Bem vindos ao Fanfics da Cah. Sou Camila Cocenza, futura garota de programa! E não, não é o que estão pensando, apenas pretendo cursar Engenharia da Computação. Para mais informações: cahcocenza@hotmail.com

30/01/2012

Always - Capitulo 17.

N/A: O Capitulo não está lá muita coisa não, e para ter tempo p/ bolar o próximo, vou escrever agora DONT FORGET FOR ME, que está quase pronto.

Lembrando, Bella e Edward terão Gêmeos, um menino e uma menininha. O casal que vencer na enquete será o nome dos bebês dele. E o terceiro mais votado será o de Thony&Katy. Maneira legal de colocarem vocês para interagirem com a fic. (:

Em Breve ------- She Will Be Loved [Short-Fic]

PRÓX. ATT - DON'T FORGET FOR ME

-------------------------------------------------------

- Obrigado. – O menino sorriu ao pai. – Sabe, por me apoiar com Katy.

- É isso que os pais fazem, não é? – O Cullen deu de ombros sorrindo. – Fico feliz em se preocupar com meu apoio. Não participei do seu crescimento, mas nunca é tarde para isso. Daqui para frente quero ser o seu pai, e te apoiar é uma das principais coisas que farei, sempre.

Capitulo 17

Duas semanas depois...

- Nada parecer ter mudado. – Edward sussurrou, assim que o portão da fazenda foi aberto por um dos empregados e ele passou com o carro.

A morena riu, levando uma de suas mãos à nunca dele e alisando.

- Estou com saudades de Sarah. – Jully, que estava no banco de trás com o irmão e com a cunhada, colocou o rosto entre os bancos.

- Sarah? – Edward indagou confuso.

- Sim, é uma égua. – Anthony respondeu sorrindo. – Vovô deu Sarah a Jully e Relâmpago para mim.

- Interessante. – O Cullen sorriu torto, olhando pelo retrovisor. – Sua mãe sempre gostou de cavalgar.

- Ow, ew! Isso soou muito estranho.

A morena rolou os olhos.

- Jully, anda com a mente muito poluída. – Isabella a repreendeu, empurrando-a para se sentar novamente no banco. – Nem parece minha garotinha.

- Ih mãe, qual é, to saindo da adolescência, hora de vandalizar.

Katy e Anthony riram.

- Amiga, isso não faz o seu estilo.

- Chegamos. – Edward parou o carro, puxando freio de mão, soltando seu cinto, abriu a porta e deu à volta no carro, abrindo a para Bella.

Charlie e Renée já estavam na porta do rancho, sorrindo.

- Vovó, vovô! – Jully saltou do carro, indo em direção a eles e abraçando-os.

- Querida, como está grande! – Charlie bagunçou o cabelo dela, fazendo-a rir.

- Eu estava com saudades de vocês. – Confessou, sendo beijada na bochecha por Renée.

- Nós também, minha neta linda.

Edward suspirou ao ver Isabella abrindo o porta malas e puxando uma pequena mala de lá.

- Mãe, deixa que Edward e eu fazemos isso, ok? – Anthony puxou da mão dela.

- Mas...

- Bella. – A puxou pela cintura, guiando a morena até a varanda, onde Jully ainda estava agarrada aos avôs.

Renée foi à primeira ao ver Bella. O sorriso da senhora ficou maior ainda quando notou a barriga da filha quase oculta atrás de um vestido largo.

- Não me diga que...

- Sim mãe. – A morena murmurou, e no mesmo instante Charlie largou a neta para admirar a filha, que não via há muito tempo. E a barriga dela não passou despercebida por ele.

- Oi Bells. – Ele desceu os poucos degraus.

- Pai.

Bella se soltou de Edward e o abraçou.

- Como está linda minha filha... – Charlie sussurrou, beijando a bochecha dela. – Oh, e que surpresa é essa?

Ela riu.

- Pois é, sai daqui grávida e voltei grávida.

O velho Charlie torceu os lábios ao se lembrar da maior burrice de sua vida, mas balançou a cabeça, tentando afastar as lembranças indesejadas.

- Está uma mulher...

- Pai! – Resmungou – Tenho 36 anos.

- Pois é, é que faz muito tempo. – Ele deu de ombros, voltando a apertá-la em seus braços. – Me perdoe querida.

Ela assentiu, sentindo seus olhos arderem.

- Bom, Edward vocês já conhecem. – Se afastou de Charlie, puxando o Cullen pela mão.

- Rapaz. – Charlie esticou a mão e Edward prontamente pegou, soltando a de Isabella.

- Charlie, quanto tempo. – Sorriu, apesar de tudo, devia muito a aquele homem. – Como está?

- Agora melhor do que nunca, e você?

- Posso dizer o mesmo.

- Então? – O Sr Swan sorriu – Advogado?

- Sim. – Edward sorriu torto – Mas também professor, de matemática.

- Eu disse que ele é louco vovô. – Jully se pendurou no braço do avô. – Direito não combina com calculo.

- Fico feliz por ter conseguido algo melhor para você. E as outras crianças? Seus pais?

- Emmett e Alice estão ótimos. Emm se casou, assim como Alice, minha irmã deu a luz a duas semanas, de um garotão lindo como o tio. Já Emmett tem uma menina de 5 anos. Meu pai trabalha no mesmo hospital que Bella, já minha mãe continua a mesma, trabalho durante muitos anos, agora só fica em casa mesmo.

- Se passou muito tempo mesmo. Emmett? Casado? – Charlie riu.

Bella sorriu ao ver que apesar de tudo Edward e Charlie ainda se davam bem. A morena olhou para trás e viu Katy um pouco afastada, meio que escondida atrás de Anthony. Havia sido difícil a conversa com os pais dela, ou melhor, com o pai dela. Por fim ele não aceitou muito bem a idéia e expulsou a garota, que agora estava morando na casa de Isabella.

- Apresente Katy aos seus avôs, querido.

- Sim. – Anthony riu – Vovô e vovó, essa é Katy, minha noiva.

- Oh, prazer! – Renée abraçou a menina.

- Noiva? – Charlie coçou a cabeça.

- Sim pai. – Bella assentiu, enquanto abraçava a mãe. – O primeiro bisneto de vocês já está vindo.

- Ok, informações demais, vamos entrar e conversamos melhor lá dentro.

- Filho, vem me ajudar com as malas.

Anthony beijou Katy e logo seguiu Edward de volta até o carro, ajudando-o a pegar a bagagem de todos.

- Estamos em desvantagem. – O menino falou, rindo – Precisamos de mais homens na família.

- Pois é. – Concordou – Quem sabe não vem dois para nos deixar em maioria?

- Espero que sim. – Anthony esperou Edward fechar o porta malas e caminharam juntos em direção ao rancho. – Mamãe está linda, a barriga dela cresceu rápido, não é?

- Sim.

- Não vejo a hora de ver Katy assim, vai ficar mais linda do que já é.

Entraram, encontrando todos na sala acomodados no sofá, rindo e conversando animadamente.

- Deixe as coisas ai crianças. – Renée falou, abraçando Edward e Anthony ao mesmo tempo – Oh Deus, Edward, como está enorme e lindo. E você meu neto? Dando-me um bisneto...

- Obrigado tia.

- Tia? – Anthony riu. – Pois é vovó, aconteceu, mas até o momento foi à melhor coisa que poderia ter acontecido.

- Vem, sentem-se, vou servir um lanche para vocês.

[...]

Depois de terem ficado quase duas horas colocando o papo em dia e matando a saudade, Edward e Isabella subiram para o antigo quarto dela, que ainda continuava o mesmo.

- Hmm... – O Cullen deixou as malas no chão e a abraçou por trás, olhando para a cama. – Eu vou dizer... Esse é um dos meus lugares preferidos aqui na fazenda.

Ela riu, negando com a cabeça.

- Edward, estou cansada amor.

- Ora, não fiz nada demais, apenas te disse algo.

- Eu sei, mas sabe que estou sensível, e qualquer coisa me deixa excitada.

Ele riu, beijando o pescoço dela, enquanto suas mãos alisavam o volume na barriga de Isabella.

- Que tal um banho?

- Ótima idéia, mas sem safadezas. – O empurrou, indo até sua bolsa e pegando um short curto, uma bata branca e lingerie.

- Você fala como se fosse eu que te agarrasse...

- Quando isso acontece grande parte da culpa é sua, que fica me seduzindo.

- Prometo que vou me comportar. – Edward também separou sua roupa, deixando ao lado das de Isabella, que estavam na cama.

Os dois foram para o banheiro. Despiram-se e entraram no box juntos.

- Minha barriga está enorme. – Isabella comentou, enquanto deslizava o sabonete pelo corpo. – Não me lembro de ter ficado tão grande na gravidez de Anthony e na de Jully.

- Nosso bebê é grande. – Edward piscou, sorrindo e abraçando-a. – Está linda meu amor.

- Acha mesmo?

- Oh sim. Sei que é meio pervertido, mas nunca imaginei me tendo fetiche por mulher grávida.

Ela riu alto, alisando os cabelos dele e retirando o xampu. A boca deles se uniu de forma lenta e deliciosa.

Terminaram de se lavar, secaram-se e logo estavam descendo as escadas.

- Onde as crianças estão? – Bella indagou a Renée, que cozinhava algo na cozinha.

- Charlie foi com eles até os estábulos.

- Vamos dar uma volta pela fazenda, voltamos logo, ok?

- Tudo bem querida.

Os dois saíram de mãos dadas e suspiraram ao seu sentir aquele típico cheiro de mato. Era maravilhosa a sensação do vento batendo contra o rosto deles.

- Para onde quer ir? – Ela indagou, parando de andar e abraçando-o pela cintura.

- Hm, vem cá...

Bella riu quando começou a sacar para onde ele estava a levando.

- Edward!

- O que amor?

- O que você pretende com isso?

- Nada, as crianças estão lá.

- Sei...

Ela rolou os olhos, sabia que ele estava mentindo. Não demorou muito para que chegassem ao estábulo. Anthony estava montado em um cavalo rajado, com Katy que ria atrás dele, agarrada em sua cintura.

- Cuidado para não cair. – Charlie alertou Katy, que ria agarrada a cintura de Anthony.

- Jully, cuidado minha filha. – Isabella alertou, fazendo a menina rolar os olhos rindo e Charlie se virar para encará-la.

- Bells... – Se aproximou do casal, ajeitando o chapéu na cabeça. – Quer andar um pouco Edward? Tyller está selado.

- Eu quero! – Isabella quicou no mesmo lugar.

- Nada disso. – O Cullen e o Swan falaram ao mesmo tempo.

- Por favor.

- Bells, você mesmo percebeu que sua barriga está enorme, não podemos abusar, vai que você cai? Estamos longe da cidade, não tem nenhum hospital por perto, Deus me livre de acontecer algo com você e nosso bebê.

- Ed...

Os dois suspiraram. Edward olhou para Charlie que torceu os lábios.

- Vou trazer Tyller.

- Obrigada amor! – A morena abraçou o noivo, distribuindo beijos por todo seu rosto. – Oh faz mais de 18 anos que não subo em um cavalo.

Ele riu.

- Prazer, Edward Cullen, seu cavalo. – Sussurrou em seu ouvido, mordiscando o lóbulo da orelha de Isabella.

- Idiota! – Ela também riu.

- Você vai montar sim de cavalo, mas com uma condição.

- Qual?

- Eu vou junto.

A morena torceu os lábios, mas conhecia Edward muito. Sabia que ou ela aceitava ou ele realmente não a deixaria ir.

- Tudo bem.

- Aqui está. – Charlie voltou, com Tyller.

- Obrigado Charlie, vem Bells. – O Cullen montou no cavalo e logo depois, com a ajuda de Charlie, Bella subiu.

- Voltem para o almoço.

- Ok pai. – A morena passou os braços pela cintura de Edward, rindo enquanto sentia o noivo se arrepiando. – Crianças, venham, vamos da uma volta.

Jully e Anthony se aproximaram.

- Para onde? – A garota agarrada a cintura de Anthony indagou.

- Que tal a cachoeira? – Edward propôs, fazendo Isabella corar.

- Cachoeira? – Thony franziu a testa. – Aqui não tem cachoeira.

- Tem sim. – Isabella suspirou. – Vamos Edward.

Edward atiçou o cavalo, que começou a trotar devagar. Demoraram quase 35 minutos, já que foram lentamente, por conta das grávidas.

- Chegamos. – O Cullen anunciou, descendo do cavalo e ajudando a morena a fazer o mesmo.

- Uau, podemos nadar? – Jully indagou, admirada com a cachoeira a sua frente.

- Acho que sim, mas deixem-me ver primeiro se tudo é como antes. – Edward tirou sua camiseta, os sapatos e começou a desabotoar a calça.

- Edward!

- Amor, não quero voltar com a calça molhada, e estamos em família.

- Mas acabamos de tomar banho.

- Depois tomamos outro.

Sorriu arteiro amarrando as rédeas em uma arvore para que o cavalo não fugisse, logo depois pegou distancia e correu, subindo em uma pedra que o deixava aproximadamente a um metro de altura e pulou na água clara. Não demorou para que ele voltasse à superfície, sorrindo.

- Está uma delicia. – Edward afirmou, saindo de dentro da água e balançando os cabelos.

- Legal!

Isabella se sentou em um tronco, enquanto Anthony se despir e repetia o mesmo ato do pai.

- Vem também amor.

- Ah não Edward.

- Vem mãe, vamos. – Jully prendeu os cabelos e puxou Katy pela mão, indo em direção a margem.

A morena aceitou a mão que seu noivo lhe oferecia. Ela estava grávida e não podia pular da pedra, então, seguiram as duas meninas que entravam pela beirada onde se podiam ver milhares de pedras brancas sob a água, que batia em seus tornozelos.

- Lembra-se de quando vínhamos aqui? – Edward pousou seu queixo no ombro direito dela, enquanto enlaçava sua cintura e colava seu peito nas costas da morena. – Emm, Alice, eu e você.

- Sim. – Ela riu sentindo sua roupa começando a molhar, já que cada vez que eles andavam, mais para o fundo iam. – Era muito bom, ficávamos aqui a tarde toda e só voltávamos para casa quando estava começando a escurecer.

- Pois é. – O Cullen a virou, forçando a parar de andar. A água já estava próxima aos ombros da morena quando ele a puxou para seu colo.

- Amor, as crianças...

- Shh, não estamos fazendo nada de errado, só não quero que minha futura mulher morra afogada. – Ele piscou, alisando as costas da morena por debaixo de sua blusa, enquanto inclinava-se para tomar os lábios dela. – Sabe o que podíamos fazer?

- Não. – Ela riu, enlaçando o pescoço dele enquanto jogava a cabeça para trás e molhava seus cabelos – O que?

- Podíamos voltar aqui amanhã, mas apenas nós dois. Ai não precisaríamos usar roupas...

- Você não tem jeito mesmo, hein Edward. – Isabella gargalhou, chamando a atenção das crianças que brincavam animadamente um pouco afastados deles. A morena acenou para os filhos e para a nora, voltando a encarar Edward. – Eu topo, mas agora vamos ficar com as crianças.

- Ok. – O Cullen a passou para suas costas, caminhando até uma pedra que tinha ali no meio, onde Katy e Jully estavam sentadas com as pernas para dentro da água. – Então, o que acharam?

- É linda Edward. – Katy sorriu.

- Muita maldade do vovô não ter nos trazido aqui antes. – Jully torceu os lábios, assustando-se quando sua perna foi puxada pelo irmão, que imergiu ao lado do pai, balançando a cabeça no mesmo momento que o pai, jogando os cabelos para o lado. – Idiota.

- Amor, vem cá, quero te mostra uma coisa. – O garoto puxou Katy pela mão, fazendo-a rolar os olhos.

- A ultima vez que você disse isso eu engravidei.

Todos riram, menos Anthony, que torceu os lábios constrangido e a puxou para longe.

- Hm, sorte que não fui à casa de Taylor. – A atenção de Edward e Isabella se voltaram para Jully.

- Por quê?

- Ele disse que tinha algo para me mostrar. – A menina riu da cara que a mãe e Edward fizeram. – Brincadeirinha.

- Sem graça. – Edward a advertiu, bufando. – Qualquer dia volto a escola, mas não para dar aulas, e sim ter um papo sério com esse Taylor.

- Ih, dando uma de pai super protetor. – Bella riu, saindo das costas dele e se sentado ao lado da filha.

- Claro, tenho que cuidar das minhas mulheres. – Beijou a bochecha de Jully e a boca de Isabella – Vou dar um mergulho, não saia daqui, pode escorregar nas pedras, ok?

- Sim senhor. – A morena sorriu. Assim que ele se afastou, ela virou para a filha – Então, quando vai levar Taylor para almoçar lá em casa?

A menina deu de ombros, rindo.

- Não sei mãe. – Suspirou – Ainda nem conversamos sobre isso. Estamos só nos conhecendo melhor.

- Se conhecendo melhor? – Bella riu – Você é apaixonada por esse menino há 3 anos.

- Eu sei, quem sabe agora eu não desencalho? Você tem o Edward, Thony a Katy... E eu só fico de vela.

- Não pense assim querida, na hora certa as coisas vão acontecer.

Ficaram por mais algum tempo ali, até que Isabella e Edward chamaram todos para irem embora, pois Charlie e Renée estavam esperando-os para almoçar.

Quando chegaram foram tomar outro banho e logo, todos estavam sentados a mesa, comendo e conversando.

- Imagino que irão se casar. – Charlie olhou para Edward, que sorriu, colocando sua mão sobre a de Bella.

- Sim, vai ser junto com o de Anthony e Katy. – O Cullen falou. – Não vai ser nada muito extravagante. Bells e Katy querem algo simples. – Ele pigarreou. – Eu pretendia pedir a mão dela aqui, para pedir a benção de vocês, mas tenho medo de perguntar de novo e ela dizer não.

Renée riu, assim como as crianças.

- Se ela dissesse não, eu falava sim.

- Renée! – Charlie alisou o bigode. – Eu fico feliz por vocês. Errei muito quando mandei você e seus pais embora daqui e obriguei Bells a se casar com Jacob, não quero cometer o mesmo erro. Vocês se amam desde crianças. Cuide dela garoto.

- Obrigada pai.

- Eu cuidarei Charlie.

- E vocês dois? – Renée alisou o cabelo de Katy – Não acha que são muito jovens para darem um passo tão serio como é o casamento?

- Eu amo Katy vovó, e ela me ama.

- E o que seus pais acharam disso? – Charlie indagou, fazendo a menina se encolher na cadeira.

- Pai. – Isabella suspirou – O pai de Katy não aceitou muito bem e acabou colocando-a para fora de casa, ela está morando conosco.

- Me desculpe garota, eu não sabia.

- Tudo bem Sr. Swan. – Katy sorriu, dando de ombros.

- E o sexo dos bebês? – Renée perguntou, mudando o assunto.

- Mamãe tem consulta assim que voltarmos, e Katy vai junto! – Jully bateu palmas. – Tomara que seja duas meninas lindas, como eu.

- Seria perfeito. Uma menininha. – Anthony tocou o nariz da namorada – Mas linda como a mãe.

Isabella sorriu, vendo seus pais rindo, assim como Edward, Katy e os filhos. Ela estava feliz. Feliz em ter voltado a rever seu pai, e porque agora, tudo estava dando certo.

[...]

- Está começando a fazer frio. – Edward sussurrou ainda com a boca colada na de Isabella. A morena assentiu voltando a puxá-lo contra seus lábios. – Acho melhor entrarmos, não pode ficar resfriada, pode fazer mal a nosso bebê.

- Ok.

Ele sorriu, saindo de cima dela – que estava deitada em uma espreguiçadeira – e esticou a mão ajudando-a a se levantar.

Depois do jantar as crianças haviam se agrupado nos sofás da sala, assistindo um dos filmes que haviam trazido, Charlie e Renée como de costume foram dormir cedo, já Edward e Bella foram para a parte detrás do rancho, onde ficaram namorando próximos a piscina.

- Amores, acho que está na hora de irem dormir. – Bella anunciou, no primeiro degrau, pronta para subir.

- Subiremos assim que acabar mamãe, está na ultima parte. – Jully sorriu, sonolenta.

- Ok. Boa noite

- Boa noite.

- Durmam bem. – Edward acenou, abraçando a morena e subiram as escadas. – Por nós só vamos fazer isso daqui algumas horas... – Sussurrou no ouvido dela.

- Amor, estou exausta...

- Ah tá! – Ele rolou os olhos, abrindo a porta do quarto e empurrando-a para dentro – Lá fora você não parecia nada cansada quando começou a apertar minha bunda.

- Não tenho culpa se sua bunda é palpável.

Edward torceu os lábios evitando rir. Seguiu Isabella até o banheiro, onde escovaram os dentes. Ele voltou primeiro para o quarto, tirou sua camisa e bermuda, deitando-se na cama apenas de boxer. Ela voltou logo depois, vestindo uma camisola curta, que o deixava louco.

- Você faz essas coisas só para me atingir.

A morena riu, subindo na cama e engatinhando até ele, que a abraçou pela cintura enquanto seus lábios se moviam devagar.

- Não fica constrangido de fazer isso aqui?

Bella indagou, enquanto seu corpo era virado e coberto pelo de Edward, que passou a distribuir beijos por seu pescoço.

- Já fizemos isso muitas vezes aqui, agora vai ser diferente, de certa forma, não precisamos ter medo de seu pai ou alguém me flagrar aqui.

- Hm, tem razão, mas não vai ser tão gostoso como era antes. – Ela riu, arteira – O perigoso é mais divertido e delicioso.

- Bells, você vai fazer amor comigo. – A mão dele ergueu a camisola dela. – Sempre faço gostoso.

- Sabe, posso ferir seus sentimentos... – Ela fingiu desprezo – Mas você nem é tudo isso...

- Tem certeza?

- Sim.

- Você não devia dizer uma coisa dessas para um homem Bella. – Os olhos dele cerraram, enquanto suas mãos entravam na parte de dentro da coxa dela. A morena conseguiu manter a postura de “desinteressada” – Sei que está tentando me provocar, e saiba que está conseguindo. Fique tranquila, vou te dar o que você quer, sua safada...

[...]

O final de semana passou e já haviam voltado para a cidade. Agora, Edward, Jully, Isabella, Anthony e Katy, olhavam atentamente para o monitor, onde só conseguiam identificar borrões.

- Você vai mesmo ser avó. – A doutora Marie sorriu para Bella, limpando a barriga de Katy. – Está de cinco semanas querida, seu bebê está grande e saudável. Vou receitar a você algumas vitaminas e injeções que precisa tomar, enquanto isso, Edward ajude Bella a se sentar.

- Pode deixar.

Ele sorriu torto, ajudando-a a se deitar na maca, ajeitando o travesseiro sob a cabeça dela e logo em seguida subindo sua blusa preta, que ocultava a linda barriga da morena.

Edward inclinou-se, beijando a pele dela e logo depois se afastou.

- Uau, como está grande. – Marie franziu a testa, enquanto se aproximava e tocava a barriga dela. – Será que errei na conta das semanas?

- Eu também estranhei. – Bella mordeu os lábios – Anthony e Jully não me deixaram tão grande assim.

- Vamos ver o que se passa ai dentro.

Aquela sensação de arrepio percorreu o corpo de Isabella, quando o gel frio tocou sua pele.

- Tem algo errado?

- Deixe-me ver... – O aparelho começou a deslizar pela barriga da morena. – Oh...

- O que? – Edward indagou, forçando a vista para tentar enxergar algo. – Vamos, diga.

- Não se preocupem, está tudo certo aqui, e eu não errei na contagem, está quase entrando no quarto mês de gestação Isabella. – Marie riu, inclinando-se para tocar a tela. Jully, Anthony e Katy se aproximaram curiosos. – Aqui está um pesinho, outro... E mais um aqui.

- OMG, meu irmão vai ser tripé?

- Não. – A doutora voltou a rir, deixando todos confusos.

- Então...?

- Isabella, querida, vocês não terão um bebê, mas sim dois!

- Oh, gêmeos? – Edward indagou incrédulo. – Tipo, gêmeos de dois?

- Se são gêmeos, é dois amor. – Bella riu. – Agora entendo.

- Uau. Dois. – Anthony coçou o queixo tão surpreso quanto os pais. – Parabéns?

- Ok, eu sou foda. – Edward inclinou-se, beijando a boca de Isabella, fazendo-a rir. – Dois amor, dois!

- Sim, dois.

- E o sexo? Da para saber?

- Deixe-me ver... Hm, consigo ver apenas de um, o outro está com as perninhas fechadas. – A senhora voltou a apontar para a tela. – É um menininho.

- É isso ai! – Anthony esticou a mão e seu pai tocou, fazendo as meninas rirem. – Agora sim, somos três homens e três mulheres.

- Isso pode mudar. – Katy tocou sua barriga.

- É isso ai, aposto que o outro bebê da mamãe é uma menina e o da Katy também.

- Ei não vão começar a discutir sobre isso agora, não é? – Isabella os interrompeu.

Marie pediu silencio, enquanto aumentava o som do aparelho e deixava o ambiente ser preenchido por dois batimentos cardíacos descompassados e rápidos.

Bella não agüentou, e como na gravidez de Anthony e de Jully, começou a chorar.

- É tão rápido. – Katy sorriu, sendo abraçada por Anthony, que tocou sua barriga. – E lindo.

- Sim, são dois bebês muito saudáveis.

Isabella piscou para Edward, que sorria com os olhos marejados. Após ter sua barriga limpa, com a ajuda dele se sentou, abraçando-o.

- Eu te amo. – Sussurrou no ouvido da morena – Obrigado por me fazer feliz. Um meninão. Droga, estou muito feliz, não quero que pense que sou machista, torço muito para que o outro bebê seja uma menina, linda como a mãe dela.

Beijaram-se mais uma vez e se afastaram. Bella desceu da maca, ainda com a mão em sua barriga, que não abrigava um bebê, mas sim dois! Dois bebês lindos, filhos dela com Edward.

- Anda tendo muitos enjôos ainda Bella?

- Não Marie, acho que superei essa fase. – Ela riu. – Só em casos extremos. Cheiro forte ou muito doce.

- Natural. Bom, lembra quando eu disse que poderiam fazer sexo até o final da gestação? – Os dois assentiram, constrangidos por terem que conversar sobre aquilo na presença das crianças – Agora não é mais apenas um bebê e sim dois, então, terão que ter mais cuidado.

- Ok. – Edward assentiu.

- Isso significa que Katy e eu, que vamos ter um bebê só, podemos fazer a vontade?

- Anthony!

- O que é amor? Só quero me informar ok? Não quero ser responsável por fazer algum mal a você ou ao nosso bebê.

Bella, Marie e Edward riram. O garoto havia dito o mesmo que o pai.

Katy torceu os lábios, ainda rubra.

- Sim, mas não se esqueça, sua noiva é jovem e tem um bebê dentro dela.

- Deixa comigo, sou carinhoso, não sou amor? – Anthony piscou.

- Ew. – Jully tampou os ouvidos – Vou esperar vocês lá fora, não preciso saber quando vocês poderão estar transando ou não.

Assim que Anthony terminou de constranger a mãe e a noiva, perguntando se era perigoso inovar, fazer posições diferentes, ritmos diferentes e etc, saíram do consultório, encontrando Jully no carro.

- Meu filho é o bicho! – Edward sorriu orgulhoso, fazendo Isabella rolar os olhos.

- Cala a boca e vem logo, deu uma vontade louca de comer hambúrguer, nos leve para comer.

- Grosseira. – Ele resmungou, abrindo a porta do carro para ela entrar e depois assumindo o volante.

- Ótimo idéia! – Katy concordou, suspirando. – Oh, já posso sentir o gosto do bacon derretendo em minha boca.

- Mas vocês acabaram de tomar café. – Jully torceu os lábios, rindo.

- Amor, por favor... – A morena grudou no ombro de Edward. – Não quer ver duas grávidas nervosas, não é?

- Por Deus, claro que não. – Ele riu, amedrontado, ligando o carro e começando a dirigir. Edward havia lido sobre grávidas, e se uma já era perigosa, imagine duas? Ainda mais uma delas estão grávida de gêmeos?


Nenhum comentário:

Postar um comentário