Bem vindos ao Fanfics da Cah. Sou Camila Cocenza, futura garota de programa! E não, não é o que estão pensando, apenas pretendo cursar Engenharia da Computação. Para mais informações: cahcocenza@hotmail.com

16/05/2012

She Will Be Loved - Capitulo 2

N/A: Vocês devem estar pensando... "CAPITULO 2? A Caah bateu a cabeça?!" Pois é, eu não bati - hoje. 
O que acontece é o seguinte. Resolvi transformar a one-shot em SHORT FIC. Tive mais ideias para ela, e para isso preciso escrever mais uns 5 capitulos (:.

IMPORTANTE: Se passaram por mim novamente no chat, não acreditem em tudo o que aparece no meu nick ali. Da ultima vez inventaram que eu estava com cancer ¬¬ Agora não foi nada importante, apenas mentiram que eu perdi meus arquivos do pc e que eu iria viajar, o que é mentira, eu não perdi nada, já arrumei meu pc e não vou viajar (: 

Qualquer duvida que tiverem e quiserem entrar em contato comigo: cahcocenza@hotmail.com

She Will Be Loved – Capitulo 2

~ O tempo passou, mas nada mudou ~
(Agnela)

- Qual é...

Edward voltou a resmungar enquanto era empurrado pelo irmão.

- Ih, está parecendo viadinho mano. – Emmett riu, passando o braço ao redor do pescoço dele – Vamos comemorar sua despedida de solteiro.

O ruivo torceu os lábios quando uma loira praticamente nua se aproximou deles.

- Olá garotos. – Sorriu mordendo os lábios enquanto empinava os seios desnudos para eles – Sejam bem vindos ao Luxuria.

- Me amarrei nesse lugar.

- Emmett!

- Edward, qual é, vamos nos divertir. – O grandão soltou o irmão, enquanto ia até a loira e a abraçava por trás – Tudo bem que você cresceu em um orfanato com freiras, mas honre a família e curta o momento.

Edward torceu os lábios para ele. Emmett sabia que o irmão não gostava que tocasse naquele assunto, mas ele vivia insistindo, usando aquilo contra Edward sem ao menos saber as lembranças que aquele lugar me trazia.

- Vou beber algo.

- Nada disso. – Soltou-se da loira e o agarrou braço – Doçura, pode indicar uma dançarina sexy para nosso quase casado aqui?

- Hm, despedida de solteiro. – Ela me avaliou sorrindo – Temos descontos para comemorações assim...

Edward foi arrastado pelo irmão e pela loira até uma porta, que foi aberta e ele empurrado para dentro.

- Divirta-se maninho.

A porta foi fechada e Edward tentou abrir, mas não conseguiu. Ele estava cansado e muito confuso, queria voltar para a casa, deitar na cama e encontrar uma solução para seus problemas... Problemas que haviam surgido desde que voltou para Nova York, mas seu irmão teve a brilhante idéia de arrastá-lo para uma boate de Striper.

Sem ter muito o que fazer, sentou-se em uma poltrona avaliando o lugar. Era uma sala pequena, com decoração preta e vermelha, pôsters enorme de mulheres nuas estavam na parede e em sua frente havia um pequeno palco com um pole dance.

Uma música com batidas sensuais começou a tocar. Uma luz fraca se acendeu e com isso uma mulher apareceu.

Uma mulher estava ali em sua frente, trajando um hobby preto e uma pequena mascara no rosto.

Ela segurou na barra de ferro, fazendo uma pose sexy, logo em seguida soltou os longos cabelos castanhos, deixando-os cair sobre seu ombro. A morena ficou de costas para ele, sem conseguir vê-lo, já que onde Edward estava não havia muita iluminação, pois a maioria dos clientes que freqüentavam o lugar exigia sigilo e não queria ser reconhecido, só ele a via.

A morena desfez o laço que prendia o hobby contra seu corpo, deixando-o deslizar até o chão e exibir seu traje de estudante safada.

A pele dela era morena e lisa.

Edward franziu a testa.

A dança prosseguiu e a cada minuto que se passava uma peça a menos cobria o corpo dela, que movia os quadris de forma lenta e ao mesmo tempo muito excitante.

Ela trajava apenas a parte de baixo do lingerie, acariciando seus seios grandes e robustos. A dançarina se pendurou na barra de ferro, escalando-a até o topo e descendo de ponta cabeça, o que fez sua mascara cair, sem se importar muito continuou a dançar, uma hora ou outra ela iria mesmo retirar aquilo.

Edward inclinou-se para frente, seus olhos arregalados ao reconhecer aquele rosto. Estava em choque. A luz do pequeno palco se apagou e a mulher desceu lá de cima, indo em sua direção e se sentou em seu colo.

- Então, gostou gato? – A voz ronronou em seu ouvido. Ele não soube como reagir, apenas ficou calado, sentindo o calor dela contra seu corpo. A mulher em seu colo riu baixinho, mordiscando sua orelha. –Bom, sua dança acabou, pode sair. Ou se quiser prolongar isso depois, podemos dar uma volta de carro, mas nada será de graça.

Sentiu nojo dela.

- Posso lhe fazer uma pergunta? – O corpo dela se enrijeceu ao ouvir aquela voz. Ela não respondeu e quando tentou sair de seu colo, os braços dele a prenderam. Edward rapidamente se levantou, lançando-a ali onde estava sentado – O QUE LEVA UMA MULHER COMO VOCÊ DANÇAR EM UMA BOATE?

- Edward, eu...

Ele não terminou de ouvir, saiu daquela sala, batendo a porta.

Alguns dias antes...

Nova York, aeroporto, 16 de setembro de 2015

Edward desembarcou em Nova Iorque e logo avistou o irmão mais velho que descobriu ter assim que seus pais foram buscá-lo no orfanato.

Ele balançou a cabeça, tentando afastar aquela lembrança que apesar de ser boa, era horrível, principalmente por conta de sua ultima noite lá.

- Maninho! – Emmett o abraçou, rindo.

- Emmett. – Edward o afastou buscando ar. – Assim me mata.

- Está fraquinho ainda hein. – Socou o ombro do irmão mais novo – Que bom que voltou cara, sentimos sua falta.

- Também senti saudades Emm, onde estão papai e mamãe?

- Papai está trabalhando, mas mamãe ficou em casa preparando o almoço. – Ele sorriu torto, pegando a mala de Edward e arrastando-o para fora do aeroporto – E sua noiva?

- Ela vai vir depois. – Contou, enquanto parava próximos ao jipe de Emmett que colocava as mala na parte traseira. – Precisou ficar alguns dias.

- Que bom, podemos fazer sua despedida de solteiro.

O grandão moveu as sobrancelhas, fazendo o irmão rolar os olhos e entrar no carro.

- Nem rola Emmett. – Edward torceu os lábios – Gosto de Tânya, e uma despedida de solteiro, vindo de você, não é lá uma coisa muito interessante.

- Aposto que é. – Ligou o carro, rindo, mas logo ficou sério – Sério mano, você não acha que está sendo precipitado?! Tipo... Se casando agora? Tudo bem que está há dois anos com essa moça, mas tem certeza que é o certo?

- Não posso viver mais de ilusões Emm. – O Cullen mais novo deu de ombros – Sabe muito bem do que estou falando. – Ficaram em silêncio por alguns minutos. Emmett dirigiu pelas ruas em alta velocidade e logo o carro estava parando do outro lado da rua, enfrente a enorme casa dos Cullen’s.

Edward saiu do carro, sorrindo para a mãe que apareceu na janela.

- Dona Esme só fala da sua volta. – Emmett resmungou, sentindo aquela pitada de ciúmes que começou a ter desde que o irmão mais novo foi encontrado.

Edward olhou para a esquerda, vendo se havia algum carro para que pudesse então atravessar a rua, logo depois olhou para a direita, e foi quando a viu...

Ela estava de costas e acenou para um ônibus que acabava de se aproximar. Infelizmente não conseguiu vê-la de frente.

Pois é, era assim que ele ficava toda vez que avistava alguma morena de longos cabelos cacheados... Edward se lembrava dela... Isabella.

- O que aconteceu? – Emmett parou ao lado do irmão. – Precisa que eu segure na sua mão maninho?

- Idiota.

Pegaram as malas e atravessaram a rua. Esme a essa hora já estava na porta, sorrindo para os filhos.

- Edward!

- Mãe.

Deixou a mala no chão, abraçando-a pela cintura.

- Oh meu amor, nem acredito que está aqui... – Resmungou baixinho, espremendo-o em seus pequenos braços.

- Também senti saudades mãe.

- Deixa isso comigo. – Emmett pegou a bagagem do irmão, estalando um beijo na bochecha da mãe e entrando na casa para colocar tudo no andar de cima.

- Entre meu amor, como foi de viagem?

- Cansativo mãe. – Suspirou, abraçando-a de lado e entrando na casa que continuava da mesma maneira de antes. – Como estão as coisas por aqui? E papai?

- Estão bem. Seu pai está trabalhando, Alice está com Miguel, acabou de chegar da faculdade e foi amamentá-lo.

Edward soltou um suspiro de leve. Sua irmã tinha apenas 18 anos quando engravidou do pequeno Miguel que completaria agora 1 ano de vida. O namorado dela não quis assumir a responsabilidade e se mudou.

- E Brad? O cara não voltou? – Indagou, irritado.

- Não, mas não se preocupe, está tudo bem. Miguel não precisa dele, podemos dar tudo a ele.

- Eu sei mãe, mas as coisas não funcionam assim. – Sentaram-se no sofá – É uma criança... Tem que ter um pai e uma mãe. Eu sei como é difícil. – Esme abaixou a cabeça, mordendo os lábios e torcendo os dedos da mão. – Ei, não estou falando isso pelo o que ocorreu, é uma situação totalmente diferente. No meu caso foi um erro médico, disseram que eu havia morrido a vocês e teve todo aquele problema com as pulseirinhas, no final, para limparem a barra me colocaram em um orfanato... Mas Miguel tem um pai.

- Alice não gosta que toquemos nesse assunto, ela já anda tão triste. Por favor querido...

- Ok. Não quero mais conversar sobre isso. – Suspirou, fazendo uma careta e sorrindo em seguida.

- E sua noiva?

- Tânya vem daqui alguns dias.

- Hm. – Resmungou, levantando-se. Edward sabia que sua mãe não gostava muito de Tânya. – Falando nisso... Seu pai e eu temos uma surpresa para você.

- Onde?

- Amanhã você vera. – Esme sorriu, tendo certeza que ele adoraria. – Agora suba, seu quarto está arrumado. Tome um banho, troque-se e desça para esperarmos seu pai, iremos jantar todos juntos hoje.

- Tudo bem.

[...]

- Meu amor...

Edward sorriu, sentindo beijos sendo distribuídos por todo seu rosto.

- Bom dia mãe.

- O café está na mesa.

- Descerei logo.

- Ok, acho que tenho uma surpresa para você.

Edward se levantou da cama quando Esme saiu do quarto, indo para o banheiro, entrou, tomou um banho e escovou os dentes, pronto para passar o dia com sua família.

***

- Ele anda meio chatinho. – Alice resmungou, vendo a empolgação do filho ao notar a presença da baba. Ciúmes de mãe. – O médico disse que é o dentinho saindo, qualquer coisa ligue para mim, está bem?

- Deixe comigo Lice. – A morena piscou para a amiga, pegando o pequeno Miguel nos braços. – Vou ficar com ele lá fora, para tomar um solzinho, não é branquelo?

- Ele gosta de você.

- Claro que gosta, tia Bella cuida direitinho dele.

- Bom dia Bella. – Emmett se aproximou, olhando-a de cima a baixo. – Está linda hoje, como sempre.

- Obrigada Emmett. – Respondeu seca. Já havia se livrado de varias investidas dele, mas ele era persistente demais. – Bom Alice, vou lá fora.

- Tudo bem Bella.

A morena pegou o pequeno Miguel, saindo pela porta da sala e indo para perto da piscina, sentando-se em uma cadeira posta ali.

- Emmett... – Alice ralhou.

- Eu sei Alice, apenas disse a verdade ora.

- Você se lembra o que a mamãe disse.

- É, eu me lembro. – Bufou, afastando-se da irmã.

- Estão brigando logo cedo e nem me chamaram? – Edward desceu as escadas, apenas com uma calça de moletom.

- Ed! – Alice o abraçou apertado. – Como foi de viagem?!

- Cansativo. – Resmungou, bagunçando os cabelos dela. – E meu sobrinho, onde está?

Alice mordeu os lábios, sabia o que aconteceria.

- Lá fora, tomando sol com a babá.

- Tudo bem, vou comer algo rápido porque tenho que sair.

- Ok. – Beijou a bochecha da Irmã – Vai lá.

 - Vem Emmett.

Edward saiu na porta, observando o grande jardim de sua mãe. Estendeu os braços sobre a cabeça, alongando os músculos de suas costas. Próximo a piscina, notou uma mulher de costas para ele, com os cabelos amarrados em um grande rabo de cavalo. Seu sobrinho ria, olhando para Edward sobre o ombro dela.

Quando a morena se virou, tudo parou. Era como se Edward estivesse em mais um de seus sonhos, onde Isabella estava ali, parada em sua frente, mas logo em seguida se afastava.

- Bella... – Ele sussurrou, equilibrando-se novamente. Sabia que não estava louco e que aquilo não era um sonho – Oh meu Deus!

Ela se manteve sentada, sabia que não agüentaria ficar de pé. Apesar de ter se preparado para aquele momento, nunca soube que se sentiria daquela maneira... Mesmo depois de anos sem vê-lo, seu coração disparou e seu estomago girou.

Segundos se passaram. Ela sorriu, ele também. Edward caminhou em passos largos até ela, sem deixar de sorrir a olhou de cima abaixo, abraçando-a em um ímpeto.

- Edward...

- Bella! – Riu, sem acreditar, apertando-a em seus braços largos – Bella, Bella, Bella!

5 comentários:

MoohCelestino disse...

aaaaaaaaaaaaaaaah quero não preciso de continuação como assim, Bella tem duas vidas o Ed pode ter não esquecido mais esta com outra mesmo assim e o que Bella faz pra viver é problema dela hram.. ameiiii quero mais

dhêê disse...

quero maiis.
está muito bom.

Anônimo disse...

Quero maaaaais! To muito curiosa poxa! Tá perfeito viu? Muito mesmo *-*.

juliana disse...

maaaaaaaaaaaaaais *-*

Bex disse...

Oxe, o Edward pensa o quê? que ele pode deixar ela apodrecendo esperando por ele enquanto ele vive?
Ele se envolveu com outra e noivou, o que a Bella fez da vida dela, é problema unico e exclusivo dela, ele não tem nada que julgar...

Tá que ele não precisava ficar com ela quando fizesse 18, mas podia ter ajudado a garota, ele tem grana, podia ter dado um emprego decente pra ela...

adorando a fic
esperando por mais caps
bj
inté

Postar um comentário