Bem vindos ao Fanfics da Cah. Sou Camila Cocenza, futura garota de programa! E não, não é o que estão pensando, apenas pretendo cursar Engenharia da Computação. Para mais informações: cahcocenza@hotmail.com

18/05/2014

Deixe-me Te Amar - Capitulo 14

Capitulo 14


Edward piscou algumas vezes, abrindo os olhos por completo quando se acostumou com a luz do sol.  Olhou para a parede do teto branca, descendo os olhos pelo novo quarto em seguida. Ele, Isabel e Thony haviam se mudado há dias. Decidiu que o apartamento em que moravam antes seria de Anthony, mas o menino preferiu continuar na casa do pai durante alguns meses, sabia que tanto Isabel quanto Edward precisavam dele.

I feel so good today, I feel so good today.
(Eu me sinto tão bem hoje)

Edward não se moveu, estava com preguiça, além do mais podia sentir o peso das pernas e braços de Isabel que rodeavam seu corpo. Alisou uma coxa dela, bocejando e virando o rosto para admira-la, ainda ressonando tranquilamente.

Que bom olhar pro lado encontrar você
Depois de tantas chances perdidas
Quero esperar pelo amanhecer
Quero ver o sol refletindo em você

Seus cabelos loiros estavam armados e esparramados pelo travesseiro, aproximou o rosto do dela, pousando seu rosto ali para aspirar o cheiro delicioso que ela exalava.

Basta eu olhar pra você
Fica tudo em evidência.

A quem queria enganar? Por mais estranho e estúpido que parecesse, estava visivelmente apaixonado pela garota. Não sabia ao certo se o que sentia era mesmo paixão, nunca fora muito bom em lhe dar com sentimentos, mas sabia que era algo especial, adorava acordar pela manhã e vê-la dormindo, adorava mais ainda despertá-la com pequenos beijos e ser retribuído por com um grande sorriso.

I feel so good today, I feel so good today.
(Eu me sinto tão bem hoje)

Isabel se moveu, retirando as pernas de cima dele, o que o permitiu virar o corpo e abraça-la.

Com um pequeno sorriso correu a mão pela barriga dela.

A ficha ainda não tinha caído, mas em breve teria mais um filho.

Quando pensou que isso fosse possível?

Negou com a cabeça, sorrindo. Há 19 anos, quando Isabel nasceu, ele sabia de alguma forma que ela mudaria sua vida.

Corpos livres mentes perdidas,
Gente que ainda sonha com uma nova vida
Tudo é simples e calmo visto de cima
O mundo é grande, mas é só uma ilha.

Alisou o estomago dela que recém completou 16 semanas. De uma noite para outra Isabel havia acordado enorme.

Moveu a mão, subindo pela lateral do corpo pequeno até alcançar as bochechas e empurrar o cabelo loiro para trás da orelha. Os olhos da menina se abriram, logo em seguida veio o sorriso que Edward recebia todas as manhãs.

- Bom dia. – Ela sussurrou.

- Bom dia. – Piscou, alisando a bochecha dela.

Mas o que me interessa é você
Temos a nossa frequência.
That's why I love you so much oh girl I,  / É por isso que eu te amo tanto!  Oh garota
I can't live without your love,  / eu não posso viver sem o seu amor
Don't you never go, yeah  / Não, você nunca vai!

- Que horas são? – Indagou, se aproximando mais dele.

- Não passa das sete, mas estou ansioso. – Deu de ombros – Sua consulta é hoje. – Deu de ombros.

- Olha só bebê, papai realmente está ansioso para saber se você é um menininho ou uma menininha.

Edward riu, beijando a ponta do nariz dela.

- Não só por isso, mas quero saber se esta tudo bem. – Suspirou, se afastando para olhar nos olhos castanhos – Foi uma semana complicada e extressante, espero que não tenha afetado vocês.

Tente entender
Tente me fazer entender
Quero num dia mais lindo
Estar ao seu lado.

- Estamos bem. – A menina garantiu, dando de ombros – E você? Como está com tudo isso?

Isabel viu Edward dar de ombros com indiferença, mas sabia que no fundo tudo aquilo estava sendo um porre para ele.

Há 5 dias liberaram uma nota falando sobre parte do passado dele, sobre suas traições quando ainda era casado com Isabella e o pior, quando entregou sua mulher a outro homem.

Já havia tomado providencias. Apesar de nada ser inventado, ninguém tinha o direito de difama-lo assim, publicamente, já sabia também que havia sido Jennifer, já que na noite depois que fora na casa dos pais dele, contara a ela.

Obvio que uma jornalista se aproveitaria da situação para conseguir status e grana, ainda mais agora que estavam tanto criticando o relacionamento dele com Isabel.

O pior de tudo isso foi ver a decepção no rosto de Anthony. Edward já havia conversado com ele, mas nunca contou esse ocorrido, o filho não precisava saber quão monstro o pai era antes.

- Eu estou bem, eu acho. – Desviou os olhos rapidamente – Só estou com medo que me exponham mais... – Resmungou baixinho – Não quero que saibam o motivo pelo qual fiz tudo aquilo com Isabella.

- Ei, só sua família, eu, Jake e Anthony sabemos, ninguém vai contar isso. – Agora foi a vez da menina tocar o rosto dele, acariciando a barba por fazer. – Eles estão pegando pesado com tudo isso, principalmente agora que descobriram que estou grávida, tudo vai piorar, mas uma hora para.

- É o que eu espero. – Sorriu, pegando a mãozinha que estava em seu rosto e entrelaçando com a dele. – Conversou com Thony?

- Ele só está triste, mas disse que não consegue te odiar e que nunca desejaria poder te odiar.

- Me sinto péssimo, além de você, só tenho ele.

- Thony só precisa de um tempo para absorver tudo isso, deve estar sendo pesado para ele também.

- Eu sei – Edward assentiu – Droga, porque as coisas não podem ser mais fáceis? – Bufou – Sabe o que eu acho? Acho que devíamos viajar, ficar algumas semanas longe até a poeira baixar.

- Oh eu gosto de viajar. – Ela se sentou, animada. – Aonde vamos?

- Não sei, pode escolher se quiser. – Sorriu, sentando-se e puxando-a para seu colo.  – Agora vá tomar banho enquanto desço e preparo algo para nós.

- Hmmm... – Isabel gemeu, beijando o queixo dele – Panquecas?

- Posso pensar no seu caso.

Ela riu, dando mais um beijo na boca dele. Edward retribuiu, ajudando-a a se levantar e saindo em seguida do quarto.

Parou no corredor indo até o quarto de Anthony e abrindo a porta. O menino não estava lá, então, saiu e desceu as escadas, entrando na cozinha.

- Bom dia. – Cumprimentou o menino, ao vê-lo entornar um copo de suco.

- Bom dia pai. – Respondeu, sem olha-lo direito.

Edward suspirou, percebendo uma pitada de indiferença.

Anthony se sentia mal por trata-lo daquela maneira, mas não sabia explicar o que estava se passando por dentro de si. Sabia que o passado de seu pai foi sujo, que ele tratara muito mal sua mãe, que havia traído ela com várias mulheres, mas saber que ele foi capaz de deixar ela ser abusada por outro...

 Resmungou baixinho vendo a expressão tristonha do pai, que começava a separar alguns ingredientes que Anthony já sabia para o que seria.

Odiava vê-lo assim, sempre fora um ótimo pai criando-o sozinho.

Com um suspiro o menino se aproximou.

- Panquecas? – Indagou.

- Sim. – Edward deu um meio sorriso – As favoritas suas e de Isabel.

- Posso ajudar?

Edward piscou confuso, mas entendeu rapidamente o sorriso que o filho deu.

- Certo, você já sabe o que fazer, vamos preparar o café. – O . rapidamente juntou os ingredientes com a ajuda de Anthony, logo estavam levando a massa ao forno, Edward aproveitou para conversar. – Me desculpe por expor você assim com minhas burradas do passado, só quem sabia disso era Isabel e Jenniffer, a vadia se aproveitou da situação e vendeu a informação, não quer que sofra lá fora por algo que é culpa minha.

- Tudo bem pai, se você não me disse era para me poupar. – O garoto deu de ombros, com um meio sorriso – Obrigado, você sempre tenta fazer o que é melhor para mim.

Edward tocou o ombro do filho, puxando-o para um abraço em seguida.

- Sempre fiz tudo para você, a única coisa que não consegui foi trazer sua mãe de volta. – Confessou – Eu faria de tudo para poder voltar ao passado e concertar todas essas minhas idiotices, talvez Bella estivesse conosco agora.

Se afastaram, ainda olhando um para o outro. Anthony assentiu. Edward se virou, encontra Isabel parada na porta, com a cabeça baixa.

- Chegou a tempo, esta quase tudo pronto. – Falou para a menina, mas franziu a testa quando a viu assentir ainda sem olha-lo. – Está se sentindo bem?

- Sim. Eu só... – Mordeu os lábios, erguendo o rosto pela primeira vez, Edward viu os olhos dela vermelho – Eu só vou separar alguns documentos meus enquanto não terminam ainda.

Antes que ele respondesse, a garota saiu da mesma maneira que entrou.

- Gravidas. – Edward resmungou. Anthony riu.

- Acho que ela ficou enciumada. – O garoto afirmou – Deve ter escutado nossa conversa.

- Sim, mas o que... – Edward parou de falar, franzindo a testa. – Olhe as panquecas, vou subir e já volto.

Saiu da cozinha suspirando. Isabel devia ter ouvido o que ele falara a Anthony sobre voltar no passado para que Isabella pudesse estar com eles. Surpreendeu-se quando notou que havia dito aquilo sem a intenção de quer ela ali para ele, mas sim estar viva.

Abriu a porta do quarto e a encontrou sentada na cama, mexendo em sua bolsa enquanto resmungava baixinho, ele não conseguiu entender o que ela dizia.

- Isabel. – Pigarreou, fazendo a loira olha-lo. – Você ficou dessa maneira pelo que eu disse na cozinha?

Ela deu de ombros.

- Me desculpe pela cena. – Choramingou a ele. – Eu sei que você preferia que ela estivesse aqui, eu disse a mim mesma que me acostumaria em ser sua “segunda opção”, mas esses hormônios... – Algumas lágrimas deslizaram pela bochecha dela. – Me desculpe, por favor.

- Ei. – Edward se aproximou, sentando-se ao lado dela e limpando seu rosto – Você não é minha segunda opção – Confessou – Eu disse aquilo na cozinha, mas com o sentido de ela estar viva, entende? Eu mesmo me surpreendi quando pensei nela assim, só viva e não comigo. – Sorriu, vendo a pequena morder os lábios – Como você me disse aquele dia e eu concordei, Isabella sempre vai estar na minha vida, no meu coração, mas é um sentimento diferente agora, entende? Eu só queria ela viva para me livrar de toda essa culpa, de ter feito meu filho crescer sem a presença dela... – Puxou o ar, dando de ombros – Não posso dizer que estaria ou não com ela caso tudo aquilo não tivesse ocorrido. Não posso dizer que estaria com você hoje. Só posso dizer que tudo aquilo já passou e hoje, eu, estou com você e nada vai mudar isso.

- Oh, você é tão lindo!

Isabel se jogou nos braços dele, fazendo-o rir e alisar as costas dela.

- Por favor, não vamos voltar a esse assunto, esta bem? Não gosto de te ver assim. – Enxugou as bochechas dela. – Agora venha, Thony já deve ter finalizado nosso café.

A loira assentiu, indo ao banheiro lavar o rosto e voltando em seguida.

Voltaram até a cozinha. Anthony riu jogando a cabeça para trás, fazendo Isabel rosnar para ele.

- Não a provoque... – Edward o repreendeu, fazendo o garoto rir mais ainda.

- Ok, me desculpe, mas você saiu com o biquinho que fazia quando éramos criança e papai te mandava por chinelo.

- Bom dia para você também. – A garota resmungou – Edward, posso mandar seu filho para um colégio interno?

- Dando uma de madrasta má?

Os três riram.

- Vem cá, sente-se para comer. – Edward puxou uma cadeira para ela.

[...]

- Como você tinha tanta certeza? – Isabel indagou, alisando de leve o peito nu de Edward.

- Eu tive um sonho há alguns meses atrás. – Deu de ombros, empurrando uma mecha dos cabelos loiros que caiam no rosto dela, colocando-o atrás de sua orelha. – Sonhei que acordava e você estava ao meu lado, me chamando de amor, um choro alto começava, fomos até um quarto e encontramos uma menininha em um berço, sorrindo para nós. – Suspirou, lembrando-se do quão encantado ele havia ficado – Ela era linda, tinha os seus cabelos. Chamava-mos ela de Sophie.

Isabel mordeu os lábios.

- Eu acho Sophia um bom nome.

- Mesmo?

- Sim. A não ser que você queira escolher outro.

Edward negou rapidamente.

- Eu concordo com Sophia. – Riu, beijando os lábios da loira, alisando sua cintura carinhosamente – No meu sonho você sumia depois e seu pai aparecia. – Franziu a testa, sentindo um leve aperto no peito ao se lembrar do velho amigo – Ele me pedia para amar e cuidar de vocês duas, que ele confiava em mim... Queria que eu te fizesse feliz.

- Ele tinha razão. Você me faz feliz. – Emaranhou sua mão nos cabelos dele, alisando de leve – Você sempre me fez feliz.

- Eu sei. – Ele riu, convencido – Quando você era criança eu costumava fazer de tudo por você e Anthony, lembro das inúmeras vezes que você fugiu do quarto dele para vir dormir comigo – Torceu os lábios – Naquela época eu nunca, em hipótese alguma, pensei em você dessa maneira – Deu um leve aperto no quadril nu dela, sorrindo largamente – Você se embrenhava em minhas cobertas e ficava mexendo em minha orelha até dormir. Eu tinha uma necessidade de te proteger, não gostava de te ver triste, chorando.

- No fundo, você sempre teve uma quedinha por mim.

Piscou marota, fazendo-o rolar os olhos ao mesmo tempo que rolava para cima dela.

- Deixa de ser convencida. – Depositou um beijo no queixo da loira, descendo para seu colo, até chegar a sua barriga – Não puxe o lado convencido de sua mãe hein Sophia.

Isabel o puxou pelos cabelos, quando o rosto de Edward estava próximo, ela o beijou. Suas pequenas mãos desceram pelo corpo másculo dele, até alcançar sua bunda, onde apertou, fazendo Edward se afastar dela rindo alto.

- O que? – Ela riu.

- O que anda acontecendo com você? Me agarra de manhã, a tarde, de noite, anda me acordando de madrugada, aperta minha bunda, fica me provocando em lugares públicos – Ele soltou um suspiro pesado, mas ainda rindo – Está virando uma baita de uma safada.

- Aprendi com você.

Ele assentiu.

- Ainda tem muito o que aprender. – Edward garantiu, apertando a coxa dela e puxando para sua cintura – Depois que nossa pequena nascer vou te ensinar algumas coisas bem gostosas.

- Certo, vou te cobrar. – Mordeu o peito dele. Edward beijou a boca dela, deixando seu corpo colar ao da loira. – Eu não sei se aguento mais uma, estou exausta...

- Eu sei, só estou te dando umas beijocas.

- Sei, você disse isso e depois começou a tirar minha roupa.

- Agora você já está sem roupa.

Ela o empurrou para o lado, rindo. Edward a puxou para seu peito, puxando o edredom para cobrir os dois.

- Já pensou para onde iremos? – A garota indagou, abraçando-o.

- Eu pensei em um lugar tranquilo, calmo... – Murmurou, abraçando-a de volta – Uma fazenda, que tal?

- Pode ser. – Ela assentiu. – Conhece alguma?

- Jake tem uma, na verdade Renesmee tem, acho que eles não se importariam em deixar nós dois passarmos alguns dias lá.

- Seria bom.

- Agora durma, o dia foi longo.

O resto da semana passou tranquilamente. No domingo, foi surpreendido ao ser acordado por Isabel às seis horas da manhã.

- Isabel volte a dormir. – Resmungou, enfiando o rosto no travesseiro.

- Edward, por favor.

Ele grunhiu.

- Você tem noção de quantas vezes entrei em uma igreja? Eu posso contar no dedo, foram 10! Meu batismo, minha primeira comunhão, minha crisma, meu casamento, batismo e crisma sua de Anthony, e as outras duas foram na morte de Bella, portanto, deu para entender que não sou muito fã de Deus, nem ele meu fã!

- Edward! Não diga isso, é pecado. – Ela grunhiu. – Se não quer ir me leve, faz meses que não vou, eu sempre ia com papai e mamãe.

- Pecado? – Ele riu baixinho, virando-se para olha-la. Isabel fez um enorme bico, fazendo-o puxar o ar. – Por favor, deite-se e durma. Não seremos aceito dentro de uma igreja. Nos representamos muito bem a palavra pecado.

Ela bufou, saindo da cama e começando a se trocar. Edward colocou os braços da cabeça, observando a loira deixar a toalha cair enquanto entrava no closet. Ele suspirou. Ela às vezes o tirava do sério.

A garota saiu logo em seguida dentro de um vestido claro, soltinho, que deixava suas coxas brancas a mostra, muito a mostra para o gosto dele.

- Não devia usar um vestido maior?

Ela não respondeu. Começou a pentear os cabelos loiros, maquiando-se em seguida.

Edward rosnou, jogando as cobertas para o lado.

Não poderia deixar ela sair tão bonita assim, sozinha.

Ela era jovem e linda, mesmo grávida chamava muito atenção, portanto, teria que ir com ela.

- Me dê alguns minutos, vou tomar um banho rápido e já vamos.

Isabel não se virou para olha-lo, mas abriu um enorme sorriso.

Edward nunca negava algo a ela, e estava na hora de ele começar a ver o mundo com outros olhos, teriam uma família em breve e a garota sempre ouviu seus pais dizerem que Deus era essencial para tudo dar certo.

Só restava a ela enfiar aquilo na cabeça de Edward.











Nenhum comentário:

Postar um comentário