Bem vindos ao Fanfics da Cah. Sou Camila Cocenza, futura garota de programa! E não, não é o que estão pensando, apenas pretendo cursar Engenharia da Computação. Para mais informações: cahcocenza@hotmail.com

15/11/2012

Desculpa se eu te amo - Capitulo 11


N/A: Mil desculpas pela demora, estava sem inspiração, mas agora tenho umas ideias mirabolantes e muito más -paraEdward- (: espero que gostem! hehe

~~~~~~~~~~~~~~~~~~

Capitulo 11

POV Edward

Olhei para o teto, sem saber ao certo o que pensar, o que fazer... Virei-me na cama, fitando a janela aberta por alguns segundos.

Jacob estava certo, eu realmente andava muito estranho, mas nem eu sabia o motivo, ou melhor, eu sabia, apenas não queria acreditar.

Me sentei, tentando tirar aquela idéia da cabeça. Olhei para o relógio e ainda não havia passado das 23h00min.

Decidido, me levantei e retirei minha calça de flanela, substituindo-a por um jeans. Jacob havia me convidado mais cedo para sair, e como eu não havia aceitado foi sozinho, alegando que não iria ficar mofando como eu. Vesti uma camisa pólo, calcei meus sapatos, peguei minha carteira, chaves e sai do apartamento, trancando a porta.

Já no estacionamento, entrei em meu carro e dei partida. A boate que Jacob havia dito que ia não ficava muito longe, por isso não demorei muito a chegar.

Suspirei parando o carro, decidido a tirar Isabella da minha cabeça e me dedicar a Jake, afinal, eu e ele praticamente não estávamos nos falando mais... E depois de tudo o que passamos para chegar onde estamos hoje... Depois de tantos anos juntos... Não, eu não ia mandar tudo para o lixo por apenas estar confuso.

Cheguei ao Pub que costumávamos a frequentar, deixei meu carro parado do outro lado da rua e entrei. Não demorei muito a encontrar Jacob e travei o maxilar ao ver que ele não estava sozinho.

Quando me viu, levantou-se, trocando um olhar com James e vindo em minha direção.

- Edward. – Moveu a cabeça.

- Então era para isso que queria vir aqui? Ver James?!

Ele suspirou.

- Podemos conversar lá fora? – Olhou ao redor. Assenti, seguindo-o. Fomos para o outro lado da rua, entrando em meu carro. – Pensei que você não viria...

- Eu realmente não devia ter vindo, não é?

- Edward, não é assim... Entre James e eu não rolou nada. – Tocou meu ombro, alisando-o. – Eu não sou o idiota que Isabella pensa, posso até ter sido um dia, mas hoje não sou mais assim, jamais faria isso com você, só que... – Respirou fundo, me fazendo virar no banco para olha-la. – Francamente, a quem queremos enganar? Porque vamos insistir em algo que você já não quer mais?

- Eu... – Mordi os lábios – Claro que eu quero.

- Não minta. – Sorriu revirando os olhos – É obvio que você está apaixonado por ela...

- Não! – Neguei rapidamente.

- Sim, eu te conheço há anos. – Deu de ombros, retirando a mão de mim. – Na verdade acho que é apaixonado por ela há tempos, só que nunca percebeu isso, até essas férias.

Abaixei os olhos. Droga, até Jacob havia percebido...

- Me desculpe. – Sussurrei, encolhendo os ombros – Eu fui um idiota fazendo o que fiz... sabe? Ter ido para a cama com Isabella enquanto estava com você.

- Tudo bem. Eu já te perdoei por isso. – Sorriu, mostrando seus dentes brancos – Eu não te trai enquanto esteve fora, mas... – Abaixou os olhos – James e eu nos aproximamos bastante, descobri que ele e eu temos muitas coisas em comum.

- Estamos terminando? – Franzi a testa, prendendo o riso.

- Acho que sim. – Ele concordou.

- Esse é o termino mais compreensivo que já vi. – Ri.

- Pois é, é que nós dois concordamos que se ficarmos juntos estaremos mentindo para nós mesmo. – Me acompanhou.

- Tudo bem, tem razão. – Estendi a mão para ele,  que a apertou. – Foi bom passar esses anos com você.

- Digo o mesmo Edward. – Coçou a nuca. – Agora eu vou entrar e quanto a você... – Piscou – Porque não vai atrás de Isabella?

- É isso que vou fazer. – Garanti.

Jake saiu do carro e eu o liguei, apressando em manobra-lo para fora dali.

Depois teríamos muito o que conversar ainda, em relação a nosso apartamento e etc, mas isso tudo ficaria para depois, agora, eu só precisava encontrar Isabella e concertar a burrada que fiz.

Suspirei, ligando o som enquanto sorria.

É como se uma tonelada tivesse sido arrancada de minhas costas.

POV Isabella

Esme estava com o mesmo sorriso de “Eu sabia” desde que eu cheguei ali.

Nesse momento estávamos sentado na sala da casa de praia. Eu no sofá, encolhida pelo frio que estava fazendo. Já minha ex-sogra, sentada no outro sofá, finalizando o primeiro sapatinho branco de crochê que havia começado a fazer desde que liguei, dando-lhe a noticia de minha gravidez.

- Já pensou nos nomes? – Puxou assunto, colocando de lado o que estava fazendo e vindo para o mesmo sofá que eu.

- Ainda não. – Confessei, suspirando – Ainda está muito cedo, não acha?

- Claro... – Torceu os lábios, olhando-me com os olhos pidões.

Ri.

- Porque?  - Indaguei, sorrindo. – Tem alguma indicação?

Esme abriu um imenso sorriso, me fazendo rir.

- Sabe, quando Edward era pequeno, disse que me daria uma netinha e que se chamaria Elizabeth, porque era o nome da minha mãe... – Mordeu os lábios.

- Eu gosto Elizabeth. – Confessei, colocando a mão sobre minha barriga. – Se for menina, será Elizabeth!

- Oh! – Esme murmurou, com os olhos banhados. Em seguida inclinou-se, tocando de leve minha barriga – Oi coisa linda da vovó...

Mordi os lábios, vendo o quão feliz ela estava.

Riu lembrando do desespero dela ao saber a noticia, até desmaiar ela desmaiou, depois disse que era para mim vir ficar com ela e Carlisle, fazendo o drama, alegando que ficaria doente longe do bebê.

Eu acabei concordando, assim resolveria meus dois problemas: Ficaria longe de Edward e ele não saberia que eu estou grávida.

 Obvio que pretendo contar a ele, mas no momento só queria ter um tempo para pensar.

Eu estou grávida!

Sorri, a ficha ainda parecia que não havia caído. Não conseguia acreditar que dentro de mim estava um lindo bebezinho, que esta crescendo rapidamente, me fazendo ficar louca... Uma hora rindo, outra chorando.

- Acho que vou me deitar um pouquinho. – Me levantei. – Estou com muito sono.

- Vai lá querida, daqui a pouco levo algo para você comer.

Beijei a bochecha de Esme, subindo as escadas e entrando no quarto de Edward. Fiquei parada na porta por alguns minutos, lembrando das vezes em que nossos corpos se enroscaram naquela cama...

Foi ali que fizemos nosso bebê.

Fechei a porta, indo para a cama, deitando-me e abraçando o travesseiro. Fechei os olhos aspirando o cheiro dele.

Daqui 6 meses nosso bebê nasceria e eu não poderia evita-lo para sempre, além disso era seu direito saber.

Inclinei-me, alcançando meu celular que estava sobre a mesinha de cabeceira. Resmunguei, vendo-o desligado.

Me levantei, caçando meu carregar por entre minha bagunça. Quando finalmente o achei, voltei para a cama, plugando o celular no carregador e colocando-o na tomada que havia ali. Liguei o aparelho, franzindo a testa com a quantidade de mensagens e chamadas perdida.

Meu coração deu um pulo.

Oh, eram todas de Edward.

Entrei no menu, acessando minhas mensagens, a primeira havia sido ontem a noite, ás 22:39.

----------------

Estou indo para seu apartamento, precisamos conversar.

----------------

A segunda havia sido 10 minutos depois.

----------------

Isabella, atende a porta! Estou apertando a campainha feito louco, não finja que não está ai, por favor, preciso falar com você...

----------------

Ele havia ido ao meu apartamento? Para que?

Ansiosa passei para a próxima mensagem.

----------------

Acabei de descer a portaria e sabe o que seu porteiro me disse? Que você deixou seu apartamento com malas, dizendo que voltaria apenas para vendê-lo. Mulher, onde você se meteu?!

----------------

Me sentei na cama. Eu realmente não pretendia voltar para meu apartamento, afinal, eu estava grávida e uma criança precisa de espaço,  por isso, compraria uma casa para mim.

Havia mais centenas de mensagens de Edward, todas perguntando onde estou, se eu estava bem, porque não estava respondendo a ele.

Disquei o numero dele e respirei fundo, aguardando ele atender.

- Bells? – Atendeu, assustado. – Sua louca, sabe como estou preocupado? Te procurei por toda parte.

- Oi para você também. – Resmunguei, rolando os olhos.

Ele ficou quieto por alguns segundos.

- Me desculpe, eu só... – Suspirou – Fiquei preocupado.

- Não precisa se preocupar comigo, estou bem. – Travei meu maxilar. Que direito ele tinha de se preocupar comigo? – Sou maior de idade, sei o que faço.

- Não quero brigar. – Resmungou do outro lado da linha – Pelo contrário... Eu... Droga... -  Voltou a ficar em silencio. – Onde você está? Preciso falar com você.

Mordi os lábios. Era agora...

- Estou na casa dos seus pais.

O silencio dessa vez foi maior. O que me fez sorrir. Ele estava surpreso.

- Na casa... dos meus pais?

- Sim Edward. É uma longa história, mas resumindo, algo deu errado, sei que usamos camisinha, mas descobri que estou grávida, acabei contando para seus pais e sua mãe me obrigou a vir ficar com ela.

- Espera... Eu... Eu... Não entendi... Espera! – Estava desesperado, o que me fez rir. – GRAVIDA?!

- Sim. Vou ser mãe. – Mordi os lábios.

- É... é meu?

- Edward!

- Me desculpa, me desculpa... Eu... Eu... Me espera, estou indo pra i.

- Edward...

Antes que eu terminasse o celular havia sido desligado. Tentei ligar para ele novamente, mas só deu caixa de mensagem. Me levantei da cama, calçando meu chinelo e descendo para a sala. Esme estava falando sozinha, enquanto bordava “Elizabeth” no patinho branco recém-feito.

- Que lindo. – Sussurrei, sentando-me no sofá que ela estava.

- Gostou? Achei lindo também.

- Mas não pensou que pode ser uma menina?

Ela deu de ombros.

- Podemos chama-lo de Elizabeth?

Ri alto.

- Acho que ele sofreria Bullying na escola.

- Verdade. – Acabou confessando – Mas vou guardar, vai que nasce uma menina?

- Sim. – Concordei. – Tenho uma ideia melhor. Faz os sapatinhos e quando descobrirmos o sexo você borda o nome, pode ser?

- Ótima ideia! – Concordou.

- Deixa eu te contar... – Respirei fundo, fazendo-a me olhar. – Edward me mandou varias mensagens de ontem para hoje, mas meu celular estava descarregado. – Mordi os lábios – Liguei para ele e acabei contando que estou grávida, ele está vindo para cá.

- Sério? – Sorriu largamente.

- Sim. Como você mesmo disse eu não conseguiria esconder dele pelo resto da vida. Sei que ele também sempre quis ter um filho, mas se não quiser porque é meu, vou entender, vou cuidar do nosso bebê sozinha.

- Não diga bobeiras Isabella. – Pegou minha mão – Tenho certeza que Edward nunca faria isso.

- Eu sei mas... – Franzi a testa, tentando evitar o choro. – Na última vez que nos encontramos eu disse que ele deveria escolher a mim do que Jacob, porque eu poderia dar um bebê a ele, mas ele disse que isso nunca faria ele me amar.

- Oh querida, se acalme. É um bebê, isso pode mudar os pensamentos dele.

- Não quero que ele fique comigo por obrigação. – Suspirei – Conheço Edward e sei que ele é capaz disso.

- Quando ele chegar vocês conversam, ok?

Assenti.

- Tudo bem. – Me levantei – Tem chocolate?

- Na cozinha.

- Ok.

POV Edward

Passei a mão pelo cabelo, enquanto esperava meu voo ser chamado. Respirei fundo, passando a mão por minha testa.

Eu havia ido ao apartamento dela e procurado por ela o dia todo e nada, agora isso... Isabella esta na casa dos meus pais! GRAVIDA!

- Sua maluca... – Resmunguei baixinho, sorrindo em seguida.

Um bebê.

Apesar de nossa situação não ser a melhor, eu estava contente. Sempre quis ser pai.

Franzi a testa, me lembrando do que ela havia dito na ultima vez que a vi.

“Eu posso te dar aquilo que você mais deseja, mas com ele nunca vai ter... Um filho Edward”

Resmunguei. Droga, é obvio que ela já sabia que estava grávida. Deve ter se sentindo péssima com o que eu disse.

Felizmente agora eu poderia concertar tudo e realmente dizer para ela que estava errado o tempo todo, que eu a amava e que poderíamos sim tentar.

Meu embarque foi anunciado. Peguei minha mala e fui em direção ao portão número 4.

[...]

A viagem foi cansativa, não pelo fato da distancia, mas sim por eu não ter conseguido pregar os olhos.

Droga,  pensei que tudo seria mais simples, mas o que pode esperar de Isabella? Nunca se sabe...

Era quase 6:30 quando meu avião pousou em Miami. Aluguei um carro e me pus a dirigir para a casa de praia dos meus pais, eu sabia que era arriscado, afinal, eu estava morto de sono. Felizmente ou não, não sofri nenhum acidente no decorrer do caminho. Logo, estacionei o carro enfrente a casa branca. Sai, olhando com dificuldade para o mar. O sol já havia nascido e o dia estava lindo... Perfeito para uma reconciliação.

Sorri com meu pensamento, indo em direção a porta de entrada e girando a maçaneta. Torci os lábios percebendo que a mesma estava trancada.

Coloquei minha mala no chão da varanda e me deitei na rede que havia ali. Eu teria de esperar que eles acordassem...

Não sei ao certo quanto tempo fiquei ali, mas era fato que eu havia pego no sono. Acordei com alguém cutucando meu peito. Pisquei algumas vezes, buscando o foco e encontrei o rosto amassado de Isabella.

- Bella. – Me apressei em sentar na rede, passando a mão por meus cabelos enquanto meus olhos percorriam seu corpo. Um pequeno sorriso surgiu um meus lábios quando pude notar sua barriga saliente. Ela estava linda. – Você está... – Suspirei, mordendo os lábios – Linda.

- Obrigada. – Suspirou pesadamente, olhando-me por alguns segundos. – Você não precisava ter vindo.

- Não? –Rolei os olhos – Bella, que tipo de homem acha que eu sou.

A morena a minha frente torceu os lábios e deu de ombros.

- Vamos entrar, ainda está muito cedo. – Virou-se entrando para dentro da casa sem responder minha pergunta. Me levantei, pegando minha mala e entrando em casa. Acompanhei-a pelas escadas e parei enfrente ao meu quarto quando a mesma me barrou, espalmando a mão em meu peito.

- O que está fazendo?

- Bella, esse é meu quarto, eu...

Ela negou com a cabeça.

- Ele está sendo ocupado por mim, sua mãe preparou o da frente para você, agora vou voltar a dormir, mais tarde conversamos. – Empenou o nariz – Você chega assim do nada e quer dormir no meu quarto? Eu estou aqui primeiro, então contente-se com aquele. – Apontou para a outra porta – Ou pensa que sou uma idiota para dividir a mesma cama que você quando Jacob não está nela?

Fiquei olhando para a porta que ela havia fechado em minha cara. Bufei, rodando em meus calcanhares e entrando no quarto da frente.

Ela não havia deixado eu abrir a boca, mal falei um “a” e ela me bombardeou.

Deixei minha mala no canto e me joguei na cama. Pelo jeito, as coisas seriam mais complicadas do que pensei.










6 comentários:

ne disse...

pera-la o ed e gay nessa fic e isso ele e o jacob era namorados!!isso e bem interesante.

Anônimo disse...

iuuuupiiiiiiiiiiii finalmente novidades minha linda, soube a mto pouco kero mais :P
bem vinda de volta, estou ansiosa para ver o resultado, desta fic. bjinhos grandes


cris

Natalocas disse...

Um Edward homossexual ainda me deixa meia confusa... lol... mas independentemente disso eu estou a gostar desta fic!!:)

Soube a pouco é bem verdade!! Fico à espera de mais!!:D

Bjinhos gnds

Carollyne disse...

OMGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG NAOOOOOO ACREDITOO acordo né Bichaaaa ,
AMEI AMANDO APAIXONADAAA
CONTINUA CONTINUA !!!!

Anônimo disse...

Ameiiii *.* Posta mais Cahh

Anônimo disse...

Muito bom o capitulo. Posta mais. :D

Postar um comentário