Bem vindos ao Fanfics da Cah. Sou Camila Cocenza, futura garota de programa! E não, não é o que estão pensando, apenas pretendo cursar Engenharia da Computação. Para mais informações: cahcocenza@hotmail.com

27/01/2012

Always - Capitulo 16.

N/A: Eu ia postar soooó amanhã, porque sou dumal, mas vocês estão sendo muito compreensivas comigo, por isso trouxe hoje. Talvez amanhã eu já finalize o 17 e poste também. O fim está proximo...

Capitulo muitoooo fofo! ;) Beijos!

================

Capitulo 16

Isabella rolou pela cama, sentindo-a vazia. Aos poucos foi abrindo os olhos, até que se acostumasse com a luz do sol que entrava pela janela.

Esticou-se toda, gemendo baixinho ao sentir seu corpo dolorido. Edward havia sido intenso na madrugada, quando se amaram mais uma vez.

A morena sentou-se na cama, coçando os olhos e arrumando os cabelos. Levantou-se nua, indo em direção ao banheiro.

Enquanto isso, no andar debaixo, Edward arrumava a mesa para o café. Em breve Anthony, Jully e Katy – que havia dormido ali – acordariam para ir à escola.

Quando tudo já estava pronto, subiu as escadas passando no quarto de Anthony e acordando, logo depois indo ao de Jully, onde Katy dormia.

- Acordem e desçam para tomar café, a mesa já está posta.

- Tudo bem.

- Ok Sr. Cullen.

Saiu do quarto sorrindo. Entrou no quarto que – de uns dias para cá – dividia com Isabella.

- Amor? – Ele chamou quando não a viu na cama.

- Aqui no banheiro. – A morena resmungou lá de dentro.

- Está tudo bem?

Antes que ele entrasse, ela saiu enrolada em uma toalha, com o rosto pálido.

- Só reflexos de uma gravidez. – Sorriu, suspirando. – Essa crise de vomito não passa.

- Escovou os dentes?

- Claro.

- Ótimo. – Edward riu, aproximando-se dela e beijando seus lábios.

- Idiota! – Se afastou rolando os olhos. – Droga, é enjôo, é tontura... E você ainda fica me irritando.

- Vem, preparei nosso café. Talvez se você comer algo melhore.

- Tudo bem.

Ele sorriu abraçando-a apertando.

- Eu estava brincando ok? Mas percebi que seu humor não está muito bom, prometo maneirar nas brincadeiras, está bem? – A morena assentiu, ficando na ponta dos pés para beijá-lo – E você bebê... – Se ajoelhou, depois que se afastou dela, colando os lábios de leve sobre a barriga de Isabella – Como está se sentindo nessa linda manhã?

Era impossível ficar brava com ele. Edward sempre conseguia contornar a situação.

- Está ótimo, é a mamãe quem vai vomitar a cada 15 minutos. – Ela riu – Vamos tomar café. – Alisou os cabelos do noivo – Terá mais quase 7 meses para conversar com o bebê dentro da minha barriga, e o resto de sua vida depois que ele sair daqui.

- Vamos.

Desceram abraçados, encontrando os três adolescentes rindo ao redor da mesa.

- Bom dia crianças.

- Bom dia.

- Sente-se aqui amor.

Edward puxou a cadeira para ela. A morena riu, vendo-o servi-la. O Cullen encheu um copo com suco de maracujá, colocando a frente dela.

- Fui à padaria mais cedo, comprei pães e bolo de chocolate. – Ele piscou para Isabella – O seu preferido.

- Não precisava Edward.

- Claro que precisava. É meu filho ou filha, ai dentro, temos que o alimentá-lo direito.

- Edward está certo. – Anthony murmurou. – Eu fiz um trabalho na escola sobre gravidez, descobri bastante coisa.

- Ótimo, agora são dois para me controlar.

- Três. – Jully ergueu a mão, fazendo todos rirem. – Tenho que concordar com os dois. A senhora não vai mais poder ficar sem dormir, sem comer.

Isabella rolou os olhos, e resolveu mudar de assunto, começando  a falar de seu casamento.

- E quando vai sair o casamento? – Katy indagou.

- Não pensamos nisso ainda. – Edward deu de ombros. – O que você acha princesa? Prefere antes ou depois que o bebê nasça?

- Acho que se deixarmos para depois da gravidez, teremos que estender a data por alguns meses ou anos após o nascimento do bebê. – A morena suspirou, alisando sua barriga. – Você entenderá quando essa criança nascer. Bebês tomam bastante tempo nosso.

- Fora a lua de mel. – Jully torceu os lábios – Eu não sei cuidar de bebês, até tentaria, mas não daria conta de ficar com ele ou ela mais que duas horas.

- Ok. Melhor ser antes então. – O Cullen segurou a mão livre de Isabella, alisando-a – Você quer algo elaborado ou uma coisa mais simples?

- Simples

- Elaborado.

- Jully, o casamento é da mamãe!

- Vocês não entendem nada de casamento. – A garota entornou o suco de seu copo – Quando eu for me casar, EUA inteiro ficará sabendo.

- Então terá que arrumar um marido rico. – A mãe dela riu, rolando os olhos. – Agora se apressem, ou chegaram atrasados.

- Vem amor, vou trocar de roupa e já te levo para sua casa.

Bella arqueou as sobrancelhas.

- Se você vai trocar de roupa, porque vai levá-la?

A bochecha de Anthony corou, assim como a de Katy.

- Foi só modo de dizer mãe. – O menino pigarreou – Existe banheiro. Vem Katy.

- Tchau Sr. Cullen, Sra. Swan.

- Tchau Katy.

- Vou me arrumar também. – Jully encheu a boca com um pedaço de bolo, enquanto ria. – Quero pegar uma carona com Thony.

Edward riu, enquanto observava a garota correr para fora da cozinha.

- Ela lembra muito você, quando tinha 16 anos.

- Pois é. – A morena riu – Agradeço todo dia pelos filhos lindos e maravilhosos que tenho.

- Sim, mas agora tem mais um para você agradecer. – Ele a abraçou, arrastando sua cadeira para mais perto da dela. – Um dos meus maiores sonhos sempre foi ser pai. – Edward sorriu, beijando o queixo da morena – Sempre tive muito inveja de Emmett e de Jasper, quando Rosalie e Alice engravidaram. Eu realmente gostaria de ter participado da gestação de Anthony. – Deu de ombros e riu – É estranho, sabe, no começo eu e ele nos odiávamos, mas agora... Apesar dele não me considerar seu “pai”, tenho um carinho enorme por ele.

- Com o tempo vocês se entenderam melhor. – Ela comeu um pedaço de bolo e gemeu. – Hm, isso aqui está uma delicia.

Edward inclinou-se, mordendo um pedaço do que estava na mão dela.

- Bom mesmo. – Murmurou de boca cheia, fazendo-a rir. – Então? Quais são os planos para hoje? To super a fim de curtir meu primeiro dia como desempregado com você, podemos ficar agarradinhos o dia todo, lá encima, assistindo um filme.

- Gosto da idéia. – A morena sorriu – Mas preciso ir ao hospital.

- Você está de licença amor.

- Eu sei, mas não consigo ficar longe de lá por muito tempo. Além de que, tenho que avisar Aro sobre a viagem que vamos fazer.

- Quando vamos?

- Podemos aproveitar que semana que vem segunda é feriado, vamos sexta e voltamos segunda à noite, que tal?

- Adorei a idéia, vou aproveitar então e ir até a escola para poder assinar alguns papeis. Agora vem cá, deixa eu te beijar um pouquinho.

***

- Mas ele prometeu! – Jacob se levantou, irritado, não acreditando nas palavras de seu advogado. – Eu não posso ser transferido daqui, eu...

- Devia ter me esperado. – Seu advogado disse irritado – Não temos como provar o que você diz. Sinto muito, não posso fazer mais nada por você.

- O que?

- É isso mesmo que ouviu Sr. Black. – Suspirou, pegando sua pasta – Eu não quero mais seu caso, não gosto de defender estupradores.

- Mas eu estou pagado!

- Não, não está pagando. Você está falido, não tem dinheiro nem pra comprar um chocolate.

O advogado saiu da sala, deixando-o ali sentado, olhando para o nada. Jacob sabia, que dali em diante seu destino já estava traçado.

***

- Seu pai ficou transtornado.

Bella suspirou, abaixando os olhos.

- Como vocês estão?

- Filha, como acha que estamos? Nós vimos na televisão e no jornal, tentamos te ligar, mas por conta de uma chuva alguns postes caíram encima das redes de telefonia, ficamos tão desesperados. Seu pai queria ir ai.

- Jully tentou ligar para vocês, mas disse que só dava caixa postal. – A morena suspirou, ajeitando-se melhor na cama. – Papai queria mesmo vir aqui?

- Sim. Bella, você sabe que... – Sua mãe soltou um longo suspiro – Apesar de tudo o que houve, seu pai te ama muito. Você é nossa única filha.

- Ele está ai?

- Sim.

- Será que poderia passar o telefone?

- Oh sim, claro. – Murmurou alegre – Ele vai adorar saber que quer falar com ele.

- Obrigada mãe.

A morena esperou até que ouviu um suspiro e a voz rouca e cansada de seu pai.

- Bells?

- Oi Charlie. – Isabella passou a mão pelo cabelo, sem saber o que falar. – Como você está?

- Como eu estou? – Ele riu, aquele tipo de riso irônico e sarcástico – Estou com ódio. Ódio de mim mesmo... – Charlie ficou em silencio – Por minha culpa você...

- Não. – A morena o cortou. – Por favor, não quero tocar nesse assunto. Ele já foi preso, nunca mais irá chegar perto de mim e dos meus filhos.

- Fico mais aliviado. – Ele pigarreou – Hm, li no jornal que você tem um advogado.

Isabella sorriu.

- Sim pai.

- É ele mesmo?

- Sim, é Edward. – Sorriu, não se contendo.

- Hm.

O silencio voltou a reinar. Bella passou a mão pelo rosto, fechando os olhos.

- Estamos planejando ir para a fazendo, visitar você e a mamãe. Incomodaremos?

- Obvio que não filha, jamais.

- Ok, mas eu não vou sozinha.

- Maravilhoso, estou morto de saudades dos meus netos.

- Pai... – Ela resmungou – Estou falando de Edward.

- Ah, sem problemas... Quando vocês vêm?

- Vamos aproveitar o feriado, para podermos estender alguns dias ai.

- Ok, vou passar para sua mãe.

- Pai?

- Sim?

Ela pensou em falar, mas não conseguiu.

- Obrigada.

Ele suspirou.

- Por nada querida.

Isabella voltou a conversar com a mãe, contando sobre como Anthony estava se adaptando a idéia de Edward ser pai dele, sobre como Jully se sentiu em relação ao que Jacob fez, mas a morena ocultou a parte da gravidez – que felizmente não foi estampado nosso jornais.

Depois que desligou, a morena deu uma geral na casa. Havia ido ao hospital e voltado em menos de uma hora, já que tanto Aro quanto Carlisle não haviam permitido que ela ficasse lá. Sem muito que fazer ligou para a mãe, e agora, depois de ter limpado o quarto dos filhos, estava começando o almoço.

Edward ainda não havia voltado, tinha ligado avisando que demoraria mais do que esperava, e já se passava duas horas desde que ele saiu.

E Bella? Bom, ela estava entediada. Subiu para seu quarto deixando a água que seria utilizada para fazer o macarrão no fogo. Parou enfrente ao enorme espelho e tocou sua barriga, sobre a blusa que usava. De repente começou a rir, sozinha, como uma louca.

- Mamãe está feliz demais por ter você aqui. – Oh sim, os hormônios já estavam começando a se agitar, tanto que quando menos viu, a morena começou a chorar. Ergueu sua blusa, torcendo os lábios – E lá vou eu engordar novamente.

Suspirou rolando os olhos, vendo quão estúpido foi aquele pensamento. Poxa era um bebê. Mais um bebê dela com Edward, e dessa vez seria mais especial ainda, ele estaria ali, ao lado dela.

Edward abriu a porta do quarto franzindo a testa, vendo Isabella limpar as lágrimas enquanto ria.

- Não ligue não bebê, são os hormônios. Mamãe não é louca.

O Cullen se aproximou, vendo-a sorrir para o espelho ao vê-lo.

- É louca sim, pelo papai. – A abraçou, pousando seu queixo no ombro pequeno e frágil da morena.

- Verdade, papai tem razão. Mas não fique com ciúmes ok? Mamãe ama todo mundo.

- Você é linda... – A boca de Edward deslizou pelo pescoço dela. – Te vendo assim então.

- Assim como?

A morena o fitou pelo espelho. O Cullen deu de ombros sorrindo, colocando suas mãos sobre as dela, que estavam na barriga plana.

- Assim, minha linda. Tão sensível, carinhosa, atenciosa com nosso bebê.

Ela riu, girando e abraçando-o pelo pescoço.

- Há tempos não me sentia tão bem, mesmo vomitando. – Riu de novo quando Edward a pegou pela cintura, carregando-a para a cama e deitando ela ali. – É muito bom estar grávida.

- Está sentindo algum desejo?

- Sim.

- Diga-se, o que quer?

Edward riu quando sentiu as mãos da morena apertando sua bunda.

- Você gatão.

- Hm, isso é fácil.

A morena gemeu, sentindo os lábios macios e deliciosos de Edward colar nos seus.

[...]

Isabella estava rindo baixinho. Edward e ela estavam embolados no sofá, com o corpo sob um edredom. De uma hora para outra o clima havia mudado e agora chovia lá fora.

- Nada disso! – Bella suspirou, tentando controlar o riso. – Jamais colocaria esse nome no meu filho.

- Qual é amor, vai dizer que Mari Onete, ou Eneaotil seria maneiro. Minha mãe vivia me dizendo “Edward, eu te disse NÃO” ai ela soletrava ENEAOTIL, NÃO.

- Oh que bom que você e mamãe não estavam juntos quando nasci. – Anthony desceu as escadas, rindo.

- Vocês falam como se os nomes que optei fossem absurdos.

- E são amor. – Bella riu, erguendo a cabeça do peito dele. – Seria uma judiação colocar esses nomes estranhos no nosso bebê, imagine o quanto ele sofreria na escola?

- Concordo com a mamãe.

- Ok, talvez vocês tenham razão.

- Faremos isso junto. – Ela sussurrou, beijando o queixo do Cullen – Mas não precisa ter pressa, está bem?

- Sim.

- Vou sair. – Anthony passou a mão pelos cabelos – Katy me ligou, estava meio estranha no celular.

- Se for voltar tarde nos avise. – Bella pediu.

- Ok. Tchau mãe, tchau Edward.

- Tchau filho. – Responderam juntos.

 Edward torceu os lábios quando viu o garoto sair da sala e logo depois a porta abrir e fechar.

- Quando ele vai me chamar de pai?

- É tudo muito recente para ele amor, deixe-o se acostumar mais com essa situação.

- Não quero ter que esperar nosso bebê nascer e mais 1 ano para  ouvir um filho meu me chamando de pai. – A abraçou, deslizando seus dedos pela cintura dela. – Ele podia ser com Jully, ela não é minha filha e mesmo não sendo já me chama de pai.

- Anthony sempre foi cabeça dura. – Deu de ombros. A morena suspirou ao sentir a mão do noivo deslizando por suas coxas. – Edward...

- Não fiz nada. – Sussurrou, rindo baixinho – Nem parece que há algumas horas atrás fizemos amor.

- Eu sei, mas estou muito sensível, só de te beijar fico excitada. – Gemeu, friccionando seu corpo contra o dele. – Vamos fazer amor de novo?

- Jully está lá encima.

- Verdade... – Resmungou frustrada.

- Podemos namorar um pouquinho. – Sussurrou Edward, girando no pequeno sofá e deixando o corpo dela sob o dele. A morena sorriu, puxando o edredom sobre a cabeça dos dois. Edward deixou seu corpo pesar sobre o dela, enquanto tinha seu pescoço envolvido pelos curtos braços de Bella.

Antes que se beijassem, o celular do Cullen começou a tocar.

- Droga, quem será? – Ela indagou.

- Deixe-me ver. – Tirou a coberta da cabeça e inclinou-se alcançando o celular que estava na mesa de centro. – É minha mãe. – Atendeu o aparelho – Boa tarde dona Esme.

- Ótima tarde querido. – A voz dela estava meio chorosa, o que o fez franzir a testa.

- Houve algo?

- Alice querido, o bebê vai nascer.

- Oh, que maravilha mãe.

- Sim, liguei para avisar.

- Quando meu sobrinho nascer, me ligue, iremos visitar Alice, Jazz e ele.

Isabella sorriu, entendendo o assunto.

- Pode deixar querido.

Ele riu.

- Você chorou quando Bia nasceu, agora está chorando por causa do meu sobrinho... E quando seu próximo neto nascer? Guarde lágrimas para esse aqui também.

- Tenho muitas lágrimas. – Ela riu. – Chorei até por Anthony.

- Disso eu não sabia.

- Coisas de avós. Bom, vou desligar, preciso ir até o apartamento de Alice, pegar as coisas dela e do bebê. Jasper estava tão afoito que acabou se esquecendo.

- Tudo bem mãe. Beijos, amo você.

Ele desligou o aparelho e voltou a olhar Bella.

- Alice foi para o hospital, parece que está na hora.

- Que bom. – Ela sorriu – Não vejo à hora de ser o nosso bebê.

- Eu também não.

- Porque não vamos agora para o hospital?

- O que ficaremos fazendo lá? – Deitou-se sobre ela, rindo. – Apenas teríamos que aguardar. Mamãe está indo para lá. Vamos quando Alice já estiver no quarto.

- Ok. – A morena suspirou, virando o rosto.

- O que foi?

- Quero que dessa vez minha gravidez seja diferente. – Pediu. – Na primeira vez só Jacob estava lá, na segunda nem ele apareceu.

- Fique tranquila, garanto a você que as pessoas que tanto te amam estarão lá. Eu, Thony e Jully.

***

Katy enxugou as lágrimas, enquanto evitava olhar Anthony. O garoto estava atônico, não sabia o que fazer nem o que falar.

- Uau... Eu...

- Me desculpe Thony, eu juro que... – Ela voltou a chorar novamente – Não foi culpa minha, aconteceu.

- Ei, acalmesse. – Anthony a puxou para seus braços, sorrindo. – Não chore amor, isso não é o fim do mundo. – Ele sorriu, segurado o rosto dela e a beijando.

- Você não vai me deixar?

- Claro que não, sou um idiota, mas nem tanto. – Ele a olhou nos olhos, ainda sorrindo – Depois que eu te conheci, comecei a pensar no meu futuro, um futuro com você. Obvio que eu não pensava em ser pai tão cedo, só que aconteceu amor, não vamos ser como aqueles casais, que brigam ou ficam culpando um ao outro pelo que ocorreu. Eu te amo, e já amo esse bebê.

Katy suspirou aliviada. Anthony soltou seu cinto e inclinou-se, beijando a barriga dela. Mas não demorou muito para que a garota voltasse a chorar.

- Meus pais vão me matar!

- Minha linda... – Colocou o cabelo dela atrás da orelha, gesto e fala que apenas comprovava o quão filho de Edward ele era. – Eles não podem fazer nada. Seus pais te amam, vão entender.

- Não me deixe amor.

- Eu não vou te deixar. Fique calma, vou ser um bom pai e marido.

- Marido? – Ela riu.

- Claro, quero casar com você.

- Tem certeza? Você sempre foi tão... Conquistador.

- Pare com isso, vem cá. – Secou as lágrimas da namorada – Vou conversar com minha mãe, ela vai surtar no inicio, mas vai nos apoiar. Depois iremos falar com seus pais.

- Estou com medo. – Sussurrou Katy, abraçando-o apertado – Sabe... Sou tão nova, não tenho nada, não trabalho e mal entrei na faculdade e já estou grávida.

- Você tem a mim, não ira te faltar nada. – Anthony beijou a bochecha dela. – Enquanto a faculdade... Bom, você não precisa se tornar uma dona de casa, minha mãe conseguiu muito, você também vai conseguir, vou estar ao seu lado.

- Amo você.

- Eu também te amo. – Selou seus lábios nos da morena, suspirando ao sentir aquela mesma sensação do primeiro beijo se espalhar por seu corpo. – Vamos para minha casa?

- Ok.

[...]

Edward se separou de Isabella ofegante, assim que ouviram a porta da sala se abrindo.

- Mãe? Edward?

- Aqui querido.

Sentaram-se no sofá, como dois adolescentes que estavam constrangidos por terem sido flagrados.

Assim que Anthony e Katy sentaram-se no sofá a frente do qual estava Edward e Bella, Jully desceu as escadas.

- Primeira vez hoje que não os flagro se agarrando. – A menina riu, sentando-se entre a morena e seu pai. – Katy? O que houve? Estava chorando amiga?

- Mãe, nós precisamos conversar. – O garoto pigarreou.

- Algo errado? – Isabella franziu a testa, preocupada.

- Bom, não é muito errado. – O menino passou a mão pelos cabelos – Digamos que apenas não veio no tempo certo.

- Não estamos entendendo. – Edward coçou o pescoço – Pode ser mais claro?

- Não quero que fiquem chateados. – Anthony começou, entrelaçando seus dedos com os de Katy. – Sei que você vai pirar mãe, mas fique do nosso lado ok?

- Está me deixando nervosa.

- Mãe... – Ele suspirou olhando para a namorada, que abaixou a cabeça. – Katy e eu vamos nos casar.

- Hm...

Foi apenas o que a morena conseguiu responder, por conta da surpresa.

- Casar? – Jully tampou a boca, tentando não rir.

- Não acha que são muito... Jovens para isso? – Edward indagou, cerrando os olhos. – Vocês têm apenas 18 anos, estão começando uma vida agora, isso inclui faculdade, primeiro emprego e outras responsabilidades.

- Eu amo Katy. – O menino passou a mão pelo rosto. – Mãe, por favor...

- Eu acho que já entendi. – A morena o cortou. Soltou um suspiro e se levantou – Quantas vezes conversamos sobre isso? Não foram uma, duas ou três, foram várias! – Ela começou andar de um lado para outro. – Anthony, vocês são duas crianças!

- Eu não pedi para isso acontecer ok?

- Claro que pediu sim, quantas vezes disse para usar camisinha?

- Oh! – Edward e Jully arregalaram os olhos, entendo por fim o que estava acontecendo.

- Não preciso que você fique nos criticando. – Anthony murmurou, abaixando o rosto – Vai ter várias pessoas lá fora que também farão isso. Preciso que você esteja do nosso lado, mãe...

A morena passou a mão pelos cabelos, sentindo seus olhos arderem.

- Eu sei como é Anthony, eu passei por isso. – Sentou-se ao lado de Katy. – É só que... É difícil. Na minha época eu não tinha com quem conversar sobre isso, mas vocês dois...

- Desculpa Sra. Swan. – Katy falou, pela primeira vez, começando a chorar.

- Não se desculpe querida. – Isabella passou o braço ao redor do corpo dela, acalmando-a. – Me desculpe, eu não quero que pense errado. Só fiquei surpresa.

- Meus pais vão me matar.

- Não vão Katy. Eu já disse que vou com você. – Anthony sorriu retirando a mão de sua mãe do braço da namorada e beijando – Obrigado mãe, sabia que podia contar com você.

- Oh, eu vou ser tia! – A ficha de Jully caiu.

- E eu avô... – Edward se levantou, agachando-se enfrente a Katy. – Não se preocupe, como pai de Anthony, acho que é dever meu e de Bella estar presente na hora em que forem contar aos seus pais. Tudo vai dar certo.

- Obrigada Sr. Cullen.

- Vem cá, me da um abraço.

- Cabeçudo. – Jully bagunçou os cabelos do irmão, sentando-se no colo dele. – Se eu fosse você fugia. O pai da Katy vai te castrar.

- Jully, não piore as coisas!

- Eu só disse a verdade. Mas vai ser maneiro, ter dois bebês em casa.

- Não se preocupe querida. – Bella sussurrou para a nora. – Tudo vai dar certo, ok? Porque não liga para seus pais e marca um jantar aqui em casa hoje?

- Eu... Eu não sei...

- Quanto antes contarmos melhor é, amor.

- Anthony tem razão.

Edward pegou o telefone, passando para ela.

- Tome pequena, ligue.

- Tudo bem. – A garota pegou o aparelho e se levantou. Anthony foi atrás dela e Jully também.

Edward suspirou, sentando-se ao lado de Isabella e beijando-a.

- Eu temo por Katy. – A morena confessou – Conheço o pai dela... Ele...

- Ei fica calma, tudo vai dar certo.

- Edward, eu passei por isso e sei como ela ira sofrer. – Bella apoiou a cabeça no ombro dele. – Só que não vou deixar que isso aconteça. Eles podem sim ter errado, mas Anthony é um garoto maravilhoso, viu como ele agiu?

- Sim, eu sei. Você não tinha ninguém amor, mas eles têm a nós.

- Sim.

- Vamos ser avôs! – Ele riu, beijando-a.

- Oh sim. – Resmungou a morena – Isso me faz me sentir muitooo velha.

- Que isso amor, está na flor da idade.

Riram juntos.

- Eles aceitaram vir. – Anthony e Katy voltaram, abraçados.

- Ok, então querida, sinta-se a vontade, vou começar a preparar nosso jantar.

- Eu ajudo à senhora.

- Tudo bem, vem.

As duas foram para a cozinha, onde Jully estava. As três começaram a fazer o jantar, enquanto Edward e Anthony ficaram na sala.

- Obrigado. – O menino sorriu ao pai. – Sabe, por me apoiar com Katy.

- É isso que os pais fazem, não é? – O Cullen deu de ombros sorrindo. – Fico feliz em se preocupar com meu apoio. Não participei do seu crescimento, mas nunca é tarde para isso. Daqui para frente quero ser o seu pai, e te apoiar é uma das principais coisas que farei, sempre.


Um comentário:

Bruna disse...

Foi muito lindo os novos pais da fic a bella e o nosso ed cada vez mais felizes ja to sentindo o gostinho do final feliz! Bjs posta +

Postar um comentário