Bem vindos ao Fanfics da Cah. Sou Camila Cocenza, futura garota de programa! E não, não é o que estão pensando, apenas pretendo cursar Engenharia da Computação. Para mais informações: cahcocenza@hotmail.com

14/01/2012

Always - Capitulo 14.

N/A: Demorei mais voltei. Aff, espero não decepcionar vocês, não consegui muito focar na briga, tive um bloqueio nisso (: Espero que gostem do capitulo, próximo post será aqui mesmo, quanto mais rapido eu finalizar essa fanfics, mais tempo terei para as outras.


Desculpa por ter desabafado aqui aquele dia, vocês nem tem nada haver com isso, né. Segui o conselho de algumas leitoras e exclui aquele post.


Beijos ;*

=== x ===

A garota se sentou no sofá, discando para o irmão logo em seguida. Ela estava desesperada, não sabia o que fazer. Respirou exasperada quando a ligação foi para o correio de voz, a garota deixou uma mensagem, pedindo que ele voltasse para casa o mais rápido possível, em seguida fez o que Edward pediu... Era horrível para ela, mas necessário. Seu pai não podia sair impune dessa.

Capitulo 14

O volvo prata praticamente foi largado no meio da rua, enquanto Edward pulava para fora dele, sem ao menos travar as portas ou fechar os vidros. Sua visão estava turva, ele não conseguia pensar direito... Só conseguia imaginar o que Jacob devia estar fazendo...

Tocando em Isabella...

Tocando em sua mulher!

A porta foi aberta brutamente e isso fez com que Jully desse um pulo. A garota não havia conseguido sair do sofá desde que se sentou, ela estava em choque.

Edward suspirou parando na frente dela.

- Ei Jully.

- Por favor, minha mãe.

- Eu sei, fica aqui, vou subir, não saia daqui.

***

- Droga... – Anthony se sentou na cama olhando confuso ao quarto ao seu redor. - O que aconteceu?

O menino arregalou os olhos, pulou da cama e tentou abrir a porta do quarto, mas ela estava trancada.

Viu seu celular sobre o sofá e o pegou, quando abriu o flip viu o que havia uma mensagem em seu correio de voz, de Jully.

- Thony... – A voz de sua irmã soou chorosa – Vem para casa, logo, o papai... Ele... Ele está... Machucando a mamãe.

A ligação caiu e ele se levantou desesperado correndo até a janela e medindo a altura. Pegou distancia e saltou em uma arvore, e desceu até o chão. Passou a mão pelos bolsos enquanto caminhava até seu carro e tirou de lá sua chave, destravando o carro e ligando-o.

Sua cabeça ainda latejava enquanto ele dirigia em alta velocidade. Felizmente sua casa não era muito longe, mas o medo estava tomando conta dele.

O que seu pai estava fazendo? Qual era o problema dele? E aquela mulher... Ele tinha certeza de quem era.

O garoto grunhiu ao se lembrar que ela havia chamado sua mãe de vadia.

Ainda dirigindo voltou a pegar o celular e discar o numero de sua casa.

- Alô?

- Jully...

- Anthony?

- O que está havendo? – Indagou com medo da resposta. – Eu recebi sua mensagem, droga, papai me trancou no quarto.

- Vem logo para casa, eles estão brigando, eu posso ouvir.

- Eles quem?

- Papai e Edward.

- O que esse desgaçado está fazendo ai?

- Pelo menos uma vez na vida pensa nela, seu idiota!

A ligação caiu e ele grunhiu jogando o celular no banco de trás. Não demorou para que chegasse em sua casa e deixou o carro assim como o de Edward, no meio da rua.

Já dentro de sua casa ouviu a movimentação no andar de cima e gritos. Jully permanecia encolhida no sofá, abraçada as pernas.

Subiu as escadas correndo e parou na porta do quarto de sua mãe. A porta estava aberta e pode ver a mãe sentada na cama aos planto, enrolada em um lençol.

O garoto apertou os olhos com força ao ver o rosto dela machucado e ouvir as palavras de Edward.

- Seu desgraçado! – O Cullen rosnou, acertando Jacob no queixo – Você não tinha o direito, ela não queria, você a forçou, eu vou matar você.

Anthony entrou no quarto, chamando a atenção dos três para ele.

- O que você fez? – Caminhou em passos largos até o pai que estava no chão, puxando-o pelo colarinho da blusa e içando-o na parede. – O QUE VOCÊ FEZ?!

Edward limpou o corte em seus lábios, voltando a olhar Isabella que estava na cama.

Porra, ele havia presenciado a pior e mais dolorosa cena de sua vida...

Fechou os olhos com força, controlando a raiva que estava voltando a dominá-lo. Balançou a cabeça, tentando em vão, espantar as imagens daquele homem nojento sobre sua mulher na cama.

A risada alta de Jacob fez abrir os olhos.

- Ora, ora... – Empurrou Anthony, saindo de seu aperto – Agora a família toda está reunida. Mãe, filhinho e... – Olhou para Edward com desprezo – E o papai.

- JACOB!

- Cala a boca sua vadia!

- Não chame minha mãe de vadia. – O garoto voltou a avançar sobre Jacob, empurrando-o contra a parede.

- Garoto estúpido... – Black grunhiu revidando o empurrão – Eu tive que te aturar por quase 18 anos e é assim que me agradece? Se não fosse por mim teria crescido sem ter um pai.

Anthony olhou para a mãe, cerrando os olhos.

- O que você está falando? – Edward indagou, furioso – Não sei como um homem pode ser tão nojento como você, muito menos não ter coragem de assumir um filho...

Jacob avançou sobre Edward, derrubando-o no chão.

- TALVEZ FOSSE MEU SE VOCÊ NÃO TIVESSE SE APROVEITADO DE ISABELLA, ELA SERIA SÓ MINHA E EU SERIA O ÚNICO HOMEM DELA... – Grunhiu, tentando acertar um soco, mas o Cullen segurou seu braço – MAS NÃO, VOCÊ CONSEGUIU QUE ELA SE APAIXONASSE POR VOCÊ, MESMO SENDO POBRE!

- O que você está querendo dizer? – Edward rosnou.

- Que o garoto não é meu filho, mas sim seu!

A surpresa foi tanta para Anthony, quanto para Edward, que parou de lutar contra Jacob e soltou os braços dele, dando brecha para que o moreno o socasse uma vez.

Isabella e Anthony permaneciam se olhando, até que ele negou algo com a cabeça sentindo seus olhos queimarem e caminhou até Jacob, que tentava acertar Edward mais uma vez.

- Ótimo. – O garoto o puxou pelos cabelos, tirando-o de cima de Edward – Pelo menos não vou ter que conviver com a hipótese do meu PAI ter estuprado minha mãe, muito menos minha consciência pesara depois que eu te matar.

Isabella não reconhecia o garoto que, entre lágrimas, desferia socos em Jacob.

- Isso é pelo que você fez a minha mãe. – Seu punho já estava dolorido, mas sua raiva superava tudo.

- Não faça isso garoto. – Edward o agarrou por trás, prendendo em seus braços – Não faça algo que se arrependerá depois.

- ME SOLTE! VOCÊ NÃO MANDA EM MIM. – Anthony se desvencilhou de Edward e voltou a encarar o homem que um dia chegou a admirar, caído no chão, com um de seus olhos inchados. – Eu tenho nojo de você.

O menino olhou pela janela quando ouviu o som do carro de policia se aproximando. Passou a mão pelo rosto, enxugando as lágrimas que teimavam em cair. Ele não sabia se chorava de alivio por Jacob não ser seu pai ou desgosto por ter descoberto nessa situação... Que por durante 18 anos foi enganado. Antes de ele sair do quarto cuspiu em Jacob ele e parou na porta, olhando para a mãe que o encarava em choque.

- Anthony.

Ele não respondeu, saiu marchando escada a baixo, ouviu os gritos de sua mãe e de sua irmã o chamando, mas ele não queria mais ficar ali, não agora.

Entrou em seu carro e saiu cantando pneu no mesmo instante que viaturas da policia dobravam a esquina oposta a que ele virava. Dirigiu enquanto dividia sua atenção em limpar suas lagrimas e tentar afastar a imagem que presenciou... Sua mãe. Porra ele a amava tanto, e só de pensar no que aquele desgraçado a fez, tudo, tudo o que descobrira era esquecido.

Seu carro parou enfrente a uma casa simples branca. Trôpego, saiu do carro e correu até a porta, apertou a campainha impacientemente, até que a porta se abriu.

- Anthony? – Katy indagou surpresa.

- Eu posso entrar? – Ele indagou, apoiando-se no batente.

- O que houve?

Ele negou com a cabeça enquanto a abraçava. No momento não queria explicar nada, pois isso significava que relembraria de tudo.

***

- Me perdoa... – Bella sussurrou baixinho contra o peito de Edward.

- Não existe o porquê minha linda. – Os lábios dele colaram nos cabelos cheirosos dela – Eu é quem devia te pedir perdão... Se eu tivesse chegado mais rápido nada, nada disso teria acontecido a você.

Ela voltou a chorar enquanto se agarrava a blusa dele. Edward estava desesperado, não sabia o que fazer, ele apenas sentia uma dor insuportável em seu peito. Não era nenhuma dor física causada por Jacob, mas sim pelo sofrimento de Isabella.

Ambos ouviram passos agitados no andar de baixo e o resmungo de Jacob que permanecia quase inconsciente no chão.

Edward queria muito perguntar para Bella se aquilo o que o nojento do Black disse era verdade, mas sabia que no momento a morena não estava na melhor situação. Com uma de suas mãos ele agarrou o lençol de Isabella e a cobriu no mesmo instante que os policiais invadiam o quarto.

- Senhor... – Eles pararam quando viram a situação.

Edward apenas apontou para Jacob. O chefe de policia assentiu, enquanto passava as coordenadas para seus policiais.

Em um instante o Cullen precisou soltar de Isabella e ir até o corredor.

- Sabe que precisarão ir a delegacia, sim?

- Sim. – Assenti. – Sou advogado, vou cuidar de tudo, mas antes vamos ao hospital.

- Ótimo, vou ligar avisando que vocês estão indo para lá, irmão recolher materiais dela.

- Tudo bem. Obrigado.

- Esse é o meu dever.

Edward travou o maxilar ao ver Jacob sendo retirado do quarto, algemado. Os dois se encararam por alguns segundos.

- Eu vou fazer com que você nunca mais ponha o pé para fora da cadeia. – Edward sussurrou de forma ameaçadora. – Eu juro.

Antes que Black respondia algo, Cullen lhe deu as costas, entrando de volta no quarto e abraçando Isabella.

- Me ajuda a ir até o banheiro? – Pediu ela – Preciso tomar um banho.

- Amor, você não pode. – Ele tocou a bochecha pálida da morena. – Vamos, vou te ajudar a trocar de roupa para irmos ao hospital primeiro.

- Edward...

- Sem teimosia princesa.

Bella não retrucou, sabia que ele estava certo.

Já vestida e com a ajuda de Edward, que mantinha seu braço ao redor do quadril dela, Isabella saiu do quarto. Encontraram Jully subindo as escadas.

- Mamãe.

A garota a abraçou com força.

- Não se preocupe amor, não aconteceu nada, eu...

Antes que ela terminasse Edward a cortou.

- Minha linda, ela sabe... Foi Jully quem me ligou.

A morena desviou os olhos, envergonhada.

- Eu sinto muito mamãe... Eu não pude fazer nada... Eu...

- Tudo bem meu amor, vem cá.

Isabella a garota, e Edward enlaçou as duas com seus braços.

- Querida precisamos ir ao hospital – Ele tocou o nariz dela – Fica aqui, vou ligar para minha mãe vir ficar com você.

- Ok.

[...]

Edward estava de braços cruzados, ao lado da cama onde Bella ressonava tranquilamente. O ódio ainda estava vivo dentro dele...

Fechou os olhos tentando se acalmar. A morena precisava dele agora mais do que antes, e ficar relembrando a cena que presenciou apenas o deixava mais nervoso ainda, só que era simplesmente impossível... Bella estava sofrendo, ele estava sofrendo junto com ela. Mal gostava de se lembrar dos olhos tristonhos dela enquanto era examinada pelo medico.

Por incrível que pareça Bella desmaiou quando retiraram sangue dela. Uma médica com pavor de tirar sangue...

Edward se aproximou da cama, tocando o rosto de Isabella, que prontamente abriu os olhos, assustada.

- Me desculpe. – Ele sussurrou – Não queria te acordar.

- Tudo bem. – A morena sussurrou um tanto grogue.

Uma batida na porta fez Edward se afastar da morena.

- Entre.

Anthony abriu a porta, com receio. Seus olhos verdes varreram o quarto, passando rapidamente por Edward e logo desviando para Bella.

- Atrapalho?

A morena negou com a cabeça e esticou a mão para ele.

- Nunca meu amor.

O garoto entrou, fechou a porta e caminhou até a cama.

- Me desculpa ter saído daquele jeito... – Ele começou a se explicar, segurando uma das mãos dela entre as suas – Mas foi difícil... Aconteceram tantas coisas em menos de uma hora... Eu... – Seus olhos arderam, estava exausto de chorar, havia feito isso durante muito tempo – Eu descobri que o homem que sempre admirei não passa de um monstro nojento, que ele nem meu pai é... – Observou sua mãe morder os lábios e olhar de relance para Edward, que sorriu um pouquinho.

- Eu tive medo de te contar a verdade... Durante anos Jacob me dizia que você me odiaria, que sairia de casa e eu não suportaria isso... Eu te amo meu filho, me perdoe.

- Não precisa se desculpar. – Anthony deu um meio sorriso – Estou meio que aliviado por isso, não conseguiria ter um pai como ele... Mas quero saber da senhora, sei que é uma pergunta estúpida, mas como você está?

- Apesar de tudo, estou aliviada, tive tanto medo de te perder...

- Eu nunca te deixaria mamãe.

Edward moveu o peso de seu corpo para a perna esquerda, enquanto a realidade começava a atingi-lo.

Ele era pai!

Um sorriso brincou em seus lábios... Seu sonho sempre foi ser pai, de um filho com Isabella, e durante 18 anos foi... Apenas nunca soube.

Não conseguia ficar nervoso por ela ter o privado daquilo, afinal, como dar a noticia a ele se sua família havia se mudado para longe? Isabella não conseguiria contatá-los...

Sua vontade era de ir até o garoto e abraçá-lo, mas temia sua reação.

- Acho que... – Edward coçou a nuca, desviando a atenção deles para ele – Vou tomar um café. Querem algo?

- Quando voltar traga algo para eu beber, por favor, amor. – Bella pediu.

- Ok. Hm... Você quer algo garoto?

Anthony negou com a cabeça, sem coragem de encará-lo.

- Eu vou... Depois.

- Tudo bem.

Saiu do quarto rumando para a lanchonete.

Bella massageou a mão do filho, suspirando.

- Não o trate assim, por favor. Edward é um cara legal, por favor...

O menino assentiu, inclinando-se para beijar a testa dela.

- É... Acho que apoiei o cara errado.

- Não se culpe Anthony.

- É difícil. Vou ir comer algo, volto logo ok?

- Tudo bem, mas não brigue com Edward, o que menos preciso nesse momento é disso.

- Só vou conversar com ele. – O garoto deu de ombros rolando os olhos – Pelo jeito nossos encontros agora passaram a ser mais freqüentes, não é?

A morena sorriu, assentindo.

Anthony saiu do quarto um pouco mais aliviado e feliz. Sua mãe estava melhor, ele estava livre de um peso na consciência que carregaria pela vida toda se Jacob fosse mesmo seu pai... Além do mais, as coisas entre ele e Katy haviam voltado ao normal e avançado um pouco mais.

Antes de ir para a lanchonete passou na recepção, parando ali e encarando sua ex-namorada.

- Não consigo acreditar que beijei sua boca nojenta... – Falou, encarando a loira nos olhos – Você também vai ser presa, junto com ele.

Antes que ela respondesse, Anthony saiu andando.

***

- Obrigado. – Edward agradeceu assim que a garçonete saiu com sua bandeja, após ter servido um lanche a Anthony, outro para Edward e deixado os refrigerantes sobre a mesa. O Cullen deu uma mordida em seu hambúrguer enquanto olhava o garoto. – Onde você estava esse tempo todo? – Indagou, puxando assunto. – Sua mãe estava preocupada.

- Estava com Katy. – Um pequeno sorriso rasgou os lábios dele.

- Ah, ela tem aula comigo.

- Sim.

Voltaram a comer e ficaram em silêncio por mais alguns segundos, até que Anthony suspirou.

- Me desculpa por aquelas vezes que te tratei mal.

- Ok. – Edward assentiu tomando um gole de sua coca – Me desculpe também, algumas vezes te provoquei...

O garoto riu, dando de ombros.

- Eu também já te sacaneei muito na escola... Sabe, lembra-se daquele chiclete que grudou em sua... Hm... Calça?

Edward cerrou os olhos ameaçadoramente. Lembrava-se do mico que havia pagado quando se levantou da cadeira e voltou-se para a lousa e todos começaram a rir, um chiclete estava preso em suas calças.

- Não acredito nisso... – Resmungou para o menino.

- É, fui eu.

Carlisle entrou no refeitório e se assustou ao ver seu filho dividindo a mesa com Anthony.

- Boa noite. – Ele cumprimentou os dois. – Filho, os exames de Isabella estão prontos o Dr.Thompson pediu para que eu chamasse você.

- Até quem fim. – Edward grunhiu – Porque demorou tanto?

- Foram feitos vários exames filho... Você sabe, eles tiveram uma relação sexual sem prevenção.

Anthony suspirou, também se levantando.

- Vamos lá.

Antes de sair Edward comprou algumas coisas para Bella comer e beber, logo voltaram ao quarto.

- Não vou poder ficar. – Carlisle avisou assim que pararam na porta. – Preciso ver alguns pacientes, depois me ligue.

- Ok pai.

O Cullen abriu a porta, deixando o menino passar primeiro e entrando depois.

- Anthony. – Thompson o cumprimentou com um aperto de mão – Você cresceu bastante desde a última vez que te vi.

- Como vai o senhor?

- Ótimo, obrigado garoto.

Edward se aproximou da cama.

- Oi minha linda.

- Oi Edward.

- Trouxe o que você pediu, mas antes... – Virou-se para o médico – O que deu nos exames?

- Isabella está perfeita. – Sorriu, entregando os exames a mesma – Deve estar cansada, passou por uma situação desconfortável, ainda teve que depor ao policial que veio aqui e fazer uma bateria de exames, isso não faz bem ao seu bebê, deve descansar.

- Bebê?

O doutor franziu a testa.

- Sim. Não sabiam?

- Não me diga que é de... De Jacob.

- Oh não, querida, seria quase impossível o ovulo se instalar em seu útero em apenas algumas horas, leva em média de 4 a 10 dias. Seria uma chance em um milhão.

- Então eu sou o pai? – O rosto de Edward se iluminou, seus lábios abriram um enorme sorriso, enquanto suas mãos automaticamente desciam para a barriga de sua mulher. – Sempre quis ser pai.

- Mesmo? – A morena indagou, lágrimas escorregavam por sua bochecha.

- Você nem imagina. – Os lábios dele grudaram na testa dela e depois em sua barriga – Eu fiquei super frustrado quando mexi nas suas coisas e achei uma caixinha de anticoncepcionais, sabia que muitas vezes não estávamos nos prevenindo...

- Você mexeu em minhas coisas?

- Oh, bem... Talvez.

O medico se retirou dali, deixando os dois em sua bolha particular, já Anthony continuava parado, digerindo aquela informação... Ele teria um irmão, ou irmã. Era tanta coisa em um dia só... Seu pai não era seu pai, o cara que achava odiar é seu pai, Jacob era um nojento, sua ex-namorada se envolvia com seu pai. O garoto voltou a fitar os dois, que se olhavam de forma intensa.

- Essa noticia veio para aliviar nosso sofrimento, minha linda... Um bebê.

Anthony se aproximou, rodando na cama e parando do outro lado da mãe.

- É... Parabéns?! – Falou soando mais como uma pergunta, o que fez a morena rir.

- Obrigada meu anjo, mas você... Não está com raiva?

- Não. Um irmãozinho vai ser legal.

Sua resposta fez Isabella e Edward sorrirem.

- Parece que as coisas finalmente estão se ajeitando. – Ele entrelaçou os dedos nos de Isabella – Até dividi uma mesa com Anthony!

- Jura? – Ela olhou para o filho que assentiu. – Isso é bom.

- Sim. – Edward concordou enquanto pegava o pequeno pacote onde estava um lanche – Olha o que eu trouxe para você.

- Obrigada.

- De nada, mas não se acostume, hoje é o ultimo dia que comerá porcarias, quero que tenha uma alimentação saudável durante a gestação.

- E eu assino embaixo.

- Ótimo, um complô contra mim.

1 semana Depois...

Edward suspirou ao sair do banheiro e ver Isabella já dormindo. Desde que saiu do hospital a morena estava fugindo dele.

Bufou ao seu lembrar das paranóias dela... A morena ontem havia confessado a ele o medo que aquele bebê não fosse dele.

O Cullen se aproximou da cama, deitando-se. Um pouco distante. Distante demais para o gosto dele.

Com um longo suspiro ele se sentou admirando a mulher que ao seu lado trajava calça e blusa de moletom, por conta do fim do ano, o frio já estava tomando a cidade.

Edward inclinou-se sobre ela, deitando sua cabeça na barriga ainda lisa.

- Não ligue para as coisas que a mamãe diz ok? – Ele gostava de conversar com a barriga dela a noite – Não importa, você é meu filho, e mesmo que não seja, eu te amarei como tal.

A morena, que fingia dormir, mordeu os lábios, sentindo aquele sentimento estranho a tomar novamente. Sentia-se culpada apenas em imaginar o quanto Edward sofreria se aquele filho não fosse dele. Lembrou-se das palavras do doutor.

“Oh não, querida, seria quase impossível o ovulo se instalar em seu útero em apenas algumas horas, leva em média de 4 a 10 dias. Seria uma chance em um milhão.”

Quase impossível. Uma chance em um milhão.

Então não era totalmente impossível, eu posso ser uma em um milhão, resmungou mentalmente mais uma vez.

Seu medo só aumentou ainda mais depois que Edward confessou que estava louco para ter um filho com ela.

- Edward... – Isabella sussurrou abrindo os olhos, fazendo-o parar de beijar sua barriga.

- Me perdoe, não queria te acordar, eu...

- Eu estava acordada. – Confessou desviando os olhos. – Eu sempre estou acordada.

- Oh, porque não me disse antes?

- Gosto de ver você fazendo isso. – Deu de ombros. – Mas ao mesmo tempo não gosto.

- Não? – Ele franziu a testa, deitando-se ao lado dela. – Por quê?

- Não quero que se iluda. Posso ser Uma em um milhão.

Os olhos verdes dele rolaram.

- Porque não se conforma que esse bebê pode ser meu?

- Porque estávamos transado há tempos sem camisinha, porque não me engravidou antes?

Edward suspirou, havia conversado com sua mãe, que aconselhou ir devagar com a morena.

- Talvez não tenha sido a hora... – Deu de ombros – Talvez essa espera serviu para que agora essa gravidez curasse todas nossas dores. Eu te amo, não quero discutir com você.

Ela assentiu enquanto sentia a boca dele escorregando por sua bochecha.

Droga, há uma semana mal se tocavam... Nem um beijo com ele havia trocado.

A mão dela foi para a nuca dele e seus dedos se enroscaram no cabelo macio. A boca dele continuou a trilhar beijos, descendo para o queixo dela. Edward tentava se controlar, mas era difícil, sentia falta dela, só não queria que Isabella se sentisse pressionada.

Ele se afastou suspirando.

- Porque não me beija? – Indagou ela, deixando-o confuso.

- Pensei que não quisesse isso, sei lá, depois do que houve...

- É só isso? – A mão da morena escorregou pelo braço dele – Ou você tem nojo.

Edward resmungou.

- Porra Bella, qual é o problema? Eu não tenho nojo de você, pare com essa paranóia. Eu te amo. E o que aconteceu não vai mudar isso.

- Jura?

- Sim, minha linda.

- Então me beija.

Com delicadeza, os lábios de Edward colaram nos dela. Ele conteve um gemido, sabia que aquilo não passaria do beijo. A morena abriu os lábios sentindo a língua dele se encontrar com a sua.

Beijaram-se por mais algum tempo, até que respirar se tornou necessário.

Edward sorriu, beijando o nariz dela.

- Hm, vou dormir bem melhor.

Ela sorriu, alisando o rosto dele.

- Boa noite.

- Boa noite minha linda.

E diferente dos outros dias, dormiram abraçados.

Bella sorriu, agora aquele medo havia sumido, sabia que Edward a amava e tinha esperanças que aquele filho fosse dele... Ela merecia isso, não merecia?

13 comentários:

Camila S. disse...

Aaaaaaaaaaaai quase chorei quando vi que o capitulo tava disponivel. kk'
Ficou perfeito Cah, não demora não. Sofri junto com a Bella aqui.
Capitulo perfeito. Beijão.

rayany disse...

Capitulo perfeito!!!!!!!!!!!
bjs

LiihBomfim disse...

Ameeei Caah'
Perfeito demais!

evelyn caroline disse...

Adorei!!! Ficou muito lindo, perfeito *u*

Daiane Farias disse...

Adorei, capitulo perfeito!!
O Antony é tão liindo! uahsuha
Quero mais
Beijos

moohcelestino disse...

Adorei o capitulo super lindo e cheio de emoções diferentes. beijo

Raphaella Paiva disse...

Ah, capítulo mais que fofo, Cah! Jacob teve o que mereceu, aquele canalha... Argh!
E Edward e Anthony se dando bem *vomita arco-íris*
BELLA GRÁVIDA? PQP!
Louca pra mais \0/
Toodles honey

Tuca Cullen disse...

Ameiiii!!!!!

Julia disse...

Ahhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhh! Que capítulo perfeito caah! Na boa,quem critica as suas histórias tem que tomar uma surra! Vc escreve várias ao mesmo tempo e não mistura os sentimentos de uma com a outra.Vc é incrível. Parabéns,capítulo maravlhoso!

Carollyne disse...

ahahahahahahahhhhhhhhhh que perfeitoooo quero maisssssssssssssssssssssss ahaha que lindoo Thony que fofo ele mano .. owt mais um filhinho do Ed que lindoo

Anônimo disse...

Capitulo perfeito Cah! Amei.
Mais um bebe nessa familia :) Eu so não entendi a parte em que o thony pensa sobre sua ex-namorada se envolvia com o Jacó. Mais um cap tudo de boom como todos os outros. ansiosa pro proximo capitulo.

dhêê disse...

ahh que fofo!!!
fimalmente ele descubriu que eles eram pai e filho, muito bom :)

Quel Torres disse...

Na verdade eh uma mistura de sentimentos
hahahahahahaha
Então...
Eu ameiii o capítulo, ficou mega show e gente, sofri com a July :s
E Jacoso mereceu...Por mim, ele morria =D
Enfim... Quero mais.
Ameii

Postar um comentário