Bem vindos ao Fanfics da Cah. Sou Camila Cocenza, futura garota de programa! E não, não é o que estão pensando, apenas pretendo cursar Engenharia da Computação. Para mais informações: cahcocenza@hotmail.com

02/07/2011

Don't Forget For Me - Capitulo 3 (Parte II)


CAPITULO 3 - PART II

- Isso Bells... – Ele gemeu enquanto eu o massageava – Poem... mais força.

- Edward minha mão está doendo.

- Bella... por favor, é meu aniversário. Agora passa mais desse óleo ai...

Abri o meu pequeno óleo hidratante e espalhei em minha mão.

- Sempre que você joga bola é isso... – Resmunguei voltando a massagear o joelho dele. Meu marido fechou os olhos e gemeu.

[N/A:Meninas-pervas, já estavam imaginando besteira  né?]

- Gostosa... que mãos mágicas. Isso está me deixando excitado, sabe, estou imaginando você acariciando o Edzão assim.

- Ed, deixe de ser safado!

- Nem fiz nada, apenas comentei algo...

- Sei.

Sentei-me entre as pernas dele e o admirei. Edward havia acabado de sair do banho e usava apenas uma de suas boxer. Ele arqueou as duas sobrancelhas e acariciou o próprio abdômen.

- Não me olha como se eu fosse um pedaço de carne...

Ri. Colei meus lábios no joelho dele e fui subindo, passando por sua coxa, pulando para sua barriga, e subindo um pouco mais.

- Um pedaço de carne muito gostoso.

- Bella, estou com dor de cabeça.

Gargalhei alto.

- Você? Com dor de cabeça? – Rolei os olhos andando de joelhos pela cama e me posicionando sobre ele com uma perna de cada lado do seu quadril – Olha, se você me negar o que eu quero, vou ter que pegar a força...

- Ata... – Ele riu.

-... E quando você quiser não vai ter.

- Opa. – Ele apertou minha cintura e me jogou para o lado – A dor de cabeça passou.

- Como imaginei.

Enlacei o pescoço dele com meus braços e enrolei meus dedos em seus cabelos, puxando-o para mim.

- Quanto tempo ainda temos? – Ele indagou enquanto descia a boca para meu pescoço.

- Amor... não vamos conseguir finalizar isso, é melhor nem começarmos. – Gemi sentindo suas mãos me apertando – Thony vai acordar daqui a pouco.

- Você não devia ter deixado ele dormir... – Meu marido resmungou erguendo o rosto para me olhar – Ele não vai querer dormir a noite.

- Mas ele estava cansado. – Dei de ombros – Brincou bastante no parque, assim como Meg.

- Vamos aproveitar que eles estão dormindo então, temos alguns minutos, diz que sim vai, só uma rapidinha. – Ele mordeu meu seio sobre a camiseta.

- Rapidinho mesmo.

Ele sorriu vitorioso e puxou meu short curto junto com minha calcinha. Edward lambeu os lábios enquanto apertava seu pau sobre sua boxer.

- Você é tão... gostosa.

- Diga algo que eu não saiba.

- Você é muito convencida... – Edward riu enquanto retirava a cueca.

- É a convivência com meu marido... – Me sentei retirando minha regata.

Suas mãos apertaram minha cintura e sua boca cobriu a minha.

- Deliciosa... – Sua boca escorregou para meu busto, sugando meus seios.

- Oh... disso eu... também sei.

Ele riu entre meus seios e começou a descer para minha barriga com a ponta da língua. Fechei os olhos para apreciar o oral maravilhoso que iria ganhar.

- Vamos deixar isso aqui mais molhado que já esta? – Meu marido conversava sozinho enquanto seu polegar pressionava meu clitóris. Não demorou muito para que eu sentisse sua língua deslizando por minhas dobras e me penetrando. Gemi alto agarrando os cabelos dele. Quando ele estava começando a se afastar enlacei seu pescoço com minhas pernas.

- Nem pense... – Gemi – Termine o que começou.

- Sim Isabella.

Oh Deus. Edward voltou a me chupar.

- É Bella... PORRA! – Gritei alcançando meu orgasmo. Minhas pernas desenlaçaram seu pescoço e caíram ao lado de seu corpo.

Aquilo era muito bom.

Ele sugou todo meu liquido e voltou para cima de mim, erguendo minha coxa e me penetrando de uma só vez.

Rolei os olhos, extasiada. Edward cobriu meus lábios com os seus, abafando meus gemidos.

- Tão... apertada, coelhinha.

Joguei os braços para trás agarrando a primeira coisa que alcancei. Edward passou a jogar seu quadril contra o meu com mais força, mas eu queria mais...

- Mais amor...

- Mãe... – Batidas na porta fez com que Edward parasse de se mover e me abraçasse, ofegante, como eu.

Respirei fundo, tentando acalmar minha respiração.

- Sim querida?

- Thony acordou...

Edward fez resmungou baixinho mas não saiu de mim, pelo contrario, ele sorriu e apoiou as mãos ao lado do meu corpo, voltando a entrar e sair de mim, mas bem, bem lento.

Arranhei as costas dele mordendo os lábios.

- Meg... – Me esforcei para não gemer.

- Sim?

- Você... Pode olhá-lo enquanto... enquanto eu tomo um banho?

- Claro.

Soquei o ombro de Edward e ele me beijou.

Droga, eu falei com minha filha enquanto fazia amor com meu marido!

Mas naquele momento, eu estava excitada o suficiente para xingá-lo. Nossos corpos soavam e na medida em que meu homem estocava em mim eu sentia meu orgasmo chegando.

- Ed, eu vou...

- Vem comigo amor, vem.

Minhas pernas tremeram enquanto aquele delicioso choque se espalhava por meu corpo e meu núcleo apertava Edward.

Ele caiu sobre mim beijando-me.

- Isso foi tão excitante... – Ele riu contra meu peito. – Sabe, essa sensação de que Meg poderia abrir a porta e nos flagrar, o perigoso é bem mais gostoso.

- Isso foi constrangedor! – Voltei a socá-lo – Não faça mais isso.

- Eu te amo.

Droga, ele sempre conseguia me fazer perdoá-lo.

- Eu também te amo, vem, vamos tomar um banho rápido.

Levantamos-nos da cama e fomos para o banheiro. Edward terminou seu banho primeiro que eu, na verdade já havíamos tomado banho, mas estávamos exalando “sexo”.

Me enrolei em uma toalha e fui para o quarto. Meu marido já estava vestido com uma regata e uma calça de moletom. Ele me olhou de cima abaixo e lambeu os lábios.

- Pare de me olhar como se eu fosse um pedaço de carne! – Repeti o que ele já havia me dito antes.

- Um pedaço de carne deliciosa.

Ri.

Estava um pouco frio, então vesti uma calça de moletom e uma camiseta.

- Pegue Thony amor, vou trocar os lençóis da cama. – Pedi.

- Ok.

POV Edward

Entrei no quarto de Anthony. Meg estava próxima ao berço e meu garoto estava sentado brincando com uns de seus bichos de pelúcia que Emmett havia dado a ele.

Quando Meg me viu franziu a testa.

- Não era a mamãe que estava tomando banho?

- Sim.

- Você... você tomou banho com ela? Tipo... pelados?!

Sorri para Meg. Ela era tão inocente. E muito curiosa.

- Continue assim querida. – Toquei os cabelos dela – Vamos lá para o quarto do papai e da mamãe ai você pergunta para ela.

- Ok.

Peguei Anthony e fomos para meu quarto. Bella já havia trocado os lençóis da cama e estava deitada assistindo TV.

- Oi meus anjos. – Minha mulher sorriu para nós. Margareth foi se deitar ao lado de Bella, mas quando tentei passar Anthony para ela ele se agarrou ao meu pescoço. – Oh, não quer vir com a mamãe?

- Acho que não... – Ri da cara dela. Deitei-me na cama ao lado de Meg e deixei meu garoto entre nós dois.

Bella se apoiou nos cotovelos, indignada.

- Quando você quiser mamar, não vai ter. – O garoto não deu bola e continuou a passar as mãozinhas pelo meu rosto. Ele parecia intrigado com algo, talvez minha barba que já estava crescendo novamente. – Vou dar mama só pra Meg...

Rolei os olhos incrédulo.

- Bella, deixa de ciúmes.

- Não estou com ciúmes.

Anthony deitou a cabeça em meu peito e fez bico para a mãe dele.

Margareth ria da nossa pequena discussão.

- Não liga para ela filhão, papai esquenta mamadeira para você.

- Você sabe que ele não gosta de mamadeira. – Bella sorriu e mirou Anthony – Filho, vem com a mamãe, papai não tem peito.

Meu pequeno se sentou na cama e agarrou minha regata, procurando meu peito.

- O que está procurando ai? – Sussurrei para ele e ergui minha regata, mostrando que ali não tinha seios, grandes. Anthony torceu os lábios e engatinhou em direção a Bella.

- Perdeu pai.

- É Ed, perdeu.

Rolei os olhos e abaixei minha blusa.

- Meg, você não ia perguntar aquela coisa pra sua mãe? – Arqueei as sobrancelhas.

Bella ia ficar sem rumo.

- Ahhh é mesmo. – Ela se virou para Bella e sorriu – Vi papai com os cabelos molhados, deduzi que ele tomou banho, mas você também estava tomando banho... então, tipo, vocês tomam banho juntos?

Como eu esperava, Bella corou.

- Bom... nós somos casados...

- Mas Beward te viu... pelada?

- Ok, vou pegar água para Anthony. – Bella se levantou e colocou Thony em meu peito – Outro dia, quando você for maior conversamos sobre isso.

- Você sempre diz isso...

Antes de sair do quarto, minha mulher me lançou uma ameaçava movendo os lábios, sem qualquer som “Eu vou matar você”.

Ri puxando Meg contra meu peito.

[...]

- Meu bebê completando 27 anos... – Minha mãe me abraçou e me chacoalhou.

- Mãe... – Tentei empurrá-la, mas ela se pendurou em meu pescoço e beijou minha bochecha.

- Querido, você e sua irmã sempre serão meus bebês, não retruque.

Depois que minha mãe me soltou e foi para a cozinha, onde as outras mulheres estavam, me sentei no sofá, junto com os rapazes.

Emmett estava com um sorrisão bobo no rosto.

- Transou com Rosalie?

- Edward, essas coisas não se contam. – Ele rolou os olhos – Mas sim, nós fizemos amor.

POV Bella

- Ok, hora do parabéns... – Minha sogra começou a retirar a mesa. Alice, Rosalie e eu começamos a ajudá-la. – Anthony está quase dormindo.

- Mãe... Não acredito nisso.

- Qual problema amor? – Sorri para ele.

- Não precisava.

- Tia Esme... – Meu irmão quicou na cadeira – No meu aniversário pode me fazer um bolo também?

- Claro querido.

Emm sorriu animado.

- E Jacob, Tom, as duas loucas... Não vamos esperar por eles? – Meu marido indagou.

- Estão trabalhando, não vão poder vir.

[N/A: Tomei decisão de retirá-los da fic, já que quero focar mais os acontecimentos com Bella e Edward, Vocês concordam comigo?]

- Tom me ligou semana passada, dizendo que talvez fosse transferido de novo para NY. – Meu marido torceu os lábios – Menos um para o nosso time de futebol.

Levei a louça para a cozinha, onde Esme pegava o bolo. Quando voltamos para a sala de jantar, vi meu irmão colocando um chapéu em Anthony, em Meg e um em si mesmo.

- Agora estamos prontos para dar continuidade a esse bagulho ai, não é sobrinhos?

POV Edward


Puxei o ar pronto para soprar as velas, mas minha linda irmã tampou minha boca.

- Faça um pedido Edward.

- Isso é difícil... – Torci os lábios. – Eu já tenho o emprego que sempre quis, tenho amigos, meus pais, meus filhos, minha mulher... bom, não preciso de mais nada, só quero que... bem... já sei. – Enquanto assoprava as velas fiz meu pedido.

Eu só queria que tudo continuasse assim, como estava. Minha família saudável, nossa vida repleta de felicidade e amor, muito amor. E sexo, claro.

- E pra quem vai o primeiro pedaço?

Minha irmã esticou as mãos, como se quisesse algo.

- Nem vai rolar Alice. Se eu der para mamãe, Bella irá ficar ressentida, se eu der para Bella você e mamãe irão ficar mais ressentida, se eu der para uma das duas você vai me matar, então, o primeiro pedaço vai para Meg e Thony.

Meu filho soltou um gritinho quando me ouviu dizer seu nome. Todos rimos. Passei o dedo no recheio de chocolate e passei no nariz dele, fazendo-o rir mais.

- Edward! – Bella me repreendeu. Passei o dedo no recheio e melei a boca dela. – Edward!

- Deixa que eu limpo amor...

Suguei o chocolate da boca dela e me afastei lambendo os lábios e admirando seu rosto rubro.

Eu não entendia como ela ainda podia ruborizar com aquilo.

Minha mãe cortava o bolo, peguei um pedaço e fui me sentar na sala junto com os outros.

POV Bella

Eu havia ido a cozinha pegar mais uma cerveja para Edward, quando entrei na sala vi Carlisle ninando Anthony, que dormia tranquilamente em seus braços.

- Querida, leve-o para cima... – Meu sogro passou meu pequeno para mim.

- Ok, eu já volto.

Subi as escadas e entrei no antigo quarto de Edward. Margareth dormia na cama, coloquei Anthony ao seu lado e fiz uma barreira com travesseiros para que ele não caísse. Tirei seus pequenos sapatos e o cobri.

- Será que ele vai nos dar muito trabalho essa noite?

Edward estava parado na porta com uma garrafa de cerveja na mão.

- Não, ele parece bem cansado.

Me levantei e fui até ele, unindo nossos lábios.

- Que bom. – Sorriu entornando a cerveja – Papai quer a mamãe todinha para ele hoje.

- Quer ir embora? – Indaguei, abraçando-o pela cintura.

- Podemos ficar mais um pouco?

- Claro amor. – Mordi seu queixo – Só maneire na bebida, ou você não vai conseguir fazer muita coisa quando chegarmos em casa.

- Está achando que vou brochar? Pode ficar tranqüila que seu maridão está com muita, muita disposição – Edward riu mordiscando minha orelha. Sua mão livre pousou em minha cintura e uma de suas pernas se encaixou entre as minhas – Dança comigo?

- Viu o que eu falei sobre a bebida? – Ri baixinho.

- Qual mal em dançar comigo?

- Não há musica aqui.

- Desde quando se precisa de musica pra dançar amor? Dança foi uma coisa que um tarado inventou para ficarmos roçando em outras pessoas.

- Quantas cervejas você bebeu?

Ele me entregou a garrafa para que eu a segurasse e começou a contar nos dedos.

- Amor, eu tenho Polidactilismo¹? – Ele indagou com a voz embargada. Olhei para a mão dele, não havia nada de errado ali.

Polidactilismo¹: Deformidade congênita que implica nascer com mais dedos que o normal (tanto nos pés como nas mãos).

- Edward sua mão é perfeita.

- Não, tenho dedos a mais.

- Vem. – Agarrei sua mão e o guiei para fora do quarto.

- Bella, você vai me deixar por causa disso?

- Amor, cale a boca.

- Viu, daqui a pouco você vai dizer que foi muito legal o que aconteceu entre nós, mas que não quer continuar casada com um anormal. – Lamentou ele. Não respondi. Eu nunca havia visto Edward bêbado, mas ele estava hilário. Ajudei ele a descer as escadas. – Amor, será que eu tenho dedos a mais no pé também?

- Vem amor, senta aqui. – Apontei para o sofá – Carlisle, pode ficar de olho nele por um minuto?

- Porq...

Antes que meu sogro perguntasse algo Edward puxou a mão dele e olhou para seus dedos.

- Bella, é de família.

- Vou buscar um copo de água para você, não saia daí Edward.

- Sim senhora, coelhinha.

Meu irmão arqueou as sobrancelhas e antes que ele perguntasse algo rumei para a cozinha, sendo seguida por Esme.

- O que aconteceu com Edward?

Ri abrindo a geladeira.

- Bebeu demais, e está achando que tem Polidactilismo.

- Humm... e o que é exatamente Polidactilismo?

Peguei um copo no armário e coloquei água.

- É a pessoa tem mais dedos que o normal.

Ela riu me seguindo de volta para a sala. Edward estava com as pernas cruzadas rindo sozinho.

- Que papo chato... – Ele murmurou – Vamos mudar de assunto.

- Você é o aniversariante. – Meu irmão sorriu para meu marido bêbado – Escolha o assunto.

- Vamos falar sobre nossa vida sexual.

- Edward!

- Qual é Bella... qual o mal neles saber que a gente faz em média 3 vezes.

Senti minha bochecha corando. Os garotos riram.

- Eita... – Carlisle imitou o modo como meu irmão falava – Até eu e sua mãe faz o dobro que vocês, por mês.

- Pai, estou falando por dia.

Meu irmão cuspiu a cerveja que estava tomando.

- Certo. – Suspirei ainda envergonhada – Beba essa água e fique calado.

Edward me olhou amedrontado e pegou o copo da minha mão.

- E eu pensando que Bella era a mais quietinha... – Jasper gargalhou.

- Minha mulher é um furação Jasper.

Recolhi algumas latas que estava sobre a mesa e antes de voltar de novo para a cozinha falei com Edward.

- Acho que está na hora de irmos embora. – Cerrei os olhos.

- Viu, ela já está com saudades.

Bufei.


POV Edward





- Ei mãe... – Escorreguei pelo sofá, parando ao lado dela. – Me da um presente?

- O que você quiser.

- Deixa Anthony e Meg dormir aqui? – Pedi em um sussurro – Só hoje.

- Querido, não há nenhum problema nisso, mas e Bella?

Sorri.

- Eu resolvo com ela.

Levantei-me do sofá e segui saltitando até a cozinha. Minha mulher estava jogando algumas latas de cerveja no lixo. Eu a abracei por trás.

- Está nervosa comigo? – Mordisquei a orelha dela.

Ela suspirou e virou-se de frente para mim.

- Não posso ficar com raiva de você, não na situação que você se encontra.

Rolei os olhos

- Não estou chapado. – Apertei a cintura dela e a ergui, sentando-a na pia.

- Edward... – Ela me empurrou descendo – Não estamos em casa, aqui é a casa da sua mãe e você sabe que...

- “Eu nunca vou fazer amor com você na casa da sua mãe” – Completei, imitando sua voz. – Mas não é sobre isso que vim aqui delicia. – Prensei o corpo dela contra a pia. – Minha mãe se ofereceu para ficar com Thony e Meg hoje, sabe, presente para mim.

Bella arqueou a sobrancelha esquerda.

- Ela ofereceu isso mesmo?

- Bem, na verdade fui eu quem pedi.

- Edward...

- Qual é Bella. Eles não vão morrer. É só uma noite. Eu e você. Sozinhos. Casa vazia. Gemidos altos.

Ela escorregou sua mão por meu braço.

- Thony é tão pequeno...

- Por favor amor.

Ela mordeu os lábios.

- Tudo bem. Eu vou pegar a bolsa e separar as coisas dele.

- Sim senhora.

Soltei ela. Bella saiu dos meus braços e virou-se em direção a porta. Dei um tapa naquela bunda gostosa.

Ela se virou ruba.

- Edward!

- Delicia.

[...]

- Sério amor, vamos pegar um resfriado! – Bella resmungou enquanto me acompanhava pelo quintal de nossa casa, no sereno.

- Mas precisamos achar Bob, ele não pode ficar na chuva.

De repente, a imagem de Bob espirando, com febre e logo depois morrendo, se formou em minha cabeça. Reprimi minhas lágrimas.

Voltei assoviar, mas o cachorro não apareceu.

- Vem, vamos entrar. – Bella me puxou em direção a garagem.

- Vamos entrar pelos fundos? Porque?

- Estamos molhados. – Ela começou a se despir, ali, na garagem.

- Hmmm, como você conseguiu ver. – Puxei o cós da minha calça. Meu pau estava duro, mas não molhado – Acho que ta errada... você deve estar molhada.

- Edward estou falando de nossas roupas.

- Ah... disso. Hm.

Ela veio rindo até mim e me ajudou a me despir.

Fiquei apenas de boxer e ela de calcinha e sutiã. Lambi meus lábios. Enquanto entravamos na cozinha pela porta da garagem eu a abracei por trás, encaixando meu rosto em seu ombro.

- Amor, você faz xixi na caixa de areia? – Perguntei. Ela se virou confusa. – Porque você é uma gatinha.

- Ok, vem para o quarto.


Deixei-me ser puxado por aquela mulher, por ela eu iria até ao inferno.

- Deite-se ai. – Ela me empurrou na cama, mas agarrei seus quadris, fazendo-a vir para cima de mim. – Vamos tomar um banho primeiro?

- Porque se vamos suar? – Apertei sua bunda.

Ela gemeu enquanto ria.

- Tudo bem. – Minha mulher se livrou dos meus braços – Fique ai, vou colocar aquele seu outro presentinho.

- Estarei esperando. – Me esparramei pela cama olhando-a rebolar até o closet, pegar algo e ir para o banheiro.


POV Bella


Me olhei de novo no espelho do banheiro. Sério, nem eu estava acreditando que estava vestindo aquilo. Ajeitei em minha cabeça as orelhas de coelhinha.

Era ridiculamente sexy.

Eu estava trajando um espartilho preto com o símbolo da PlayBoy, a mulher do sexy shop disse que era a  única que tinha. Acredite, eu ganhei um chicote de brinde.

Ajeitei minha meia calça rendada e a cinta-liga.

Sai do banheiro e caminhei até a cama. Edward estava deitado de barriga para cima com os braços sobre o rosto.

- Amor... – Sussurrei manhosa. Ele não respondeu. Voltei a chamá-lo e nada. Sentei-me na cama e tirei os braços dele do rosto. – Ah não... – Choraminguei. Inclinei-me para frente, talvez ele estivesse brincando, mas não... Edward realmente havia dormido.

Magoada e desanimada, deixei meu corpo tombar para o lado.

Suspirei arrancando aquelas ridículas orelhas de coelhinhas e a atirando no chão. Apoiei-me em meu cotovelo para observá-lo.

Ok, ele não tinha culpa. Eu não podia brigar por ele ter bebido demais se isso o fez feliz.

Deitei-me mais perto dele, aconchegando-me em seu peito.

Era horrível dormir excitada.


POV Edward




Apertei o pequeno corpo quente que estava sobre meu peito.  Abri meus olhos devagar e aos poucos fui reconhecendo o lugar onde estava. Era meu quarto. A escuridão do quarto indicava que ainda não havia amanhecido.

Suspirei puxando o edredom para cima de mim. Chovia lá fora.

Bella rolou do meu peito para o outro lado da cama. Foi então que eu percebi a roupa que ela usava. Forcei minha vista, tentando com a pouca claridade que tinha no quarto.

Ela vestia algo preto. Escorreguei meus dedos por sua cintura sentindo o tecido na ponta dos meus dedos.

Em um movimento rápido me sentei na cama.

Droga! Eu havia mesmo dormido?

Fechei os olhos me lembrando de algumas coisas...

- Deite-se ai. – Ela me empurrou na cama, mas agarrei seus quadris, fazendo-a vir para cima de mim. – Vamos tomar um banho primeiro?

- Porque se vamos suar? – Apertei sua bunda.

Ela gemeu enquanto ria.

- Tudo bem. – Minha mulher se livrou dos meus braços – Fique ai, vou colocar aquele seu outro presentinho.

- Estarei esperando. – Me esparramei pela cama olhando-a rebolar até o closet, pegar algo e ir para o banheiro.

Droga, droga e droga!

Liguei o abajur e pude admirar sua fantasia. Oh Deus, ela estava tão gostosa. Me arrastei para mais perto dela e a abracei por trás, impulsionando meu quadril contra sua bunda.

Deixei um gemido escapar de meus lábios. Escorreguei minha mão pela lateral de seu corpo enquanto enterrava meu rosto em seus cabelos.

Praguejei quando o telefone tocou. Me soltei de Bella e inclinei-me sobre ela, pegando o aparelho. Porém, isso não impediu que ela não acordasse.

- Alô? – Atendi, sem tirar meus olhos dela.

Quem era o inútil que estava me ligando às 3 da madrugada?

Bella se mexeu debaixo de mim, abrindo seus lindos olhos castanhos.

Hm... Ainda estão acordados. – Minha mãe riu do outro lado da linha.

- Mãe, algum problema? – Indaguei e  Bella arregalou os olhos preocupada, fez menção de falar mas eu pressionei meu dedo em seus lábios sedosos.

Bom, só quero saber o que é... espera... – O telefone chiou e logo ouvi a voz infantil de Anthony, ele gritava “Á!”. Eu ri. – Por favor, o garoto está pendido algo e eu não sabemos o que é.

- Mãe. – Ri mais um pouco – Ele só está com sede, quer água.

Deixei o peso do meu corpo cair sobre o de Bella. Ela me abraçou e aproximou a orelha do celular para ouvir nossa conversa.

Ah... “Á” é isso? Água? Droga... porque não pensei nisso antes.

- Ele está tranqüilo? – Indaguei.

Sim. Devo dizer que ele é um anjo de criança, deve ter puxado Bella quando era bebê, porque você... Deus, fez com que eu e seu pai passássemos meses sem sexo.

Bella riu. Eu rolei os olhos.

- Mãe!

Ok querido, já estou desligando. Dê um beijo em Bella.

- Darei vários.

Boa noite querido.

- Boa noite mãe. – Coloquei o telefone na base e voltei a olhar Bella.

- Algum problema com Thony?

- Não amor, ele apenas acordou com cede. – Torci os lábios – Me perdoe amor...

- Pelo que exatamente?

Segui o formato de seu decote com a ponta dos meus dedos.

- Eu dormi.

- É... eu percebi.

Ela vez aquele bico irresistível.

- Ainda posso aproveitar meu presente?

Ela continuou com seu bico e olhou para mim rindo.

- Acho que não, seu aniversário já acabou...

- Por favor...

- Não faz assim... – Minha mulher mordeu meu queixo – Tudo bem estou excitada.

Rolei para o lado, trazendo-a comigo. Sua boca engoliu a minha enquanto minhas mãos apertavam sua bunda.

- Ô delicia...

- Edward! – Bella riu se afastando. – Amor, se vamos fazer isso quero fazer direito.

- E eu por acaso faço errado? – Franzi a testa.

Ela voltou a rir.

- Não delicia, estou falando que quero tomar um banho antes de começarmos a fazer amor. – Torci os lábios, mas assenti. Bella saiu de cima de mim, fazendo-me babar. Por instinto, levei minha mão para dentro de minha boxer. – Vai mesmo começar sem mim?

Me apoiei em meus cotovelos e suspirei frustrado.

- Vou te esperar.

Assenti.

- Prometo que serei rápida dessa vez. – Ela ironizou – E por favor, não durma.

Ela correu para o banheiro e eu me levantei. Sai do nosso quarto e desci para a cozinha. Encontrei uma garrafa de vinho, o saca-rolhas e duas taças.

Tenho certeza que não demorei muito, mas quando estava saindo da cozinha me esbarrei nela.

- Uau, foi rápida mesma.

- Era só para despertar e eu estava um pouco suada. – Ela resmungou – Droga, essa roupa coça.

A olhei de cima abaixo. Bella estava com os cabelos molhados e trajava a roupa de coelhinha safada, porém, agora, havia uma orelhinhas fofas em sua cabeça.

Voltei até a cozinha e coloquei as taças, o saca-rolha e a garrafa sobre a pia.

- Deixa que eu do um jeito nisso.

A prensei contra a parede, esmagando meus lábios nos dela. Suas mãos voaram para meus cabelos, puxando-me para mais perto dela. Ergui seu corpo, prendendo-a em minha cintura. Caminhei até a mesa com ela e a sentei ali. Deslizei minhas mãos por suas coxas, apertando-as.

- Amor... – Ela gemeu jogando a cabeça para trás, aproveitei para lamber todo seu pescoço. – Sabe, eu queria que essa noite estivesse sido mais especial para você.

Afastei-me dela.

- Está sendo especial amor. – Corri minhas mãos por suas costas e desatei o laço que prendia o espartilho em seu corpo. – Mas você pode me deixar tirar uma foto, sabe, pra recordação.

- Não. – Ela riu. – Imagina se as crianças vêem.

- Prometo não deixar isso acontecer.

- Não amor.

- Por favor...

Bella bufou e eu sabia que havia ganhado. Corri dali até a sala, pegando meu celular. Voltei para a cozinha e ela ainda estava sentada sobre a mesa.

- Ok gostosa, faz uma pose bem sexy para mim.

Ela riu. Cruzou as pernas, mordeu os lábios e arqueou uma sobrancelha.

Droga, eu quase gozei.

- Você está delicioso com essa boxer...

Bati a foto e joguei meu celular sobre o armário. Voltei até Bella me encaixando no meio de suas pernas e voltando a fazer o que eu não havia terminado.

- Porque a pressa? – Minha coelhinha-ninfomanica-safada perguntou, enquanto eu me apressava em retirar o espartilho de seu corpo.

- Porque eu estou louco para ter você.

Voltei a prender suas pernas ao redor de mim e a retirei da mesa, carregando-a para a sala. Sentei-me no sofá com ela em meu colo. Descolei meus lábios dos dela e os desci até seus seios. Tão cedo, Bella se levantou do meu colo.

POV Bella


Eu cheguei mais perto dele... Seu rosto quase tocando minha barriga. Ele gemeu quando eu me ajoelhei á sua frente e com os dentes arrastei a boxer de seu corpo. Suas mãos agarraram meu cabelo me induzindo a continuar. Eu o livrei do tecido e fiquei de pé á sua frente, mais uma vez o estimulando.

- O que quer que eu faça? – Sussurrei manhosa.

- Porra... – Eu ri, era tão típico de Edward falar palavrão. – Eu. Quero que você se toque para mim.

Eu mordi o lábio inferior e abaixei minha meia-calça jogando-a em seu colo. Ele rosnou. E então eu o vi. Suas mãos deslizava por seu membro. Seus olhos nos meus, enquanto o movimento de seu punho rolava por seu membro duro. Eu arranquei minha cinta-liga e levei um dedo em meu clitóris; Edward murmurou alguns palavrões quando eu fiz isso. E quase instantaneamente seus movimentos se tornaram frenéticos e ele mordia os lábios, enquanto sua expressão se contorcia em luxuria.

Ele chegou ao orgasmo com um silvo e esperou que sua respiração se acalmasse. Eu sentei ao seu lado. E olhei para ele. Suas feições voltando ao estado mais brando.

- Uau... - Ele sussurrou.

Eu me ajoelhei no sofá e empurrei sua cabaça contra as almofadas. Posicionei-me no meio de suas pernas e encarei seu membro latente á minha espera. As veias azuis de antecipação. Eu o segurei com minhas mãos e ouvi Edward assoviar baixinho. Eu levei minha boca até seu membro, passando os dentes de leve pela cabeça.

- Bella – Ele gemeu.

- Feche os olhos e apenas... sinta, amor – Pedi. E então continuei com a iniciação. Eu levei todo seu membro em minha boca e ocasionalmente o retirando para dar leves sucções. Ele gemia constantemente e levantava os quadris, envolvendo mais e mais a minha boca com seu membro. Antes que ele gozasse em minha boca eu me afastei, e eu deixei que sua respiração voltasse ao normal para levar meu corpo até ele.

Eu desci e subi lentamente meu corpo no dele. Fazendo que nossos corpos se friccionassem.

Eu levei meus lábios nos seus e ele me beijou delicadamente. Uma contradição para a temperatura de nossos corpos. E então eu aprofundei o beijo, e ele levou suas mãos até meus cabelos; eu fiz o mesmo. Aparentemente Edward estava necessitando de estar dentro de mim tanto quanto eu.

- Não agüento mais brincar... – Ele murmurou me apertando contra seu corpo.

- Não vai mais precisar esperar amor. – A palma de minhas mãos apoiada em seu peito.

Ele apenas balançou a cabeça e fechou os olhos. E então eu lentamente me encaixei nele. Desci meu corpo sobre o dele de forma lasciva, porém delicada.

Ele agarrou meus quadris e os apertou tão firmes que eu achei que estivesse com dor. Sua expressão era indecifrável. Deliciosa. Ele, ainda de olhos apertados, deixou escapar uma pequena seqüência de murmúrios e gemidos, à medida que eu me movia, trazendo-o mais para dentro mim. Edward era delicioso. Tudo contribuía para meu prazer. O som, o cheiro, o ambiente, seu corpo, seu calor, seu desejo, o amor, á fascinação, o sentimento.

A sensação de tê-lo comigo era poderosa, intensa. Eu me movia com movimentos complexos, lenta e deliberadamente. Ele segurou firme na lateral de meu corpo e subiu seu quadril ao meu encontro, fazendo meu corpo tremer – penetrando caminhos que me davam prazer em abundancia. Eu gemi e ele percebeu, repetindo o ato. Eu apoiei minhas mãos em seu peito e deixei minha cabeça cair para trás quando ele subiu seu quadril mais uma vez e eu quase podia senti-lo forçando barreiras em mim. E então ele parou lá dentro; eu grunhi baixinho e arranhei a sua pele.

- Gosta disso? – Perguntou maravilhado. Sua voz meio rouca. Eu apenas aquiesci e deixei que ele guiasse.

Eu gemi quando ele agarrou minha bunda e elevou seu corpo mais uma vez e entrou com força em mim. E então eu o ouvi rosnar e apertar-me de forma mais intensa.

- Amor! – Gemi. Eu abri meus olhos e o vi mordendo os lábios e os olhos bem apertados. – Não me maltrate...

Ele manteve nossos corpos conectados enquanto se sentava novamente.

- Agora é minha vez um pouquinho...

Deixei que ele fizesse o que queria. Edward me deitou no chão da sala e voltou a me penetrar. Seus lábios quentes e deliciosos morderam os meus. Assim que ele abriu os olhos eu sorri para ele. Escorreguei minhas mãos por suas costas suada, parando em sua cintura e o apertando mais contra mim.

- Ande logo amor... – Implorei.

Ele deixou escapar uma risada, mas começou a se mover sobre mim.

Voltei a fechar meus olhos apreciando aquele momento. Senti uma de suas mãos apertando meus seios, enquanto seus movimentos se tornavam mais rápidos.

Apertei minhas pernas ao redor de seu corpo.

E não demorou muito para que alcançássemos o ápice de nosso amor.


(...)

Rolei até seu lado e encostei a cabeça em seu pescoço, lambendo a pele exposta e suada. Eu passei a palma de minha mão por seu peito novamente.

 Ele apoiou-se pelos cotovelos e me encarou.

- Eu te amo... – Sussurrou, como se aquilo fosse um segredo.

Eu gargalhei.

- Eu também te amo amor.

Ainda estávamos deitados no chão da sala. Edward havia subido ao nosso quarto e pegado lençóis para forrar o chão. Agora estava ali, entrelaçados um no outro, enquanto degustávamos um vinho que ele também trouxe.

Eu semicerrei os olhos e abri minha boca, mas antes então que eu pudesse proferir alguma palavra ele minha boca docemente, sua língua brincando com o canto de meus lábios. Ele segurou em meus cabelos e quase no mesmo instante aprofundou o beijo apertando cada linha de seu corpo no meu. Eu podia sentir no meio de minhas pernas seu membro roçando em mim.

- O que mais você quer? – Perguntei em tom de brincadeira.

Ele me olhou atrevidamente.

- Fingir que ainda é meu aniversário.

- Humm. – Suspirei.

Ele se apoiou sobre as mãos em cima de mim, e deixou beijos quentes por meu pescoço e colo. Ele então continuou. Levou uma mão até meu mamilo esquerdo e o acariciou levemente. Eu engasguei com o calor de suas mãos em meu corpo necessitado. O que pareceu incentivá-lo. Ele então desceu sua cabeça em mim e eu o senti passar a língua em minha pele. Eu gemi.

Senti seu membro roçar em mim novamente.

Edward continuou raspando seus dentes por meus mamilos, porém sua mão direita descia sobre minha barriga lentamente. Eu fechei os olhos e deixe que aquela sensação me consumisse. Toque, aquele toque. Gemido. Respiração ofegante. E então de repente a sensação de abandono me inundou. Eu abri meus olhos e vi Edward olhando para mim de forma lasciva. Seus olhos encontraram os meus ele engoliu em seco.

- Continue... – Pedi.

Eu acompanhei com o olhar o movimento sutil que ele fizera ao se abaixar no meio de minhas pernas. Eu me contorci de antecipação, imaginando que em poucos segundos eu estaria sentindo seus lábios, sua língua, seus movimentos em mim.

Seus dentes rasparam meus lábios íntimos, fazendo-me levantar meus quadris contra seu rosto. Sua língua me prendia de uma forma incrível. Ele engasgou com a forma que me contorcia ao senti-lo sussurrar contra minha carne inchada. Seus movimentos se tornaram erráticos e deliciosos, eu repuxava seus cabelos, enquanto suas mãos seguravam meus quadris no chão. Eu realmente perdi todo o e qualquer controle. Sua língua penetrou minha entrada e eu podia sentir meu orgasmo vindo. Totalmente. Ele levantou meus quadris a um palmo do chão e eu abri meus olhos, tudo o que eu via era a confusão de seus cabelos de sexo espalhados por minhas pernas.

- Oh céu! – Eu tranquei minha respiração ao sentir a fricção direto em meu centro nervoso. Seus dentes repuxavam a carne de meu clitóris e sua língua me penetrando... devagar. – Porra. Sim, isso amor. – Eu já não poderia agüentar mais. Porque quando meu orgasmo chegou quase morri, eu não poderia explicar como me senti. Morta, saciada, feliz, excitada.

 Eu abri meus olhos e vi Edward me observando. Um meio sorriso no rosto perfeito e nada inocente

- O que? – Perguntou.

- Isso foi delicioso.

Ele lambeu os lábios.

- Ainda sinto o seu gosto e o do vinho em minha boca.

Edward beijou minha barriga e me olhou com os olhos semi-abertos.

- O que? – Foi minha vez de perguntar.

- Bella, quero mais um filho seu.

Eu fiquei sem reação.

- Amor, nós já temos um filho, ou melhor dois.

- Eu sei. – Ele torceu os lábios – Eu amo ser pai, você poderia me fazer mais feliz que já sou.

Ri baixinho.

- Acabei de ter um. Você não tem dó do meu corpo?

Ele rolou os olhos e veio se sentar ao meu lado. Rolei para cima dele, deitando no meio de suas pernas.

- Eu já disse que você é gostosa de qualquer jeito. – Suspirou, deslizando seus dedos por minha pele descoberta. – Imagina mais um bebê aqui em casa...

- Amor, eu quero ter muitos filhos com você. – Me apoiei em meus braços, ficando frente a frente com ele – É tão difícil cuidar de Thony, dar atenção a ele e a Meg tendo um trabalho como o nosso, imagina outro bebê. – Beijei seus lábios, que formavam agora um lindo bico – Podemos esperar mais um pouco para não ficarmos sobrecarregados.

- Você tem razão. – Ele sorriu pegando seu copo que estava no chão e bebericando o vinho. – Eu espero.

- Fique tranqüilo, vamos ter uma penca de filhos.

- Temos que ter fazer o seguinte, dependendo da quantidade de meninas, teremos que ter o dobro de meninos, sabe... para eles me ajudarem a tomar conta.

- Sim. Senhor Ciumento.

Não sei direito quando tempo levou para dormirmos, só me lembro que foi ali mesmo... no chão da sala.


POV Edward


Bella dormia exausta em meus braços.  Eu devia estar dormindo já que amanhã, ao contrario dela, eu trabalharia.

Escorreguei meu polegar por sua bochecha levemente rosada por conta do vinho.

Ela era linda.

Me aconcheguei ao seu lado, puxando-a contra meu peito.

(...)

Acordei com a voz chorosa de Bella. Cocei os olhos e percebi que o sol já havia nascido.

Olhei para minha mulher que se remexia impaciente em meus braços. Franzi a testa confuso.

- N-não pode ser... – Ela começou a sussurrar junto com palavras desconexas.

- Bells... – Eu a abracei, chacoalhando-a.

- Não... não...

- Amor, acorde.

Ela abriu os olhos todo vermelho. Não por ter dormido pouco, mas sim pelas lágrimas que escorriam dali.

- Edward... Edward... – Ela se agarrou a mim.

- Ei princesa... Shhh... foi só um sonho.

- F-foi horrível. Você... o carro... eu... oh Deus!

Voltei a abraça-la.

- Se acalme amor, eu estou aqui.

Ela assentiu se agarrando mais a mim. Beijei sua testa enquanto ela se acalmava.

- Quer conversar sobre esse sonho? – Indaguei.

- Agora não... eu apenas quero esquecer.

<<< Capitulo 3 (Parte I)                               Capitulo 4 >>>

3 comentários:

Esther disse...

Posta maaaaaaaaaaiss.
Faz bastante tempo que você não posta nessa fanfic.
Essa é a que eu mais adoro.
Por favor.
Você sabe porque o twilight brasil fanfics não está funcionando?
Faz bastante tempo que não está no ar.
bjs. xau.

Clessy Magalhães disse...

Oxi... Cadê o resto?... eu quero saber o que ela sonhou! O Edward vai sofrer um acidente?...(suspense no ar!)... O que será que vai acontecer?... Posta por favor!!! faz bem pro coração das leitoras!!! Bjos...

Giulia Walker disse...

Poxa, voce retirou a Cah e o Jake? E a Mah? aaaaaaaah mas eles eram os mais engraçados da historia! Principalmente a Cah! Sempre ria muito com ela. Coloca de voooolta por favor, aaah e posta mais nessa fanfic to ansiosa.

Postar um comentário