Bem vindos ao Fanfics da Cah. Sou Camila Cocenza, futura garota de programa! E não, não é o que estão pensando, apenas pretendo cursar Engenharia da Computação. Para mais informações: cahcocenza@hotmail.com

04/08/2012

SWBL - Capitulo 5


N/A: Não sei se é com todos, mas disseram que ao tentar acessar meu blog está dando alerta de Malware, estou tentando descobrir o que é mas está dificil ''/ Vocês vão notar ausencia de algumas coisas no blog (contador de acessos / indicador de pessoas on e mais acessados) vou tentar arrumar (:

Leiam o capitulo e comentem ta? Não está tudo aquilo ''/ eu apaguei ele umas 2 vezes, mas mesmo assim saiu assim ;(

~~~~

Capitulo 5

- O que acha? – Isabella passou a mão pelo vestido preto que sua única amiga e babá de Anthony havia lhe emprestado.

- Ela está muito gata, não é Thony? – Ângela cutucou o pequeno.

- Está linda mamãe! – O garoto suspirou admirado. Sabia que a mãe era linda, mas nunca havia visto-a tão arrumada.

- Obrigada meu amor. – Beijou a testa do menino que estava sentado na beira da cama. – Comporte-se ok? Não faça bagunça na casa da Tia Ang.

- Deixa comigo Bella. – Ângela a abraçou. – Agora vamos garotão.

- Ta bom. Tchau mamãe. – Ficou em pé na cama, abraçando a morena. – Se divirta.

- Volto logo para você. – Sussurrou sentindo seu coração se apertar. Era sempre ruim ficar longe de seu filho.

Antes de Ângela e Anthony irem Isabella passou algumas notas para a amiga comprar algo para comerem. Por sorte Esme havia pago a morena no fim daquela tarde, antes de dispensá-la.

Alguns minutos depois o carro de Esme estacionou enfrente a simples casa de Isabella. Edward saiu do automóvel e se encostou no mesmo. Segundos depois Isabella abriu a porta da casa, acenando para ele.

O Cullen suspirou, alisando os cabelos enquanto a observava caminhar em sua direção. Isabella sorriu timidamente, apertando a pequena bolsa em suas mãos.

- Oi. – Sorriu.

- Você está linda Bells. – Sorriu também, aproximando-se dela e abraçando-a pela cintura.

- Aqui não. – Pediu, olhando para os lados. – Você sabe...

- Percebi. – Riu – Vizinhança fofoqueira.

- Sim.

- Então vamos.

- Ok.

Abriu a porta do carro para ela e fechou em seguida. Enquanto dava a volta no carro viu uma mulher sobre o murro, devia ser uma das vizinhas curiosa. Já no carro, antes de puxar o cinto, ele inclinou-se, beijando a bochecha dela longamente.

- Você está mesmo linda. – Voltou ao seu lugar, passando o cinto enquanto ela fazia o mesmo.

- Obrigada.

- Então, não fiz nenhuma reserva. – Edward confessou, ligando o carro e arrancando. – Mas tem um lugar que gosto muito, sempre que venho para cá almoço lá. – Voltou a olhá-la, vendo que a mesma mordia os lábios – É bem simples, não se preocupe.

- Tudo bem.

Isabella o admirou. Edward estava lindo em uma calça jeans, camisa e um blazer preto. A morena voltou a morder os lábios e olhar para frente, evitando encará-lo.

Poucos minutos se passaram até que Edward estacionou enfrente a um restaurante, saindo e abrindo a porta para Isabella, entregando a chave ao manobrista e puxando-a pela mão em seguida.

- Vem. – Puxou-a para dentro. – Olá. – Ele cumprimentou a recepcionista, que sorriu para ambos. – Sou Edward Cullen, fiz uma reserva mais cedo.

A moça conferiu no computador e assentiu.

- Por favor Sr e Sra. Cullen, me acompanhem.

Isabella abriu a boca surpresa, Edward apenas riu, enlaçando sua cintura e forçando-a a andar.

- Obrigado. – O Cullen agradeceu a recepcionista que havia guiado-os para uma parte mais calma do restaurante. Ele puxou a cadeira para a morena sentar e sentou-se enfrente a ela em seguida.

- Deseja mais algo senhor?

- Nos traga um bom vinho. – Pediu e olhou para Bella – Quer fazer seu pedido agora?

- Podemos esperar um pouco?

- Claro Bells. – Piscou para ela e voltou para a recepcionista. – Por enquanto só o vinho.

- Ok. Com licença.

Assim que a moça saiu ele pegou a mão da morena sobre a mesa.

- Então, o que achou? – Indagou.

Isabella olhou ao redor, sorrindo.

- É simples, mas aconchegante.

- Sim, eu te disse. – Sorriu convencido, fazendo-a rir.

- Você não mudou nada. – Ela suspirou.

- Claro que mudei. – Ele resmungou – Eu era o menor dos garotos, hoje sou bem mais alto.

- É, tem razão. – Concordou.

- Você também não mudou nada. – Retirou sua mão da dela, tocando de leve sua bochecha – Continua a mesma garotinha linda, tímida, incrível e inteligente de sempre.

- Inteligente? – Ela resmungou. – Eu nem terminei o terceiro colegial.

Edward franziu a testa.

- Não? Por quê?

A morena mordeu os lábios, pensando rapidamente em uma resposta.

- Depois que sai do orfanato tive que trabalhar para sobreviver, tive que abandonar os estudos. – Desviou os olhos, sabendo que ele perceberia que ela estava mentindo. – Mas olha você, nunca foi de estudar e tem até faculdade.

Edward sorriu, dando de ombros.

- Tomei jeito depois de sair do orfanato. – Parou de sorrir, olhando-a de maneira séria. – Prometi a mim mesmo crescer, ter uma vida estável para que quando encontrasse você, pudesse lhe dar tudo o que merece.

A morena abaixou o rosto, envergonhada, mas ao mesmo tempo emocionada.

- Edward... Eu... Eu não sei o que dizer. – Confessou.

- Diga que esperou por mim todos esses anos. – Alisou a mão dela. – Diga que vai me deixar te dar tudo o que merece.

Isabella passou a mão pelo canto do olho, impedindo que as lágrimas lhe escapassem, fechando os olhos em seguida e os apertando com força.

Ela queria muito dizer a ele tudo o que ele queria ouvir, mas antes havia que lhe contar sobre Anthony. Não queria começar um “relacionamento” mentindo a ele.

- Edward, eu preciso te falar uma coisa. – Abriu os olhos, fitando-o. – Nós...

- Gostariam de fazer o pedido agora?

A morena bufou baixinho, sendo interrompida pelo garçom que lhes serviam o vinho pedido por Edward.

- Bella?

- Por mim tudo bem. – Ela resmungou baixinho, inconformada com a interrupção. Droga!

- Ok. – Edward piscou, passando o cardápio para ela, que escolheu rapidamente um prato simples que, pelo menos, sabia o que viria. Em seguida o Cullen também fez seu pedido.

Quando o garçom saiu Edward bebericou seu vinho e voltou-se a morena.

- Então, o que iria me falar?

Isabella torceu os lábios, sabendo que não era mais o momento propicio pra aquilo.

- Não é nada. – Deu de ombros, pegando sua taça e bebendo o vinho doce.

[...]

Edward estacionou seu carro enfrente a humilde e pequena casa de Isabella. A rua estava vazia, apesar de ser apenas 22h00min.

- Entregue. – Ele soltou seu cinto e voltou-se para ela, sorrindo.

- Obrigada pelo jantar, foi bom. – A morena mordeu os lábios, repetindo o mesmo que ele, soltando o cinto e virando-se no banco.

- Que bom que gostou. – Correu o dedo pelo rosto dela, empurrando sua franja para trás de sua orelha. – Podemos e iremos repetir sempre que quiser. – Sussurrou baixinho.

Os dois se olharam por alguns segundos, até que ela tomou a iniciativa e se aproximou mais, fazendo-o sorrir torto e fazer o mesmo.

Selaram os lábios devagar, apenas apreciando o calor da boca um do outro.

Edward deslizou sua lingua pelos cantos dos lábios da morena, que os abriu, deixando que suas línguas se encontrassem em um beijo gostoso e lento.

Uma mão dele alisou a coxa direita dela, que embrenhou seus dedos nos cabelos lisos do Cullen.

O beijo se tornou mais rápido e voraz, fazendo com que ambos gemessem e se afastassem apenas quando o ar lhes faltou.

- Deus... – Edward gemeu baixinho, grudando sua testa na dela. – Será que... – Deslizou o nariz pela bochecha e pescoço de Isabella, até alcançar sua orelha e morde-la. – Posso entrar com você?

Ela se afastou.

- Edward... – Negou com a cabeça.

- Droga. – Ele resmungou. – Me desculpe Bella, não quero ser tão apressado, mas esperei por você por tantos anos... – Tocou-lhe no queixo – Agora que tenho você para mim, te quero por inteiro.

- Aqui não. – A morena sussurrou, raciocinando rapidamente. – Os vizinhos...

- Dane-se! – Contestou. – Eu posso acordar cedo e ir embora, ninguém vai falar nada de você. Ou você não me quer?!

- Edward, não diga bobeira. – Isabella suspirou devagar. – Claro que quero você, mas aqui não.

- Tudo bem, podemos ir para a casa dos meus pais.

- Edward, você ainda está noivo e...

- Ok, ok, você tem razão. – Passou a mão pelos cabelos. – Você se sentiria mal em entrar em um motel?

- Motel? – Sentiu seu rosto queimar. – Eu nunca...

- Eu sei, me desculpe por sugerir isso. – Abaixou os olhos. – Me desculpa mesmo, só queria ficar mais um tempo com você, mesmo que fosse apenas para ficarmos deitados, conversando.

Isabella olhou para ele e em seguida para a casa de sua amiga, onde Anthony estava.

- Tudo bem, eu aceito. – Disse por fim – Mas preciso fazer uma ligação depois.

- Ok. – Edward abriu um sorriso radiante, fazendo-a sorrir também. – Fica calma, não vamos fazer nada que você não queira.

- Eu sei, você nunca me obrigaria a nada.

Ele ligou o carro e dirigiu para a rodovia, onde havia vários motéis.

Isabella franziu a testa quando ele parou na portaria de um enorme prédio. Aquilo não se parecia nada com um motel.

- Eu sei. – Ele riu baixinho. – Acha que eu levaria você a qualquer moquifo? Lembra do que eu lhe disse? Sobre dar tudo o que você merece? Isso não envolve motéis baratos, e pensei que se sentiria melhor em um lugar aparentemente normal.

- Obrigada. – O agradeceu. Edward pegou o cartão do quarto, seguindo para o estacionamento e deixando carro lá. Ele deu a volta, abrindo a porta para ela, em seguida puxando Isabella pela mão em direção ao elevador.

Isabella mordeu os lábios olhando para uma sacola que estava na mão dele, sem saber o que era.

- Ei, relaxa. – Ele pediu, vendo-a bater o pé no chão. – Lembra-se do que eu disse?

- Sim.

- Então se acalme. – A abraçou pela cintura, puxando-a contra seu corpo. – Você está comigo, não precisa se preocupar com nada.

- Está bem.

Beijaram-se mais uma vez. A morena se envergonhou um pouco pela forma que seu corpo estava reagindo e por suas ações.

Dane-se! Pensou, agarrando os cabelos dele e colando mais seu corpo ao dele. Ela amava Edward e tinha certeza que ele também sentia o mesmo, então para que resistir?

A porta do elevador se abriu, Edward não deixou com que a morena se afastasse e ainda beijando-a a guiou para o quarto, afastando-se dela apenas para passar o cartão e destravar a porta.

Bella não teve muito tempo de olhar o local, já que Edward – depois de deixar tudo sobre um sofá – voltou a beijá-la afoito, erguendo-a e colocando-a em sua cintura.

Alheia a tudo, a morena só voltou à realidade quando foi colocada na cama localizada no centro do quarto.

Quando se afastaram, ele sorriu e ela corou desviando os olhos.

- Ei Bells. – Beijou o nariz dela, fazendo-a olhá-lo. – Relaxe, não vamos fazer nada que você não queira. – Repetiu o que havia dito antes.

- Eu quero, só que...

- Que?

A morena suspirou, mordendo os lábios.

- Eu não sei o que fazer.

- Não se preocupe com isso. – Beijou-lhe a testa. – Não existe uma formula para amar alguém Bella. – Roçou seus lábios por toda bochecha dela. – Apenas se deixe levar.

Ela assentiu respirando fundo e abraçando-o pelo pescoço. Edward inclinou-se, distribuindo beijos por todo o rosto dela, fazendo-a relaxar aos poucos.

Lentamente deslizou uma de sua mão para a barra do vestido de Isabella, tocando sua coxa grossa e subindo cada vez mais.

- Dessa vez vai ser diferente. - Prometeu, deixando seu corpo pesar sobre o dela. Isabella assentiu, fechando os olhos enquanto a língua de Edward corria por seu pescoço.

- Ed...

- Shh não me faça perder o controle. - Pediu, passando sua mão grande pelo corpo macio e delicioso dela. - Vou te fazer minha Bells, só minha.

Bella assentiu, dando um pequeno sorriso nervoso.

Ela não tinha duvidas, sabia que não se arrependeria e que queria aquilo tanto quanto ele, e que só teria coragem de fazer tal coisa com ele, apenas com ele.

Edward a sentou, ajudando-a a se despir. Isabella retribuiu, com as mãos tremulas, abrindo os botões da camisa dele, deixando a mostra o tórax desnudo e másculo. Se perdeu por alguns segundos, admirando-o.

- Você é lindo... – Sussurrou baixinho, corando em seguida.

- Você é muito mais. – Deslizou o dedo pela alça do sutiã dela, abrindo lentamente e deixando a peça cair. Automaticamente a morena tentou se esconder, fazendo-o sorrir torto e negar com cabeça.

Ela o encantava tanto.

Edward fez daquele momento a “primeira vez” de Isabella, apesar de saber que fora o mesmo a tirar isso dela. Buscou lhe dar prazer de todas as maneiras possíveis, com toques, beijos, palavras carinhosas, observando as várias reações que ela tinha.

- Está pronta? – Indagou, afastando as pernas dela e soltando o peso de seu corpo.

- Sim. – A morena assentiu, ofegante, louca para que ele aplacasse aquele fogo que estava consumindo-a por inteiro. – Por favor...

O Cullen assentiu, encostando sua testa na dela por alguns segundos e beijando-a em seguida.

- Espero que dessa vez esteja sendo especial para você. – Sussurrou, mordiscando os lábios inchados dela enquanto erguia uma de suas pernas.

- Devagar. – Pediu.

- Não vou te machucar. – Garantiu ele, sentindo seus ombros serem agarrados e apertados na medida em que a penetrava. – Tudo bem?

- Sim. – Ela ofegou mordendo os lábios e sentindo um estranho formigamento abaixo de seu ventre junto com um leve ardor.

Edward moveu-se, saindo e entrando devagar, observando sempre a expressão de Isabella, a única coisa que ele não queria era lhe causar dor.

Aos poucos o corpo da morena relaxou, recebendo melhor o de Edward.

As bocas unidas engoliam os gemidos alto de ambos.

Isabella ergueu a outra perna, enlaçando a cintura de Edward, dando-lhe uma maior abertura e assim sentindo mais prazer.

- Deus... – Ela gemeu, jogando a cabeça para trás. Ele se aproveitou disso, distribuindo beijos molhado pela pele suada e morena de Isabella, enlouquecendo-a.

- Bells. – Edward balançou a cabeça, sentindo um leve aperto no peito. Um sentimento estranho, que nunca havia sentido... Era amor. Só podia ser amor... Jamais havia ficado tão frágil em um momento assim com outra mulher. – Eu te amo. – Confessou, voltando a buscar os lábios dela. – Eu te amo Bella.

- Oh Edward!

Foi o que bastou para que ela explodisse em êxtase e lágrimas.

[...]

- Ângela. – Isabella repreendeu a amiga baixinho, enquanto se olhava no espelho do banheiro. – Isso não é algo que se diga!

- Qual o problema? – A mulher do outro lado da linha resmungou – Só perguntei se ele faz gostoso.

- Eu não vou responder isso. – O rosto dela queimou, Angela pode imaginar a amiga corada. – Agora preciso desligar, e muito obrigada, mesmo.

- Relaxa amiga, Anthony é um amor, está dormindo feito um anjinho. Aproveite sua noite com o gatão.

- Ang! – Resmungou – Tudo bem, pego ele na escola amanhã, pode ser?

- Ok. Até mais Bella.

- Até.

Isabella desligou o celular rapidamente. Passou uma água no rosto, enxugando-o em seguida e saiu do banheiro, colocando o aparelho sobre o pequeno sofá que havia ali.

- Eu já estava começando a pensar que você havia pulado pela janela e fugido de mim.

Edward estava sentado no meio da enorme cama, com um lençol cobrindo-o até a cintura. Bella suspirou, rindo em seguida.

- Eu não conseguiria passar por aquela janela minúscula.

- Que bom, não é?

Edward abriu os braços, fazendo um convite que foi aceito pela morena. Isabella foi até a cama e se sentou na beira dela, o rapaz rolou os olhos, inclinando-se, enlaçando a cintura dela e a puxando para seu colo.

- Ed. – Resmungou, um tanto incomodada com aquilo.

Era intimidade demais...

- Ei, vai se acostumando, ok? – Sorriu, alisando a coxa dela por cima do roupão. – Eu sei que deve ser difícil para você, mas depois que nos casarmos você se acostuma. – Piscou.

- Ca...sar?

- Claro Bella, eu já deixei claro o que sinto. – Afastou os cabelos dela, alisando-lhe a nuca. – Quero ficar com você, só com você.

- Eu também quero você, mas antes... – Suspirou, abaixando os olhos – Precisamos conversar.

- Não, hoje não. – Ele resmungou, jogando-a para o lado e subindo sobre seu corpo pequeno. – Nada de “conversar” hoje. Querida, quero conversar com você de outra maneira. – Mordeu o pescoço dela. – Quero você de novo.

- Podemos?

Ele riu.

- Sempre que quisermos. Você quer?

- Sim.

- Então ótimo. – Sorriu malicioso, beijando-a de maneira divertida que a fez rir. Ele acabou suspirando, afastando-se e admirando. – Linda e toda minha, mas antes...

Saiu da cama, deixando-a ali e indo até o sofá e voltando com a sacola que havia despertado a curiosidade de Isabella.

- O que é isso? – Ela indagou.

- Acha que eu me esqueceria? Já se passou da 00h00min, já estamos no dia 19 de Setembro. – Rolou os olhos, olhando para um relógio digital que estava sobre a mesinha de cabeceira. – Feliz aniversário!

- Oh...

Depois de um dia e uma noite cheia, ela havia se esquecido do próprio aniversário.

- Espero que goste. – Deu de ombros coçando a nuca. – Foi a primeira coisa que me veio em mente e fique sabendo que foi difícil achar.

A morena sentou-se, ajeitando-se dentro do roupão e retirando uma pequena caixa.

- Eu não acredito... – Ela murmurou, rindo, enquanto sentia seus olhos arderem.

- Lembra? – Ele piscou, pegando a caixinha da mão dela, abrindo, retirando um bombom e lhe entregando – É da mesma marca do que eu roubava das freiras.

- Obrigada. – Isabella mordeu os lábios, suspirando. – Obrigada mesmo.

- Tudo bem. – Deu de ombro novamente, sem jeito – Os que estão ai não da para compensar todas as datas festivas que fiquei sem te dar, mas garanto que teremos muito tempo daqui para frente para isso, não é?!

- É? – A morena indagou, radiante.

- Bella, que parte de tudo o que eu te disse você não entendeu? – Retirou a caixa da mão dela, tomando o bombom em seguida, abrindo-o e levando aos seus lábios. Isabella mordeu metade e o resto ele comeu. – Sinto lhe informar, mas não tem mais como fugir de mim.

Antes que ela respondesse algo ele já estava beijando-a novamente, fazendo com que ela se esquecesse de tudo... Do mundo lá fora e de que tinham algo muito importante para conversar: Anthony.

Era ainda madrugada quando o celular de Edward começou a vibrar, mas ambos estavam exaustos e ressonavam abraçados na enorme cama.
~  x  ~

A morena abriu os olhos devagar, bocejando e se espreguiçando. Demorou alguns segundos para se lembrar onde estava e quando o fez sorriu, apalpando a cama.

- Ed? – Se sentou. Enrolando-se e passando a mão no rosto. – Está no banheiro?

Sem obter respostas, ela se levantou, franzindo a testa e observando apenas suas roupas no chão. Sem conseguir entender, caminhou até o banheiro, abrindo a porta e vendo-o vazio.

- Edward? – Voltou a chamar.

Confusa voltou até a cama, sentando-se na beirada da mesma enquanto passava a mão pelos cabelos.

Ele não teria feito aquilo, teria?

Fechou os olhos com força, balançando a cabeça.

Para ela era tão obvio... Afinal, o que um cara rico, lindo e noivo poderia querer com ela a não ser sexo?

Isabella travou o maxilar, sem saber se chorava ou se sentia ódio de Edward... mas naquela situação era fácil fazer os dois.

A morena se levantou, pegando suas peças de roupa e se trocando rapidamente. Olhou no relógio que apontava ainda ser 05h24min da manhã. Lavou o resto vermelho, tentando ocultar os vestígios de lágrimas e prendeu os cabelos, saindo do quarto em seguida com sua bolsa e o presente que havia ganhado...

Belo presente havia ganhado no dia de seu aniversário. Havia sido usada e descartada, como uma vadia qualquer.

- Eu... – Pigarreou ao chegar a recepção, tentando forçar sua voz chorosa voltar ao normal. – Vim devolver a chave do quarto. – Entregou a moça.

- Só um minuto, vou fechar a conta.

- Conta? – A morena franziu a testa. – Que conta?

- A diária. – A moça respondeu como se Isabella fosse uma idiota. – Aqui está... – Lhe entregou um pequeno comprovante com o valor.

- O... que. – Travou o maxilar. – Não acredito que ele fez isso!

- Ele quem senhora?

- Edward. – Murmurou desesperada. – O homem que estava comigo não pagou?

- Não senhora. – Negou – A senhora vai pagar com cartão ou a vista?

Suspirou, desviando os olhos envergonhada, sentindo-se humilhada por ter que passar por aquele momento.

- Tem certeza mesmo que a conta não foi paga? - Indagou novamente à recepcionista.

- Sim senhora, a conta do quarto não foi paga. - A mulher a olhou com cara de tédio, como se já estivesse acostumada com aquele tipo de situação. – Lamento dizer, mas você terá que arcar com as despesas. Estamos acostumados com essa situação. Alguns homens trazem prostitutas para cá e vão embora, deixando-as com a conta.

Prostituta...

Seus olhos voltaram a arder. A morena mordeu os lábios abrindo a bolsa e olhando para o dinheiro do mês, pegando o valor da diária e entregando a recepcionista.

Saiu dali o mais rápido que pode, sob olhar de vários homens que estavam em um posto próximo ali. O primeiro ônibus que passou ela pegou, sentando-se em um banco no fundo, fechando os olhos e repassando as ultimas horas em sua mente... Cada toque, beijo... Ele não podia ter feito isso com ela.

Depois de tanto tempo distante, depois de tantas promessas...

[...]

Edward tamboriou os dedos no volante, enquanto olhava para a enorme fila de carros a frente.

- Algum problema amor?

Ele se virou, olhando para Tânya com raiva.

- Não. – Respondeu ríspido, intercalando olhares entre o relógio no painel e o transito – Porra, será que vai demorar muito?

- Porque esse stress todo. – A morena ao seu lado resmungou, ajeitando-se no banco – Eu venho mais cedo para te fazer um surpresa e você fica assim? Desse jeito vou pensar que não queria que eu viesse.

- Tânya por favor, estou irritado, fique calada.

Ela não falou mais nada, apenas cruzou os braços sobre o peito e virou-se para o outro lado, observando o dia amanhecendo.

Edward respirou aliviado quando o carro a sua frente se moveu. Já era 07h45min... Havia acordado de manhã e visto as varias mensagens e chamadas perdidas de Tânya, que lhe dizia que chegaria em um vôo aproximadamente as 06:00 da manhã. Foi difícil deixar Isabella, mas ele  também não poderia deixar Tânya no aeroporto.

Passou a mão pelo rosto, implorando para que chegassem logo em casa, pois ele deixaria Tânya e voltaria para Isabella.

Sorriu ao se recordar de sua morena dormindo na cama branca, linda e radiante.

Demorou mais trinta minutos para que conseguisse enfim chegar à casa de seus pais.

- Fazia muito tempo que eu não vinha aqui. – A morena comentou, enquanto passava pela porta e Edward entrava com sua mala logo atrás.

- Sim, sim. – Concordou apressado. – Bom, você sabe onde fica o quarto, suba, preciso dar uma saída rápida.

Isabella suspirou quando abriu a porta do escritório, onde conversava com Esme e viu Edward ali, acompanhado de uma morena. Bella havia ido para sua casa, tomado um banho e ido direto para a casa dos Cullen’s, não podia faltar sem ao menos dar uma justificativa.

A morena continuou parada, olhando Edward deixar a mala no chão. Ele ainda não havia notado ela.

Esme, que até então não entendia o motivo por Isabella ter chegado mais cedo que de costume e conversado com ela pedindo demissão, franziu a testa observando a garota que ainda observava o casal.

- Sair? – Tânya indagou. – É algo em relação ao casamento?

- Sim. – Concordou. – Preciso resolver um problema, volto logo.

Isabella fechou a porta, antes que ele a notasse ali.

O problema era ela, não era?

- Querida... – Esme tocou em seu ombro. – Quer me contar?

A morena negou com a cabeça, enxugando as lágrimas.

- Sinto muito. – Soluçou, ganhando em seguida um abraço da ruiva. – Vou sentir saudades de você, Miguel, Alice...

- Isabella, não precisa tomar essa decisão agora. – Esme se afastou, afagando o ombro dela e sorriu. – Vá embora e descanse, quando quiser volte.

- Tudo bem. Obrigada, espero mesmo não atrapalhar Alice hoje.

- Fique tranqüila, não vou trabalhar, posso ficar com meu neto.

- Está bem. Tchau Esme. E por favor... – Mordeu os lábio – Peça para Edward não me procurar.

[...]

- Mamãe, porque está chorando?

O pequeno subiu na cama, fazendo cara de choro.

- Nada meu amor, vem cá. - Ela abraçou Anthony, apertando-o contra seu peito.

Isabella não sabia se podia odiar Edward mais do que estava odiando-o... Foi horrível para ela acordar naquele motel sem ele ao seu lado, e mais humilhante que ter pago a conta com o dinheiro de suas despesas do mês foi vê-lo dizer para a noiva que tinha que resolver um problema relacionado ao relacionamento deles.

Isabella se encolheu em sua cama, sem saber como conseguiria repor o dinheiro que gastou, como pagaria o aluguel, a água, a luz e como faria a compra do mês...

Ela apertou os olhos, xingando a si mesmo por ter ido tão facilmente para a cama dele. Era obvio que Edward só queria diversão... Ele era rico agora, ela era pobre. Ele tinha uma noiva linda e também rica... Não tinha como Isabella concorrer com ela.

- Não gosto de te ver chorar mamãe.

- Fique tranquilo meu amor, mamãe não vai mais chorar. – Ela tinha certeza daquilo, e também de que nunca mais cairia nas mentiras de Edward. – Mamãe só está preocupada, sabe, não temos muito dinheiro esse mês.

- Não? – Ele indagou surpreso – Por quê?

- Mamãe precisou pagar outras coisas... – Mordeu os lábios, envergonhada.

- Por isso ta chorando?

- Também. – Deu de ombros.

- Ah, relaxa, eu tenho dinheiro. – Pulou da cama, correndo até seu quarto e voltando com um pote plástico. – Olha, pode usar. – Deu de ombros, abrindo o pote e jogando as moedas e algumas notas na cama. – É minha economia. Tava juntando para comprar uma bicicleta, mas eu acho que posso juntar mais e comprar depois.

- Querido, você estava juntando dinheiro? – Indagou surpresa.

- É. – Sorriu torto, fazendo-a suspirar e lembrar-se do pai dele. – A senhora Wills me da alguns trocados para eu passear com o bibu. – Contou entusiasmado. – Também tem o jornaleiro, eu entrego alguns para ele e ganho váaaaaaarias moedas.

- Meu bebê está virando um homenzinho. – Sussurrou, orgulhosa, puxando o garoto para beijá-lo.

- É claro que sou. – Murmurou confiante. – Sou o homem da casa!

- É isso ai pequeno. – Afastou a franja dele, beijando-lhe a testa – A mamãe agradece muito, mas não se preocupe, darei um jeito. Guarde sua economia para sua bicicleta. – Piscou.

- Ta bem. – Concordou, sabendo que sua mãe não gostava de ser contrariada.

- Mamãe promete, vai dar tudo certo.

10 comentários:

Camila Pereira disse...

Vou chorar, de verdade, estou num momento bem sensível. kk adorei cah, não demora, por favor.
Beijos!

MoohCelestino disse...

AAh vou detonar essa Tania de m/****, só veio atrapalhar o momento bom. Não demore muito please.

Paulinha disse...

:'( Tadinha da Bells. D: Agora vem todo o rolo com o lance da boate, quero nem ver. > < Na verdade quero sim. SUAHSUASHS

CAAAAAAH, capitulo ta perfeito, to amanda SWBL. *-*

Andjel disse...

aaiiiiiiiiiiiii to morrendo de curiosidade pra saber o que vai acontecer
plese caah não demora pra postar o procimo não por favoooooooooooooooooooooooooooor
beju

Anônimo disse...

amei o capitulo caah,por favor...não demore para postar o próximo.Amo suas fics e leria todas as que vc esta postando,pena que se eu ler mais de uma por vez eu misturo os fatos!Então por favor,porfavorsissimo,poste o mais rápido possivel.Bjs.

Dhêê disse...

estou chorando com esse final, e é uma humilhação para qualquer mulher ter que pagar um motel por que o homem já foi embora sem pagar, e ainda o dinheiro do mês, tadinha dela!!!!

Cris disse...

ai n pode ser o parvalhao do ed n deixou nem um bilhete a dizer k voltava pa ela esperar, podia ao menos pagar a conta idiota, kem se vai embora sem dizer a te logo. estupido...

bjs caah

Anônimo disse...

Muito triste e sim, eu estou com vontade de matar o Edward.

Anônimo disse...

Relendo o capítulo e chorando litros e torcendo para ter post logo!

Mulher de Fases disse...

Amor posta o proximo cap. logo morrendo de curiosidade pra saber o qe o Edward fara qndo souber qe ele tem um filho com Bella :)

Postar um comentário