Bem vindos ao Fanfics da Cah. Sou Camila Cocenza, futura garota de programa! E não, não é o que estão pensando, apenas pretendo cursar Engenharia da Computação. Para mais informações: cahcocenza@hotmail.com

12/10/2011

Bônus - Fire

N/A: Me perdoem, realmente sei que estou em falta com vocês, mas não encontro tempo para escrever D: PROX Atualização: ALWAYS

Aproveitem o bonus, beijos!

Bônus – Fire

POV Edward.

Sentei-me na cama, esfregando meu rosto. Olhei para o criado mudo e constatei que ainda estava muito cedo. Virei-me para Bella, inclinei-me sobre seu corpo e beijei suas bochechas.

Ela estava dormindo tranquilamente, com um pequeno sorriso nos lábios. Não por ela ser minha mulher, mas não tem como negar... Bella estava cada vez mais linda.

Levantei-me. Fui para o banheiro, fiz minha higiene matinal e desci para a cozinha. Era de praxe que eu fizesse o café da manhã, já que geralmente Bella acordava um pouco tarde e as crianças tinham escola.

Realmente não tenho o que reclamar. Bella e eu passamos por algumas dificuldades durante todos esses anos – em relação ao que ocorreu comigo –, mas somos recompensados pelos dois maravilhosos filhos que temos.

Fiz ovos mexidos com Bacon e deixei sobre a mesa, subi novamente para o andar de cima e passei no quarto das crianças acordando um por um. Primeiro chamei Anne, ela acordava mais rápido, diferente de Anthony que continuava teimoso e preguiçoso.


- Levante-se filho! – Puxei seu edredom, fazendo-o me olhar chateado.

- Pai... – Rolou para o lado, resmungando – Me deixa dormir mais um pouco.

- Anthony, você vai se atrasar para a escola vamos.

- Droga. – Meu filho se sentou, coçando o peito. – Graças a Deus faltam só alguns anos para essa merda acabar.

- Eu pensava assim também, mas descobri que tem uma coisa chamada FACULDADE.

- Você não fez faculdade, bombeiros não fazem.

- Eu não fiz, mas você vai agora se levante daí.

- Pai, jogadores de futebol não fazem faculdade.

- Jogador de futebol não da dinheiro.

Meu filho mais velho se levantou e foi para o banheiro resmungando. Sai do quarto rindo. Anthony ainda era novo, estava quase completando 17 anos, mas eu sabia que ele daria um rumo certo em sua vida.

E ao contrario do irmão, Anne realmente era uma menina doce e dedicada, já tinha até em mente seguir os passos da mãe, mesmo tendo apenas 14 anos.

Segui para meu quarto e quando entrei vi Bella se remexendo na cama. Fui até ela, deitando-me ao seu lado e beijando-a.

- Bom dia... – Sussurrei em seu ouvido e a vi suspirar.

Ela abriu os olhos e sorriu.

- Bom dia amor...

Bells girou na cama, ficando de frente para mim e me abraçando.

- O café está na mesa.

- Hm... Que marido prendado.

Ri, beijando sua boca. Bella se afastou, sorrindo e beijando meu rosto. Suspirei. Eu adorava quando ela fazia aquilo... Mostrando que não se importava com minha cicatriz.

- Eu te amo. – Sussurrei, abraçando-a com força.

- Eu sei. – Riu baixinho, colocando seu corpo sobre o meu. Escorreguei minha mão por suas costas nua, fazendo-a se arrepiar.

- Não vai dizer que me ama também? – Fiz bico, fingindo magoado.

- Hm, sabe que eu prefiro mostrar isso... – Seu corpo roçou no meu, fazendo-me fechar os olhos e gemer baixinho.

- Bells, tenho que levar as crianças na escola.

- Droga... – Ela resmungou, mordendo meu queixo. – Ok, mas depois você não me escapa, vai ser todinho meu...

- Vai ser um prazer princesa.

 - Então vou tomar um banho rápido e já desço para tomar café com vocês.

- Ok.

Nos levantamos da cama. Bella me beijou mais uma vez.

- E só pra deixar bem claro... – Enlaçou minha cintura, sorrindo lindamente – Eu também amo você.

[...]

Terminei de me arrumar para levar as crianças até a escola. Sai do quarto, mas parei no topo da escada, enquanto observava confuso Bella e Anne discutirem.

- Mas mãe!

- Sem “mais” – Sorri ao ver as bochechas dela corando, típico de quando ficava nervosa, porém, meu sorriso sumiu com o que veio a seguir. – É o seu pai, não devia falar isso!

Franzi a testa confuso.

- Eu sei que é meu pai, mas como acha que eu me sinto quando eles ficam zombando de mim?

- Você é idiota. – Ouvi Anthony, que devia estar no sofá – Quem se importa com a opinião daqueles inúteis? Eu não! E você é tão estúpida quanto eles por ter vergonha do papai.

- Eu realmente não esperava isso de você querida.

- Eu só não suporto mais ser chamada de “Filha do fantasma da ópera” ou apelidinhos irritantes como esse. Não quero mais que o papai me leve para a escola, prefiro pegar ônibus.

Suspirei, talvez alto demais, o que acabou chamando atenção das duas que estavam no pé da escada.

Apenas dei de ombros e sorri um pouquinho.

- Bom, por mim tudo bem. – Mordi os lábios – A mãe de vocês os levaram para a escola. – Suspirei e tentei fazer piada – Pelo menos vou poder dormir até mais tarde. Tenham uma boa aula.

Rodei em meus calcanhares e voltei para o quarto. Retirei minha roupa irritado. Não por minha filha ter vergonha de mim, mas sim por eu ser da maneira que sou.

Me joguei em minha cama, fechei os olhos e coloquei meus braços sobre meu rosto.

Eu tinha que arrumar uma forma de melhorar essa situação, meus filhos não mereciam passar constrangimentos por minha causa.

POV Bella.

- Droga... – Suspirei, apoiando-me na parede depois que Edward sumiu.

- Ele... Ele ouviu? – Anne arfou.

- O que você acha? – Passei a mão por meu cabelo. – Peguem suas mochilas, vou subir e já volto para levar vocês.

- Mãe, juro que eu não queria que...

- Anne, você já falou demais por hoje. – A cortei e subi as escadas. Fui para o quarto e encontrei Edward deitado em nossa cama, usando apenas uma calça jeans. – Amor... – Subi na cama e retirei seus braços de cima de seu rosto. Ele abriu os olhos, que estavam vermelhos e molhados. – Oh amor, não chore.

- Bells... – Ele suspirou, abraçando-me. – Eu... Envergonho tanto vocês?

- Não meu amor, pare de pensar bobeira.

- Anne tem vergonha de mim...

- Edward ela é uma adolescente e...

- Amor, pare de tentar achar desculpas. Você sabe que é a verdade.

Me agarrei a ele, enterrando meu rosto em seu pescoço.

- Eu te amo tanto... Não me importo com nada, eu gosto de você do jeitinho que você é.

Fui presenteada com um sorriso torto e beijei aquela boca deliciosa.

- Eu também amo você minha linda. – Sua mão escorregou por minhas costas.

- Hm, tenho que levar as crianças na escola. – Ri contra seus lábios – Vou conversar com Anne, resolveremos isso ok? Me espera que eu volto logo, quero terminar o que começamos quando me acordou.

- Tudo bem.

Nos beijamos mais uma vez. Depois, desci para a garagem e encontrei Anthony e Anne já no carro.

- Como papai está? – Thony indagou assim que entrei no carro, ligando-o.

- Bem, na medida do possível. – Olhei pelo retrovisor, vendo Anne se encolher – Querida, seu pai não está bravo.

- Eu não queria que ele soubesse.

- Fique tranqüila. Ele compreende. – Sorri para ela. – Quer subir lá e dar um beijo nele? Ainda temos tempo.

- Ok.

Anne saltou do carro e correu para dentro. Anthony rolou os olhos bufando, enquanto girava o boné na cabeça.

- Logo sua licença sai e vai poder dirigir seu próprio carro.

- Não vejo a hora mãe. – Sorri, e ele também. Thony pulou para o banco da frente e me deu um beijo estalado na bochecha. – Amo você...

- O que você quer?

- Nossa, assim você me ofende. Não posso mais dizer que te amo?

- Claro que pode, mas me diga logo, o que você quer?

- Bom, será que pode me emprestar uma grana?

POV Edward.

- Pai?

Abri os olhos, e sorri, ao ver minha menina parada na porta.

- Não devia estar indo para a escola, princesa?

- Eu... – Ela suspirou e se aproximou da cama onde eu estava deitado – Vim pedir desculpas.

- Querida, não precisa se desculpar. – Me sentei na cama, puxando-a para se sentar em meu colo – Eu te entendo, até eu tenho vergonha de mim mesmo.

- Não é “vergonha”, só estou cansada de ser zoada.

- Não tem que explicar filha, entendo você. – Beijei sua testa – Agora vá, senão chegaram atrasados no colégio.

- Ok. Amo você papai.

- Também amo você princesinha.

Ela me deu um abraço apertado e saiu do quarto. Me deitei na cama, suspirando. Fiquei ali, não sei exatamente por quanto tempo, mas Bella não demorou muito para chegar.

- Hm, você realmente me esperou na cama. – Ergui minha cabeça sorrindo, vendo-a me olhar maliciosamente.

- Veio rápido em amor. O que o sexo não faz com as pessoas...

- Edward! – Ela pulou sobre mim, agarrando-me. – O que você não faz comigo...

- É uma pergunta difícil... Já fiz varias coisas com você.

Bella mordeu os lábios, arqueando as sobrancelhas.

- Ah, é? E o que você mais gosta de fazer comigo.

Flexionei minhas pernas, dando espaço para que Bells se encaixasse ali, enquanto se debruçava sobre meu corpo. Segurei seus quadris com uma mão e com a outra coloquei seu cabelo para trás, que caia em meu rosto.

- Gosto de fazer amor com você... – Suspirei, alisando sua cintura – Gosto de dormir e acordar agarradinho com você.

- Amor, deixa o romantismo para depois. – Sorriu maliciosa, aproximando sua boca da minha e mordiscando minha boca – Vou dizer o que gosto que você faça comigo...

- Ok. Diga amor...

Ri baixinho, erguendo seu vestido e alisando suas coxas.

- Gosto de quando você me aperta com força... – Seus dentes roçaram em meu pescoço – De quando você me faz gemer alto, me chama de sua vadia...

Apertei meus olhos com força, soltando um gemido algo. Giramos na cama, e eu parei sobre ela.

- Eu sei que você gosta. – Pressionei meu quadril contra seu ventre. – Gosta de me provocar também.

- Amooooooo te provocar.

Me ajoelhei na cama, abrindo o botão da minha calça e me livrando dela, junto com minha boxer. Bella se apoiou nos cotovelos, para admirar o corpo que papai do céu me deu.

- Vou te dar o que você gosta.

Ela sorriu, enlaçando meu quadril com suas pernas torneadas, puxando-me para cima de seu corpo.

- Uhm...

Cobri seus lábios com os meus, deixando minha língua entrar em sua boca e entrelaçar com a sua. Suas pequenas mãos seguraram meu rosto, e a que estava sobre minha cicatriz, a acariciou.

Me afastei, suspirando.

Bella piscou, sorrindo torto.

- Não vou conseguir ser “bruto” – Torci os lábios.

- Você já foi “bruto” suficiente ontem à noite. Podemos nos amar devagarzinho e bem gostosinho.

- Acho que posso fazer isso.

- Tenho certeza que pode.

Lambi seu queixo e escorreguei para seu pescoço, enquanto retirava seu vestido – com a ajuda dela. Logo, seus seios durinhos estavam à mostra para mim. Não perdi a oportunidade e os abocanhei.

- Deixe-me ver se já está molhadinha... – Corri minha mão por seu corpo, até alcançar o meio de suas pernas. – Hm... prontinha para mim.

- Oh sim.

Sorri. Bella era linda, e merecia um marido que fosse merecedor de tal beleza. Anos atrás já tentei me afastar, mas agora, era mais impossível ainda. Tínhamos filhos e eu tinha certeza que ela me amava de verdade, apesar da minha deformação.

Eu havia pesquisado há anos sobre algumas coisas, e agora estava na hora de por em pratica meus planos.

POV Bella.

Resmunguei, ainda agarrada a ele.

- Não quero ir... – Sussurrei, encaixando meu rosto no pescoço de Edward, enquanto ele me abraçava apertado, me balançando de um lado para o outro.

- Amor, você não pode faltar ao hospital. – Ele riu, baixinho.

- Ok. – Suspirei ficando na ponta dos pés para beijá-lo. – Amo você. Te vejo amanhã, pela manhã.

Ele não respondeu, apenas me beijou desesperadamente.

- Amo você.

- Eu também.

O beijei pela ultima vez. Edward abriu a porta do carro para mim e eu entrei. Abaixei o vidro e dei tchau para ele.

Eu amava minha profissão, mas eu realmente não queria ir trabalhar hoje, queria dormir a noite toda agarradinha ao meu marido, porém, infelizmente, meu turno estava no noturno.

É, eu não iria conseguir dormir com meu marido.

Liguei meu carro, ganhei mais um beijo e depois comecei a dirigir rumo ao hospital, que não ficava tão longe dali.

Ao adentrar no hospital avistei minha cunhada e melhor amiga.

- Bella.

- Oi Lice.

- Nossa, o que aconteceu?

- Nada. – Dei de ombros, mas suspirei. Ela me conhecia muito bem e não me deixaria em paz enquanto eu não lhe contasse. – Tudo bem... Lembra-se daquele dia que eu te contei que Anne estava... estava com vergonha de Edward?

- Sim.

- Nos duas discutimos hoje. – Contei, enquanto caminhávamos pelos corredores.

- Bella, ela é uma adolescente, logo vai ficar madura e entendera tudo.

- Eu sei Alice, mas o problema nem é esse e sim Edward... Ele ouviu tudo. – Parei de andar quando cheguei enfrente a minha sala.

Alice mordeu os lábios.

- E ai?

- Ai que ele ficou chateado né Alice. – Suspirei – Depois nos encontramos, agora tenho que começar meu plantão.

- Ok amiga.

[...]

Parei meu carro na garagem de casa, suspirei e deixei minha cabeça apoiada no volante. Eu estava tão cansada que mal consegui sair de dentro do carro.

Me arrastei até a porta dos fundos e entrei pela cozinha. A casa estava em um silencio absoluto. Fui para a sala, deixando minhas coisas pelo caminho e subi as escadas para o andar superior. Antes de ir para meu quarto passei no de Anthony e de Anne, os dois dormiam tranquilamente.

Bocejei, abrindo a porta do meu quarto.

- Edward? – Chamei baixinho, quando não o vi na cama. Me sentei, retirando meus sapatos e minha camiseta. – Amor? Vem deitar um pouquinho comigo gostosão. – Deixei meu corpo tombar na cama.

Esperei sua resposta que não veio. Eu estava tão cansada que não consegui esperar que ele saísse do banheiro, e acabei dormindo.

Senti alguém me balançando.

- Mãe...

- Hm?!

- Rápido, estamos atrasados. – Abri os olhos, vendo Anthony colocar sua camisa – Não podemos faltar, temos prova hoje!

- Droga... – Resmunguei, sentando-me. – Porque seu pai não me acordou?

- Acho que ele saiu, procurei por ele por toda casa, mas não o encontrei.

- Que horas são?

- 6hrs45min.

- Merda... – Me sentei, passando a mão por meu cabelo – Termine de se arrumar, vou arrumar algo rápido para vocês comerem.

- Anne está fazendo isso. Vou dar licença para a senhora poder se trocar. – Ele torceu os lábios, evitando olhar para mim, já que o lençol cobria apenas abaixo de minha cintura e eu estava do mesmo jeito que me joguei na cama, apenas de sutiã.

Ri baixinho, sentando-me e puxando o lençol para cobrir meu corpo.

- Tente ligar para o pai de vocês, ele nunca sai sem avisar. E onde ele estaria numa hora dessas?

- Está bem.

Assim que ele saiu me levantei e fui para o banheiro. Quando abri o armário onde guardávamos nossas escovas e outros utensílios para a higiene pessoal, um pequeno papel caiu lá de dentro.

Franzi a testa percebendo ser a letra de Edward.

Me desculpa amor, mas dessa vez, é por um bom motivo. Espere por mim, eu volto...”

POV Edward.

- Senhor... – Abri os olhos confuso, fitando a aeromoça que estava quase sentada no meu colo – Chegamos.

- Oh sim, obrigado. – Me movi todo desconfortável.

- Por nada. É sua primeira vez aqui em Canadá? Se precisar de uma guia, pode me ligar. – Ela retirou um cartão do bolso e me entregou.

- Muito obrigado. – Sorri, tentando ser simpático. – Mas eu já conheço Canadá, minha mulher e eu passamos alguns dias aqui em nossa lua-de-mel.

- Ah... Então... bom, seja bem-vindo.

Assenti. Sai do avião, peguei minha mala e sai do aeroporto. Já na rua, chamei um taxi e lhe passei o endereço do hotel onde ficaria hospedado.

Passei a mão pelo bolso, procurando meu celular. Assim que o achei, liguei e me espantei com a quantidade de chamadas que tinha. Eram muitas, porém a maioria era de Bella.

Suspirei, passando a mão por meus cabelos. Ela devia estar querendo me matar, já que eu sai sem ao menos conversar com ela.

Eu era um homem morto quando chegasse em casa.

Logo, o taxi parou na frente ao hotel. Eu o paguei, e peguei minha mala.

Seria longos dias ali... E por mais que fosse por uma boa causa, eu não queria estar ali... Longe de Bella, dos meus pais, dos meus filhos.

Peguei a chave do quarto onde ficaria e subi de elevador. Já no meu quarto, deixei as malas no chão e me sentei na cama. Disquei o numero de Bella, e não demorou muito para que ela atendesse.

- Oi amor... – Sussurrei baixinho, enquanto esperava que ela começasse a me xingar, porém, Bella me surpreendeu, ficando caladinha, deixando que eu ouvisse apenas seu choro. – Bells... ? Princesa, não chore...

- Você me deixou... De novo.

- Princesa, vai ser só por um tempo, eu... Eu preciso ficar aqui para resolver umas coisas.

Ela ficou calada por alguns minutos.

- Você tem outra? Está me deixando por ela? Me de mais uma chance, eu... eu juro que vou mudar, fazer o que precisar para você voltar para mim.

Sorri, me deitando na cama.

- Sempre tão absurda amor. – Retirei meu tênis, me arrastando até o meio da cama – Sabe muito bem que é a única louca que foi disposta a ficar casada ao lado de um homem como eu.

- Por quê? Você perguntou a outras?

Rolei os olhos rindo.

- Não. – Mordi os lábios, ouvindo-a suspirar – Mas não se preocupe, eu amo você.

- Onde você está? Sabe como ficamos preocupados? Seu DESGRAÇADO, FILHO DA MÃE...

Afastei o celular do ouvido, mas mesmo assim pude ouvir as palavras impróprias que ela gritava... Nem eu sabia que existia tantos palavrões assim, e... ei, espera, eu não conhecia aquela.

- Amor. – Eu a cortei sorrindo – Eu sei que fiz tudo errado, mas tenha paciência. Logo eu estarei de volta.

- Não vai me contar o porquê dessa viagem?

- Vai ser mais interessante quando eu chegar ai.

Ela resmungou baixinho.

- Quanto tempo vai ficar ai?

- Não sei princesa, tudo depende de como as coisas vão se desenrolar.

- Hm. Mais demorar muito para desenrolar? O aniversário de Anne está chegando... Você sabe, 15 anos.

- Eu sei amor, prometo fazer o máximo possível para estar ai.

- Já estou com saudades.

- Eu também minha linda, eu também. – Retirei minha camisa – Princesa, me diz, o que está usando...

- Edward eu não acredito que... Não acredito que me perguntou isso.

Ri alto.

- Diga, vai...

- Edward! – Ela sussurrou – As crianças estão aqui e seus pais também.

- Ah... que pena. – Torci os lábios – Vou tomar um banho e mais tarde te ligo, vista algo bem excitante.

- Seu Idiota.

- Te amo amor.

Desliguei o celular e me levantei indo para o banheiro. Já embaixo da água suspirei... Eu não queria ficar longe dela, mas tudo ficaria bem... Era por nossa família que eu estava fazendo isso.

2 Meses Depois...

- Sim princesa. – Respondi enquanto terminava de arrumar minha mala. – Por conta da chuva o vôo pode atrasar.

- Mas... E se você não chegar a tempo para o aniversário de Anne?

Suspirei, sentando-me na cama.

- Vou fazer o possível, juro. Até amanhã estarei ai, e festejarei com vocês.

- Ok. – Ela resmungou do outro lado. – Vem logo, não agüento mais de saudades.

Sorri, passando a mão por meus cabelos.

- Ah, é? – Mordi os lábios – E o que você vai fazer comigo quando eu estiver ai?

- Vou te bater, muito. – Grunhiu minha esposa. – Não acredito que está me falando essas coisas de novo... Tem noção de como sinto sua falta? Porque me maltrata assim amor?

- Sabe que eu adoro te maltratar. – Me levantei da cama e fui para o banheiro. Parei enfrente ao espelho e sorri. – Preciso desligar. Prometo que você terá uma grande surpresa quando voltar...

- Uma jóia?

Ri.

- Bom, não exatamente. Fica na curiosidade amor.

- Ed... – Voltou a resmungar, mas suspirou logo em seguida – Ok, te vejo amanhã?

- Se tudo der certo.

- Amo você.

- Eu também te amo.

Ela riu do outro lado.

- Sabe, também preparei uma surpresa para você.

- É?!

- Sim.

- O que é?

- Fica na curiosidade. – Rolei os olhos. – Mas vou te dar uma dica... É de vestir, mas exatamente, para mim vestir.

- Bella? Bella? – A chamei, mas era tarde demais, ela havia desligado. – Oh droga... – Bufei, apertando meu membro sobre minha calça. – Calma garotão, só mais um dia, ai vamos tirar o atraso.

POV Bella

Sorri olhando minha pequena menina já pronta.

- Você está linda... – A abracei devagar, evitando amassar seu vestido. – Nem parece mais aquele bebezinho que esteve dentro de mim a 15 anos atrás...

- Mamãe, não chore.

Passei a mão por meu rosto, enxugando minhas lagrimas e ri.

- Impossível... Você está tão linda. – Beijei sua testa, mas ela suspirou.

- Pena que o papai não está aqui. – Resmungou, afastando-se. – Ele deve estar com raiva de mim.

- Não é nada disso Anne, eu já te disse. – Sorri. – Ele disse que estava resolvendo alguns assuntos... Deve ser algo, que não quis me contar. – Torci os lábios. – Bom, mas ele volta hoje.

- Tem certeza?

- Absoluta. – Pisquei, segurando sua mão e puxando-a para mais perto de mim. – Ele teve algumas complicações, mas quando liguei para ele novamente, ele já estava dentro do avião.

- Ok.

[...]

- Acho que ele não vem... – Anthony se mexeu desconfortável na cadeira.

- Claro que vem. – Murmurei, chutando sua canela por debaixo da mesa.

- Mãe, acho que Thony tem razão... – Anne murchou ao meu lado. – Vou pegar algo para beber.

Assim que ela saiu da mesa lancei um olhar feio para Anthony.

- Que?

- Pare de ser pessimista, ele disse que já está a caminho.

- Se você diz...

- Edward nunca perderia a festa da filha. – Minha sogra afirmou, sorrindo.

Eu sabia que não. Bebi um pouco do champanhe que estava em minha taça e corri meus olhos pelo salão. Anne estava perto de algumas meninas e elas dançavam animadamente, mas eu podia ver que minha filha estava triste.

- Bella, já está ficando tarde... – Alice se aproximou – Jasper e Emm disseram que se podem dançar com Anne.

Olhei em meu celular e já era quase 23h30min.

- Eu... Ok, vou falar com Anne.

POV Edward

- Merda, merda, merda... – Resmunguei, enquanto tentava por meu terno, sem tentar amassá-lo.

- Sr, quer que eu pare o carro para que possa procurar um lugar melhor para se trocar?

- Pelo amor de Deus não para esse carro. – Limpei o suor da minha testa – Estou atrasado para o aniversario da minha filha.

- Oh, ela mora com a mãe? É divorciado?

- Não, não. – Sorri – Por enquanto ainda somos casados, faz quase 18 anos e ela ainda não caiu em si.

Ele riu, voltando a se concentrar na estrada.

Logo, o carro parou enfrente ao salão de festas que Bella havia alugado e onde estava acontecendo a festa de minha princesinha.

- Obrigado. – Eu o paguei e peguei minha mala.

- Por nada.

Subi as escadas e fui barrado pelo segurança na porta. Obvio, quem deixaria um mascarado entrar em uma festa de crianças?

- Seu nome não consta na lista senhor.

- Claro que não. – Apertei os olhos com força, bufando – Essa festa é da minha filha!

- Hm, aqueles quatro ali também são pais dela. – Ele riu, apontando para uns bêbados que entornavam garrafas de bebida alcoólica.

- Pelo amor de Deus... – Retirei meu celular do bolso e disquei o numero de Emm.

- Edward?

- Emm será que pode vir aqui na porta? O segurança não quer me deixar entrar.

Ele riu, descontraído.

- Será que da para esperar eu dançar com sua filha?

- O QUE?! CLARO QUE NÃO!

- Ok, eu só estava brincando. Já estou indo ai.

Desliguei o aparelho e fiquei encarando o grandão. Logo, Emmett apareceu, sussurrou algo no ouvido do segurança que assentiu e me deixou passar.

- Está atrasado. – Ele socou meu ombro – Esme e Bella vão te matar.

Sorri torto.

- Eu sei, mas tive meus motivos... Agora, onde está minha princesa?

- Ali.

Olhei para onde Emmett apontava e suspirei ao ver minha garota, linda como a mãe. Caminhei até ela e toquei sua cintura.

- Oi princesa.

Anne virou-se surpresa.

- Papai! – Seus braços enlaçaram minha cintura. – Me desculpe, me desculpe, me desculpe...

- Te desculpar? Pelo que princesa?

- Eu... Eu sei que você se foi por minha causa, eu juro, juro que não queria te magoar.

Retirei seu rosto do meu peito e limpei as lágrimas que escorriam por sua bochecha.

- Não chore princesa. Não pense assim, eu só precisava resolver um problema. – Dei de ombros e me afastei, oferecendo meu braço a ela. – Bom, seu tio me disse que agora é hora da sua valsa... – Fiz uma pequena reverencia – Me daria a honra de dançar com a senhorita?

- Sem duvida. – Ela sorriu, segurando minha mão.

As luzes do salão diminuiu, e uma musica lenta, de valsa, preencheu o ambiente.

- Mamãe vai te matar... – Anne sussurrou, enquanto eu a puxava para o meio da pista.

- Eu sei, seu tio já me disse isso. – Comecei a guiá-la, e quando a girava olhava para os lados procurando Bella, e a quando a vi, percebi que ela chorava. – Senti falta de vocês.

- Nós também papai. Mamãe não foi trabalhar todo esse tempo, e mal saia do quarto.

Rolei os olhos suspirando.

- Você está linda.

Ela corou sorrindo.

- Pai!

- É verdade princesa. – Beijei sua testa – É tão verdade que aquele mané ali não para de olhar para cá. – Indiquei com o queixo o garoto que babava na minha filhinha.

- O.M.G... Eu não acredito! – Ela amoleceu em meus braços – Tem certeza pai? Tipo... Eu sou gamadona nele.

- Sabe, eu não precisava ouvir essas coisas. – Minha filha voltou a rir. Girei com ela novamente pelo salão e quando paramos todos aplaudiram. – Ei garoto.

- Eu? – O menino, que minha filha era “gamadona” colocou a mão no bolso.

- Sim, você. – Passei a mão de Anne para ele – Segure nos ombros dela, porque se eu ver sua mão descendo... vai ficar sem ela.

- Ok Sr.Cullen.

Os dois se afastaram, e eu sorri ao ver que o garoto realmente estava seguindo minha regra...

- EDWARD!

Senti minha orelha queimando. Virei choramingando.

- Mãe... – Alisei minha orelha – Isso dói!

- Isso é pouco para o que eu devia fazer com você! SABE COMO FIQUEI PREOCUPADA COM VOCÊ? SEU DESNATURADO.

Abracei Esme, retirando-a do chão.

- Ah minha velha... Como senti falta dos seus tapas.

- Oh bebê, nunca mais faça isso... Mamãe vai acabar não suportando...

- Mãe, pare de falar bobeira. – Lhe dei um beijo estalado – Você está na flor da idade.

- Ok, vou fingir que acredito. Agora vá procurar sua mulher.

- Sim, eu vou. Amo você.

- Eu também querido.

Assim que me afastei de minha mãe vi Bella. Ela não estava muito longe e sorria para mim. Suspirei, ao perceber que algumas pessoas me olhavam... Aquele tipo de reação era normal, já que parecia que apesar do tempo as pessoas não se acostumavam em me ver com a mascara.

Porém, a partir de hoje eu não usaria mais aquilo.

[...]

Abri a porta de casa, enquanto apertava Bella contra mim e espremia meus lábios nos seus.

- Estou com tantas saudades... – Mordisquei seu queixo, fazendo-a soltar alguns gemidos – Estou louco para ver aquele presente.

- Eu já estou com ele...

- Deus...

- Helloooo. Ainda estamos aqui.

Me separei de Bella e sorri amarelo para Anne e Thony.

- O que? Não estamos fazendo nada demais, estávamos apenas nos beijando.

- Sei... – Meu filho torceu os lábios. – Vou subir, quero dormir antes que comecem os barulhos.

- Eiiiii! – Bella resmungou – Que barulhos?

- Nenhum amor, você sabe que ele está dizendo isso só para você ficar com isso na cabeça. Sabe muito bem que revestimos as paredes de todos os quartos para que o som não propagasse pela casa.

- Engraçadinho.

Eles riram.

- Boa noite pai, boa noite mãe... – Anne nos abraçou – Obrigada pela festa, foi fantástica.

- Que bom que gostou. – Sorri – Antes de você dormir vou ao seu quarto entregar seu presente.

Os olhos dela brilharam.

- Ok.

Bella e eu subimos para nosso quarto. Abri minha mala e retirei de lá o presente de Anne.

- E o meu? – Seus braços enlaçaram minha cintura.

- O seu o que? – Me fiz de confuso.

- Meu presente ora!

Ri, virando-me para beijá-la.

- O seu você vai ter daqui a pouco, agora vou entregar o de Anne, já volto amor.

Sai do quarto e entrei no de minha princesa. Ela já estava deitada em sua cama. Me aproximei, sentando-me na ponta dela.

- Bom, eu procurei muito, e achei uma coisa tão delicada e linda quanto você.

- Mostraaaaaa...

Sorri, abrindo a fina e cumprida caixinha, retirando de lá uma pulseira de ouro branco.

- Está escrito seu nome... – Coloquei em sua mão. – Espero que goste.

- Oh papai eu amei! Você sabe que não precisava, mas... bom, ok, precisava sim.

- Gostou? – Coloquei uma mexa de seu cabelo para trás de sua orelha.

- Obvio pai, obrigada.

- Espera, não é só isso... – Suspirei. – Quero te dar outro presente.

- OMG. CADÊ? SÃO BRINCOS?

Rolei os olhos sorrindo.

- Me desculpa princesa, mas não são brincos, olha... – Puxei minha mascara.

Os olhos de Anne saltaram para fora, e por sorte, as paredes do quarto eram acústicas, senão Bella já estaria aqui por conta do grito de surpresa que Anne deu.

- OMG, PAI! Você está... Lindo.

POV Bella

Me olhei no espelho, sorrindo para o meu reflexo.

- Eu estou gostosa, eu estou gostosa, eu estou gostosa... – Comecei a fazer psicologia barata – Ok, eu estou gorda, eu estou gorda, eu estou gorda...

Choraminguei. Droga, eu realmente estava engordando.

- Bella?

Soltei meus cabelos e ajeitei minha lingerie.

- Estou indo amor.

Sai do banheiro e o encontrei sentado na cama, trajando apenas uma de suas boxer’s. Edward suspirou, olhando-me de cima abaixo.

Caminhei até ele, sentando-me em seu colo.

- Esse é o meu presente? – Indagou, escorregando seu dedo pelo elástico da minha mini-calcinha.

- Sim. – Sorri. – Gostou?

- Amei, mas lamento informar... Vou tirar ela todinha.

- Hm. – Beijei sua boca e me afastei – Tudo bem, mas antes quero o meu presente.

- Bom aqui está o seu presente.

- Onde?

- Eu Bella. Conhece algum presente melhor do que eu?

Torci os lábios.

- Ah, mas você já era meu...

- Sei disso. – Piscou – Mas é que bem... Eu estou diferente.

- Não está não. – Vasculhei seu corpo com meus olhos. – Ainda é o mesmo gostoso.

- Princesa... Sabe o porquê que eu fiquei todo esse tempo fora?

- Você não quis me contar. – Dei de ombros – Mas eu confio em você.

- Não é que eu não quis te contar... Era só para ser uma surpresa.

- Surpresa? – Arqueei as sobrancelhas.

- Sim, bom, para a Anne foi. – Edward riu, do seu jeito lindo – Mas ela gostou.

- Então eu também vou gostar, mas você me mostra depois ok? Quero fazer amor.

O empurrei na cama, sem dar oportunidade para ele responder, ataquei seus lábios, sugando-os. As mãos de Edward apertaram minha cintura, puxando-me cada vez mais contra seu corpo. Deixei a ponta de minha língua infiltrar-se em sua boca, entrelaçando-se com a sua.

Agarrei seus cabelos, gemendo contra sua boca.

Aquele homem me enlouquecia... Eu estava louca de saudades dele, já que em todos esses anos – tirando aquele fático dia – Edward e eu nunca mais ficamos um dia sequer longe um do outro.

- Bells...

- Amor, deixa para lá seu presente. – Me sentei sobre seu quadril, abrindo o feixe do meu sutiã – Quero fazer amor com você...

Ele girou meu corpo, deixando-me sob o seu. Sua boca mordiscou o bico de meu seio, enquanto suas mãos puxavam minha calcinha.

- Que coisa pequena amor, quer me matar?

Fechei os olhos, resmungando baixinho ao sentir sua língua rodeando meu mamilo e seus dedos tocando meu clitóris.

- Ed...

- Molhadinha, que delicia amor...

- Deus!

Joguei a cabeça para trás, sentindo minha vagina pulsar. Edward me penetrou com um dedo e foi o que bastou para que eu gozasse.

Continuei de olhos fechados, tentando controlar minha respiração.

- Essa foi rápida amor. Espero que quando eu esteja ali dentro você demore mais um pouquinho e me aperte como apertou meu dedo.

Deslizei minha mão pro suas costas, arranhando-o, até alcançar sua boxer e puxá-la para baixo.

Logo, minhas pernas estavam presas ao redor da cintura de Edward e ele me penetrava devagar, arrancando mais gemidos de mim.

- Oh Bells... Quentinha amor.

Abri meus olhos, arfando e gemendo. Edward sorriu, mordendo os lábios e começou a mover seus quadris contra o meu. Eu estava tão extasiada que mal havia notado que Edward ainda usava aquela estúpida mascara.

Agarrei os cabelos dele, puxando o elástico e retirando-a de seu rosto.

- Ai meu Deus! – Senti meu músculo contraindo, enquanto não desviava os olhos de seu rosto, que estava um pouco inchado, porém, quase sem vestígios de queimaduras.

- Seu presente amor... – Ele gemeu em meu ouvido.

O agarrei pela nuca, beijando-o lentamente. Senti minhas pernas tremerem e o pau de Edward latejar em meu centro. Não demorou muito para que alcançássemos nosso ápice.

Eu o abracei bem apertado, chorando contra seu ombro.

Edward se afastou, sorrindo torto.

- Prazer, sou o novo Edward Cullen, ao seu dispor. – Ele piscou. – Então? Fiquei gostosão de novo não é?

- Você está... Lindo, mas espero que não tenha feito isso por qu...

- Não amor. – Me beijou, impedindo que eu falasse o resto – Eu fiz isso por mim também. – Deu de ombros – Eu tinha preconceitos comigo mesmo, mas agora... Hm... Que tal tirar férias do hospital? Estou louco para ir visitar a praia.

Sorri, empurrando-o para o lado e subindo sobre seu corpo.

- Vamos fazer o que você quiser. – Toquei seu rosto. – E só para constatar, eu continuo te amando, da mesma maneira que sempre. Eu deixei claro, que não era sua imagem física que mudaria meu amor por você.

- Por isso que eu te amo cada dia mais...



8 comentários:

evelyn caroline disse...

Adorei! Ficou lindo esse bônus. Amo o jeito que você escreve, esse drama que coloca em suas histórias... Tudo! Ficou perfeitíssimo *-*

Camila Cocenza disse...

Que bom que gostou amr, fico feliz *---*

Daiane Farias disse...

Lindo demais o bonus!
Super fofo!
Tem mais? DIZ QUE SIIM
Quero mais
Beijos

Julia disse...

Cah, o que foi esse bônus? Garota, eu ADOREI. Sério. Não tem como descrever melhor. Ficou absolutamente PERFEITO. Ficou muuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuito lindo. bjbj

Thamara disse...

AAAAAAAAAAAH lindo de mais amei amei ameii!

Kah Nanda disse...

Não posso deixar de comentar li a fic no Nyah mas o bonus só aqui mesmo!
Mano que Anne idiota tudo bem que eu sabia que o Edward tinha preconceito com ele mesmo porem ela pisou feio na bola hein...
Mas o Edward de qualquer maneira sempre será aquele que todas nós desejamos seja com a face que for o importante é sempre o interior esplendido que ele tem!
Amei amiga ficou mto bom e como sempre com o teor certo de comedia romance e prazer...
Bjos Kah

Mara Rosenda disse...

Simplesmente liiiiiiiindo parabéns eu amei

Mara Rosenda disse...

Simplesmente liiiiiiiindo parabéns eu amei

Postar um comentário