Bem vindos ao Fanfics da Cah. Sou Camila Cocenza, futura garota de programa! E não, não é o que estão pensando, apenas pretendo cursar Engenharia da Computação. Para mais informações: cahcocenza@hotmail.com

18/04/2014

Deixe-me Te Amar - Capitulo 12

Capitulo 12

Edward acabou por sorrir, vendo seu amigo torcer os lábios.

- Eles se odiavam... – Resmungou Jacob.

- Pois é meu amigo, mas o ódio e o amor andam lado a lado. – Riu, vendo o moreno balançar a cabeça, desolado – Você sabia que uma hora ou outra sua princesinha se apaixonaria.

- Sim, eu sei. – Deu de ombros – Mas você não sabe como é ser pai de uma menina, você imagina que ela só vai fazer esse tipo de coisas com 40 anos.

Edward não pode evitar rir. Seu riso chamou atenção de Isabel, que estava no outro sofá, junto com Anthony e Katy. Ele piscou para ela, fazendo-a corar.

- Eu realmente não sei como se sente meu amigo, mas quem sabe um dia eu não descubra? – Deu de ombros, fazendo Jake arquear as sobrancelhas. – No entanto, devia agradecer por Katy ter escolhido Thony, ele é um garoto bom. – Voltou ao assunto anterior rapidamente.

- Eu sei, mas esse é o problema, ele é garoto... – Bufou – Eu já fui garoto, você já foi, sabemos o que garotos fazem...

Edward voltou a gargalhar.

Renesmee voltou do banheiro e se sentou no colo de Jacob.

- O aconteceu? – Indagou,  deslizando o dedo no cenho franzido do marido.

- Jake está com ciúmes. – Edward indicou com o queixo para Thony, que tinha uma mão possessiva sobre a coxa de Katy que conversava com Isabel.

- Ohh, eles são tão fofinhos juntos.

- Amor...

Renesmee riu, beijando a ponta do nariz do marido.

- Edward, querido, o jantar já está servido.

Marie entrou na sala. Resnesme, Jacob, Anthony e Katy seguiram a velha senhora em direção a sala de jantar.

Edward se levantou, deixando o drink que estava em sua mão sobre a mesinha de centro e caminhando ao sofá onde Isabel estava sentada. Sorriu, para a loira.

- Como está se sentindo?

Ela deu de ombros.

- Estou bem. Apenas com sono.

Ele riu.

- Jajá estará na cama, minha dorminhoca. – Inclinou-se, beijando-a devagar. – Já falei que está linda?

- Sim, mas eu gosto de ouvir.

- Você está muito linda.

Os dedos da menina deslizaram entre os cabelos sedosos de Edward. Ele se lembrava da manhã em que compartilhou com Isabel sua desconfiança em relação a que ela estivesse grávida. No primeiro momento ela ficou em choque, depois chorou, pedindo desculpas a ele, já que havia parado de tomar anticoncepcional assim que foi morar sozinha. Ele a tranqüilizara e garantiu que estaria ao seu lado, que ela não precisava ter medo, que aquilo era algo bonito demais para que se tornasse um estorvo. E disso ele entendia, jamais voltaria a fazer o que fez com Isabella.

- Acho melhor irmos comer. – Ela gemeu contra a boca dele quando sua barriga chiou alto.

- Sim. – Edward riu. – Vem, vamos.

Entrelaçaram os dedos e foram de mãos dadas para o outro cômodo, encontrando todos a mesa. Evitavam trocar afeto quando estavam próximos a outras pessoas, tudo bem que Jake e sua família nunca demonstraram algum preconceito, mas não tinham que ficar se agarrando na frente deles também. Além do mais, não sabiam da gravidez de Isabel, teria que contar logo, apesar de querer esperar pelo resultado do exame de sangue que a menina fez dias antes, só para ter certeza.

Marie foi à primeira, a saber, da gravidez. Edward a convidou para passar um tempo com eles, tendo que contar o porquê de Isabel precisar se alimentar direito. A senhora ficou surpresa, quase que teve um enfarte e disse que ele iria para o inferno, mas disso Edward já sabia, então só sorriu e pediu para que ela o ajudasse, porque estava tendo um dos anos mais felizes da vida dele desde que resolvera jogar tudo para o alto e não mais reprimir seu desejo por Isabel. Prometeu que pagaria um salário para a velha senhora e que ela poderia viver na casa como se fosse sua e não uma mera empregada, ele só queria que Isabel tivesse uma gravidez saudável, já bastava o stress que teriam quando a mídia soubesse da novidade.

Edward puxou a cadeira para Isabel, sentando-se a ponta da mesa, ao lado dela.

- Isso parece estar maravilhoso. – A loira gemeu baixinho, inclinando-se sobre a mesa, em direção a comida.

Edward e Marie riram, os outros, alheios ao porque, apenas sorriram.

Todos se serviram e comeram, Anthony fazia piadas às vezes do desespero de Isabel.

- Mas pai... – Resmungou o menino ao ser repreendido. – Olha só como ela está comendo, vai ficar gorda!

- Seu filho de um... – A menina atirou o guardanapo nele. – Eu não estou gorda!

Edward suspirou. Pareciam duas crianças. Jacob e Renesmee apenas riam, comentando como os primos ainda se atacavam igual o que faziam quando eram pequenos.

- Jake, estou pensando em comprar uma casa. – Edward comentou, fazendo Isabel e Anthony cessar com a briga e olhar para ele curioso. – Com uns 4 quarto, um grande jardim, piscina... – Mordeu os lábios, pensativo. – Mas em um bairro seguro, pode ser próxima a antiga casa de Charlie.

- Porque simplesmente não vai para a antiga casa que morava? – O advogado indagou.

Edward deu de ombros.

- Não sei se é uma boa idéia. Quero recomeçar, aquela casa não é um bom lugar, além do mais é de Anthony, quando ele se casar com sua filha...

- Ta, eu entendi! – Jacob grunhiu, olhando para o garoto, que riu abraçando Katy pelo ombro – Eu vou procurar uma bem legal, depois te ligo e você vai ver se esta dentro dos padrões desejado.

- Certo. – Sorriu, pousando a mão na coxa de Isabel – Eu queria aproveitar que estão todos aqui e compartilhar algo. – Deu de ombros, olhando para todos da mesa – Vocês são especiais para mim. Jacob, Nessie, Katy, Anthony e Marie... – Suspirou, sem saber como começar – Vocês me apóiam na maior loucura que fiz na minha vida – Olhou de relance para Isabel – E eu não acho justo esconder algo tão importante de vocês.

- Agora eu estou curioso. – Anthony endireitou o corpo na cadeira, curioso. – O que é tão importante assim?

- Não temos certeza ainda, quero dizer, fizemos dois testes e deu positivo, é quase 99% certo que Isabel está grávida.

A reação deles demorou alguns segundos para vir a acontecer. Edward apenas sorriu, vendo que no rosto deles havia apenas surpresa e não nojo, como chegou a pensar que poderia acontecer.

- Uau, um irmão...

- Ou uma irmã. – Jacob completou, sorrindo largamente e inclinando-se para dar um toque de mão com Edward – Cara, espero do fundo do meu coração que seja uma menina, vou providenciar um menino só para ele pegar ela.

- Jacob! – Renesmee o repreendeu rindo – Oh Edward, parabéns, Isabel, querida... – Aproveitou que estava ao lado da menina e a abraçou – Parabéns minha linda.

- Obrigada Tia.

Isabel sorriu, totalmente aliviada, ficou com medo da reação deles a noticia, mas Edward, como sempre, estava certo. Eles os amavam e ficariam felizes por eles.

- Estou tão feliz! – Edward confessou, respirando fundo quando seu nariz começou a arder, por conta das lágrimas que estavam prestes a sair – Eu sei que é uma loucura, mas é a melhor loucura da minha vida. Estou feliz, sabe, eu não pude apreciar a gravidez de Bella, e agora Isabel aparece, me devolvendo tudo o que perdi.

- Oh Edward.

Ele sorriu, puxando a menina pela nuca e colando seus lábios.

- Obrigado pequena.

Empolgados, todos começaram a falar ao mesmo tempo. Até Marie deu o braço a torcer vendo a felicidade que Edward estava.

Naquela noite, depois que Jacob e Renesmee foram embora, Anthony e Katy saíram para uma boate e Marie se retirou para dormir em um dos quarto, Edward deitou na cama, sorrindo para uma Isabel sonolenta, que mal agüentava suas próprias pálpebras.

- Alguém esta caindo no sono.

Ela apenas concordou com a cabeça, ajeitando-se melhor nos travesseiros. Edward riu, se ajoelhando na cama e parando o rosto próximo a barriga da loira.

- O que está fazendo? Venha dormir. – A loira resmungou, puxando-o pelo cabelo.

- Ei, deixe-me desejar boa noite a minha filha.

- Filha? – Isabel riu baixinho, abrindo um dos olhos e vendo Edward beijar sua barriga – Você realmente gostou da idéia de ser pai ou esta apenas tentando se acostumar com a idéia?

Ele torceu os lábios, arrastando-se para cima e a beijando nos lábios.

- Eu realmente estou gostando da idéia de ser pai de novo. Não pense besteiras, não quero brigar com você por bobeiras. – Deu de ombros, deitando-se de lado e a encaixando em seus braços – Eu estou amando a idéia de ser pai de novo.

A menina riu baixinho contra o peito dele.

- Eu me sinto tão diferente. – Deu de ombros – Estou maravilhada com isso.

- Sério? Você chorou quase por 2 horas no dia em que te contei minha suspeita.

Ela rolou os olhos, beliscando-o.

- Eu estava assustada, mas agora... – Mordeu os lábios, ficando de costas na cama e pousando a mão na barriga, alisando-a devagar. – Eu tive medo de você me xingar, de não querer ser pai de novo. – Virou-se para ele, sorrindo – Mas você anda surpreendendo tanto...

- Eu sei. Até eu estou surpreso comigo mesmo. Mudei muito.

Sorriram um para o outro, ele estreitou a loira em seus braços e abaixou a luz do abajur.

Isabel resmungou, inclinando-se e desligando totalmente a luz do abajur, aconchegando-se no peito de Edward, que estava rígido.

- Edward?

Ele grunhiu baixinho, abraçando-a com força.

- Por favor, acende.

- Ei. – A menina o acolheu em seus braços – Está tudo bem, eu estou aqui...

- Eu já te contei... – Ele resmungou, sentindo seu estomago revirar.

- Sim, me desculpe eu não devia ter feito isso.

Isabel ligou o abajur, encontrando os olhos verdes de Edward em pratos. Se sentiu culpada, ele havia contado que tinha medo do escuro e o motivo.

- Tudo bem, só não faça de novo.

Ela assentiu, virando-se na cama para ficar de frente para ele.

- Edward? Já pensou em procurar uma psicóloga?

Ele negou com a cabeça, enlaçando a cintura dela.

- Você não reclamou antes da luz.

- Eu realmente não me incomodo, não tanto assim, mas estou querendo chegar a outro ponto, não seria bom você tentar superar isso? Não por eu preferir dormir de luz apagada, mas por você.

Edward deu de ombros, resmungando novamente.

- Não preciso de psicóloga, acho que podemos tentar aos poucos.

[...]

- O que acha desse? – Edward apareceu, erguendo um pequeno macacão vermelho, com um enorme sorriso. – Apesar de eu ter quase certeza que vai ser uma menina, vermelho é unissex.

- Edward, você já pegou mais de 20 macacões, não sei se si lembra, mas um bebê cresce bem rápido, isso tudo vai para onde depois?

Ele deu de ombros.

- Não quero filho meu andando por ai sempre com a mesma roupa.

Ela rolou os olhos, mas acabou rindo.

- Certo, agora podemos ir? Estamos famintos. – Tocou a barriga de leve, fazendo-o assentir.

Edward pagou tudo o que comprou e em seguida caminhou com Isabel de mãos dadas pelos corredores do Shopping. Ele realmente não se importava com os olhares de preconceito, ele estava feliz demais para se deixar abater.

Encontraram um restaurante. Isabel optou por grelhado, salada e para beber um suco natural, Edward pediu o mesmo, sorrindo enquanto a loira torcia os lábios.

- O que? – Ela indagou, vendo-o rir.

- Você está fazendo bico.

- Eu sei. Estou gostando de ficar grávida, só queria que pudesse comer o que eu quisesse e não essas coisas sem graça.

Edward negou com a cabeça.

- Prometo que se comportar e me agradar, sábado te deixo comer um lanche bem gostoso.

A menina arqueou uma das sobrancelhas.

- Oh! – Os olhos dela brilharam – Titio prometo que assim que chegarmos em casa darei um jeito de te agradar.

Ele acompanhou a língua dela correndo sobre os lábios em provocação.

- Isabel... – A repreendeu. Ele não havia dito aquilo em duplo sentido, mas ela interpretara com tal.

A menina apenas riu, mudando de assunto enquanto retirava as sapatilhas do pé e esticava as pernas, pousando-as sobre as de Edward sob a mesa.

- Meus pés estão inchados. – Resmungou, sentido a mão de Edward começar a massageá-los. A loira se deixou relaxar na cadeira, apreciando a massagem deliciosa. – Você pode fazer isso quando quiser, não irei me impor, ok?

- Certo. – Ele riu, continuando sua massagem – Você não esta nem com 3 meses ainda e está nesse ponto, imagina quando estiver beirando os 9 meses?

- Gato, não quero nem pensar. – Grunhiu.

- Gato? – Edward gargalhou dessa vez, soltando os pés dela devagar. – Vou lavar as mãos, nossa comida já deve estar vindo.

- Esta bem.

Como Edward previu, assim que voltou o almoço foi servido. Comeram e conversaram. Gostavam de ficar assim, juntos, conversando, rindo.

- Acho que podemos ir. – Isabel concluiu, colocando o pequeno pote de sobremesa que antes continha pudim. – Estou satisfeita.

- Quer fazer mais alguma coisa ou podemos ir para casa?

- Casa. – Ela sorriu. – Quero nossa cama.

Edward assentiu. Saíram do restaurante e foram para o apartamento em que ainda estavam morando. Os dois já haviam escolhido a casa na qual iam se mudar, mas ainda tinham que mobilhar, alguns moveis já tinham sido comprados.

Quanto à mídia, já havia rumores da gravidez de Isabel, mas como Edward ainda não se pronunciou tudo ficou apenas no rumor.

- Vamos tomar um banho.

A menina sorriu, sendo puxada por ele em direção a porta do banheiro. Edward retirou a camisa no trajeto e chutou os sapatos pelo quarto. Isabel rolou os olhos. Ele era muito bagunceiro.

Apenas trajando uma de suas cuecas boxers Edward começou a se mover pelo banheiro, enquanto a loira o observava colocar a banheira para encher aproveitou para se livrar da roupa também.

Girou seu corpo, ficando de frente para o enorme espelho que tinha no banheiro. Mordeu os lábios, vendo que seus quadris já começavam a ficar largos.

Correu os dedos por sua pele, buscando sentir algo, mas não conseguiu.

- Ainda está cedo pequena.

Edward a abraçou por trás, beijando seu ombro e admirando a imagem de sua menina no espelho.

- Eu sei... Só estou ansiosa.

- Quando menos perceber já estará trocando fraudas. – Ele riu, arreganhando os lábios em um sorriso.

Isabel torceu os lábios.

- Amo crianças, mas nunca troquei uma frauda.

- Fique tranqüila, faz muito tempo, mas ainda sei como se faz. Posso te ensinar.

A menina sorriu, girando e o abraçando pelo ombro.

- Você é perfeito sabia?

Edward aproximou o rosto dela, com um sorriso brincalhão.

- Eu sei pequena, mas não espalhe ok? – Se gabou. Isabel rolou os olhos rindo. Ficou na ponta dos pés e o beijou no queixo enquanto passava seus braços ao redor da cintura dele e o abraçava. Soltou um suspiro apaixonado e sorriu se afastando, admirando aquele homem por quem sempre fora apaixonada. – Vem, vamos relaxar um pouco.

A levou até a banheira, entrando, sentando e abrindo as pernas para que ela se acomodasse ali. A menina corou, mas sorriu com a atitude dele.

- Nunca tínhamos tomado banho de banheira juntos. – Sussurrou ela, acomodando-se contra o peito dele.

- Pois é, me esqueci de como é bom ter uma banheira quando se tem uma linda mulher para usufruir dela consigo. – Abraçou o corpo pequeno, pousando suas grandes mãos na barriga dela.

Ela virou o rosto para olhar Edward, que tinha os olhos fechados enquanto corria os dedos lentamente, fazendo a menina suspirar.

- Já pensou o que vamos fazer quando todos souberem?

- Isabel, todos já sabem. – Edward abriu os olhos. – Todos que são importantes para nós.

- Você entendeu o que eu quis dizer... – Resmungou.

Ele simplesmente deu de ombros.

- Vão colocar mais defeitos em mim, mas posso conviver com isso se prometer tomar banho comigo todos os dias.

- Você realmente não parece estar se importando muito. – Suspirou – Quanto à empresa?

- Tenho tudo sob controle na empresa. Eu deixei de me importar quando decidi viver com você, não é hora para lamentar não acha? Estou sendo abençoado novamente, dessa vez tudo vai ser diferente.

- Como você consegue ser tão incrível? – Ela riu, deixando seu corpo deslizar e ficando de bruços dentro da água, próxima ao membro de Edward.

- Incrível, mas não se esqueça do gostoso querida.

-.., Convencido também.

Ele riu. Puxando a loira para cima e deixando seu corpo escorregar mais para dentro da banheira, mantendo a menina agora deitada sobre parte de seu tórax. Suspirou, sentindo os seios duros dela contra sua barriga. Deixou sua cabeça apoiar na borda da banheira e gemeu baixinho.

- Hm... Pelo que me lembre, você falou algo de me agradar... – Ele abriu os olhos, movendo as sobrancelhas sugestivamente.

A garota mordeu os lábios assentindo.

- Eu terei mesmo minha recompensa?

Ele sorriu, mostrando todos seus dentes brancos.

- Garota, de mim você já tem tudo o que quiser.

- Certo. – Isabel riu, sentando-se no colo dele, Edward rapidamente se sentou também, apertando a cintura dela. – E o que posso fazer para te agradar meu amor?

Edward soltou um longo suspiro admirando os lábios que acabara de chama-lo de amor. Ele olhou em seguida para o rosto dela.

- Não precisa fazer nada. – A abraçou – Andamos o dia inteiro, parece estar exausta.

- Estou, mas não vai ser um sacrifício. – A loira riu, enterrando o rosto no pescoço dele e  mordia o local.

- Alguém aqui tem que ser sensato. – Brincou, deslizando as mãos pelas coxas largas dela, apertando. Uma das mãos subiu para os cabelos loiros, puxando-os devagar e colando seus lábios.

Isabel soltou um gemido, apressando-se em grudar mais nele, sentindo o membro grosso de Edward começando a tomar vida entre suas pernas, roçando em sua entrada.

- De uns dias pra ca, venho me sentindo diferente. – A garota confessou, desgrudando os lábios dos dele para olha-lo. – Não pense que sou uma tarada por estar te atacando.

- Meio tarde para que eu mude meus conceitos em relação a você. – Ele gargalhou – Você se lembra quando ficou determinada a me conquistar? Ficava rebolando e roçando essa bundinha gostosa em mim sempre que conseguia.

Edward lhe deu uma leve palmada, vendo a loira corar enquanto ria timidamente.

- Ora, alguém tinha que tomar a atitude. – Deu de ombros, enlaçando-o pelo pescoço. – Se eu não tivesse insistido não estaríamos aqui hoje.

- O que seria uma pena. – Ele se inclinou, apanhando um dos mamilos nos lábios, sentindo Isabel estremecer em seus braços. – E quanto ao seus surtos de desejo, estarei disponível sempre que necessitar. – Deslizou sua mão para o meio das pernas torneadas, sentindo a intimidade quente contra seus dentes, fazendo-a gemer e se esfregar mais contra ele.

- Por favor... – Implorou, mordendo o queixo dele. – Sem delongas.

Edward assentiu, ajudando-a, erguendo-a pelo quadril e encaixando-a em seu membro duro. Observou a pele branca da menina em chamas, mordeu os lábios, admirando o quão perfeita ela estava, ali, começando a deslizar em seu cumprimento.

Sorriu, notando as bochechas branquelas tomando um tom vermelho na medida em que o calor a tomava. Ele adorava aquilo. Gemeu, ajudando-a a subir e descer em movimentos suaves, quando ela tentava aumentar o ritmo Edward a parava, não sabia se podia abusar, a consulta a ginecologista ocorreria dali dois dias, ele era inexperiente quanto a fazer amor com mulheres grávidas.

Quando alcançaram o ápice, Isabel desabou exausta contra o peito dele, aconchegando-se ali. Edward a ajudou sair da banheira e foram para o chuveiro, onde a lavou com água quente, tomaram um banho rápido e logo estavam na cama, com a menina sobre seu peito, suas pequenas pernas emboladas nas dele.

- Boa noite Isabel. – Edward virou o corpo, fazendo-a cair ao seu lado e a apertou contra seu peito, sentindo um braço dela cobrir sua cintura.

- Boa noite. – Beijou o peito nu dele. – Tem mesmo que ir para Londres amanhã?

Ele assentiu, ouvindo o leve choramingo dela.

- Vai ser rápido princesa, você nem vai perceber, farei o máximo para de noite estar aqui, dormindo contigo.

Isabel assentiu e ele suspirou, torcendo de leve os lábios. Não sabia como lhe dar com a situação, tinha que dar com situações assim quando Anthony era pequeno, muitas vezes o carregava com ele, isso claro quando não atrapalharia suas aulas. Beijou a testa da loira.

- Bom, se você quiser pode vir comigo.

- Mesmo?

- Sim.

- Eu gostaria muito, mas é uma viagem cansativa. – Deu de ombros.

- Então vamos dormir, amanhã o dia será longo.

Ela assentiu, se agarrando a ele e bocejando.







Nenhum comentário:

Postar um comentário