma boa hora para falarmos disso.

- Claro que é.

- Edward, não se trata apenas de você. Isso também envolve seus pais e... E sua família.

 - Como assim “Meus pais e minha família”? Meus pais não são minha família? – Rolei os olhos.

Tânya suspirou, olhando para os lados, constrangida.

- Quando digo “família”, me refiro a sua mulher e seus filhos.

- Ow! – Me assustei, quase caindo da cadeira, mas logo ri – Muito engraçada você, bobinha.

Ela suspirou, andando para o outro lado da cozinha, evitando me olhar.

- Não estou brincado. Você é casado e tem um filho, quero dizer, tem dois filhos, mas a garota é adotada.

- O... QUE?! – Pulei da cadeira, surpreso – Eu tenho filhos?! Porque não me disse isso antes? Eu... Eu... Ai! – Levei minha mão a minha têmpora, massageando-a. – Merda.

- Edward... – Ela veio até mim. – Eu disse que não deveríamos falar disso.

- Não falar disso? – Fechei os olhos, rindo irônico – Sobre meus filhos?! E... Minha mulher?

- Vou te contar tudo. – Puxou uma cadeira para se sentar em minha frente – Você é mesmo casado, com Isabella. Tem um filho com ela, um menino chamado Anthony e Margareth, a menina que adotaram.

- Porque estou aqui? – Suspirei cansado, sem saber o que dizer, o que fazer. – Eu deveria estar com ela não? Você e uma espécie de amante?

- Se acalme. Vou contar a você tudo.

Assenti.

[...]

Tirei meus olhos da tevê e fitei o teto. Aquilo estava me atormentando tanto...

Como pude ser tão cretino em trair a mãe do meu filho?! Tudo bem que Tânya havia me dito que foi uma decisão difícil para eu trair a tal Isabella. E pensar nisso, que eu trai a mãe do meu filho me deixava incomodo.

Tânya me contou tudo. Desde como nos conhecemos, que foi no hospital onde eu trabalhava, até minha decisão de me separar da minha mulher para ficar com ela, mas foi apenas decisão pois eu ainda não havia conversado com Isabella sobre o assunto.

- Droga... – Massageei minha têmpora, sentindo latejar.

Eu até podia entender o porquê de ter me encantado por Tânya, afinal, ela é linda, educada, prestativa e carinhosa, mas minha consciência estava pesada.

Merda, eu não conseguia nem se quer me lembrar da cara dessa tal de Isabella... Como ela seria? Bonita? Feia? Gorda? Magrela? E meu filho? Tânya havia me dito que ele apenas 8 meses... Devia ser a coisa mais linda do mundo.

Como eles estariam agora? Será que sabiam que eu estava vivo? Não... acho que não. E meu filho? Estaria sofrendo ou passando alguma necessidade?!

Eu queria ir atrás deles e “conhecê-lo”, mas estava envergonhado demais para encarar a mãe dele, minha... mulher. O que eu diria a ela? Que eu a traia? Ou eu simplesmente deveria continuar mentindo?

Isso não daria certo.

Agora, eu daria um novo inicio a minha vida, se antes eu já estava disposto a ficar com Tânya, essa era a oportunidade perfeita para que eu começasse isso. Eu iria contar a verdade a todos e assumir Tânya, meus filhos continuariam sendo meus filhos.

É, sim. Eu vou dar um novo rumo a minha vida, ao lado de Tânya.

N/A: Minha proposta é a seguinte... 

Que tal fazermos uma enquete aqui no blog, assim "A FIC DO MÊS", ai vou tentar postar pelo menos um capitulo a cada três dias nesse mês da fic vencedora... 
Bom, é uma boa opção não é?! (:

Comentem, capitulo pequenino mas muito importante, próximo capitulo Edward já encontra Bella e os Cullens, não vou enrolar muito... chega de novelas mexicanas.
AOPSKOPSAK

Tchau, tenho hoje, sabado e domingo pra atualizar todas minhas fanfics.

3 comentários:

Roberta disse...

Caah, como fez isso? A Tanya é uma horrorosa, mentirosa, cachorra, vagabunda. Coitado do Edward e da Bellinha e das crianças!
acho sua ideia interessante, esperando por mais

evelyn caroline disse...

Não, como assim???? Espero que quando ele e a Bella se encontrarem, ele consiga ter pelo menos flashs da verdade; Assim não tá certo não, pô! Tirando isso, tô amando a fic. Tá muito linda *-*

julicosta2010 disse...

oi caah,tô amando a fic mais essa maldade....nossa pegou pesado,ccoitadinhos!!! como faz pra votar eu voto nessa claro!!bj!!

Postar um comentário