Bem vindos ao Fanfics da Cah. Sou Camila Cocenza, futura garota de programa! E não, não é o que estão pensando, apenas pretendo cursar Engenharia da Computação. Para mais informações: cahcocenza@hotmail.com

21/10/2012

She Will Be Loved - Capitulo 6


N/A: Peço desculpas pela demora, mas estava sem tempo para escrever e a inspiração tbm não estava colaborando muito. Espero que gostem! (:


Capitulo 6

O garoto sorriu, empinando o queixo enquanto atravessava a rua de mãos dadas com a mãe. Thony sabia o quão linda Isabella era e adorava que ela o levasse para a escola, coisa que não acontecia há muito tempo.

- Prontinho, chegamos meu amor. – Bella passou a mão na franja, levando-a para trás da orelha. – Me de um beijo, vem cá.

A morena se abaixou e Anthony a beijou na bochecha, abraçando-a em seguida.

- Obrigada! – Sorriu torto, fazendo-a suspirar. O pequeno olhou ao redor e riu –Sabe, você é  a mãe mais bonita que eu já vi.

- São seus olhos meu anjo. – Riu, alisando os cabelos lisos dele.

- Que nada. – Bufou, olhando para trás e rindo – Olha só a mãe do Riley, parece uma sapa!

- Anthony!

O repreendeu, puxando de leve sua orelha.

- Ai mãe!

- Não diga mais isso ok? É muito feio.

- Ok. – Ele fez um lindo bico, tocando a orelha e fazendo-a suspirar. – Você me ensinou a não mentir, então só to falando a verdade!

- Tudo bem pequeno, me desculpe. – Riu, beijando a testa dele que ainda reclamava baixinho. – Eu estarei aqui para te pegar na saída ok? – Mais um beijo em sua bochecha branca – Seja um bom garoto.

- Eu sempre sou. – Afirmou piscando para Isabella e correndo em direção a escola em seguida. O garoto parou no portão e sorriu, acenando para a mãe que retribuiu.

Assim que ele entrou à morena atravessou novamente a rua, sentando-se em um ponto de ônibus.

Ela suspirou, olhando o relógio. Ainda era 06h55min, teria tempo suficiente para procurar emprego e distribuir alguns currículos, voltar para casa preparar o almoço e voltar novamente para buscar meu filho.

Passou a mão pelo zíper da bolsa simples que estava sobre seu colo, abrindo a bolsa e pegando algumas moedas que seriam suficientes para o ônibus.

[...]

- Eu acho que dará tudo certo. – O senhor passou a mão pelo bigode espesso, sorrindo em seguida para a morena – Parabéns, o emprego é seu! Esteja aqui amanhã, as 7:30.

- Ok, muito obrigada Sr Stevens. – Isabella sorriu. Após várias tentativas frustrantes, finalmente, ela havia encontrado um emprego. Seria garçonete de uma lanchonete muito frequentada, trabalharia quase o dia todo, mas o dinheiro a ajudaria e muito. – Estarei aqui amanhã.

- Certo. – Apertou a mão dela – Peço apenas que traga seus documentos: Identidade, CPF e carteira profissional.

A morena mordeu os lábios resmungando baixinho, ao se lembrar de que sua carteira estava com Esme, que ficou de mudar algumas informações a respeito do salário dela quando ganhou um aumento, e desde então, não havia pego de volta.

- Amanhã trarei tudo, pode ser?

- Tudo bem, agora preciso voltar para fazer algumas encomendas.

Ela se despediu dele e saiu da lanchonete. Olhou para o relógio no pulso e deduziu que não daria tempo de ir até sua casa e buscar Anthony depois, por isso, foi caminhando até a escola publica que não ficava muito longe dali, chegando lá quando faltava exatamente 10 minutos para o garoto ser liberado.

A morena sentou-se em um dos vários bancos enfrente a escola, de costas para ela. Suspirou olhando a rua movimentada.

Franziu a testa e cerrou os olhos tentando identificar o carro que por ali passava. Seus olhos em seguida se arregalaram.

Não podia ser!

Skank – Resposta [ 4shared / YouTube ]

Edward apenas assentia para a noiva, enquanto dirigia sem dar atenção a ela.

- Podemos passar nossa lua de mel em Los Angeles, já que combinamos de mudar pra cá depois do casamento, podemos passar alguns dias por lá.

Ele apenas assentiu, passando uma mão pelo cabelo. Não estava aguentando a falação da morena em sua cabeça.

- Isabella? – Franziu a testa, olhando pela janela e vendo-a parada próxima a uma escola, sentada em um banco.

Bem mais que o tempo
Que nós perdemos
Ficou pra trás também o que nos juntou
Ainda lembro o que eu estava lendo
Só pra saber o que você achou
Dos versos que eu fiz
E ainda espero
Resposta

- O que? – Tânya indagou confusa. – Não entendi.

- Não é com você. – Jogou o carro no acostamento. – Não saia do carro.

Abriu a porta e olhou para o outro lado da rua, vendo Isabella encarando-o.

Sorriu. Parecia que não a via há anos!

A morena engoliu em seco, desviando os olhos. Edward se apressou em atravessar a rua.

- Bells.

Parou enfrente a Isabella, que olhou para ele e desviou os olhos novamente, mas dessa vez fitando o carro, onde Tânya havia saído do carro e olhava para eles visivelmente confusa.

Desfaz o vento
O que há por dentro
Desse lugar que ninguém mais pisou
Você está vendo o que está acontecendo
Nesse caderno sei que ainda estão

- Sua noiva? – Indagou em um sussurro. Edward virou para trás e em seguida voltou-se para Isabella, assentindo. – Uau, ela é realmente linda.

- Não tanto quanto você.

- O que quer aqui? – Perguntou, levantando-se e cruzou o braço contra o peito – Veio rir de mim? Ver como me deixou arrasada? Se era isso que queria, você conseguiu... – Mordeu os lábios, prendendo o choro – Por favor, vá embora.

- Porque está dizendo tudo isso?! – Indagou irritado. – Você tirou conclusões precipitadas, como quer que eu vá embora se está sendo injusta comigo?

Os versos seus
Tão meus que peço
Nos versos meus
Tão seus que esperem
Que os aceite em paz
Eu digo que eu sou
O antigo do que vai adiante
Sem mais eu fico onde estou
Prefiro continuar distante

- Injusta contigo? – Riu sarcástica. – Foi você quem me abandonou naquele motel!

- Me deixe explicar. – Implorou, aproximando-se dela. Isabella negou, dando um passo para trás.

- Você não tem nada a explicar. Não temos nada... – Deu de ombros – Nunca tivemos.

- Eu te amo Bells. – Tocou sua bochecha. – Eu vou embora, mas pode ter certeza que não vou desistir.

Ela apertou os olhos com força, irritada.

- Será que você não entendeu Edward?! – Virou o rosto, tirando-o das mãos dele. – Eu não vou ceder,eu não te quero mais.

- Não diga isso, olha...

Bem mais que o tempo
Que nós perdemos
Ficou pra trás também o que nos juntou
Ainda lembro o que eu estava lendo
Só pra saber o que você achou

- Olha você! – O empurrou devagar. – Vá embora, me esqueça! Somos tão diferentes, olhe só para nós! Nunca daríamos certo... Vamos deixar as coisas como estavam antes de você voltar.

Edward torceu os lábios, sentindo seus olhos arderem.

- Mas gosto tanto de você.

- Se gosta mesmo, então faça o que estou pedindo.

Ele passou a mão pelo rosto que começava a ficar vermelho e assentiu. Maldita Isabella! Não existia mais teimosa!

- Se é isso o que você quer que eu prove meus sentimentos por você... Não vou mais te procurar.

Desfaz o vento
O que há por dentro
Desse lugar que ninguém mais pisou
Você está vendo o que está acontecendo
Nesse caderno sei que ainda estão


Edward virou-se, dando as costas para Isabella e voltando para o carro.

Sem mais eu fico onde estou prefiro continuar distante

- Quem era aquela mulher?

- Cala a boca e entra no carro Tânya. Não quer se casar? Então nós vamos!

- Nós já não íamos?

Ele entrou no carro, sem responder.

Isabella suspirou aliviada, enxugando as lágrimas do rosto, enquanto o carro de Edward saia da rua. Ela voltou-se para a escola e viu o filho encarando-a confuso no portão, esperando que ele fosse aberto para sair.

A morena acenou para ele, sabia que teria problemas depois. Precisava manter Edward afastado, se ele descobrisse sobre o garoto...

- Quem era aquele homem? – Foi a primeira coisa que o pequeno perguntou quando saiu.

- Oi para você também meu amor, mamãe estava com saudades e te ama muito.

O pequeno revirou os olhos, abrindo um largo sorriso e abraçando-a.

- Oi mamãe. – Riu, tendo os cabelos acariciados. – Também te amo.

- Agora sim. – Ela pegou a mochila dele, jogando nas costas e segurando sua mão. – Que tal tomarmos um sorvete?

Anthony arregalou os olhos, esquecendo-se totalmente de que sua mãe não havia respondido sua pergunta sobre Edward.

- Podemos?

- Claro que sim. – Ela sorriu, suspirando internamente. Por hora, não precisaria falar com ele sobre Edward.

- Mas... E o dinheiro? – Indagou tristonho. – Deixa pra lá, podemos tomar outro dia... – Colocou as mãozinhas para trás, olhou para o chão e chutou uma pequena pedra. – Sabe, nem quero tanto assim.

- Querido, fique tranquilo, podemos gastar aquele trocado. – Tocou a bochecha do menino, erguendo seu rosto para olha-la. – Mamãe arrumou um novo emprego e como o dono de nossa casa é bonzinho e topou segurar o aluguel até o próximo mês... Tudo vai dar certo!

- Ótimo! – Anthony vibrou – Quero um sorvete de casquinha!

- Casquinha? – Riu da empolgação do menino, que soltou sua mão e começou a caminhar, enquanto ela o seguia.

- Sim, sim!

- Acho que o de casquinha está ótimo então.

Ele se virou, passando a mão nos cabelos e continuando a andar, mas de costas.

- Quero de morango... Não, não... Quero de chocolate... AAAAh Droga! To confuso... – Fez uma carinha de dor, que a fez rir mais ainda. – Já sei! Pode ser duas bolas? Uma de morango e outra de chocolate? Diz que sim mãe, vai!

- Tudo bem, tudo bem. – Sorriu, voltando a pegar em sua mão. – Mas com um combinado!

- Qualquer um que você quiser. Diz o que é!

- Ótimo. – Piscou para ele – Vou querer um pouquinho!

- Eu acho que posso viver com isso.
[...]

Edward mexeu o copo, sorvendo o uísque que tomava, olhando pela janela enquanto via o céu escuro e nublado.

- O que está fazendo? – Emmett se jogou ao lado dele, sorrindo torto.

- Bebendo. – Torceu os lábios.

- Qual é Edward, animo! – O irmão dele o cutucou – Daqui alguns dias você será um homem casado, que tal aproveitarmos?

- Não estou com cabeça Emmett. Por favor, me deixa sozinho.

O grandão deu de ombros, levantando-se e subindo as escadas. Edward continuou na sala, enquanto bebia mais um pouco de sua bebida deixou sua mente vagar na lembrança de sua noite com Isabella. Apertou os olhos com força. Fazia quase uma semana que não a encontrava...

Lembrou-se do corpo quente colado ao seu, das pequenas mãos apertando seu ombro enquanto a amava.

- Deus... – Gemeu.

Sentiu alguém sentando em seu colo, fazendo-o abrir os olhos e encontrar os de sua noiva.

- Está gemendo? – Ela arqueou uma sobrancelha, movendo-se no colo dele. Edward engoliu em seco. Apesar de amar Isabella, era homem... E não era fácil se controlar ter uma mulher tão parecida, fisicamente, com sua morena em seu colo.

- Não. – Negou, acomodando-se melhor no sofá. – Apenas estou com uma dor de cabeça irritante.

- Hmm... – Ela ronronou, beijando seu pescoço.

- Tânya, o que está fazendo? – Suspirou, afastando-a.

- Estou com saudades amor, faz tempo que voltei e até agora não tivemos um tempo só para nós.

- Aqui não. – A afastou – Meus pais estão em casa.

- Vamos para o quarto então?

- Agora não, é que... – Franziu a testa, sabendo que se arrependeria mais tarde. – Preciso me arrumar, Emmett me convidou para ir a um barzinho.

A morena bufou, saindo do colo dele.

- Tudo bem. – Grunhiu irritada, subindo as escadas enquanto Emmett descia as mesmas.

- Mudou de ideia? – Arqueou a sobrancelha, provocando Edward.

- Vamos logo, antes que eu mude de ideia.

- Tudo bem maninho, você não irá se arrepender. Vou me arrumar rapidão!

- Certo, vou tomar banho e desço logo.

Edward subiu para seu quarto e encontrou Tânya saindo de dentro do closet com um vestido preto, justo e curto.

- Vai sair? – Indagou, entrando no mesmo closet e procurando por alguma roupa.

- Sim, uma... velha amiga me ligou. Como vai me deixar sozinha, de novo, resolvi passar a noite com ela, sabe, pondo o papo em dia.

- Tudo bem, vou tomar um banho.

Edward tomou seu banho rapidamente, quando saiu Tânya já não estava mais em casa. Encontrou Emmett na sala, todo arrumado e com um sorriso sacana nos lábios.

- Aonde vamos?

- Que graça vai ter se eu te contar?

- Emmett, não faça eu me arrepender...

- Garanto que você não vai!

- Certo, vamos.

Os dois pegaram um taxi enfrente a mansão dos Cullen, o que deixou Edward amedrontado, pois se iam de taxi, sabia que o irmão pretendia embebeda-lo.

- Relaxa e curta sua noite, porque depois você vai se casar e não terá mais outra oportunidade.

Edward assentiu.

Durante o caminho Emmett foi falando bobeiras, o que já era de se esperar dele, enquanto Edward apenas assentia e concordava.

A quem queria enganar? Sabia muito bem que estava acabado... E em sua cabeça só se passava a ideia de que iria se casar sim, mas com outra mulher, uma mulher que amava, mas não como mulher, sim como amiga e companheira.

Havia conhecido Tânya ali mesmo em Nova York, onde ficaram algumas vezes, mas logo em seguida ele mudou e se reencontraram há alguns anos em Los Angeles. De fato, ele realmente não a amava, nem sabia ao menos o porque de estar a ponto de se casar com ela. Tudo bem que Tânya era inteligente e linda, mas nada disso era motivo para pedi-la em casamento.

Talvez tenha sido o medo, medo de ficar sozinho até o fim de sua vida, já que não havia encontrado Isabella quando procurou por ela.

Isabella... Ela sim era a mulher que queria pelo resto da vida, mas havia estragado tudo! Se não tivesse comprometido com Tânya nada disso estaria acontecendo.

O taxi parou em um PUB muito frequentado. Edward e Emmett entraram, encontraram alguns amigos do grandão e ficaram parte da noite ali, bebendo, rindo e conversando.

- Agora está na hora de irmos. – Emmett tocou o ombro do irmão – A noite ainda não acabou.

- Emmett estou exausto, quero ir para casa.

- Deixa disso, vem com seu mano. – Jogou algumas notas sobre o balcão. – Vamos nos divertir.

- Acho melhor não...

- Não aceito não como resposta. Vem, podemos ir andando, fica há dois quarteirões daqui.

Edward acabou concordando, seguindo-o para a saída. Caminharam lado a lado e o Cullen mais novo gemeu e tentou se virar quando percebeu onde estavam chegando.

- Nada disso. – Emmett o puxou pelo braço, arrastando-o para dentro do club de Stripper.

- Qual é...

Edward voltou a resmungar enquanto era empurrado pelo irmão.

- Ih, está parecendo viadinho mano. – Emmett riu, passando o braço ao redor do pescoço dele – Vamos comemorar sua despedida de solteiro.

O ruivo torceu os lábios quando uma loira praticamente nua se aproximou deles.

- Olá garotos. – Sorriu mordendo os lábios enquanto empinava os seios desnudos para eles – Sejam bem vindos ao Luxuria.

- Me amarrei nesse lugar.

- Emmett!

- Edward, qual é, vamos nos divertir. – O grandão soltou o irmão, enquanto ia até a loira e a abraçava por trás – Tudo bem que você cresceu em um orfanato com freiras, mas honre a família e curta o momento.

Edward torceu os lábios para ele. Emmett sabia que o irmão não gostava que tocasse naquele assunto, mas ele vivia insistindo, usando aquilo contra Edward sem ao menos saber as lembranças que aquele lugar me trazia.

- Vou beber algo.

- Nada disso. – Soltou-se da loira e o agarrou braço – Doçura, pode indicar uma dançarina sexy para nosso quase casado aqui?

- Hm, despedida de solteiro. – Ela me avaliou sorrindo – Temos descontos para comemorações assim...

Edward foi arrastado pelo irmão e pela loira até uma porta, que foi aberta e ele empurrado para dentro.

- Divirta-se maninho.

A porta foi fechada e Edward tentou abrir, mas não conseguiu. Ele estava cansado e muito confuso, queria voltar para a casa, deitar na cama e encontrar uma solução para seus problemas... Problemas que haviam surgido desde que voltou para Nova York, mas seu irmão teve a brilhante idéia de arrastá-lo para uma boate de Striper.

Sem ter muito o que fazer, sentou-se em uma poltrona avaliando o lugar. Era uma sala pequena, com decoração preta e vermelha, pôsters enorme de mulheres nuas estavam na parede e em sua frente havia um pequeno palco com um pole dance.

Uma música com batidas sensuais começou a tocar. Uma luz fraca se acendeu e com isso uma mulher apareceu.

Uma mulher estava ali em sua frente, trajando um hobby preto e uma pequena mascara no rosto.

Ela segurou na barra de ferro, fazendo uma pose sexy, logo em seguida soltou os longos cabelos castanhos, deixando-os cair sobre seu ombro. A morena ficou de costas para ele, sem conseguir vê-lo, já que onde Edward estava não havia muita iluminação, pois a maioria dos clientes que freqüentavam o lugar exigia sigilo e não queria ser reconhecido, só ele a via.

A morena desfez o laço que prendia o hobby contra seu corpo, deixando-o deslizar até o chão e exibir seu traje de estudante safada.

A pele dela era morena e lisa.

Edward franziu a testa.

A dança prosseguiu e a cada minuto que se passava uma peça a menos cobria o corpo dela, que movia os quadris de forma lenta e ao mesmo tempo muito excitante.

Ela trajava apenas a parte de baixo do lingerie, acariciando seus seios grandes e robustos. A dançarina se pendurou na barra de ferro, escalando-a até o topo e descendo de ponta cabeça, o que fez sua mascara cair, sem se importar muito continuou a dançar, uma hora ou outra ela iria mesmo retirar aquilo.

Edward inclinou-se para frente, seus olhos arregalados ao reconhecer aquele rosto. Estava em choque. A luz do pequeno palco se apagou e a mulher desceu lá de cima, indo em sua direção e se sentou em seu colo.

- Então, gostou gato? – A voz ronronou em seu ouvido. Ele não soube como reagir, apenas ficou calado, sentindo o calor dela contra seu corpo. A mulher em seu colo riu baixinho, mordiscando sua orelha. –Bom, sua dança acabou, pode sair. Ou se quiser prolongar isso depois, podemos dar uma volta de carro, mas nada será de graça.

Sentiu nojo dela.

- Posso lhe fazer uma pergunta? – O corpo dela se enrijeceu ao ouvir aquela voz. Ela não respondeu e quando tentou sair de seu colo, os braços dele a prenderam. Edward rapidamente se levantou, lançando-a ali onde estava sentado – O QUE LEVA UMA MULHER COMO VOCÊ DANÇAR EM UMA BOATE?

- Edward, eu...

Ele não terminou de ouvir, saiu daquela sala, batendo a porta.

Passou por Emmett, que estava sentado em um pequeno sofá conversando com vários homens e com a loira em seu colo.

- Emmett, vamos embora.

- Mas acabamos de chegar e... – Ele arregalou os olhos. Me virei e notei o que ele via. – O que ela está fazendo aqui? Vestida como uma...

- Eu posso explicar!

Edward passou a mão pelo cabelo, virando-se na direção da morena, aproximando-se dela e agarrando-a pelos braços.

- Não me explique nada! – Riu, irônico, mas ao mesmo tempo decepcionado. – Eu pensei que você era uma garota legal... Porra o que leva uma mulher como você a vir a um lugar como esse? Fazer isso? Nem acredito que íamos nos casar! Você me fez um grande favor, Tânya! Agora tenho motivos para me livrar de você e não ficar arrependido.

- Edward...

- Cala a boca Emmett! Eu preciso... Preciso ir embora

Saiu pela porta, parando na calçada e procurando por um taxi.

- Mano, espere!

- Tenho que ir atrás dela, já errei demais, preciso fazer alguma coisa certa nessa vida!

- Dela? – Sua noiva, ou melhor, ex noiva tentou se agarrar a ele, que a afastou. – Você tem outra?!

- E você Tânya, quantos teve? – Cerrou os olhos – Será que não está claro? A.C.A.B.O.U! Não devo mais satisfação da minha vida a você. E sim, eu tenho outra, ou melhor, você sempre foi a outra, porque Bella sim é a mulher que amo!

Tânya limpou as lágrimas que borravam sua maquiagem, olhando para o lado e vendo algumas garotas de programa, clientes e dançarinas haviam saído da boate de stripper e estavam rindo de sua situação.

- Bella? – Emmett indagou surpreso – A babá?

- Não acredito que estou sendo trocada por uma empregada!

- E que moral você para falar dela? Ela não está por ai dançando, exibindo seu corpo e se oferecendo a outros. – Um se aproximou e Edward acenou, fazendo-o parar. – Espero que tenha entendido o recado Tânya, quando chegar na casa dos meus pais, não quero que ver você lá.

- Mas...

Não esperou que ela terminasse, adentrou no taxi explicando para o taxista seu destino.

Quando o carro começou a se mover, encostou a cabeça no banco e suspirou. Apesar de estar se sentindo mal por saber que sua noiva era uma vadia que se entregava a sabe-se lá quem. Bem que devia ter desconfiado de suas supostas “visita as amigas” quando ainda moravam em Los Angeles, no entanto, apesar de corno, sentia-se totalmente aliviado.

Sorriu.

Estava livre e agora só precisava fazer com que Isabella o aceitasse.

- Pode ir mais rápido? – Inclinou-se para falar com o motorista.

- Sim senhor.

Demorou quase dez minutos para chegar ao bairro simples de Isabella. O taxi parou enfrente a casa pequena. Edward pagou pela corrida e saiu do carro. Não era tão tarde assim, Isabella devia estar acordada.

Aproximou-se da porta, tocando a campainha.

- Já vai! – A ouviu gritando lá de dentro. Segundos depois a porta se abriu. A morena franziu a testa e ele sorriu. – Edward, o que...

- Shhh.

Antes que ela terminasse ele a pegou pela cintura, colando seus lábios enquanto a empurrava para dentro de sua casa. Isabella tentou resistir, mas a boca de Edward movia-se contra a dela, fazendo com que ela perdesse todo e qualquer juízo e se agarrasse a nuca dele, entregando-se ao beijo.

Sentia saudades dele. Oh sim, como sentia.

Mas...

- LARGA MINHA MÃE SEU TARADO.

- AI!

Isabella se afastou, vendo Edward escorregar para o chão com a mão na cabeça e Anthony encima do sofá, com seu taco de Baseball em mãos.

- AI MEU DEUS, EU MATEI ELE? – O garoto se desesperou.

- Oh droga. – Isabella se abaixou, tocando o corte na cabeça de Edward. – Anthony, o que você fez?

- Ele está morto? – Indagou com a voz chorosa – Eu não queria matar ninguém, eu juro.

- Ele não está morto, ele só... Desmaiou.











15 comentários:

Eva disse...

Eu adorei capitulo, por favor nao me fala que vai demorar a postar de novo, ainda mais que agora ele vai saber de Anthony, será que ele vai fazer a ligação?

Anônimo disse...

Amei Caah!!!
por favor não demora ppostar não... vou morrer de curiosidade aqui!!!

tah cullen disse...

ahhhh que fofo
cara eu sabia q tania nao prestava mais nem tanto
o tony batendo no edward hsaushaushaush e de morrer de rir
cah plis nao demore mais nao eu sei q vc tem uma vida e ela deve ser corrida e tudo mais
mais eu tbm sei q o pouco tempo q vc deve ter vc descaça e sai com seus amigos ou namorado
nao sei mais nao nos deixe sem o proximo capitulo pois eu ja estava com saudades das suas
fanfics entao plis posta tbm sevc puder desculpa se eu te amo.
bom fora isso o capitulo tah de mais mesmo vc e otima flor volte logo e com mais capitulos pra todos nos fãns seus obrigado.
beijos e ate logo...

Paulinha disse...

KKKKKKKKKKKKKKKKKK Morta com esse final. > <

Adoorei o capitulo Cah, eu não imaginava que era a Tânya lá. s:

Tãaaaao fofo o Tony defendendo a mamãe. *--*

Camila Pereira disse...

Eu vou chorar, é sério Cah, estou sensivel. OMG. Eu vou ter um infarto se você não postar logo, t tudo muuuuito lindo.
Bjo!

Anônimo disse...

surpreendente, eu aqui imaginando a bella fazendo stripe ah, muitooo bom. ate o proximo bjoss

Gabrianny Cullen disse...

mto bom cah continua rapido por favor estou louca pra saber a continuaçao
parabens!!!

Anônimo disse...

mto mto bom, finalmente um desenvolvimento dessa maravilhosa fic.

bjs

cris

Anônimo disse...

OMG Cahh vc precisa postar logo ou será q vc quer nos matar do coração??? Eu preciso de outro capitulo dessa fic pra ontem e uma de DSETA se não vou acabar com minhas unhas... kkkk Amei *>* e please não suma de novo

Leticia Massen disse...

AAAAhh que lindooo caah! amei, o tony e a coisa mais fofa defendendo a mamãe dele! owt
hei caah nao demora muito pra postar nao ta! to roendo os cotoquinhos de unha pra saber se e agora q o edie descobri que o tony e filho dele! huihui

Anônimo disse...

Caah,pelo amor de Deus...não demora para postar o próximo,estou curiosa.Amei o capitulo(como sempre).AInda bem que acabou tudo com Tânia e fico muitissimo aliviada sabendo que não era a Bella(por um momemto pensei que fosse).Bjs.

Natalocas disse...

Juro que pensei que seria a Bella!!:/ E fiquei tão, mas tão feliz por não ser!!:) Apenas para não ser mais uma fic cliché...

Mas como sempre Caah, tu és a melhor, e sempre me surpreendes pela positiva!!:D

Adorei a parte final!!:D Estes filhos das tuas personagens, são sempre adoráveis e cómicos!!:D Adorei!!:D

Uma beijoca querida e obrigada por não nos abandonares!:D*

Mariana disse...

Hahaha sempre desconfiei que a dançarina era Tanya! Você disse que seria uma short fic, será que o Edward irá aceitar logo o filho ou será que você mudou de ideia de novo e o Edward fará um barraco por Bella não ter contado antes e assim adie o final feliz dos dois?

NEIDE disse...

KKKKKKKKKKK EU TO RACHANDO DE RIR COM ESSE FINAL,POBRE ED TOMOU UMA TACADA NA CUCA DO PROPRIO FILHO.KKK ESPERANDO PROXIMO CAP

Evie disse...

Desde o prólogo achando que ele falava da Bella e tudo levando a acreditar que realmente era, quando de repente: Tanya! Juro que fiquei impressionada (e aliviada) por saber que não era a Bella a dançarina. De todo, o capítulo ficou perfeito. Amei demais <3

Postar um comentário