Bem vindos ao Fanfics da Cah. Sou Camila Cocenza, futura garota de programa! E não, não é o que estão pensando, apenas pretendo cursar Engenharia da Computação. Para mais informações: cahcocenza@hotmail.com

18/02/2012

Always - Epilogo

N/A: Recadinhos e agradecimentos lá no final...

---- x ----

Epilogo

- Tem certeza pai? – Anthony indagou, passando a mão pelos cabelos – Podemos adiar, sair outro dia e...

- Fica tranqüilo filho. – Edward tocou o ombro do filho – Eric ficara seguro comigo e com sua mãe, você e Katy merecem sair um pouco, afinal, não saem desde que Eric nasceu, o que foi há quase 9 meses.

- Tudo bem. – Thony sorriu. – Precisamos de um tempo a sós, se é que me entende. – Edward assentiu. – É complicado termos esse tempo aqui, Eric é um bebê, quase não nos da sossego, Desde que ele nasceu, se fizemos amor 5 vezes foi muito. Nunca consegui fazer algo especial para Katy, nossa primeira vez foi à primeira vez dela.

- Hoje vocês terão toda a noite para isso.

- Obrigado pai.

Katy se aproximou, com Isabella, a morena estava com o pequeno neto nos braços, que ria mexendo em seus longos cabelos.

- Tem certeza Bella? Vai ser tão difícil para você cuidar dos três! – Katy parou ao lado de Anthony, que a abraçou.

- Deixe isso conosco. Jully e Edward estarão me ajudando, além do mais Eric é tão quietinho, não se preocupe.

- Ok. – A menina mordeu os lábios.

Era a primeira vez que iria dormir longe do filho. Katy havia ingressado na faculdade e o melhor de tudo é que conseguira uma bolsa 100%, estava acostumando-se já a passar uma parte da tarde longe do pequeno Eric, mas nunca havia dormido longe. Tinha medo que o bebê acordasse a noite, que ficasse com febre, que caísse do berço e todos esses medos que “mães” têm, mas no fundo sabia que Isabella jamais deixaria algo de ruim acontecer a Eric.

Despediram-se. Anthony e Katy saíram, deixando Eric com um enorme bico nos lábios.

- Quem quer brincar com o vovô?! – Edward, como um adolescente, correu até a morena, puxando o neto do colo dela e erguendo-o no ar.

- Amor, vai derrubá-lo.

- Vou nada. – Sorriu, piscando para ela. – Vamos lá, ver o que Soffy e Tom estão fazendo.

Foram para a sala rindo e encontraram Tom de pé próximo ao sofá, tentando escalá-lo. Sophia estava sentadinha entre algumas almofadas, com uma boneca na mão.

- Ei filhão, vai cair daí. – Edward alertou, chamando a atenção do pequeno Thomas que o olhou e logo correu em sua direção meio desequilibrado.

- PAPAI! – Ergueu os pequenos bracinhos, pedindo colo.

- Já vai começar... – Isabella resmungou sabendo que o filho morria de ciúmes de Eric.

- Vem cá. – Edward se abaixou, pegando-o também.

- Está cansado amor, me passe Eric. – A morena pegou o neto, indo para o tapete e se sentando ali com a filha e o menino.

- Mamãe! – Thomas resmungou, pedindo para descer do colo do pai.

- Vá lá. – O Cullen o colocou no chão. O pequeno Thomas correu até a mãe, abraçando-a.

- Só vem me dar carinho quando está com ciúmes, é? – Ela caiu no chão, puxando-o para cima de seu corpo e apertando-o contra seu peito. – Coisa linda da minha vida. – Estava bom ali, até que Thomas viu o sobrinho brincando com sua irmã, os dois riam enquanto batiam uma das Barbie contra o chão. – Aonde vai Thomas?

Sem ouvir a mãe, o menino sentou-se entre Sophia e Eric, puxando a boneca da mão do menino, que levou os dedinhos na boca, começando a chorar.

- Hm... – Resmungou Eric que por enquanto só sabia chamar pelos pais, ao contrario dos tios mirins que já sabiam falar outras palavras. Thomas o ignorou, jogando a boneca mais longe possível.

- Ei, eu vi isso. – Edward suspirou, levantando-se do sofá, pegando a boneca e devolvendo a Eric. O que irritou muito Tom. – Vem cá, vamos conversar.

- Eu qué!

- Não, você não quer nada. – Sentou-se no sofá, com o filho em suas pernas. – O que eu e mamãe conversamos contigo? Nada de bater, morder, brigar e gritar com Eric.

O pequeno fingiu não ouvi-lo, brincando com os próprios dedinhos. O que deixou Edward abismado.

- Mamãe...

- A mamãe não irá te socorrer. – Alisou os cabelos loiros e revoltos do filho. – Papai vai dizer novamente, sei que você entende, então não brigue mais com Eric. Nós amamos muito você e Sophia. Entendido?

O pequeno balançou a cabeça. O que fez Edward abraçá-lo... Ele amava demais aquele menino.

- Agora vai lá e dê um abraço em Eric.

Thomas obedeceu, desceu do colo do pai e foi até o sobrinho, estalando um beijo na bochecha dele. Isabella sorriu indo se sentar ao lado do marido, que puxou as pernas dela para cima das suas, alisando uma das coxas dela.

- Parece que dessa vez deu certo. – A morena beijou o pescoço dele, fazendo-o sorrir.

- Sim.

Mero engano, pode ter sido até naquela hora, mas meia hora depois Thomas já estava se atracando com Eric. Tudo começou depois de terem jantado, quando Thomas inventou de brincar de futebol na sala com o pai, no entanto Eric também quis. Quando menos se esperou os dois pequenos já estavam rolando pelo chão. Claro que Thomas levou a melhor, ele sabia andar e era um tanto mais forte que o sobrinho.

- Não sei mais o que fazer. – Isabella suspirou, enquanto puxava o neto e Edward puxava Thomas. – Esse menino puxou você! Brigão desde criança.

- Ei, eu nunca fui brigão.

A morena rolou os olhos lembrando-se de tantas e tantas vezes que Edward e Jacob brigaram.

- Não chore meu anjinho... – Ninou o Eric, que a abraçou, fazendo Thomas também começar a chorar querendo o colo dela.

- Nada disso Tom, você não pode ser assim, isso é muito feio. – Edward o repreendeu, indo para o outro canto da sala.

- Amor, vou dar um banho em Eric, quando terminar te chamo e você leva Thomas, ok?

- Deixa comigo.

- Fique de olho em Sophia, ela já tomou banho, não a deixe se sujar.

Isabella subiu para o andar de cima, entrando no quarto onde os três bebês dormiam. Deitou Eric em uma cama posta ali e retirou sua roupa. O garoto sorriu para ela.

- Você é um danadinho! – O pegou no colo – Bem que Tom podia gostar de tomar banho como você gosta.

Era um tormento dar banho em Thomas, o menino chorava e jogava água em todo banheiro.

- Viemos cedo demais. – Edward entrou no banheiro onde Eric brincava em sua banheira enquanto Bella o lavava. – Olha lá filho, como seu sobrinho toma banho quietinho.

Bella sorriu vendo o marido segurando os dois filhos, um em cada braço.

- Vem cá brigão, é sua vez.

Eric foi retirado da banheira e levado para o quarto, onde Edward começou a trocá-lo enquanto Sophia permanecia sentadinha de costas para os dois. O Cullen não gostava da idéia da filha vendo homens pelados desde pequena.

- Tom... – Isabella sussurrou baixinho, ao ver o filho rir e colocar as pequenas mãozinhas dentro da água – Não faça isso com a mamãe, por favor... – Seu pedido foi inútil. Gargalhando o pequeno começou a jogar água nela. – O que eu faço contigo hein?

Era impossível ela ficar nervosa com aquela coisa linda.

- Thomas Cullen! – Edward falou alto do quarto, fazendo o menino parar e fazer bico. – Papai está ouvindo tudo daqui.

- Vem, vamos sair.

- Nananana. – Negou.

- É um sacrifício para te colocar ai, porque é um sacrifício para tirar?

- Deixa que eu faço isso amor. – Edward apareceu ali novamente – Eric e Sophia estão na cama.

- Estou toda molhada. – Ela resmungou, retirando o vestido.

- Em que sentindo? – Ele riu mordendo os lábios e admirando o corpo dela. – Droga, saia daqui antes que eu te agarre na frente de Thomas.

A morena riu, saindo do banheiro.

- Estaremos no quarto.

Edward pegou a toalha de Thomas e se aproximou da banheira, cerrando os olhos.

- Nem pense em fazer o que está pensando. – Alertou, fazendo o menino rir. – Vem cá com o papai, vem. – Sorriu para o filho. Apesar de arteiro, o pequeno sempre obedecia ao pai, e foi fácil retira-lo dali e trocá-lo. – A mamãe fica muito triste quando você briga com Eric, com Sophia... – Lhe disse, enquanto penteava seus cabelinhos. – Vem, vamos lá com eles.

Entraram no quarto, e Thomas não gritou nem esperneou quando viu Eric sobre Isabella, o pequeno apenas abraçou o pai, deitando sua cabeça no ombro dele.

- Mamãe meu. – Resmungou o pequeno, fazendo Edward alisar suas costas.

- Ela é sua filho.

- Papai! – Sophia arreganhou os lábios ao ver Edward.

Ele se sentou na cama, colocando Thomas entre seu corpo e o de Isabella.

- Vem aqui meu lindinho. – A morena o puxou para cima de seu peito também. Eric sorriu para o tio, que sorriu de volta. – Viu? Não precisa ficar brigando para conseguir atenção do papai e da mamãe. Amamos você demais. Agora durma, já está tarde demais.

- Mamã... – Eric resmungou baixinho. – Papai.

- Sua mamãe e seu papai voltam logo. – Edward alisou os cabelos do neto, inclinando-se para beijar a testa dele e do filho, enquanto prendia o corpinho de Sophia contra seu peito. – Agora durmam, está tarde. Você também princesinha.

Thomas, Sophia e Eric ficaram entre o corpo de Isabella e Edward, o Cullen começou a cantar a mesma musica que cantava para eles desde que tinham algumas semanas de vida. Não demorou para que os três apagassem. Eric embolado em Thomas. Era sempre assim. O pequeno adorava Tom.

- Mamãe disse que é só uma fase. – Edward sussurrou para Isabella, fazia leves carinho em Thomas.

- Eu sei, mas porque ele é assim? Damos mais atenção a ele do que a Sophia e Eric.

- Meu pai disse que eu também era assim. – Ele confessou dando de ombros – Emmett e eu vivíamos machucados porque brigávamos. Tom gosta de Eric, por isso implica tanto com ele.

- Até que melhorou um pouco. – A morena concordou – Pelo menos ele parou de morder e puxar cabelos.

- Nada que um papo sério com o papaizão aqui não resolva.

- Que tal levar os pequenos para o quarto e ter um papo sério comigo, papaizão?

***

- Vamos embora? – Anthony sussurrou no ouvido de Katy, que se movia ao som da musica. – Quero um tempo contigo, em nosso apartamento.

- Ok. – Ela sorriu, beijando-o.

Até agora tudo estava sendo perfeito. Anthony havia levado-a a um restaurante caro, depois de jantarem foram para a uma boate, onde ficaram pela primeira vez. Agora o carro do menino estava estacionado no prédio onde ficava o apartamento que Edward havia lhe dado.

Pegaram o elevador que daria no penúltimo andar, Thony não resistiu e a agarrou ali dentro. Sairam do abraçados, em direção ao apartamento. Anthony destrancou a porta dando espaço para ela entrar.

Não foi preciso acender a luz. Assim que a porta foi trancada novamente o menino pegou sua mulher no colo, fazendo o caminho até o quarto.

- Eu estou com tantas saudades. – Sussurrou deitando-a na cama e ligando o abajur para poder vê-la.

- Eu também Thony.

A boca dele cobriu a dela. Embolaram-se na cama e logo suas roupas estavam no chão.

- Eu te amo minha linda. – Ele sorriu, alisando o rosto dela. – Queria fazer hoje uma noite especial, a noite que você não teve em sua primeira vez.

- Minha primeira vez foi especial. – Katy sussurrou – Foi com você. – Ela emaranhou seus dedos nos cabelos dele. – Foi tão especial que nos deu nosso pequeno Eric. E você está fazendo sim essa noite perfeita.

- Você merece muito mais.

Voltaram a se beijar e entregaram-se um ao outro.

***

- Eu acho isso desnecessário. – Isabella sussurrou, abraçada a Edward.

- Eu sei Bella, mas queria muito isso.

- Edward. – Ela ergueu o rosto, colocando-se sobre ele e deixando seus seios tocar o peito desnudo dele. – Essa casa é minha, não teve participação nenhuma de Jacob na compra dela.

- Você já me disse isso. Mas eu quero fazer contigo tudo que um casal faz. Quero comprar uma casa com você, não gosto muito dessa, principalmente por que ele morou aqui, ele dormiu aqui.

A morena o beijou rindo.

- Se você faz tanta questão. – Deu de ombros – Mas não quero nem saber, vai ter que levar minhas roseiras.

Ele sorriu largamente.

- Deixe isso comigo. Mas não vai ser agora, podemos comprar a casa e nos mudar daqui algum tempo. Conversamos com Thony, ele da o apartamento para Jully e a casa fica para Katy, ele e Eric.

- Boa idéia. – Ela sorriu, beijando-o. – Agora que tal fazermos amor de novo?

Edward não respondeu, apenas a colocou ao seu lado e ficou sobre ela. Sorriram um para o outro enquanto se beijavam devagar. Antes que aprofundassem algo, foram interrompidos pelo telefone.

- Alô? – O Cullen atendeu, resmungando.

- Pai, sou eu. Liguei para saber se Eric está bem.

- Ah, Thony. – Torceu os lábios vendo sua mulher morder os lábios sensualmente e roçar-se nele. – Eric está dormindo, até agora não acordou para tomar mamadeira, como sempre acorda.

- Ele e Tom se entretaram muito?

- Como sempre. – Riu, mas logo ficou sério. – O que você e Katy estão fazendo para estar nos ligando a essa hora? Jogando banco imobiliário?

Anthony riu, enquanto sua mulher se ajeitava na ponta da mesa e o olhava com um olhar de bitch.

- Digamos que envolve a mobília do apartamento, não imobiliário. Estou deixando ela tomar um fôlego.

- Então ok. Volte para a sua mulher que vou voltar para a minha.

- Eu não precisava saber dos detalhes sórdidos.

- Tchau Anthony. – Ele desligou o telefone rindo e beijou Isabella. – Esse é meu garoto!

- Por quê? – A morena indagou.

- Coisas de homem amor, agora vem cá, eu não esqueci o que íamos fazer.

Ela riu enlaçando a cintura dele com as pernas.

- Vem tigrão.

Edward fingiu soltar um rugido, fazendo-a rir novamente. A morena se surpreendeu quando ele se afastou e a girou na cama, deitando-a de barriga.

- Você sabe como esses animais fazem amor? – Empurrou o cabelo dela para o lado e mordiscou sua nuca, local por onde os felinos costumam dominar sua presa.

- Hm...

- Que safada amor, já está gemendo?

- Vem logo.

Edward a fez se ajoelhar, deixando-a de quatro, sem deixar de mordiscar a nuca dela, enquanto massageava um de seus seios.

- Shhh... Sou eu quem mando.

- Oh Deus...

- Está tão molhada. – Os dedos dele a penetrou. Fazendo-a arfar e gemer alto – Controle-se Isabella.

- Amor...

Sem se importar, Edward se deitou sob ela como se fosse um mecânico e ela um carro, deixando seu rosto estrategicamente entre as pernas dela. Isabella mordeu os lábios reprimindo seus gemidos enquanto seu marido segurava seu quadril e metia a língua em sua gruta.

Ela abaixou um pouco mais o quadril, rebolando-o contra o rosto dele.

- Goza na minha boca amor, goza.

Isabella estremeceu ao sentir os dedos dele voltando a penetrá-la, enquanto sua língua agora dava leves batidinhas contra seu clitóris que estava durinho. Ela estava conseguindo se segurar, mas foi difícil não gozar quando a outra mão dele escorregou por sua bunda, rodando ao redor de seu cuzinho [N/A: Acho essa palavra tão estranha e um tanto... vulgar. D: Mas não consegui pensar em outra]

- Vai me matar um dia. – A morena arfou, jogando seu corpo para o lado.

Edward riu, lambendo os lábios, e colocou-se sobre ela novamente, enquanto massageava seu pênis.

- Já cansou tigresa?

Ela sorriu abrindo as pernas para ele se acomodar ali.

- Pensei que fosse me pegar por trás.

- Melhor não, você pode bater a cara na madeira. – Brincou, fazendo-a rolar os olhos. – Gosto de te amar assim, de frente, beijando sua boca, olhando em seus olhos e vendo-os se revirar.

Isabella suspirou apaixonada... Ele sabia como conquistá-la cada dia mais.

- Amo você.

- Vamos fazer isso agora. – Piscou, erguendo a perna da morena e encaixando-a em seu quadril, enquanto a penetrava devagar, fazendo-a arfar e gemer.

Os lábios dele grudaram nos dela. Isabella levou sua mão aos cabelos de Edward, descontrolada com as sensações deliciosas que seu marido lhe fazia sentir.

Alguns anos depois...

- Anjinhos, parem de correr.

- Parar de correr é para os fracos! – Thomas passou a mão por seus cabelos tão parecidos com os do pai – As mina pira nos cara que corre.

- Ei menino! – Isabella o gritou, mas ele correu para brincar com as outras crianças que lotavam o jardim da casa dela e de Edward. Sim, eles realmente haviam comprado uma casa depois de tanta insistência dele, e a outra ficou para Anthony. – Não sei onde esse menino aprende essas coisas...

A morena avistou seu marido do outro lado do jardim, conversando com Anthony e Emmett. Foi até ele, suspirando.

- Amor. – Ele sorriu, abraçando-a. – O que houve?

- Tom...

- O que ele fez agora?

- Está com essa maneia de “Isso é para os fracos” e “As mina pira”.

- Dê um desconto, hoje é a festa de aniversário dele e de Sophia.

- Pelo menos ele e Eric pararam de se atracarem por ai. – Anthony concluiu, rindo.

- O pior é que ele anda arrastando Eric para todas suas artes. – Isabella encostou-se no peito de Edward, suspirando.

- Relaxa amor, é só uma fase. – Ele beijou sua testa.

A morena rolou os olhos rindo.

- Nos convencemos disso desde que ele ainda era um bebê, e isso foi há quase 5 anos atrás.

- Hm, vem cá, minha linda. – Edward a beijou devagar, sentindo a mesma sensação de sempre. Era delicioso beijá-la. – À uma hora dessas, há 5 anos, você devia estar fazendo a ultima prova do seu vestido.

- Pois é. – Ela sorriu, mordiscando um dos lábios dele – Uma semana depois estaríamos nos casando e nossos filhos nascendo bem quando dançávamos.

- Eu tenho quase certeza que foi culpa de Thomas. – Edward brincou. – Sempre é ele. Sophia só nasceu porque o irmão resolveu que queria sair mais cedo...

Estavam comemorando o aniversário das crianças mais cedo com uma festa, já que na data a família toda estaria em Miami, curtindo uma praia, comemorando os 5 anos de casados e os 5 anos dos dois pequenos.

Voltaram a se beijar, mas foram interrompidos.

- Olha quem chegou. – Emmett apontou com o queixo em uma direção. Anthony, Edward e Isabella olharam, vendo Jully parada, ao lado de um lindo rapaz.

- Oh, minha linda! – Isabella foi até ela sendo seguida pelos outros. A morena se jogou sobre a filha, abraçando-a. – Que saudades!

A menina, agora mulher, riu retribuindo ao abraço.

- Mãe, estive aqui há duas semanas.

- Parece anos. – Torceu os lábios afastando-se da filha que estava tão parecida com ela. Logo a morena voltou sua atenção ao genro – Taylor, como vai querido?

- Bem Sra. Cullen, e a senhora?

- Querido o que eu disse sobre senhora? Chame-me apenas de Bella. – Ele sorriu assentindo. – Eu estou ótima. E essa menina? Dando muito trabalho?

- Sempre.

Jully rolou os olhos rindo.

Edward torceu os lábios cerrando os olhos para Taylor que disfarçadamente deu um passo para trás.

- E o casamento?

- Pai!

- O quê? – Edward travou o maxilar – Estão morando junto, não estão? Quero apenas saber ora, sou seu pai, não gosto de saber que esse cara e você... Você sabe...

- Amor! – Isabella riu, cutucando-o com o braço. – Não ligue para ele Taylor, vem, fique a vontade.

- Depois conversamos. – O Cullen sibilou para o rapaz, que assentiu. Jully negou com a cabeça, segurando-o a mão do namorado.

- Onde Thomas e Sophia estão? – Jully indagou.

- Por ai, arrastando seu sobrinho para alguma confusão.

- MÃAAAAAAAAAAAAAAAAAAAEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEE!

- Ai meu Deus do céu, o que aconteceu agora?

E lá se foi à família toda e alguns convidados correndo para a parte da frente da casa, onde Thomas estava sentado ao lado de Eric, Sophia e mais alguns amiguinhos.

- Filho, o que aconteceu? – Edward indagou ofegante.

- Nada ué. – O menino franziu a testa.

- Então porque gritou? – Isabella perguntou exasperada.

- Eu só ia pedir um copo de coca. – Tom passou as costas da mão no nariz, abrindo um largo sorriso – Gente da pra trazer pra todo mundo agora.

Os amiguinhos e amiguinhas deles comemoraram, jogando os braços para o ar e rindo. Eram todos vizinhos, filhos de médicos que Edward e Isabella conheciam, e algum do parque onde Sophia e Thomas sempre estavam.

- Já vi que esse pirralho chato continua o mesmo mimado.

- JUH! – Tom se levantou, correndo e abraçando-a. – Trouxe presentes?

- Que menino interesseiro! Claro que eu trouxe. – Resmungou, abraçando-o – Sophia, vem aqui minha linda.

- Jully! – A pequena abraçou a irmã, sorrindo.

As pessoas voltaram para o fundo da casa, depois de ver que nada de grave havia acontecido.

- Ei Eric, vem cá também, trouxe presente para os três!

- Tia! – Eric riu, também correndo para abraçá-la.

Era sempre assim, Eric ganhava presente no aniversário dos tios, assim como Tom e Sophia ganhava presentes no aniversário do sobrinho. Era uma boa artimanha para evitar brigas.
[...]

- Eles apagaram. – Anthony sussurrou subindo as escadas com Eric nos braços, acompanhado por Katy, Edward, Isabella que carregavam Thomas e Sophia.

- Correm muito. – Katy riu, abrindo a porta do quarto de Sophia, depois o de Thomas e por fim o que de Eric, que os avôs haviam feito questão de fazer para ocasiões como as de hoje, quando fosse dormir ali.

Encontraram-se no corredor e desceram novamente para a sala, onde Jully estava com abraçada com o namorado em um dos sofás.

- Enfim, paz. – Isabella resmungou rindo, retirando as sandálias e sentando-se com seu marido em outro sofá. – Deus, como é difícil ouvir esse silêncio aqui em casa.

- Imagino. – Taylor riu – Thomas é bem agitado.

Isabella concordou.

- E você mãe? – Anthony abraçou Katy, alisando os cabelos dela enquanto conversava com Isabella – Já pensou em voltar para o hospital?

- Sim. – A morena deu de ombros – Mas não sei se consigo, estou tão acostumada a ficar perseguindo Tom pela casa. – Deitou a cabeça no ombro do marido – Não consigo ficar longe dele e da minha princesa.

- Além do mais, você não precisa disso. – Edward sorriu, beijando seus cabelos – Gostamos de ter você aqui em casa, cuidando de nós.

- Eu também gosto. – Ela riu, apertando a bochecha dele. – Além do mais não quero nenhuma babá gostosa aqui dentro.

O Cullen rolou os olhos fazendo os filhos, a nora e o genro rir.

- Amor, aqui dentro a única gostosa que entra é você.

- Ei, podem parar. – Anthony resmungou.

- É. – Jully concordou – Estamos aqui.

- Como se vocês não fizessem o que fazemos. – Isabella riu baixinho, vendo-os torcerem o nariz. – Só que já não é a mesma coisa, sabe há quanto tempo eu chego ao orgasmo e não grito?

- Mãeeeeeeeee... – Jully tampou o ouvido do namorado, que riu.

- Pois é querida, aproveite enquanto não tem filhos.

- Podemos encerrar esse assunto? – Thony pediu.

Ficaram conversando até que Jully resolveu ir embora e Anthony também.

- Deixe-o dormindo aqui. – Edward falou ao filho – Eric está tão cansado, vai chorar se acordá-lo.

- Tem certeza? Não ira atrapalhar?

- Mais um ou menos um não vai mudar nada. – Isabella piscou para o filho – Eric é um anjo filho, não ira incomodar.

- Tudo bem, amanhã viremos mais cedo para ajudar vocês com os três.

- Não se preocupe, as malas já estão feitas, só traga roupas para trocar Eric.

- Tudo bem.

Bella se despediu de Taylor e da filha com um abraço.

- Encontramos vocês no aeroporto amanhã.

- Tchau mãe. – Jully beijou sua bochecha.

- Tchau querida.

- Tchau Bella. – Katy abraçou a sogra – Qualquer coisa me ligue, tudo bem?

- Deixe comigo querida, sei muito bem cuidar daqueles três.

Elas riram. Logo todos haviam ido embora, Bella e Edward subiram para o andar de cima, mas antes de irem para seus quartos passaram nos das crianças, conferindo se estavam mesmo dormindo.

- Vem, vamos tomar um banho.

- Só banho?

A morena riu assentindo.

O banho foi rápido, logo os dois estavam abraçados na cama, sorrindo um para o outro.

- Boa noite meu amor. – Isabella encostou seu nariz no dele, fazendo seus lábios roçarem.

- Boa noite minha linda.

A boca dele cobriu a dela. Por alguns minutos suas línguas se entrelaçaram, brincando uma com a outra de forma carinhosa e deliciosa. Separaram-se sorrindo. A morena se acomodou no peito de Edward, que a abraçou contra seu corpo.

Não demorou muito para que os dois se entregassem ao sono.

Dias depois...

Em alguma praia privada de Miami.
- Eu disse para você não ficar muito tempo sob o sol meu anjinho. – Bella deslizou sua mão pelas costas de Thomas, que gemeu de alivio ao sentir algo gelado suprindo o ardor de sua pele.

- Mas eu não fiquei mamãe.

- Sei. – Ela rolou os olhos. – Está melhor?

- Aham.

- Da próxima vez obedeça à mamãe, está bem? – Beijou sua bochecha enquanto o pequeno assentia. – O sol da praia é diferente do lá de New York.

- Porque, não é o mesmo sol? Uau, existe mais?

Ela riu, continuando a alisar a pele vermelha do filho.

- Não bebê, existe apenas um, mas digamos que os raios que vem para Miami são mais fortes dos que chegam a New York.

- Faz sentido... New York é longe daqui.

- Pois é.

- Acho que o papai devia processar o sol, a Sundown e mandar eles pra cadeia. Aquele negocio nem protege eu!

- Claro que protege, a culpa não é do protetor ou do sol, mas sim sua. – Explicou calmamente, virando-o na cama e passando o hidratante em seu rostinho. – Quantas vezes eu tive que correr atrás de você para passar mais protetor solar? Não é só uma vez que tem que passar, a água do mar tira tudo.

- Que droga.  Então a culpa é do mar! – Torceu os lábios, fazendo Isabella rir. Thomas era a cara do pai. – Será que as mina pira nos cara ardido?

- Não sei filho, e você é muito pequeno ainda para ficar pensando em “mina”, agora desça para comer algo, mamãe já vai.

- Brigado. – Lascou um beijo na bochecha dela e pulou da cama, saindo do quarto dos pais.

A morena guardou o creme e foi lavar as mãos, quando saiu do banheiro encontrou Edward ali. Seu marido estava usando apenas uma bermuda.

- Estou tão acostumada a te ver de terno que nessa semana que estamos aqui ainda não me acostumei em te ver assim.

Ele sorriu torto, virando-se para ela e passando a mão pelos cabelos.

- Verdade, até eu me sinto estranho.

- Mas é sexy. – Isabella garantiu, aproximando-se dele e beijando seus lábios. – Só que eu ainda prefiro você sem ela.

- Isso não é problema. – Sorriu safado, subindo o vestido branco dela e apertando sua bunda – Podemos fazer uma troca.

- Ah é? Qual seria?

- Eu deixo você tirar minha roupa, mas ai você me deixa tirar a tua.

- Hm, convite tentador Sr.Cullen, mas vai ficar para mais tarde, vamos descer e ficar com nossos filhos, é o aniversário deles.

- Pois é. – Abraçou a cintura dela. – Mas papai e mamãe também precisam comemorar o aniversário deles.

- Só que papai e mamãe podem comemorar mais tarde, sozinhos, além do mais eles já tiveram um momento juntos pela manhã.

- Mas o papai é um ninfomaníaco e está excitado.

- Edward! –Ela riu, ficando na ponta dos pés e beijando-o – O papai aceita, ou ficará sem nada a noite.

- O papai aceita.

- Ótimo, vem.

- Sairam abraçados do quarto e na sala encontraram Eric e Thomas jogando vídeo-game, enquanto soltavam provocações para Taylor que havia perdido uma partida para Tom. Não foi exatamente uma vitoria, já que o rapaz havia deixado o cunhado ganhar por dó, mas havia se arrependido, pois ouviria provocações pelo resto da vida.

Edward ficou na sala se sentado ao lado de Anthony que mexia em seu notebook, relendo alguns arquivos de um caso que havia pegado.

Isabella encontrou Katy e Jully na cozinha, as duas enfeitavam o bolo que a morena havia feito.

- Está ficando lindo. – Comentou, ao ver o nome do filho escrito de verde e o da filha de rosa. – Eles já viram?

- Só o Eric, mas pedi segredo. – Katy sorriu.

- Ótimo, vamos lá então, eles devem estar famintos.

Bella posicionou duas velinhas de 5 anos encima do bolo. O bolo era dividido em duas partes, o lado direito era de Thomas e foi decorado com papel comestível do Ben 10, já o de Sophia era o da esquerda, decorado com o mesmo papel, só que da Barbie.

- Deixe que eu leve para vocês. – Taylor se ofereceu, entrando na cozinha e pegando o bolo.

- Obrigada amor. – Jully agradeceu sorrindo e beijando-o.

Logo todos foram para a sala onde Edward e Anthony brincavam com as crianças. Os pequenos soltaram o controle quando ouviram os adultos começarem a cantar parabéns. Thomas foi até a mesa de centro onde estava o bolo dele e da irmã, ambos já sabiam escrever seus próprios nomes e identificaram o que estava escrito ali.

Os dois assopravam as velas, rindo.

- Feliz aniversário meus amores. – Edward beijou a testa do filho e da filha, espremendo-os em um abraço delicioso.

- Obrigada papai. – Sophia riu mexendo nos cabelos castanhos claro.

- Que isso minha princesinha, você merece muito mais. Papai ama muito você, viu?

- Eu também. – Voltou a abraçá-lo, beijando seu rosto. – Muitão.

- Vem cá você também garotão.

Thomas riu sendo puxado pelo pai e beijado.

- Ew, coisa de boiola.

- Ei, olha como fala menino. Posso te deixar de castigo.

Logo depois foi a vez de Isabella paparicar os filhos casula. Depois dos parabéns os três pequenos comeram bolo até não agüentarem mais, o que os levou a adormecerem no tapete da sala e a serem levados para o quatro.

Anthony, Katy, Jully e Taylor alegaram estar exaustos e foram dormir também. Edward e Isabella ficaram por mais algum tempo na sala, trocando beijos e palavras de amor até que começou a relampear.

Era normal aquilo em praias, de dia sol e a noite chuva.

Os dois subiram para o quarto, e sem deixar de beijar sua mulher Edward fechou a porta, abraçando-a pela cintura e carregando-a para a cama.

Bella deixou seus dedos enrolado nos cabelos de Edward, puxando-o mais para si. Não demorou para que os dois estivessem ofegantes, embolados na cama, beijando-se de forma luxuosa e intensa.

- Eu estou tão cansada... – Ela resmungou sentindo seu corpo todo queimar quando as mãos dele tocaram suas coxas.

- Também estou esgotado. – Edward torceu os lábios – Mas é impossível não te desejar minha linda.

- Eu sei, também é impossível não te desejar.

Ele a beijou mais uma vez e logo se afastou.

- Mas então descanse, posso amar você amanhã.

- Nada disso Cullen, agora que me provocou tem que ir até o fim. – Ela sorriu tirando a camisa dele. – Podemos por aquele plano em pratica.

- Mesmo? – Edward sorriu torto – Parou de tomar anticoncepcional?

- Já faz mais de uma semana.

- Hmm, então pode ser que você já esteja grávida.

- Pois é, meu marido é foda. – A morena arqueou o quadril, ajudando-o a retirar seu vestido. – Mas vai que ainda não. Precisamos garantir.

- Então vamos lá, vamos fazer nosso bebê lindo, em uma noite linda de muito amor.

A boca dele voltou a cobrir a dela. Bella suspirou sentindo seu marido tocar seu corpo da maneira como só ele fazia.

Sim, eles queriam ter mais um filho, e porque não? Afinal, Edward e Isabella tem uma família bem estruturada, além de dinheiro e tempo.

E um amor tão lindo merecia frutos para que pudessem contar que um dia, existiu uma linda historia de amor. Um casal que passou por muitas dificuldades, mas que teve seu final feliz.

Isso é a prova que um amor, quando é verdadeiro, não pode ser impedido de ser vivido, seja pelo tempo, pela distancia, por pessoas que tentarão interferir... Sabem por quê? Porque certas coisas duram para sempre...

- Eu te amo minha linda.

FIM

 N/A: Nem sei o que dizer, é sempre emocionante finalizar uma fanfic. Cara, amei escrever Always, foi uma ideia que veio do nada e de repente virou uma coisa enorme em minha cabeça. Agradeço a todas vocês que me acompanharam em mais essa fanfic, mas as coisas não param! Ainda hoje tem atualização em Dont Forget For Me.

Antes de postar o agradecimento que coloquei no Nyah, quero agradecer a todas as leitoras aqui do blog, que brigaram, me xingaram, me ameaçaram, me elogiaram, me pressionaram... Cara adoro todas vocês, obrigada por acompanherem a fanfic, vocês são fodas!

Agradecimento em especial para as ninas que recomendaram:

- elispreta [ Leitora foda, sempre está por aqui comentando! Vlw flor! ]

- july_teamcullen [ Outra leitora incrivel, que vive reclamando dos meus atrasos nos posts kkkk, até tivemos um desentendimento, mas tudo foi resolvido. o/ Obrigada flor, por ter passado por aqui! ]

- DéboraSS [ Muito obrigada pela linda recomendação, amei flor, mesmo. Você também é outra que sempre vejo por aqui, nas minhas fanfics! Fico feliz por ter gostado de Always! ]

- Ana Candeo [ Flor, você simplesmente simplificou a fanfic em sua recomendação, que ficou extremamente linda! Agradeço desde já por estar sempre por aqui! Beijos ;* ]

- natalia_ramoss [ Uma menina bruta, que sempre quis matar o Anthony HASUHA, mas no fim acabou gostando dele. Obrigada flor! ]

- Evinha [ Ai flor, você chorou mesmo com o fim?! TAMO JUNTO, chorei também! Muito obrigada pela recomendação, sério, amei! ]

- giuliawalker [ Oh, essa do absorvente foi boa kkk Minha amiga - ThataaCristina - Já havia dito isso uma vez , tudo bem... tenho que concordar... ALWAYS é nome de absorvente! Obrigada pela recomendação flor! ]

- Duda Franco [ Fico contente por você ter recomendado, não tenho muito contato direto contigo, mas isso não é problema, é só add no MSN e no facebook HASUAH o/ OBRIGADA PELA RECOMENDAÇÃO e por todas as reviews que me mandou! ]

- Natalocas [ Ooown amei sua recomendação amor, fico feliz por saber que existem pessoas que realmente gostaram e conseguiram entender a historia da fic, sério, obrigada por todas as reviews e pela recomendação ].

E por ultima, mas não menos importante... Ela... A menina mais chata do mundo, que vive me atormentando no Facebook... 

- JuhRodrigues [ Aim flor, finalmente você conseguiu recomendar! Nyah do mal não é?! Foram quantas tentativas?! 7? 8? Mas felizmente sua marquinha ficou aqui na fanfic, muito obrigada mesmo, ameeeei cada reviewnzinha sua e ameaças! ]

AGRADEÇO A TODAS, TODAS AS LEITORAS, AS QUE COMENTARAM, AS QUE NÃO COMENTARAM, AS QUE GOSTARAM E AS QUE NÃO GOSTARAM.
Beijos ;*

Nenhum comentário:

Postar um comentário