Bem vindos ao Fanfics da Cah. Sou Camila Cocenza, futura garota de programa! E não, não é o que estão pensando, apenas pretendo cursar Engenharia da Computação. Para mais informações: cahcocenza@hotmail.com

30/08/2011

I Never Told You - Epilogo


 N/A: FIIIIIMMMMMMM! *Caah sorri enquanto chora* [Bipolar]

 Epilogo


POV Bella


Eu podia sentir os raios de sol batendo contra meus pés, aquecendo-os, e a respiração calma de Edward em meu pescoço, indicando que ele ainda dormia.

Isso fez com que eu sorrisse.

Não importava quantos anos se passassem, acordar em seus braços seria sempre como a primeira vez. Ele continua aquele mesmo garoto com mania de colocar o braço sobre minha cintura e acomodar sua mão entre minhas coxas, alegando proteger sua preciosa.

Acomodei-me melhor em seus braços. A mão dele saiu do meio de minhas coxas e subiu para minha barriga, pressionando-me contra si.


Soltei um riso.

- Qual a graça? – Meu marido indagou com a voz grogue, encaixando o rosto no meu ombro, jogou sua perna sobre meu quadril e beijou meu pescoço. – Você nunca deixa passar uma hein.

- E você nunca deixa de acordar bem. – Virei minha cabeça e colei meus lábios em sua bochecha.

Ainda com os olhos fechados ele riu.

- Meu amigo lá de baixo não tem culpa de você ser muito, muito gostosa. – Sua mão desceu até a barra da minha camisola, infiltrando-se ali, subindo novamente até minha barriga e tocando minha pele. Meu corpo todo se arrepiou e aquele friozinho gostoso percorreu minha espinha. – Mas você gosta de sentir seu marido atrás de você todo duro, não gosta?

Virei-me, ficando de frente para ele. Suas mãos correram de minha barriga para minhas costas, fazendo com que eu suspirasse.

Ele sorriu. Suspirei novamente. Eu ainda continuava a mesma boba apaixonada.

- Eu... – Mordi seu queixo e passei a mão por seus cabelos bagunçados. – Adoro.

Edward abriu os olhos rindo, permitindo que eu mergulhasse naquelas duas orbes verde.

- Safada! – Me puxou para cima de seu peito, segurando minha nuca e colando nossos lábios.

Nos embolamos na cama e ficamos ali até que deu a hora de levantar para fazer o café das crianças. Edward e eu fomos para o banheiro, tomamos um banho rápido e descemos para a cozinha.

- Separe os ingredientes para mim. – Pedi enquanto ia ao armário para pegar a frigideira.

- O que ganho com isso? – Edward moveu as sobrancelhas maliciosamente.

- Café da manhã.

- Só?

- Acha pouco? – Ri.

- Óbvio que sim. – Ele me abraçou pela cintura, beijando minha boca – Agora sim está bom...

- Certo, agora me ajude com isso ou seus filhos iram para a escola com fome.

Edward mais atrapalhou do que ajudou, mas felizmente o café estava pronto quando deu o horário das crianças acordarem.

- Vou chamar Anthony.

- Fico com Julie e mamãe.

Subimos juntos e nos separamos no corredor. Fui para o quarto do meu menino e bati na porta com um pequeno adesivo de uma caveira escrito “Não incomode”.

Ri baixinho. Anthony era a cópia exata do pai, não fisicamente, mas o modo de falar e agir os deixavam muito parecidos.

- Filho, acorde.

Ele não respondeu. Típico.

Abri a porta e fui até a cama, sentando-me na beirada dela. Retirei os fones do seu ouvido e inclinei-me para beijá-lo.

- Amor, acorde.

- Mãe... – Ele rolou para o outro lado da cama. – Sai fora.

- Ande logo meu anjo. – Puxei a coberta de seu corpo, fazendo-o grunhir baixinho. – Você vai se atrasar.

- Mãe...

- Deixe de ser preguiçoso meu amor. – Me deitei ao seu lado rindo, abraçando-o – Você é tão... Edward.

Ele riu virando-se para me abraçar, jogando uma de suas pernas sobre as minhas.

- Tenho mesmo que ir a escola?

- Se não quiser ficar burro e pobre, sim, precisa.

- Certo. – Anthony torceu os lábios sentando-se. – Papai já acordou?

- Está chamando Julie e sua avó. – Passei a mão por seus cabelos – Estaremos te esperando.

- Beleza.

Desci para o andar debaixo e comecei a por a mesa, logo Edward e Julie apareceram abraçados, rindo.

- Bom dia mamãe. – Minha filha veio me abraçar.

- Bom dia minha princesa. – Beijei sua testa. – Com fome?

- Faminta. – Ela riu e foi se sentar ao lado do pai – Onde está Thony e Eric?

- Thony está descendo, já seu irmão... – Rolei os olhos – Ele não dormiu em casa.

- Esse é meu irmão. – Anthony entrou na cozinha, coçando a barba mal feita. – Quando crescer quero ser igual a ele.

- Que isso. – Edward rolou os olhos – Ele só é assim porque quando era menor queria ser como eu.

- Edward! – Eu o soquei – Idiota.

- Ciumenta. – Os três acusaram rindo. Torci os lábios começando a tomar meu café da manhã.

- Falando em ciumenta... – Suspirei – E Esme?

- Mamãe não quis descer, está com preguiça.

Logo as crianças saíram da mesa e subiram para se trocar. Edward arrastou sua cadeira para mais próxima da minha e me abraçou pelos ombros.

- Queria ficar em casa com você hoje... – Suspirou, beijando minha bochecha – Mas preciso resolver algumas coisas na empresa hoje. Prometo voltar o mais rápido possível.

- Tudo bem. – Sorri, alisando seu peito.

Era difícil termos folgas no mesmo dia, e mesmo quando isso acontecia – como hoje – muitas vezes Edward ou eu éramos obrigados a se separar, já que a qualquer hora alguém poderia me ligar do hospital ou alguém da empresa onde ele trabalha ligar precisando do seu serviço.

Pois é, depois que Eric cresceu um pouco entrei novamente na faculdade e me formei em medicina, já que Edward mesmo disse que não permitiria que eu desse aulas para garotos, alegando que eu o deixaria por um adolescente.

- Bom dia família!

Saímos de nossa pequena bolha para darmos atenção a Eric que acabava de se sentar a mesa.

- Bom dia? Garoto, quantas vezes eu já disse para ligar quando for dormir fora?

- Mãe... – Ele riu, jogando os cabelos para o lado. – Não sou mais aquele garotinho. E além do mais, eu não estava por ai bebendo ou me drogando. Só decidi passar a noite lá no apartamento que você e papai me deram.

- Acompanhado? – Indaguei.

- Bom, a senhora não precisa saber os detalhes sórdidos. – Piscou, levantando-se e vindo até mim para beijar minha bochecha. – Amo você.

- Também te amo, meu amorzinho.

- Prometo trazê-la amanhã para vocês conhecê-la.

- Ok.

- Bom, vou subir e tomar um banho.

- Vai lá filho. – Edward sorriu para nosso menino. – Eu cuido dessa ciumenta.

POV Edward

Suspirei desfazendo o nó de minha gravata e relaxando meu corpo em minha cadeira.

Eu havia acabado de sair de uma reunião onde discutimos os lucros da empresa e eu estava com muita dor de cabeça, louco para ir para casa e ficar com minha gostosa. Quando eu estava prestes a sair da minha sala meu celular tocou.

Sorri atendendo o aparelho enquanto acenava para minha secretaria e ia rumo ao elevador.

- Oi amor...

- Edward, trás chocolate.

- Nossa, também estou com saudades. – Ri encostando-me no elevador, esperando ele descer até o estacionamento.

- Me desculpe... – Ela resmungou rindo – Já está vindo?

- Sim, terminei tudo aqui. Daqui a pouco estarei ai em casa.

- Não se esqueça do chocolate.

- Não esquecerei princesa. – As portas se abriram e eu caminhei até meu carro – Te amo.

- Não querendo ser convencida, mas sei disso.

- Sabe mesmo? Bom, não era eu quem estava chorando antes de ontem, dizendo que estava ficando velha e que iria ser trocada.

Ela desligou o telefone na minha cara, fazendo-me rir. Desde alguns dias atrás Bella andava mais sensível do que nunca e tocar no assunto “mais velha” só servia para arrumar brigas entre nós.

Eu me lembrava de uma, que aconteceu há dois atrás...

Flash Back ON

- Talvez eu tenha mesmo que sair e arrumar uma mulher da minha idade, com 38 anos e que não seja esclerosada.

A boca de Bella se abriu. Minha mulher atirou a colher de sorvete em minha direção.

- Eu é que devia procurar um homem e não um garoto mimado e metido a besta como você!

Estávamos ofegantes por conta da nossa discussão. Eu odiava quando Bella dizia que eu era um garoto e odiava mais ainda quando ela ousava dizer que iria me trocar. Seus lábios estavam entreabertos e suas bochechas vermelhas.

Joguei meu corpo contra o dela, prensando-a na parede.

- Vou te mostrar o porquê que você nunca me trocaria por outro. – Empurrei meu quadril contra o dela e logo depois colei nossos lábios. Suas mãos agarraram meus cabelos, puxando-os. Eu me afastei abrindo os olhos. – Esclerosada.

- Idiota!

- Louca!

- Estúpido, ridículo, ignorante, imaturo... – Seus dedos começaram a abrir os botões de minha blusa – Crianção, lindo, gostoso... – Suas mãos já haviam arrancado minha camisa e agora percorriam meu tórax. – Eu te amo.

Encaixei meu rosto em seu ombro e aspirei o cheiro dos seus cabelos.

- Eu também te amo amor. – Sussurrei. – Eu nunca te trocaria por uma dessas garotas fúteis ou qualquer outra mulher, desculpe-me.

Ela choramingou contra meu ombro e me socou.

- Só te perdôo se você me perdoar. Eu também nunca te trocaria.

Tirei-a do chão, joguei seu corpo na cama e me deitando sobre ela voltando a beijá-la.

Flash Back OFF

Ri manobrando meu carro para fora do estacionamento do prédio. Parei em uma loja e comprei algumas caixas de chocolate para minha gostosa.

Nada melhor do que agradá-la...

Obvio que mais tarde eu seria recompensado. Hehe.

Logo cheguei em casa, deixei meu carro na garagem e sai em busca da minha mulher. Bella estava sentada no sofá da sala, rindo de algo que minha mãe falava.

- Eu realmente não acredito que você ainda tem coisas sobre Edward para me contar.

- Existem várias coisas ainda, mas não me lembro mais de muitas.

- Sorte a minha. – Me aproximei delas cruzando meus braços sobre meu peito. – Mãe, sobre o que estava me difamando para minha mulher dessa vez?

- Eu? Difamando? – Ela riu. – Só estou contando a ela a história do sutiã.

Torci os lábios sentando-me ao lado de Bella. Observei minha mãe rindo, há tempos eu não a via assim, desde que meu pai faleceu ela andava triste e quase não saia de casa, mas há alguns meses atrás ela aceitou a proposta de vir morar conosco. Bella e Esme estavam mais próximas do que nunca, já que minha mulher também sentia saudades de seus pais. Obvio que também houve desentendimento entre as duas, principalmente quando ambas queriam minha atenção.

- Não consigo imaginar que você foi capaz de roubar um sutiã e guardá-lo no meio das coisas do seu pai.

- Bom, eu estava com medo que mamãe visse. – Ri, lembrando-me do quebra-pau que Carlisle e Esme tiveram por minha culpa – Mas eu confessei tudo quando mamãe ameaçou pedir divorcio. – Abracei Bella e beijei sua boca.

- Porque não toma um banho e descansa um pouco? – Ela indagou, enfiando seus dedos em meus cabelos.

- Vou fazer isso. – Sorri – Onde estão as crianças?

- Eric está no estagio, Julie e Anthony estão em seus quartos.

- Ok. – A beijei novamente, me levantei abracei minha mãe e subi para o andar de cima.

Tomei um banho, coloquei apenas uma bermuda e me joguei em minha cama. Fechei meus olhos e deixei meu corpo relaxar.

Eu não estava dormindo, mas estava com tanta preguiça que nem me movi quando a porta do quarto foi aberta e também nem precisava.

O colchão afundou e as pequenas mãos quentes deslizaram por minhas costas.

- Está dormindo meu anjo?

Abri os olhos sorrindo. Bella estava ao meu lado, abri meus braços enlaçando sua cintura e a puxando para se deitar mais perto de mim.

- Não. – Sorri.

- É, eu notei. – Ela riu mordendo os lábios enquanto descia sua mão até o meio de minha perna – Espero que você esteja assim porque estava pensando em mim.

- Só fico assim por você princesa.

- Hmm... – Minha mulher me beijou – É bom deixar você alguns dias sem amor, você fica tão bonzinho. – Bella me beijos – E você fica um pouco mais insaciável e mais bruto enquanto fazemos amor. – Seus dentes mordiscaram minha orelha. – É muito bom.

Ri jogando minha perna por cima das dela.

- Eu só tento te mostro que fico morrendo de saudades quando fico um dia se quer sem ter você. Amo muito você, só você.

- Isso já é um fato. – A ponta dos dedos dela tocaram meu rosto – Eu sempre tive medo que você me trocasse por uma dessas garotas novas e bonitas que vivem se jogando para cima de você.

- Sabe que eu nunca te trocaria por elas. – Sorri beijando a ponta do seu nariz.

- Antes eu pensava que não devíamos ter nos casados, sabe, você merecia ter tido outros relacionamentos, com garotas da sua idade e...

- Bells, esse assunto de novo não. – Torci os lábios – Eu nunca me arrependi de ter me casado com você e nunca irei me arrepender. – Sorri mordendo sua bochecha – Eu sou o cara mais feliz do mundo. Tenho três filhos maravilhosos, trabalho no que eu realmente gosto e tenho a mulher que amo mais que tudo, do que mais eu precisaria? Você sabe, dizem que a vida é curta. Eles dizem que nós iremos acordar um dia, e nesse dia todos os seus sonhos e tudo que você desejava irão acabar... Simplesmente assim. As pessoas... As pessoas ficam velhas e mudam, as situações mudam. E tudo que eu quero é esse momento do jeito que está esse dia, meus sentimentos por você, do jeito que você está agora e o jeito que olho para você. Bem, eu quero que dure para sempre.

Ela mordeu os lábios contendo um sorriso.

- Eu sei. – Suspirou – E eu sou egoísta o suficiente para te querer só para mim, gatinho.

- Já sou seu desde quando te vi naquela boate, em Forks.

Ergui meu corpo e deitei-me sobre o dela. Bella fechou os olhos e eu a beijei. Suas mãos escorregaram por minhas costas arrancando pequenos grunhidos de mim.

- Você sabe que as crianças então em casa, certo?

- Eles devem estar assistindo algum programa na TV, no quarto deles. – Ergui um pouco sua regata, tocando sua barriga lisa. – Eles não irão ouvir nada porque não estamos fazendo nada.

- Você sempre diz isso. – Minha mulher abriu as pernas, flexionando-as ao lado dos nossos corpos. – Mas sempre acabamos sem roupa, suados e ofegante.

Voltei a beijá-la ignorando seus protestos, eu sabia que logo ela estaria se agarrando a mim e isso não demorou a acontecer. Seus dedos voltaram a enrolar nos meus cabelos e sua língua enroscou-se na minha.

- Pai... mãe... – Afastamo-nos quando ouvimos as batidas na porta.

- Sim amor?

- Sabe, a galera da escola vão vir aqui daqui a pouco, vocês poderiam deixar para se agarrarem a noite?

- E quem disse que estamos nos agarrando? – Bella corou.

- Só estávamos trocando uns beijinhos. – Ri baixinho.

- Sei...

- Quando eles chegarem me chama. – Bella pediu – Preparo algo para vocês comerem.

- Ok.

Assim que ouvi seus passos se afastando voltei a beijá-la. Ficamos por mais alguns minutos ali no quarto, embolados na cama, nos beijando e trocando declarações, até que Bella resolveu estragar tudo.

- Só mais um pouquinho princesa... – Desci minha boca por seu pescoço, enquanto alisava sua barriga lisa.

- Eu ouvi a campainha tocando, os amigos de Anthony devem ter chegado.

Me joguei para o lado magoado.

- Vai mesmo me trocar por um bando de adolescentes?

Ela riu do modo como aquela frase soou irônica.

- Oh sim, eu adoro adolescentes.

Sorri sentando-me na cama.

- Tudo bem, vou tomar um banho e desço daqui a pouco.

- Ok gostosão. – Sua boca deslizou por minhas costas.

Me levantei e fui para o banheiro, e lá ia eu tomar mais um banho... Era difícil ter filhos, claro que eu os amava muito, mas às vezes me deixava chato por não ter como fazer amor com Bella. Eu podia levá-la a um motel... Mas não, eu ainda mantenho minha palavra de nunca levá-la para um lugar assim, e isso não quer dizer que ela não tenha me levado, hehe, como naquela época, em Forks...

Senti uma parte do meu corpo ganhando vida. Entrei no box e liguei o chuveiro no frio.

- Calminha amigão, a noite papai promete que vai rolar festinha.

- Está falando com quem Edward?

Bella entrou no banheiro.

- Com meu amigo, o Paul.

- Hein?

Rolei os olhos. Ela andava tão lerdinha.

- Mais tarde eu te apresento ele. – Pisquei para ela, rindo – Na verdade você o conhece e gosta muito dele.

- Paul? Que Paul? – Bells franziu a testa e arregalou os olhos – Oh meu Deus, você está se referindo ao seu pau?

- Aham. – Sorri torto, vendo-a corar. – Gostou do nome? Eu o batizei de Paul.

- Nome perfeito para um amante.

Torci os lábios. Não gostei muito como aquela frase saiu da boca dela.

- Ok, vou desbatiza-lo, nada de amantes por aqui.

Ela riu, prendendo os cabelos, em seguida lavou o rosto e escovou os dentes.

- Te espero lá embaixo.

Bella me lançou um beijo e uma piscadela.

Suspirei.

Eita mulher gostosa!

[...]

Fiquei encostado na porta, com os braços cruzados, enquanto eu observava Bella ao lado de um dos amigos de Anthony, explicando ao garoto e aos outros alguma coisa.

- Viu, eu disse que era só separar os números com letras dos números que estão sozinho. – Meu filho sorriu orgulhoso, mas logo deu um tapa na cabeça do seu colega que olhava para a minha bunda, ou melhor, a bunda da minha mulher, que de certa forma, é minha.

- Acho melhor eu ajudá-los amor. – Me aproximei, fazendo minha melhor cara de mal. Os três garotos que estavam ali rapidamente desviaram os olhos de Bella e me encararam com medo. – Boa tarde.

- Boa tarde Sr. Cullen.

- Ajude-os então, é equação de 2º grau.

- É? – Mordi os lábios arqueando as sobrancelhas. – Hmm, isso me lembra algumas coisas...

- Edward! – Ela corou, socando meu ombro.

- Pai, mãe... – Anthony nos olhou com cara feia. – Pessoal, é que minha mãe conheceu meu pai quando começou a dar aulas particulares para ele.

- Tipo... – Um dos amigos de Anthony se surpreendeu. – Quantos anos você tem Sra. Cullen?

- Hm, isso não foi uma pergunta legal. – Bella resmungou.

- Me desculpe. – O menino se envergonhou – É que eu sempre pensei que o Sr. Cullen fosse bem mais velho que a você.

- Obrigada meu lindo! – Bufei quando a vi passar a mão pelos cabelos do menino.

- Hm, legal. – A puxei pela mão – Já voltamos meninos.

Arrastei Bella até a cozinha e a prensei contra a parede.

- Edward... – Ela tentou me empurrar. – As crianças.

- Shh... – Pedi silêncio, enquanto prendia suas mãos sobre sua cabeça. – Não gostei nada de te ver perto daqueles meninos espinhentos... – Mordi sua boca, fazendo-a gemer baixinho – Eu já fui um adolescente, e você não sabe o que se passa na cabeça de garotos na fase da puberdade.

Bells rolou os olhos rindo.

- Você está com ciúmes dos meninos? – Ela riu mais ainda e inclinou-se para me beijar – Acha que eu trocaria meu marido por três garotos magrelos? Nem pensar.

- Não gosto como outros homens te olham... – Deitei minha cabeça em seu ombro – Você pode achar que é a mais insegura da nossa relação, mas não é bem assim.

Seus dedos remexeram em meus cabelos.

- Sou toda sua meu amor. – Beijou meu rosto – Droga, não fique assim, vou chorar.

Ri aspirando o cheiro de seu pescoço.

- Você anda tão sensível.

- Acho que estou entrando na menopausa.

- Que absurdo amor, você é nova para isso. – Ergui meu rosto para olhá-la.

- Não é tão absurdo assim. Ando nervosa e muito estressada, minha menstruação está atrasada uma semana, só pode ser menopausa...

Quase cai no chão com aquela informação.

- Bells, amor... – Dei alguns passos para trás e olhei para sua barriga. – Eu não acredito que você...

- Que eu?

Sorri como um bobão.

- Amor, você... Você está grávida?

- Grávida? – Ela riu – Eu? Não!

- Princesa... – Cerrei os olhos e comecei a juntar os fatos – Você anda insaciável na cama, como ficou nas gravidezes anteriores, sua obsessão por chocolate também voltou, fora seu humor que está oscilando.

- Deixa de bobeira. – Rolou os olhos, mas logo arfou. – Oh meu Deus, será? Eu não posso engravidar, não, não é possível! Olha minha idade, isso é um absurdo! Edward, você está ficando retardado, sim, é isso, você está ficando retardado. Oh Deus, por favor, meu marido tem que estar ficando louco!

Ri do seu desespero. Bella levou a mão aos cabelos e começou a repetir que eu estava ficando doente.

- Ei princesa, acalmesse. – Sorri, abraçando-a e beijando sua boca – Seria perfeito.

- Perfeito o que? Você doente?

- Não amor, mais um bebê.

- Ah... – Ela se pendurou em meu pescoço – Será possível?

- Claro que sim. Você é saudável, eu sou saudável. – Sem poder me conter, pulei no mesmo lugar e depois e abracei pela cintura, erguendo-a no ar – EU VOU SER PAI!

- Você não se considera meu pai? – Olhei para o lado e vi Anthony nos olhando de forma estranha. – Eu... Eu fui adotado?!

Bella gargalhou, mudando novamente seu humor.

- Garoto, você quase me rasgou com esse cabeção.

- Amor, você podia ser mais delicada. – A acompanhei, rindo e tocando na cabeça de Anthony. – Cabeção.

- Tal pai, tal filho.

- Bella!

Bufei.

- Não tenho cabeção.

- Ah, tem sim amor... – Bells aproximou sua boca de meu ouvido – Um cabeção enorme.

Oh, tinha malicia ali!

A peguei no colo e sai da cozinha com ela agarrada em mim, passei pela sala de jantar onde os garotos estavam estudando e rumei para a sala, deitando Bells no sofá e me colocando sobre ela.

Ficamos nos olhando por alguns minutos e rimos.

- Já estou ansioso. – Mordi os lábios, tocando o rosto dela – Imagina, eu com um bebezinho no colo...

- Amor, não temos certeza...

- Bom, se você não estiver, podemos providenciar mais um.

- Mas... – Bella suspirou, desviando os olhos – Eu tenho medo.

- Medo do que amor? Já passamos por isso outras vezes, e nos saímos muito bem.

- Eu sei, mas na gravidez das crianças eu não era... Tão velha. Tenho medo de que aconteça algo com o bebê.

- Não se preocupe. – Beijei seus lábios – Vou cuidar de você. Vamos ao médico e tudo dará certo. Daqui nove meses nosso bebê estará conosco.

- Bebê?

Bella e eu olhamos para minha mãe, que descia as escadas.

- Sim mãe, você vai ser vovó novamente.

- Oh, mas eu sou tão nova para ser avó. – Ela brincou, enquanto ria. – Que maravilha! Mais um para alegrar nossa vida.

- Mais um meninão. – Afirmei convicto – Ai seremos a maioria nessa joça!

- O que vir será bem vindo. – Bella me socou – O que importa é ter saúde.

- Verdade. – Concordei. – Nossa como sou fodão! Eric veio na primeira vez que nos desprevenimos, Anthony e Juh também e agora ocorreu o mesmo.

- Isso já era de se esperar, vocês são piores que coelhos.

- Mamãe!

- O que é Edward? Acha que eu não ouço o barulho que vocês fazem?!

Fui agredido por Bella.

- Eu disse que estávamos nos empolgando demais.

- Bells não me bate amor.

- Ai meu Deus, que vergonha! – As bochechas dela ficaram rubras, suas mãos tamparam seu próprio rosto, fazendo Esme e eu rir.

- Minha princesa está envergonhada...

- Para Ed.

- Vem, vamos subir. Garantir que quando você for fazer um teste de gravidez esse bebê esteja ai.


1 Ano e 9 Meses Depois...



Suspirei olhando para meu garoto. Eu estava sentado na cama, com as costas contra a cabeceira. Carlisle estava sentadinho em minha barriga, encostado em minhas pernas.

- Carl... – O chamei, fazendo-o me olhar sorrindo. – Cadê mamãe?

- Mamã...

 - Sim, chama ela para vir mimi com a gente.

- MAMÃAAAAAAA!

Eu ouvi Bella rindo do banheiro, logo a porta se abriu e ela veio para a cama, com os cabelos molhados, trajando apenas um daqueles shortinhos curto e aquele top de malhar.

Ela continuava mais gostosa do que nunca.

- Chega de zona, hora do bebê dormir.

- Mamãe tem razão. – Retirei Carl das minhas pernas e o deitei ao meu lado, deixando nosso loirinho entre mim e Bells.

Bella se deitou e Carl logo se pendurou em seu top, querendo mama.

- Não gosto muito da idéia de Julie ficar dormindo fora. – Torci meus lábios.

- Amor, ela já não é mais aquela menininha.

- Ela sempre será minha menininha, não gosto de imaginar o que aquele garoto está fazendo com ela...

- Hm... Ciumento.

Continuamos a discutir sobre aquele assunto, quando menos percebemos Carl já havia pegado no sono.

- Eu o levo para o quarto. – Sorri, lembrando-me do que essa noite prometia. Afinal, não é todo dia que Anthony dorme cedo.

POV Bella

Suspirei, esperando por Edward.

Ele havia dito que ia levar o pequeno Carl para seu quarto e já se passou quase dez minutos, isso porque o quarto do pequeno é no mesmo corredor que nosso quarto.

Será que ele foi para a sala? Era típico de Edward ir para lá assistir jogos e beber cerveja.

Droga... Estamos há quase uma semana sem fazer amor, e hoje era um dia perfeito para repormos o tempo perdido, mas Edward parece não pensar o mesmo.

Rolei na cama, ficando com o rosto enterrado no travesseiro.

A porta se abriu e eu sorri. Era hoje que eu tirava o atraso. Rolei pela cama sorrindo.

- Edward?! – Quase cai da cama quando vi a cena na minha frente. – É você?

- Não... – Ele passou o dedo pelo elástico do colete que usava, tipo aquele do Chávez, só que um elástico em cada ombro. Em sua outra mão estava um caderno – Sou Eduzinho, um garoto que tem sérios problemas com matemática e precisa de muitaaaa ajuda.

- Ah é? – Ri, sentando-me na cama, enquanto passava meus olhos por sua bermuda curta toda florida, sua meia amarela que ia até sua canela e seus cabelos que estavam devidamente penteados para o lado. – E quantos anos você tem Eduzinho?

Edward balançou o corpo para um lado e para o outro.

- Qual é sua idade tolerável?

- Hm... A sua. – Pisquei para ele, fazendo-o rir. – Porque não vem aqui? Te ajudo com seus problemas.

- Mesmo? – Edward se aproximou todo desengonçado, sentando-se em nossa cama.

- Qual é sua dificuldade? – Mordi os lábios, ajoelhando-me próxima a ele. – Diga gatinho.

- G-g-g-gatinho?

Ri de sua imitação.

- Que tal deixar a lição para depois? – Escorreguei minha mão por seu peito, fazendo-o sorrir maroto – Posso te ensinar outras coisas.

- É?

- Aham.

- Tudo bem.

- Então deite-se aqui, tia Bella vai te deixar mais confortável... – Edward fez o que eu pedi e se deitou na cama. Me coloquei sobre ele, beijando seu queixo e retirando seu colete.

- Você vai abusar de mim? – Perguntou inocentemente.

 -Sem duvida. Adoro abusar de garotos inocentes e lindos como você.

- E o que você vai me ensinar professora? – Seus braços enlaçaram minha cintura, apertando-me contra ele, e sua mão escorregou para minha bunda.

- Que menino mais safado. – Lambi seus lábios, enquanto minhas mãos abriam sua camisa. – Vou te ensinar que não deve deixar uma mulher sem sexo por muitos dias.

Edward gemeu baixinho quando minha boca encontrou seu tórax.

- Professora... – Me chamou.

- Sim?

- Posso ver seus seios?!

- Claro gatinho.

Me sentei na cama, dando espaço para ele também se sentar. Retirei meu top, deixando meus seios livres para ele. Edward se ajoelhou e me forçou a se deitar onde ele estava deitado.

- Posso chupar?

- Deve. – Baguncei seus cabelos, apertando-os entre meus dedos enquanto gemia de prazer por sentir a língua quente do meu Eduzinho por meus seios. – Amor, que tal deixar a brincadeirinha para mais tarde? Estou com tanta saudade de você...

- Adorei sua idéia. – Edward se retirou de cima de mim e começou a se despir. – Vou me enfiar todo em você.

- Vem amor.

Ele voltou para a cama, deitando-se sobre mim e me beijando docemente enquanto me penetrava devagar.

Gemi descontroladamente contra seus lábios.  Passei minhas pernas ao redor de sua cintura, trazendo-o para mais perto de mim.

- Tão quentinha, que delicia...

Fechei os olhos deixando a ponta dos meus dedos cravarem em suas costas másculas.

- Vem... Mais forte.

Senti seus dentes brincando em meu seio, e não demorou muito para que estivéssemos alcançando o ápice.

Edward caiu sobre mim, todo melado de suor e ofegante.

- Nem durma princesa. – Me alertou – Quero fazer muito amor com você essa noite, e você prometeu que “mais tarde” ensinaria o Eduzinho...

Ri, deslizando minha mão por seus ombros largos.

- Estou velha anjo, não tenho mais todo aquele pique.

Edward apoiou o queixo em meu peito e torceu os lábios enquanto suspirava.

- Eu sei. – Bufou – Você pode pensar que é a única que tem medo de perder algo aqui, mas eu também tenho... – Seu dedo contornou meus lábios. – Tenho medo porque eu sei que um dia, querendo ou não, você ou eu não estaremos mais aqui, juntinhos... – Sua voz estava um pouco embargada – Eu te amo tanto...

- Amor, não faz assim... Vou começar a chorar.

Ele sorriu, inclinando-se para me beijar.

- Não chore princesa. – Mordiscou meus lábios – Vamos aproveitar ao máximo todo tempo que temos ainda, e te garanto que é muito.

- Vamos começar agora? – Pisquei. – Já me recuperei, quero mais...

- Eu só estava esperando você pedir, amor.

Sua língua se enroscou na minha, e recomeçamos a fazer aquilo que melhor sabíamos fazer juntos... Amor.

3 comentários:

@Thataa_Cristina disse...

aaaaaaaaaaaaaaaaa vou sentir fala dos meus Pais bubu'
voce matou meu papai Carlisle Gostoso Cullen !
vou sentir muita falta da fanfic

Roberta disse...

Amei, amei amoei
pena que acabou.. Vai ter bonus ?
pedi demais né. Amei mesmo a fic é uma pena que tenha acabado

Anônimo disse...

ai. vou sentir tanta falta da fic!!
Ela relmente é mto linda!!
ameei enquanto durou!
vce vai fazer uma continuação ou algo assiiim??
Parabens!! vce é mto boa. eu adoro sua fic!
esta dificil mais eu estou lendo todas as suas fics, no wordpress e aqui nosite!
bjos
continue escrevendo!!♥

Postar um comentário