Bem vindos ao Fanfics da Cah. Sou Camila Cocenza, futura garota de programa! E não, não é o que estão pensando, apenas pretendo cursar Engenharia da Computação. Para mais informações: cahcocenza@hotmail.com

23/07/2011

I Never Told You - Capitulo 18

N/A: Bom, to muitooo emocionada já que esse é o ultimo capitulo da fic. Antes que pergunte... Sim sim, vai ter Epilogo.

Lembro-me de quando comecei a escreve-lá...

Foi uma musica que me fez fazer a fic, quem ai conhece legião Urbana? *--* Pois é, lembro-me de quando ouvi “Eduardo e Monica”, foi inspiração a primeira vista.

Achei um vídeo bem legal da VIVO, eles utilizaram a música e fizeram o clipe, é bem legal:
 http://www.youtube.com/watch?v=gJkThB_pxpw
  
Se não ouviu, ouça:  
 http://www.4shared.com/audio/m5n9QC-i/Legiao_Urbana_-_Eduardo_e_Mnic.htm          


Capitulo 18

-... Então é isso. – Prossegui com meu discurso – Não acaba aqui. Ainda temos muito que buscar, muito que crescer, muito que viver. – Sorri olhando para as pessoas que ocupavam as cadeiras que estavam espalhadas pela quadra da escola – Agora é a hora de pensar no nosso futuro, por exemplo, eu... Futuro universitário, futuro profissional, futuro marido... – Olhei na direção onde meus pais, Derick, meu sogro, minha sogra (Sim, eles ainda estavam aqui), Emmett, Rosalie, Alice e Jasper, e Bella. Ela estava tão linda naquele vestidinho preto curto. – E... – Suspirei sorrindo, pronto para compartilhar com eles minha maior felicidade -... Futuro pai.


Algumas pessoas arregalaram os olhos e olharam em direção a Bells, tentando ver sua barriga que ainda era quase imperceptível.

Pois é. Bella estava grávida de seis semanas. Foi um baque para mim quando descobrimos, tivemos que ouvir nossas mães por uma hora chiando em nossas orelhas, foi cinco minutos dizendo como éramos irresponsáveis e cinqüenta e cinco discutindo como seria o nome da criança se fosse menino ou menina, qual das duas o seguraria ou a seguraria primeiro...

Fora isso, quase fui morto por Charlie. Pois é, mas depois de tudo ele confessou que a arma era de brinquedo. Lembro-me muito bem desse dia...

FLASH BACK ON

Fechei os olhos enquanto esperava a reação do meu sogro. Bella alisou minhas costas, sussurrando que tudo ia dar certo.

- VOCÊ O QUE? – Dei um pulo do sofá quando meu sogro berrou – EU VOU TE MATAR, SEU APROVEITADOR! – Ele ergueu a camisa e sacou uma pequena pistola preta. Minhas pernas tremeram e eu quase me borrei todo – COMO PODE ENGRAVIDAR A MINHA MENININHA?!

Como o macho que sou puxei Bella do sofá, colocando-a em minha frente.

- Edward! – Bella se chacoalhou, fazendo-me solta-la. – Pai, a culpa é toda minha.

- Viu? A culpa é dela.

- Edward! – Ela me cotovelou e voltou a encarar o pai – Eu fui à irresponsável, fui eu quem tomou antibiótico e acabei me esquecendo que eles cortariam o efeito do anticoncepcional.

Charlie suspirou contrariado, abaixando a arma e voltando a se sentar na poltrona.

- Mas...

- Sem “mas” pai. – Bella foi curta e grossa, fazendo-o abaixar a cabeça. – Edward e eu estamos juntos, mesmo que ele ache que não é a hora para se preocupar com uma criança eu irei cuidar do meu filho, já tenho 25 anos, não sou mais uma criança.

- Tudo bem. – Charlie deu de ombros e voltou a apontar a arma para mim – Pegue uma cerveja para mim garoto, se não quiser ver seu cérebro estraçalhado no chão.

Voei até a cozinha para pegar a cerveja do meu adorado sogro. Quando voltei até a sala – ainda tremulo – os dois riam.

- Aqui está Sr Chefe Sogro Swan.

- Abra para mim.

Sem pensar duas vezes, fiz o que ele ordenou.

- Quer que eu dê em sua boca Sr Chefe Sogro Swan?

- Não garoto, obrigada. – Charlie puxou a lata da minha mão e depois voltou a apontar a arma para mim, a destravou e posicionou seu dedo no gatinho.

Fechei os olhos e aproveitei os meus últimos segundos de vida, para declarar a minha gostosa meu amor por ela.

- Bella, eu te amo, sempre te amei e continuarei a te amar, mesmo morto. Diga para nosso filho ou filha que papai o ou a amou muito, desde que soube que ele estava na barriga da mamãe.

Senti algo molhando meu rosto, abri os olhos incrédulo, vendo meu sogro atirando água em mim.

- Puta merda... – Travei o maxilar, enquanto os dois riam.

- Achou mesmo que papai ia atirar em você e eu não faria nada? – Bella veio até mim, ainda rindo, enlaçou meu pescoço e beijou minha boca – Eu também te amo gatinho.

FLASH BACK OFF

Assim que finalizei meu discurso as pessoas se levantaram e me aplaudiram. Emmett, nosso professor escolhido como paraninfo, me entregou meu diploma e me abraçou.

- Mandou bem cunhadinho.

- Valeu cara.

Esperei todos meus colegas pegarem seus diploma, depois jogamos nossos chapéus para o ar, comemorando o fim daquela dolorosa fase chamada colegial.

Desci do palco e fui em direção ao local onde meus pais estavam juntamente com os outros.

- Ount! – Mamãe me puxou para um abraço sufocante – Mamãe está tão orgulhosa de você meu bebê.

- Mãe... – Resmunguei, rindo – Não sou mais bebê.

- Já disse que você sempre será meu bebê. Quando seu filho nascer e crescer você vai entender...

Sorri retribuindo ao abraço que ela ainda me dava, logo depois também abracei meu pai, os meus amigos e os de Bella, Derick e finalmente ela...

- Futuro marido? – Seus braços enlaçaram meu pescoço, enquanto sua boca roçava na minha.

- Claro, sou um rapaz de família. – Abracei sua cintura. – Não me diga que a senhorita está apenas usando meu corpinho gostoso, sem pretensão de se casar.

Bella riu, mexendo em meu cabelo.

- Bom, pensando bem... Se eu me casar com você vou poder usufruir do seu corpinho gostoso por muito tempo, até você se cansar de mim. – Ela suspirou, alisando meu pescoço.

- Puff! – Rolei os olhos – Sinto muito Isabella, mas lembra quando eu disse que você não conhecia meu lado possessivo? Você também não conhece meu lado chiclete.

Apesar de Bella ser mais velha ela ainda era menor do que eu, então, para me beijar, Bella ficou na ponta dos pés. Me abaixei um pouco, aprofundando o beijo e escorregando minhas mãos por suas costas, apertando-a contra mim.

- Desse jeito, logo teremos mais um neto a caminho...

Nos afastamos rindo.

- Acho que um só está bom. – Bella murmurou.

- Por enquanto. – Eu a abracei por trás, pousando minhas mãos em sua barriga – Gosto de crianças, quero ter uma penca, imagine só... eu tendo um time de futebol em casa.

- Ia ser muito maneiro, mano! – Derick concordou. – Esme disse que quando você e Bella se mudarem seu quarto vai ser meu, maneiro não é?

- É. – Torci os lábios meio contrariado. Era estranho ter um “irmão” mais novo, nesses três meses, desde que Derick mudou para casa ele havia se apossado da minha cama, dos meus chinelos e da minha bola de futebol. Só não havia se apossado de Bella porque ainda era um garotinho, mas do jeito que ela ama garotinhos...

Mamãe e papai decidiram adotar Derick depois que o conselho do tutelar reconheceu o que o pai do garoto fazia a ele. Obvio que o cara foi preso e Derick seria levado para um orfanato se não fosse por meus pais.

- Vamos amor? – Bella me puxou pela mão, tirando-me dos devaneios.

- Claro.

Fomos para o estacionamento nos despedir dos outros, já que ficaríamos um pouco na festa da escola.

- ORGULHA A FAMILIA HEIN! BEIJA MUITAS GOSTOSAS MANINHO! – Derick gritou pela janela do carro. Bella cruzou o braço e fez sua melhor cara de mal. – OPS. QUIS DIZER PRA BEIJAR MUITO A SUA GOSTOSA.

 O carro do meu pai arrancou, saindo do estacionamento e sendo seguido pelo dos outros.

- Vem, vamos. – Eu a abracei por trás rindo e a forcei a andar. – Obrigada por vir comigo ao baile.

- Bom, se eu não viesse você também não viria. – Afirmou descaradamente – Não ia permitir que ficasse se atracando com uma dessas adolescentes.

- Hmm, mal nos casamos e já ia mandar em mim?

Ela riu daquela maneira que a deixava encantadora. Entramos no ginásio, que agora, estava parecendo mais uma boate.

- Oi Edward! – Um bando de meninas acenou para mim.

Sorri meio envergonhada.

- Oi.

Afastamos-nos dali e fui socado.

- Ai.

- Não fique dando bola para essas piriguetes.

- Não Precisava b ater, ok? – Gargalhei, olhando ao redor – Ah, vamos embora.

- Não está gostando da festa?

- Muito chata, era legal quando eu era solteiro sabe... Pegar mulher. – Antes que ela me acertasse mais um soco resolvi falar – Estou brincando, sabe... Estou um pouco cansado, preciso de cama.

Ela cerrou os olhos, avaliando-me.

- É bom que seja cama mesmo, você sabe que ainda ando muito enjoada.

Suspirei.

É... Eu estava ferrado.

POV Bella

- Vamos para onde? – Perguntei enquanto me livrava das minhas sandálias e apoiava meus pés no painel.

- Dar um passeio já que você não quer fazer amor comigo.

Rolei os olhos e suspirei. Eu sabia que ele estava carente, já se fazia uma semana que não fazíamos amor. A última vez que tentamos eu quase vomitei nele.

Sim, quase vomitei no meu gatinho.

Era estranho, sempre amei o cheiro do suor da nossa pele misturada com aquele odor maravilhoso de sexo, mas agora, a única coisa que eu sentia era nostalgia. Minha mãe disse que era culpa da gravidez.

- Me desculpa, eu também estou com saudades, mas não consigo controlar...

- Tudo bem princesa. – Ele sorriu enquanto dirigia. – Eu te amo mesmo assim, pode ficar tranqüila que eu vou agüentar.

Sorri levando minha mão aos seus cabelos e acariciando sua nuca. Edward ligou o som e o carro foi preenchido por uma linda canção.


Mordi os lábios admirando meu amado.

- Adoro essa musica... - Suspirei – Me faz pensar em você.

- É? – Sorriu para mim – Então essa será nossa musica. – Aumentou mais o som – Afinal, todo casal tem uma música, certo?

- Acho que sim.

- Agora me conte.

- O que?

- Porque essa musica faz você se lembrar de mim?

- Por você me fez dizer sim... Á várias coisas que eu jamais imaginei fazer com você. – Suspirei alisando minha barriga – Namorar, ter filho...

Ele acariciou minha coxa sorrindo.

Olhei pela janela e franzi o cenho. Edward riu baixinho, apertando mais minha coxa.

- A noite está tão linda que merece uma caminhada na praia.

- Você sempre me surpreende. – Sorri, cantarolando a música em seguido e piscando para ele You make me wanna say I do, I do, I do, do do do do do do doo

O carro parou próximo a praia, Edward deu a volta e abriu a porta para mim. Fui para frente do carro deixando meus pés descalços tocar a areia.

Depois de aumentar o som Edward veio até mim, encostando-se no capo e abrindo os braços, convidando-me para me aconchegar ali.

Encostei minhas costas em seu peito, automaticamente seus braços enlaçaram-me e seu queixo pousou em meu ombro.

- A noite está mesmo linda. – Entrelacei minhas mãos nas suas que estavam em minha barriga. Edward pressionou seus lábios em meu pescoço, fechei os olhos apreciando as sensações que ele me proporcionava. – Amor...

 - Ok. – Suspirou afastando-se – Vem, vamos andar um pouco.

Esperei ele arrancar seu sapato e trancar o carro.

Enquanto andávamos de mãos dadas pela areia eu o observei. Edward estava com um bico idêntico a daqueles bebês que querem algo, mas a mãe não da.

- Não faz essa cara.

- Não estou fazendo cara nenhuma.

Suspirei rolando os olhos.

- Você acha que eu também não queria estar nesse momento fazendo amor com você? – O abracei, fazendo com que ele parasse de andar. Fechei os olhos e mordi os lábios – Eu adoraria estar em uma cama, você peladinho...

Edward riu puxando-me para nos sentar na areia.

- Eu disse para você que vou esperar o tempo que for preciso, não precisa se explicar.

- Só não gosto de ver você com esse bico. – Mordi sua boca, rindo.

- Vem aqui me beijar que ele some.

Sua boca esmagou a minha, pedindo passagem com sua língua. Eu cedi rindo. Edward me deitou na areia e colocou seu corpo sobre o meu, enquanto nossas línguas ainda se buscavam, em um beijo sôfrego.

- Edward... – Suspirei.

- Não estamos fazendo nada demais. – Sussurrou ele, descendo suas mãos até minhas coxas e as apertando. – Só estamos nos amassando.

- Alguém pode nos ver.

- Acredite em mim, ninguém vem para cá.

Ele voltou a me beijar, mas logo o empurrei.

- O que foi? – Indagou.

- Como você sabe que ninguém vai nos ver aqui?

- Eu já te disse algumas vezes que eu vinha aqui com meus amigos.

- Bem, mas vocês não estavam se atracando, como estamos.

- Bella, também vinha meninas. – Edward deu de ombros e pressionou sua língua contra minha boca, pedindo passagem, mas eu não cedi.

- Edward! – O empurrei – Estamos conversando...

- Mas antes estávamos nos beijando.

- Me diga quantas. – Suspirei, esperando sua resposta.

- Bells, essa não é uma boa hora para falarmos sobre isso...

- Edward.

- Ok. – Ele saiu de cima de mim. Arregalei os olhos quando o vi começar a contar nos dedos. – Bom, acho que aqui na praia foram só... umas... hm... umas quatro.

- Quatro? – Cerrei os olhos – Edward... – Suspirei – E ao todo?

- Ih Bella, não me faça perguntas impossíveis de responder.

- Vamos, me diga.

Ele apertou os lábios e franziu o cenho, tentando se lembrar de quantas piriguetes já tocou em seu corpinho sagrado.

- Nunca fui de contar, mas deve ter sido umas... 30 ou mais, depois daí parei de contar.

Me levantei da areia incrédula.

- Seu... Seu idiota! – Bati o pé – Você me disse que foram poucas.

- Bom, para mim isso é o pouco.

- Droga! – Resmunguei dando as costas para ele – Eu sempre pensei que você fosse quase intocado...

Edward me abraçou por trás.

- Ah esses hormônios já estão dando trabalho. – Riu contra meu pescoço e se jogou para trás, fazendo-nos cair na areia. Rolei para o lado, saindo de seus braços – Qual é amor... Vai me dizer que em sua vida só eu e Jacob estivem os com você?

- Não chega a ser mais de 6 homens.

Edward voltou a rolar para cima de mim, pela sua expressão ele não havia gostado da minha resposta. Sua boca grudou em minha bochecha.

- Amor, eu era um garoto bobo. – Arqueei as sobrancelhas fazendo –o rolar os olhos – Ok, eu ainda sou um garoto, mas não sou mais bobo. Posso te afirmar que de todas as garotas que eu peguei, você é a única que me fez mudar, me fez sentir coisas que as outras jamais conseguiram ou conseguiram. Amo você professora... – Ele sorriu contra meus lábios – Você é a mãe do meu filho, deixa de ser ciumenta.

Meu humor mudou rapidamente, de triste, para radiante. Oh... Ele me amava.

Tudo bem que Edward já havia me dito isso diversas vezes, mas nunca era demais.

Agarrei seus cabelos, beijando sua boca deliciosa. Desci minhas mãos por seu peito até alcançar o botão de sua calça e abri-la.

- Bella, o que você...

- Não quero que venhamos a essa praia e você se lembre que transou com quatro meninas, quero que se lembre de mim.

Ele sorriu voltando a me beijar. Subi minha mão por suas costas, erguendo sua camisa.

- Bella não.

- Ham?

- Está frio aqui. – Edward resmungou. – Podemos ir para sua casa...

- Acho uma ótima idéia. – Alisei seus cabelos – Vamos logo, estou excitada.

POV Edward

Pousei minha bochecha na cabeça de Bella, enquanto ela brincava com os dedos da minha mão. Havíamos acabado de fazer amor, por sorte ela só vomitou depois que terminamos, mas nem isso estragou o clima de romance entre nós. Era incrível como eu estava me estava me apaixonando por ela a cada dia que se passava, de vez enquanto brigávamos tipo quando eu deixava a toalha molhada sobre a cama, a tampa da privada levantada, a pia suja de creme para barba e até mesmo de pasta de dente, mas era só eu descer minhas calças que ela se acalmava rapidinho.

- Você não quer ir dormir na sua casa?

Franzi a testa, retirando meu rosto de perto do seu para olha-la.

- É um convite para mim me retirar de sua casa?

- Não! – Bella rolou os olhos rindo, cruzou os braços sobre meu peito e pousou o queixo ali – É que, bem, semana que vem já nos mudamos para Nova Iorque, pensei que gostaria de passar alguns dias com ele.

Ela tinha razão, eu sentiria muita falta dos meus pais quando me mudasse com Bella para Nova Iorque.

- Eu fico com eles amanhã. – Toquei a bochecha dela e torci os lábios – Eles não gostam da minha presença à noite, me chamam de empata-foda.

Bella riu deitando-se ao meu lado e me abraçando.

- Melhor para mim, vou dormir com você.

- Dormir? Mas já?

- Estou com sono... – Ela resmungou, mordendo meu peito.

Me sentei na cama, pousei minha cabeça próxima a sua barriga e suspirei.

- Nosso bebê mal nasceu e já está nos trazendo problemas. – Resmunguei sorrindo e beijei sua barriga.

Os dedos de Bella vieram para meu cabelo, me fazendo um cafuné gostoso.

- Não fale assim amor.

- Sabe que estou brincando Bells, nunca pensei em ter um filho, mas agora essa idéia é super animal – Sorri imaginando o futuro – Imagine só, nós dois jogando futebol...

- Edward, já pensou que pode ser uma menina?

Dei de ombros.

- Eu a ensino jogar bola. – Subi um pouco e capturei sua boca. Sua língua enrolou-se na minha e nossos lábios moviam-se lentamente. Me afastei sorrindo, voltei a deitar ao seu lado. Bella virou-se de costas para mim, acomodando-se contra meu peito.

- Essa sua mão...

Ela resmungou quando acomodei minha mão entre suas coxas.

- Estou protegendo minha preciosa.

- Sei...

Ri beijando sua nuca.

- Boa noite amor, boa noite bebê.

 - Boa noite Edward.

Inclinei-me para apagar o abajur e puxei o enorme edredom para cima dos nossos corpos nus. Abracei Bella, fechei os olhos e esperei o sono chegar.

- Charlie... – A voz veio do corredor – Pare de me apertar! – Minha sogra ralhou. – Não vamos trepar.

- Estava muito bom para ser verdade. – Bells resmungou.

- Mas você é tão gostosa, é difícil não te apalpar.

- Porque não é você quem tem que ficar sua filha falando em sua cabeça. E, além disso, acabamos de sair do motel, sossegue o facho.

Foi à última coisa que ouvimos, logo o silencio reinou.

Bella e eu rimos.

- Amor? – A chamei.

- Sim?

- Quando nos casarmos vai ser assim? – Me apoiei no braço para olhá-la – Felizes, insaciáveis...

- Chatos, briguentos, insuportáveis... – Ela completou rindo – Mas sim, vai ser assim.

Beijei sua bochecha e voltei a me deitar.

É, minha vida havia tomado um outro rumo desde que Bella entrou nela, e bom, eu estava adorando isso.

POV Bella


Nova Iorque, EUA
3 Anos Depois...


Sentei-me no sofá observando Edward rolar no chão com Eric, os dois riam e gritavam brigando pelo controle do vídeo-game.

Eric estava com dois anos e sete meses. Ele havia puxado muita coisa de Edward, não só a cor dos olhos e o formato do rosto ou os cabelos, mas também seu jeito brincalhão, carinhoso, atencioso, ciumento e chorão.

Edward continuava praticamente o mesmo, tirando a barba do rosto e o corpo um pouco mais gostoso. Meu gatinho estava mais lindo do que antes, muitas vezes eu me pegava perguntando como ainda o tinha para mim. Quer dizer, ele tem 24 anos, é jovem, lindo... E eu, bom já estou quase nos 30. E difícil acreditar que ainda o tenho para mim. Não estávamos casados ainda, com a correria do dia-a-dia acabamos adiando, adiando e adiando, mas decidimos que o melhor seria que nos casássemos depois que ele terminasse a faculdade, além do mais, Eric estaria mais grandinho e isso apenas contribuiria para que nossa lua de mel se estendesse por alguns dias.

Apesar dele ainda não ser oficialmente meu, vivíamos como se fosse. Tinhamos nossas brigas, nossas discussões, nossos momentos “pegação” e ainda existia o momento frustração, como quando Eric vinha dormir conosco e acabava atrapalhando nossos pervertidos planos.

Na cama? Pois é, Edward ainda continuava um tesão. Sempre insaciável e pronto para mais uma.

Lembro-me da nossa primeira briga, ficamos uma semana sem nos falar e sem fazer amor.

Flash Back ON

- Deixe de ser infantil!

- Bella... – Ele respirou fundo, com as mãos para o alto, fazendo-me pular para tentar alcançasse a caixinha. – Eu já disse milhões de vezes e vou repetir pela última vez: Não vou deixar você enfiar isso no meu filho.

- Ele também é meu filho, eu sei o que é o melhor para ele.

- Sabe? – Edward bufou, ele realmente estava nervoso. – Que mãe em sã consciência quer colocar supositório no filho macho?

- Pare de ser preconceituoso... Está fazendo tempestade em copo de água.

- Não é preconceito, é a realidade. – Seu maxilar estava travado, me deixado louquinha para beijá-lo. – Você não vai por esse troço no meu garoto.

- Me dê essa porra aqui! – Pulei agarrando seu braço, mas não consegui pegar a caixa de sua mão, ele passou para a outra – Ed...

- Esse bico não vai ajudar em nada.

- Por favor, amorzão... – Alisei seu peito.

- Nem o sexo vai me fazer mudar de idéia.

Afastei-me bufando.

- Ótimo, espero que não tenha perdido a pratica de como se masturbar, porque é assim que você vai se aliviar daqui em diante.

Flash Back OFF


Foi uma briga muito boba, mas enfim, eu coloquei supositório em Eric no mesmo dia e ainda por cima deixei Edward sem sexo por sete dias, só não agüentei mais porque eu também estava totalmente louca de saudades dele. Felizmente isso serviu para ele aprender a nunca mais me contrariar.

- No que a minha gostosa tanto pensa? – Olhei para o lado. Edward estava sentado ali, com o rosto em meu ombro. – Pode confessar que é em mim.

Não respondi, ele sabia que era.

- Me da um beijo. – Pedi, me deitando no sofá e o puxando para cima de mim.

Antes de nos beijar olhamos para o tapete, onde Eric brincava no vídeo-game. Logo sua boca estava sobre a minha, sua língua escorregando por meus lábios tocando a minha.

Embolei meus dedos em seus cabelos macios, puxando-o mais para mim.

Quando o ar ficou escasso, ele acomodou seu rosto em meu pescoço e eu o envolvi com meus braços.

- Bells?

- Oi?

Edward ergueu o rosto para meu olhar.

- Quero ter mais um filho.

- Ahm?

Ele sorriu torto, daquele jeito que me encantava.

- Dessa vez quero uma menina, vai ser animal.

Rolei os olhos com o “animal”. Ele continuava o mesmo.

- Não acha que é muito novo para ter outro filho? Quero dizer... Você tem apenas 24 anos, quer mesmo isso? – Suspirei – Mais um filho vai apenas atrapalhar nossa separação caso um dia ela venha ocorrer.

Edward bufou sobre mim.

- Sempre tão estúpida. – Beijou meu queixo, alisando minhas bochechas. – Já te disse que sou chiclete, não vou desgrudar de você até o fim dos meus dias.

Agarrei seus cabelos e voltei a puxá-lo contra meus lábios, beijando-o.

- Tem certeza mesmo?

- Sim.

Sorri.

- Por mim tudo bem.

- Ótimo. – Comemorou – Podemos começar a praticar essa noite.

- Eu vou adorar.

Voltamos a nos beijar, até que Eric nos chamou com um tom de sofrimento.

- Papai... mamã... medo.

- Medo do que garotão?

Meu pequeno fez um lindo bico e apontou para sua parte intima.

- Pipi Elic dulo...

Edward e eu rimos. Adorávamos essas coisas que vinham do nada de Eric, era delicioso o ver aprendendo, crescendo e dividindo isso conosco.

- Está com frio filho?

- Nanã...

- Vontade de fazer xixi?

- Aham.

- Então vamos, papai vai te levar ao banheiro.

Suspirei admirando os meus dois garotos correrem em direção ao banheiro.

POV Edward

- Isso ai garotão! – Bati palma - Agora você balança e já era.

- Sim?

- Sim meninão, assim. – Sorriu acariciando seus cabelos. – Com todo esse potencial você vai fazer a alegria da mulherada.

- Vo?

- Vai, você puxou a mim.

Depois que o ajudei a subir o short voltamos para a sala, mas Bella já não estava mais lá. Subimos para o quarto e a encontramos na cama.

- Pipi mole mamã.

- Que bom Eric. – Ela riu linda como sempre.

Pulamos na cama e cada um se aconchegou em um lado de Bella.

- Estamos carente... – Sussurrei, apertando-me contra ela.

- Estão? – Bella trouxe sua mão aos meus cabelos, acariciando-o.

- Aham. – Fechei os olhos, apreciando o carinho.

- Elic também.

- Até você bebê? Hm... Dois garotos mimados.

Abracei sua cintura, alcançando Eric e pousando minha mão sobre sua barriguinha.

- Amo vocês.

Ela me olhou sorrindo. Eu era muito sortudo por ter uma mulher tão linda quanto ela. Bella sempre vinha com aquele papo que a diferença de idade entre nós iria atrapalhar nosso relacionamento, nosso convívio, nosso amor, mas é obvio que eu achava o contrario. Eu a amava, isso nunca mudaria.

Ficamos brincando e rindo até que Eric desabou na cama cutucando o nariz.

- Éca, que porc ão. – Brinquei, retirando a mãozinha dele do nariz, mas ela logo voltou para lá.

Ele sempre fazia aquele quando estava com sono.

- Não vem não, quando sua mãe o viu fazendo isso disse que você fazia o mesmo. – Bella sussurrou, inclinando-se para beijar os cabelos de Eric – Acho que está na hora da soneca...

- Vou aproveitar e tomar um banho. – Me levantei da cama alisando meu peito nu. – E eu vou demorar muitoooo... – Pisquei para Bella, jogando uma indireta.

- Muito? – Mordeu os lábios.

- Aham.

Eu sabia que era só ela se deitar com Eric na cama dele que ele apagaria. Eu não aguentaria esperar até depois da faculdade para tê-la em meus braços.

Faculdade... Droga, às vezes essa coisa me enchia o saco, mas Bella sempre estava ali ao meu lado, murmurando em meu ouvido, dizendo que era o melhor para mim e para nossa família.

Pois é, eu estava quase me formando em contabilidade, comecei a adorar a matemática há alguns anos atrás, quando minha mãe contratou uma professora gostosa... E ela ainda continuava me ajudando em muitas coisas na faculdade. Dica: Casem-se com uma professora, se você for bom de papo ela faz seus trabalhos.

Infelizmente eu não era bom de papo, Bella nunca aceitou fazer meus trabalhos.

Fui para o banheiro, tirei minha bermuda, minha boxer e entrei no box abrindo o registro.

Lavei meus cabelos com meu famoso shampoo sem sal, depois de Bella, Eric e meu carro, o que eu mais amava era meus cabelos. Bom, eu só amava porque Bella gostava de puxá-los.

Fiquei alguns minutos encostado na parede, esperando.

- Esperando por mim gatinho?

Parei de brincar de tentar pegar a água que caia do chuveiro e virei-me em direção a voz da minha gostosa. Ela já estava sem seu vestido, trajando apenas suas peças intimas. Gemi e olhei para meu amigão que já começava a subir.

- Aham.

- Desculpa, demorei um pouco porque seu filho só dormiu depois que segurou um dos meus peitos... – Ela torceu os lábios livrando-se de sua lingerie e vindo para o dentro do box comigo.

- Eu gosto de ter seus seios em minha mão...

- Sim, ele puxou isso do pai.

- Verdade. – Rimos.

Eric tinha essa mania desde bebê – o que ele ainda era, mas mais bebê ainda – ele mamava em um seio de Bella e segurava o bico do outro.

Fazer o que... É meu filho.

Agarrei Bella pela cintura e a empurrei contra a parede, mas acho que não medi muito bem a força.

- Ai amor... – Ela gemeu fazendo cara de dor e fechando os olhos. Uma de suas pernas veio parar enganchada meu quadril.

- Te machuquei? – Indaguei preocupado.

- Não. – Bella abriu os olhos – Gosto de quando você é bruto.

Eu ali todo preocupado e ela excitada...

- Sua safada! – Ri – Eu pensei que você estava machucada.

- Amo você todo bruto. – Suas mãos apertaram meu ombro, suas unhas arrastando-se sobre minha pele...

Fechei meus braços em sua cintura, a retirei da parede trazendo-a para meu colo, mas logo depois voltei a empurrá-la contra a parede de novo.

- Me diga... – Escorreguei minha língua por seu queixo. – Eric segurou seu seio com o dedo que estava no nariz?

Ela jogou a cabeça para trás rindo.

- Eu lavei a mão dele antes de fazê-lo dormir.

- Hm, ótimo. – Corri minha boca por rumo ao seu seio, quando o alcancei lambi o bico.

- Oh... – Seus dedos embolaram-se nos meus cabelos – Aperta o outro amor. – Pediu ela.

 A retirei da parede e voltei a esmagá-la ali.

- Mandei você falar vadia? – Mordi o bico do seu seio fazendo-a gemer mais alto ainda.

- Deus... Eu vou... Vou gozar.

- Se gozar vai ficar sem sentir meu pau dentro de você.

- Mas Ed...

- Sem “Mas”. Estamos entendidos?

Ela assentiu mordendo os lábios deixando-os vermelhos. Aproximei minha boca da dela, esmagando meus lábios contra os seus, deixando nossas línguas se encontrarem.

Remexi meu quadril, deixando meu pau roçar em sua boceta molhadinha.

Era delicioso ver o desejo transbordando por seus olhos, eu sabia que ela queria pedir que eu a fodesse, mas estava com medo que eu realmente a deixasse sem sexo.

Tonta...

- Princesa... – Mordi sua bochecha – Nós vamos sair daqui e vamos para o quarto, não quero gracinhas, quando chegarmos lá. Você vai abrir as perninhas e deixar seu futuro marido fazer bem gostoso.

- Ok.

- Querida, não foi uma pergunta.

- Me desculpa.

Disfarcei um sorriso. Era difícil ver Bella tão submissa, geralmente ela me mandaria para a puta que pariu e viraria o jogo para si, mas hoje ela estava toda taradinha, louca para ser maltratada.

Fechei o registro e a coloquei de pé no box. Enxuguei-me tranqüilamente, evitando olhá-la. Caminhei para o quarto e me sentei na cama, logo Bella apareceu na porta olhando de lado.

- Não me olha assim não. – A repreendi.

- Idiota. – Ela resmungou vindo se sentar em meu colo. – Quero você...

- Sei que quer princesa, todas querem. – Brinquei. Os olhos dela rolaram. Aprecei-me em esclarecer os fatos, antes que ela me batesse – Mas você é a única que tem.

Bella tentou esconder um sorriso, felizmente não conseguiu.

- Amo você. – A mão dela agarrou meus cabelos – Muito.

- Eu também princesa, muito... – Beijei sua boca devagar – Não vejo a hora de nos casarmos, ai sim, você será minha oficialmente.

- Eu sou sua.

Girei nossos corpos, tombando-nos na cama. Apoiei os braços ao lado do rosto dela, admirando-a.

Eu sempre fui um cara muito vagabundo, mas agora eu sou um homem responsável com uma mulher, um filho e muito bom de matemática.

Quem diria... O mesmo Edward Cullen que pegou a professora de matemática anos atrás estava agora há meses de se formar e se casar com Bella.

- Vai ficar parado me olhando com essa cara?

Sorri para Bella.

- Não. – Abri suas pernas, encaixando-me entre elas – Hora de praticarmos para fazer nossa menininha bem linda.

[FIM]

<<< Capitulo 17                                             Epilogo >>>

2 comentários:

♥nanah♥ disse...

Outch que lindo :D!
mto mais mto foda esse cap.
Esse eric...
Hum...
Amei Amei Amei , não demore pra postar o proximo ta?
Bjiins.

Anônimo disse...

Nooooooooooooossa como o Pai da Bella e a sao mal para o Ed,que dó dele.
kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk
meus pais sao os melhores nee Caah?
kkkkkkkkkkkkkkkk
ameeeeeeeeeeeeeeeeeeiii o capitulo
mano os pais da Bella sao os melhores o charlie quer trepa e a renee naao kkkkkkkkkkkkkkkkkkk tadinho tava na seca !
Vou sentir saudade da fic !bubu'

Postar um comentário