Bem vindos ao Fanfics da Cah. Sou Camila Cocenza, futura garota de programa! E não, não é o que estão pensando, apenas pretendo cursar Engenharia da Computação. Para mais informações: cahcocenza@hotmail.com

04/07/2011

I Never Told You - Capitulo 17

N/A: Capitulo super suave/hot/engraçado, lembrando que é o penúltimo :(


Capitulo 17

POV Bella

Coloquei minha roupa e passei uma água no rosto tentando, em vão, fazer aquele fogo todo se aplacar. Prendi meus cabelos em um rabo de cavalo e desci para a sala. A primeira visão da sala que tive foi a de Edward sentado na poltrona, com os olhos no chão.

- Quem era amo... – Minha voz morreu quando desci mais as escadas e vi meus pais sentados no sofá maior, enfrente ao garoto – Pai? Mãe?


- Quando você disse que ele era gostoso eu não imaginei que era tão gostoso assim...

- Renée!

- Mãe! – Ri. As bochechas de Edward ficaram rubras. – O que estão fazendo aqui?

- Quando liguei você estava na fossa. Ficamos com medo de você se matar ou algo do tipo, então, como bons pais, viemos ficar um tempo com você, mas já vimos que está tudo bem... – Minha mãe olhou maliciosamente de mim para Edward. – Muito bem, por sinal.

- Então podem ir embora. – Sorri para eles apontando para a porta.

- Bella, não mande seus pais irem embora. – Edward me repreendeu.

- Ow, além de tudo é um cavaleiro.

Olhei de cara fechada para Edward. Ele não conhecia aquelas duas criaturas...

- Querida... – Meu pai olhou para o garoto, depois para mim e sorriu – Viemos para ficar uns dias, sabe como é, faz muito tempo que não passamos um tempo junto.

Eu o conhecia muito bem para saber que aquilo não era verdade.

- Claro. – Rolei os olhos – Da ultima vez que tentei passar um tempo com vocês fui expulsa.

- Sabe como é... – Minha mãe levantou-se, vindo me abraçar – Deus perdoa os pais que mandam o filho embora, mas não perdoa o filho que manda os pais embora.

- Hm, sei. – Me afastei dela e fui para perto de Edward. – Bom, deixe-me apresentar a vocês. Esse é Edward.

- Ouvi muito sobre você. Sou Renée.

Ele se levantou e a abraçou.

- Típico. – Edward deu de ombros. – Eu não saio da cabeça dela.

- Ele realmente é convencido como você disse querida.

- Sim mãe. – Ri. – Edward esse é meu pai, Charlie.

Os dois se cumprimentaram com um aperto de mão.

- Garoto.

- Sr. Swan.

Fiquei olhando para os dois que se encaravam de queixos erguidos.

- Filha, vamos arrumar algo para comermos, seu pai e eu estamos mortos de fome.

Dei uma ultima olhada para Edward enquanto era arrastada para a cozinha. O garoto olhava amedrontado para meu pai que alisava o bigode.

- Não sei se devíamos deixá-los sozinho, mãe, você conhece o papai.

- Charlie não vai fazer nada demais querida, agora me conte, o que aconteceu depois daquele dia que você me ligou contando que o viu com outra?

- Bom, Edward veio aqui em casa se esclarecer, eu não acreditei muito nele, mas ontem eu descobri que o que ele falava era verdade.

- Ele é um pitel. – Renée piscou – E aquele corpo?

- Mãe, assim você o deixa envergonhado. – Ri abrindo a geladeira.

Fizemos alguns lanches e quando estávamos prestes a sair da cozinha Edward entrou.

- Bella, acho melhor eu ir embora.

- Porque querido? – Minha mãe indagou decepcionada.

Edward olhou para ela e depois para mim.

- Seu pai não gosta de mim.

- Ele não gosta de ninguém que esteja dividindo a mesma cama com Bella.

- Edward relaxa, ele é bonzinho.

- Vocês sabiam que ele tem uma arma? – O garoto arregalou os olhos – Uma arma!

- Ele é policial. – Edward bufou puxando uma cadeira para se sentar.  Minha mãe saiu da cozinha com os sanduíches, me aproximei de Edward e me sentei em seu colo. – Fica tranqüilo.

- Eu sou muito novo para morrer.

- Você não vai morrer Edward. Meu pai sempre fez isso para tentar intimidar os namoradinhos que eu levava para conhecê-lo. – Dei de ombros beijando sua boca – Vamos lá.

Ele assentiu ainda amedrontado. Ri. Voltamos para a sala e nos sentamos juntos, enfrente aos meus pais.

Papai olhou para Edward, que desviou os olhos para o chão.

- Pai, pare de olhar assim para Edward.  Não sou mais aquela garotinha de 15 anos que você e Emmett faziam questão de destruir com os namoros.

Charlie bufou, voltando a morder seu lanche.

[...]

- Meus velhos safados... – Emmett espremeu mamãe em um braço e papai no outro. – E papai, deixe para pegar no pé de Edward quando eu estiver aqui, ok?

- Esse garoto ganhou um ponto comigo depois que você me contou que ele bateu um Jacob. – Meu pai socou o braço de Edward – É isso ai.

- Pai, não incentive Edward a brigar. – Meu irmão rolou os olhos rindo – Sabe como crianças aprendem coisas erradas facilmente.

Edward ignorou meu irmão.

- Parem de mexer com o rapaz. – Tive que intervir.

- Bom, nós já estamos indo. – Emm beijou o rosto de Renée – Tenho que ir para a escola e Rosalie têm que voltar para o trampo dela também. A gente se vê amanhã.

Emmett e Rosalie foram embora, já meus pais subiram para descansar um pouco, assim que a porta lá de cima se fechou eu empurrei Edward no sofá, deitando-me sobre seu corpo e beijando sua boca.

- Bella, não sei se é uma boa idéia. Seus pais podem descer...

- Então vamos para o quarto. – Lambi seu pescoço, fazendo-o estremecer.

- Linda, seria constrangedor seus pais ouvirem nossos gemidos.

- Merda... – Resmunguei deitando minha cabeça no peito dele. – Eu me controlo.

- Sei... E papai Noel existe.

- Droga, dois empata-foda.

Edward riu forçando meu corpo a tombar para o lado, deixando-me deitada de lado, de frente para ele.

- Podemos ficar aqui e namorar um pouquinho... – A boca dele escorregou por meu queixo. – Gostosa, acho que vou aproveitar a presença do seu pai aqui para pedir você em namoro, sabe, Charlie pode ver isso como respeito a ele e não me mate.

- Edward, eu tenho 25 anos e meu pai não vai te matar.

- Bella não custa nada prevenir.

- Shhh... – Colei nossas bocas deixando minha língua escorregar por seus lábios. Deslizei minha mão para as costas dele, infiltrando-a em sua camisa – Porque colocou camisa? Você estava um tesão sem ela.

As bochechas dele ficaram coradas.

- Sua mãe estava quase me estuprando com os olhos.

- Eu notei. – Ri revirando os olhos – Não se preocupe, ela só olha. Mamãe ama muito meu pai.

- Me senti assediado.

- Edward olhe o drama. – Mordi sua boca fazendo-o rir.

 - Vem aqui. – Ele me puxou pela nuca, colando nossos lábios.

Fechei os olhos me entregando ao delicioso beijo que ele me dava. Agarrei seus cabelos e entrelacei nossas pernas, espremendo-me contra o corpo gostoso do meu aluno gostoso.

- Ohhhh...

Afastei-me de Edward franzindo a testa.

- Ouviu isso?

- Isso o que? – Ele ergueu a cabeça, tentando ouvir o que eu ouvi – Não.

Sua boca voltou a colar na minha, mas nos afastamos quando ouvimos o barulho no andar de cima. O som da cama batendo contra a parede me dizia o que estava acontecendo.

- Por favor, diga que eles não estão fazendo o que eu estou pensando.

- Sinto muito Bella, mas eu acho que eles estão... você sabe.

- Merda... – Me sentei. – Não acredito nisso. Obvio que aquele papo todo de descansar era mentira.

- Ooooohhh Charli-i-i-i-e-e... Vem mais... Rápido... AAHH ASSIM... BATE, BATE MAIS.

- Estou ficando assustado.

- Vem. – Levantei-me pegando minhas chaves e minha bolsa.

- Aonde vamos?

- Estou pensando seriamente em procurar uma psiquiatra, mas tenho outra coisa em mente.

[...]

- Não vamos entrar ali. – Edward cruzou os braços sobre o peito.

- Porque não? – Inclinei-me para beijar seu pescoço.

- Eu disse que nunca te traria a um motel.

- De certa forma você não está trazendo. – Sorri para ele – Sou eu quem te trouxe até aqui.

- Bella... – Edward torceu os lábios olhando pela janela – Uma hora nesse motel deve ser meu salário mensal.

- Deixe isso comigo. – Pisquei para ele – Apenas faça valer apena o valor que iremos pagar.

POV Edward

Não pude deixar de sorrir quando eu vi os espelhos no quarto. Bella seguiu meus olhos e também riu.

- Gostei da visão lá em casa... – A boca dela grudou em meu pescoço – Mas a posição era um pouco desconfortável, aqui vou poder ver de vários ângulos.

- Eu não conhecia muito bem esse seu lado safada. – Me sentei na cama e a puxei para meu colo.

- Gatinho, você ainda não conhece todos meus lados. – As mãos dela ergueram minha camisa.

- Prometo me dedicar mais a isso.

- Eu sei que vai. – Ergui os braços ajudando-a a se livrar da minha blusa. Bella me empurrou, fazendo com que eu me deitasse na cama redonda. Sua boca deslizou por meu tórax, mordiscando e lambendo-o. – Você é tão delicioso...

Escorreguei minhas mãos pelo corpo dela, apertando-a contra mim.

- Pois é. – Sorri – Papai e mamãe fizeram um ótimo trabalho.

- Deixa de ser convencido. – Bella riu apoiando um joelho de cada lado do meu quadril e retirando sua blusa.

- Isso é para mim? – Inclinei-me para morder o sutiã vermelho que ela estava usando.

- Aham.

- Hm... Assim eu fico mal acostumado...

- Vou deixar você muito mal acostumado.

Bella esticou o corpo para me beijar. Levei minha mão a suas costas e me livrei de seu sutiã. Eu ainda não conseguia acreditar que tinha uma mulher tão gostosa assim, todinha para mim.

POV Bella

Ele sorriu torto e arqueou uma sobrancelha. Edward jogou-me para o lado e subiu sobre mim.

- Isabella Swan, você vai ter que me implorar para parar!

- Edward...

Eu nem consegui falar nada, pois ele tirou rápido suas roupas e deitou em cima de mim, levando a mão até minha boceta e me estimulando por cima do pano, enquanto me deixava sem ar com um beijo molhado. 

POV Edward

Sua calcinha já estava molhadinha, do jeito que eu gostava. Arranquei suspiros e gemidos dela quando a toquei lá embaixo, roçando a renda da calcinha em seu clitóris. Eu amava ver Bella assim, tão entregue e vulnerável a mim, somente a mim.

- Geme mesmo, amor... Geme...

- Edward... não... me...

Calei a sua boca, beijando-a e puxando seus cabelos enquanto abaixava o pano para poder penetrá-la. Ela gemia pedindo piedade

- Não... me torture...

- Não vou.

Eu a invadi com meu pau, fincando até onde tivesse como ir, indo e vindo num ritmo frenético, fazendo-a quase rasgar os lençóis de seda com as unhas.

- Oh, Deus!

Suas pernas tremiam sobre o meu quadril e seu corpo rebolava sob o meu, pedindo por mais. Bella desviou seus olhos do meu e os fixou no teto, não sei o que ela viu ali, mas seus gemidos dobraram e eu senti o orgasmo vindo rápido. Olhei para o lado, no espelho que havia ali pude ter a perfeita visão do meu corpo movendo-se em um ritmo constante sobre ela.

- Eu vou... eu vou... 

Ela gemia deliciosamente o meu nome enquanto gozava, com espasmos fortes percorrendo seu corpo. Eu deixei me aliviar logo depois dela, beijando sua boca macia e lambendo cada pedacinho dos seus lábios.

Ela ainda respirava ofegante, tentando recuperar a disposição e eu nem tinha saído de dentro dela. Fiquei apenas beijando seu pescoço e esperando pelo segundo round. Bella arfou e alisou meus cabelos com suas mãos tão pequenas e delicadas.

- Vai ter mais?

- Estou só te esperando...

- Senhor!

- Não aguenta?

Bella mordeu os lábios e balançou a cabeça esboçando um sorriso.

- Claro que agüento gatinho.

Peguei ela olhando para o teto e me avaliando, com um sorriso feliz no rosto, enquanto passava a mão pela minha bunda. Bem, seria a minha vez então de aproveitar o espelho...

POV Bella

Ele saiu de cima de mim e deitou, me puxando junto para subir em cima dele. Ow. Eu havia adorado vê-lo lindo e perfeito sobre mim, mas estar sobre ele era totalmente estranho!

Eu sentei devagar em seu membro, sentindo-o deslizando dentro de mim aos poucos, me fazendo arfar com a sensação de preenchimento. E se tratando de Edward, bota preenchimento nisso!

- Amor...

- Hum?

- Não me sinto bem aqui... Com isso aí no teto.

- A idéia foi sua gostosa, agora aguenta.

Edward sorriu e puxou meu pescoço, me beijando devagar a boca. Eu já estava tonta com ele, quando comecei a me mexer um pouco, evitando olhar para cima a fim de avaliar meu desempenho. 

POV Edward

Podia ser mais gostosa? Deus! Bella cavalgava tímida em mim, com as bochechas coradas e as palmas das mãos abertas no meu peito, jogando a cabeça para trás. Eu não podia acreditar que depois de tudo o que já fizemos ela estava corada. Hello, foi ela quem me trouxe para esse motel.

- Isso, Bells... Rebola...

Ela obedecia, gemendo baixo. Segurei sua cintura para ajudá-la nos movimentos e olhei para o teto, vendo seu corpo dançando sobre o meu. Por que eu nunca tinha pensado em vir a um motel antes?

Nós chegamos juntos ao orgasmo e eu a puxei para deitar, com seus mamilos durinhos tocando minha pele.

- Isso foi muito bom. – Deixei meu corpo relaxar.

- Sim. – Bella riu.

- Se você quiser podemos comprar um para por no seu quarto. – Movi as sobrancelhas, fazendo-a rir.

- Edward! – Bella gargalhou. Beijei sua testa e tirei os cabelos grudados nas suas costas, por causa do suor. Eu estava loucamente apaixonado por ela, disso eu já não tinha mais duvidas e também sabia que ela sentia o mesmo por mim. – Vamos tomar um banho gatinho.

Saímos da cama e fomos para o luxuoso banheiro. Ficamos nos beijando enquanto a banheira enchia, e quando isso aconteceu nós entramos nela.

Bella sentou-se entre minhas pernas,com as costas colada em m eu peito.

Aquele não era o momento mais correto, mas de uma forma ou de outra teríamos que ter aquela conversa.

- Bells, minhas cartas de aceitação chegaram. – Beijei seu ombro. Ela virou-se sorrindo.

- Que maravilha amor. – Sua boca grudou na minha. – Já decidiu para onde vai?

- Sim. – Dei de ombros – Port Angeles.

O sorriso em seus lábios se tornou uma careta.

- Hm. – Ela franziu a testa – Você só foi aceito nessa?

- Mais ou menos.

- Certo, diga-me em quais você foi aceito.

-Bella, minha decisão já está tomada.

- Edward Cullen...

Bufei.

- UCLA e NYU.

- Seu retardado! – Ela me socou – Qual seu problema? É o seu futuro em jogo aqui, você tem que escolher o que será melhor para você.

- Por isso mesmo escolhi Port Angeles, é o melhor para mim.

- No mundo dos retardados?

- Você não entende? – Suspirei – UCLA fica em Los Angeles NYU em Nova York, o que vou fazer lá longe de você? Em Port Angeles eu posso voltar para cá em 30 minutos.

Bells riu enquanto me beijava.

- Você é tão fofo...

- Agora entende o porque?

- Gatinho, pense no seu futuro. – A boca dela escorregou para meu pescoço. – Daremos um jeito.

- Namoro a distancia não dão certo Bells.

Bella se afastou olhando para baixo e deu de ombros.

- Podemos dar um tempo. Eu já estive na faculdade e sei quais são as tentações e como é difícil resistir a elas.Você é novo, vai querer sair, se divertir, não quero te prender.

Rolei os olhos e bufei.

- Agora é você que está agindo como retardada.

- Ei!

Ela me socou. Abracei sua cintura, fazendo-a vir para meu colo e suas pernas fechando-se em minha cintura.

- Não vamos mais discutir, já tomei minha decisão.

- Veremos. – Bella riu – Aposto que sua mãe me ajudará a te convencer. Falando nisso, convide-os para ir jantar em minha casa hoje.

Torci os lábios.

- Não sei se é uma boa idéia. – Suspirei alisando as costas dela – Minha mãe só sabe me envergonhar.

- E a minha não?

Rimos juntos.

- Pelo menos temos um ao outro para se consolar. – Beijei a boca dela, provocando-a e fazendo-a rir.

- Adoro quando você me beija assim, delicia.

POV Bella

- Charlie é policial. – Minha mãe contou a Esme. – Ele tem um cacete enorme.

- Mãe! – Meu rosto queimou – É cassetete.

- Bella, eu sei a diferença de um cacete e de um cassetete.

Gemi frustrada.

- Carlisle não é policial, mas como médico, devo dizer que ele aplica muito bem uma inje...

- Bells, vamos pegar as sobremesa?

- Vamos Edward. – Nos levantamos, eu o abracei por trás e fomos para a cozinha. – Fica calmo gatinho. – Beijei suas costas,  tentando acalma-lo.

- Como ficar calmo se seu pai fica me olhando como se fosse eu o cara que tirou sua virgindade. Meu pai mal fala porque está em seu momento emo pela morte do peixinho, minha mãe e a sua não tiram o cacete da boca... – Ele parou para respirar – Derick parece ser o mais normal, mas isso porque ele está lá encima, desmaiado e roncando.

Me sentei na beira da mesa e o chamei com o dedo.  Edward deu um pequeno sorriso e veio até mim. Enlacei seu pescoço com meus braços, puxando-o contra mim.

Escorreguei a ponta da minha língua por seus lábios pedindo passagem, logo, meu gatinho abriu aboca sugando-me daquele jeitinho que só ele sabia.

As mãos grandes subiram por minha coxa, erguendo meu vestido curto.

- Está melhor? – Indaguei, massageando seus ombros largos e musculosos. – Relaxe amor.

- Estou melhor.

- Prometo que mais tarde irei te deixar bem mais relaxado.

Um sorriso safado surgiu em seus lábios, eu o empurrei rindo e desci da mesa indo até a geladeira. Edward me ajudou, pegando algumas taças e colheres, enquanto eu carregava o Muse de Chocolate para a sala de jantar.

Nos sentamos a mesa.

- Hmm, adoro muse. – Carlisle deu seu primeiro sorriso da noite.

- Edward me contou. – Mordi os lábios.

- Eu preferia pudim... – Papai resmungou enciumado.

Olhei para meu Cullen, ele levava a colher com o doce até sua boquinha gostosa.

Lembrei-me do que ele havia me feito passar na frente dos seus pais.

Hm. Eu ia dar o troco.

POV Edward

O muse de Bella realmente era muito bom, se eu não tivesse comido ela juro que afirmaria que estava comendo a melhor coisa do mundo.

- Está bom?

Virei-me para ela sorrindo, aproximei meus lábios de seu ouvido e sussurrei.

- Só não digo que é a coisa mais deliciosa que já comi na minha vida porque assim estaria mentindo.

- É? – Uma de suas sobrancelhas subiu – E qual é a coisa ma is deliciosa que você já comeu? – A mão dela pousou em minha coxa, apertando-me.

- Depois eu te conto.

- O que vocês dois estão fofocando ai?

Minha sogrona estragou o momento “Provocação”.

- Sobre nada Sra. Swan.

- Lindinho, eu já pedi para me chamar apenas de Renée, não sou tão velha assim.

- Me desculpe – Abaixei a cabeça, envergonhado, e vi a mão de Bella se arrastando em direção ao meu amiguinho. – Amor... – Suspirei, puxando minha perna, mas ela persistiu e voltou a passar a mão em mim.

- Algum problema filho?

- Não mãe.

Abri um pouco as pernas e deixei meu corpo relaxar. Era inútil tentar pará-la.

Joguei minha cabeça para trás e fechei os olhos.

- Está com algum problema meu anjo?

A voz ingênua de Bella me fez rir.

- Só estou com um pouco de sono e... hm... calor.

A mão dela apertou meu pau, deixando-o mais duro ainda.

Para minha felicidade, mamãe começou a dar desculpas para ir embora, mas eu sabia que ela e papai queriam aproveitar a folga... Sabe como é...

Tenho dó de Derick, que sem duvida ficaria traumatizado.

- Charlie e eu vamos dar uma voltinha... – Renée cerrou os olhos para Bells – Minha filha nos proibiu de fazer amor aqui.

- Que triste. – Papai fez biquinho, mas logo riu da cara de Charlie – Se fudeu.

- Mãe eu não disse exatamente isso... – Bella parou de me acariciar e resmungou – Falei apenas para se controlarem. Não sou obrigada a ficar ouvindo você berrando.

- Blá, blá, blá...

Ri.

Mamãe e Renée ajudaram Bella a levar a louça para a cozinha, logo depois foram embora. Não sem antes de Esme fazer algumas piadinhas como “Você não aparece mais em casa seu ingrato, porque não trás suas roupas para cá?” Devo confessar que a idéia era muito convidativa... Imagina só, todos os dias acordar e dormir ao lado de Bella.

- No que está pensando? – Ela entrou na sala e veio até mim, sentando em meu colo.

- Nos seus seios.

Bella rolou os olhos.

- Nem sei por que pergunto algo para você. – Ela tocou minha testa com seu indicador – Você só pensa em sexo...

- Não. – Neguei, apertando-a contra mim – Eu penso em sexo com você, e de quebra penso nos seus seios.

- Certo, quer matar um pouco a saudades deles? – Bella escorregou as alças de seu vestido, deixando aquelas duas belezinhas amostra para mim.

- Já que você insiste.

[...]

    <<< Capitulo 16                                           Capitulo 18 >>>

Um comentário:

♥nanah♥ disse...

Ah,
Capitulo mais que perfeito.
Muito lindo mesmo e esse edward convencido?
Amei,Amei,Amei♥

Postar um comentário