Bem vindos ao Fanfics da Cah. Sou Camila Cocenza, futura garota de programa! E não, não é o que estão pensando, apenas pretendo cursar Engenharia da Computação. Para mais informações: cahcocenza@hotmail.com

02/07/2011

Deixe-me Te Amar - Epilogo (Final Feliz)

N/A: Demorou, mais chegou...
Bom, como o titulo indica, o final é feliz (: Espero que gostem.

Logo, o final infeliz (nem tanto assim) vem ai. Eu estou me emocionando enquanto escrevo ele.

Aproveitem!!!

Epilogo


POV Edward

Ainda sonolento me sentei em minha cama esfregando meus olhos.

O choro alto e agudo de Anthony me despertou.

Levantei-me e caminhei até seu berço. Meu garoto chacoalhava os bracinhos e as perninhas enquanto se esgoelava. Toquei seu pequeno rostinho vermelho, fazendo-o se acalmar.

- Shhh... – Sussurrei. – O papai está aqui. – Com cuidado eu o retirei do berço.

Isabella fazia tanta falta nessas horas...

Peguei o seu cobertor e com Anthony enrolado desci para o andar debaixo com ele em meus braços. Seu choro havia cessado, agora, ele apenas resmungava baixinho.

Abri a geladeira e tirei sua mamadeira com leite de lá. Peguei a leiteira no armário e acendi o fogo.

Ok, eu estava expert em arrumar mamadeiras.

- Pronto. – Ri baixinho, trazendo-o até meus lábios. – Em poucos minutos você estará com sua mamadeira na boca. – Me sentei numa cadeira e toquei seu narizinho. – Você é tão parecido com sua mãe... – Escorreguei meus dedos por seus ralos cabelos loiros, pelo menos isso ele havia puxado de mim e eu esperava que fosse só isso mesmo. – Lindo como ela.

Seus lábios arreganharam um sorriso. Meu menino sorria 24hrs por dia.

Assim que sua mamadeira ficou pronta subi com ele de volta para meu quarto. Sentei-me na cama apoiando minhas costas na cabeceira. Coloquei-o naquela típica posição de ninar, dando-lhe seu mama.

Seus pequenos olhos azuis se fecharam enquanto seus lábios sugavam o leite morno.

Anthony estava com quase sete meses. Era incrível como aquela criança crescia rápido. Não pude de deixar de imaginar o futuro: Ele grande, forte, lindo, brincando comigo de futebol.

Sorri.

Voltei a admirá-lo. Seus olhos já estavam fechados e sua boca havia parado com as sucções.

Coloquei a mamadeira na mesinha de cabeceira e deitei Anthony ao meu lado. Puxei minhas cobertas para cima de nós e o abracei, apertando aquele minúsculo corpo contra o meu.

Não demorei muito para pegar no sono, já que eu havia passado o dia todo no escritório e parte da noite acordado.

[...]

Abri os olhos e os fechei por conta dos raios de sol que rompiam por minha janela. Pequenos dedinhos beliscavam meu peito e logo senti algo melado em meu braço. Abri os olhos com dificuldade e sorri. Anthony estava de bruços na cama, sua boca estava colada em meu braço babando ali enquanto seus dedinhos apertavam a pele do meu tórax.

- Bom dia filho. – Sussurrei.

Ele se remexeu um pouco, mas não acordou.

Levantei-me da cama e antes de ir ao banheiro fazer minha higiene matinal eu o deixei em seu berço. Voltei para o quarto e coloquei uma calça.

Assim que desci as escadas eu a vi. Bella estava toda encolhida no sofá ainda trajando a roupa do hospital.

Rolei os olhos.

Aquilo era bem típico dela.

- Bom dia Sr. Cullen. – Marie me cumprimentou em um sussurro.

Sorri para ela.

- Bom dia. Ela dormiu aqui de novo – Torci os lábios.

- Sim.

Caminhei até o sofá. Passei um dos meus braços por baixo da perna dela e o outro por de baixo de sua nuca. Subi as escadas com calma, tomando cuidado para não acordá-la.

Mesmo com a cara amassada... Ela estava linda.

Com dificuldade, abri a porta do quarto e a deitei em nossa cama. Antes de me afastar beijei seus lábios. Fui para a beira da cama e me ajoelhei ali, retirando suas sandálias subi um pouco mais e abri o zíper de sua calça puxando-a de seu corpo.

- Edward... – Ela sussurrou se remexendo. Subi mais um pouco pela cama. Agarrei a barra de sua camisa branca erguendo-a e deixando a mostra aquela barriga lisinha. – Hm... Você poderia ter me acordado para fazermos isso junto.

Soltei sua blusa e me afastei.

- Não! – Neguei com a cabeça e com as mãos – Não é o que você está pensando... – Passei a mão pelos cabelos todo sem graça – Eu estava tentando te deixar confortável para dormir.

- Sei... – Minha mulher riu se esticando na cama.

- Isa!

- Estou brincando Edward. – Suas pernas enlaçaram minha cintura, puxando-me para cima do seu corpo. – Mas agora que eu acordei...

Deslizei minhas mãos por suas coxas, acariciando-as.

- Agora que você acordou nada, você vai descansar. – Tirei suas pernas de minha cintura e me levantei da cama. – A que horas chegou? Acordei de madrugada para arrumar mamadeira para Anthony e você ainda não havia chegado.

Ela fechou os olhos e fez uma careta.

- Cheguei faz pouco tempo. Acho que era quase oito da manhã.

- E porque não veio para nosso quarto?

- Estava cansada, quando vi o sofá não resisti.

Apoiei um joelho na cama colei minha boca na dela.

- Então durma um pouco.

- Você fica aqui comigo? – Ela mordeu os lábios abrindo os braços para mim.

- Fico. – Me deitei ao lado dela, prendendo-a em meus braços – Agora descanse amor.

- Só depois que você disser aquilo...

Franzi a testa, me fazendo de desentendido.

- Aquilo o que?

- Edward!

- Estou brincando amor. – Ri, acariciando seu rosto – Eu te amo.

- Eu sei.

- Então porque pediu para eu falar?

- É sempre bom ouvir você dizer.

Rolei os olhos. Enquanto Isabella começava a cair no sono eu a admirava.

Fechei os olhos sentindo um aperto em meu peito. Deslizei a ponta dos meus dedos por seu rosto. Droga, eu fiz tanto mal para aquela mulher... Quase a perdi. Apertei seu corpo mais ainda em meus braços, com medo de soltá-la e perdê-la.

Eu havia ganhado uma segunda chance e nunca, nunca iria desperdiçá-la.

Bella me ensinou tantas coisas. Ensinou-me a amar, sim o amor existe e só porque alguém não ama do jeito que queremos que ame não significa que esse alguém nos ame com tudo que pode. Ensinou-me também que não importa quão boa ou má seja uma pessoa, nós precisamos aprender a perdoá-las por seus erros.

Toda noite antes de dormir, ou toda manhã quando acordamos juntos eu peço perdão a Bella, e mesmo ela me perdoando eu sei que o que fiz a ela e ao nosso filho nunca vai se apagar da minha memória.

Agora, eu sabia que sempre a amei apenas não sabia como demonstrar ou viver aquilo.

Bella me fez um novo homem, um homem capaz de perdoar até mesmo sua mãe. No fundo eu estava aliviado. Agora não existiam mais mentiras, não existia mais ódio ou qualquer outro tipo de sentimento ruim. Enfim, não existia mais nada que me prenderia posso dizer que hoje sou um homem que ama e é amado.

Era isso que sempre faltou em minha vida: O Amor...

[...]

- Certo. – Sorri – O que vocês duas estão fazendo aqui?

- Viemos ver nosso neto. – Minha mãe, Elizabeth, respondeu.

Depois que Bella sobreviveu e me perdoou eu pude entender o sentido da palavra Perdoar. E foi por isso que depois que a vida da minha mulher estava mais fora de risco eu fui visitar minha mãe. Ela estava em um estado deplorável, mesmo com aquelas lembranças me atormentando eu sabia que o certo a fazer era perdoá-la. Por mais cruel e desumano que tenha sido as atitudes dela as minhas não estavam muito longe. Perdoar é uma das coisas mais difícil de fazer na vida, mas apenas alguém que precisou ser perdoado sabe o quão grande é o poder dessa palavra. E além do mais nosso tempo é curto e desperdiçá-lo com ódio, raiva, rancores... é uma idiotice maior ainda.

Nada foi tão fácil como parece. No começo, Isabella continuou na casa de Emmett, eu ia visitar ela e o meu filho após o trabalho, foi assim – com meu jeito irresistível – que eu a conquistei e depois de três meses ela voltou para casa e foi então que eu pude amá-la pela primeira vez. Mas realmente foi difícil demonstrar a ela que o que eu sentia era verdade, não posso julgá-la... Depois de tudo o que fiz,como acreditar na minha palavra?

- Passamos no shopping e compramos varias coisas – Minha outra mãe, não menos importante, Esme, ergueu as sacolas.

- Sério, vocês duas vão estragar meu filho... – Dei espaço para que elas entrassem – Entrem.

- Onde está aquela coisinha linda?

- Ele ainda está dormindo. – Rolei os olhos quando ouvi o choro de Anthony – Ele estava dormindo, vem, vamos pega-lo.

Subi a escada apressado, mas quando estava chegando ao quarto o choro do garoto havia cessado. Abri a porta e vi Bella retirando-o do berço.

- Shhh amor, a mamãe está aqui.

- Quase nua, mas está.

Bella virou-se em direção a voz de Esme e sorriu.

- Esme, Elizabeth... – A ficha da minha mulher pareceu cair, ela passou os olhos pelo próprio corpo e corou – Oh... – Bella esticou nosso filho para mim. Ri pegando Anthony de seu colo, ela correu para o banheiro e voltou com um hobby sobre o corpo. – Me desculpe eu estava dormindo, não sabia que estavam aqui.

- Sem problemas querida. – Minhas duas mães responderam juntas.

Logo Elizabeth puxou Anthony dos meus braços. Passei a mão pelo rosto incrédulo, as duas viviam brigando para tentar saber quem ficaria com ele, o pior era quando Emmett estava junto.

- Elas acabaram de chegar amor. – Sorri esticando minha mão para segurar a de Isabella.

- E trouxemos presentes – Esme ergueu sua sacola.

- Vocês não deviam fazer isso... – Bella resmungou.

- É nosso primeiro neto, deixe a gente mimá-lo.

As duas saíram do quarto carregando meu filho junto.

- Oh Deus... Elas vão fazer meu filho de boneca mais uma fez.

Desci meus olhos pelo Hobby de seda e puxei o laço, abrindo-o.

- Vamos aproveitar que minhas mães estão aqui e vamos brincar também?

- Edward! – Ela me empurrou e correu para a cama, fui atrás dela e joguei meu corpo sobre o seu. – Seu tarado!

- Sou tarado por você amor.

Ela estava de bruços eu aproveitei para beijar sua nuca enquanto minhas mãos escorregavam pela lateral de seu corpo.

- Edward! Esme e Elizabeth estão aqui, pare com isso...

Pressionei meu quadril contra a bunda dela fazendo-a gemer baixinho.

- Vamos fazer amor?

- Agora não...

- Por favor...

- Não.

- Sim.

- Não!

- Não.

- Sim.

- Ok, tente gemer baixinho, tudo bem princesa?

- Edward!

- Deixe-me Te Amar princesa... – Pedi de novo. Ela rolou para o lado, saindo de baixo do meu corpo.

- Você sabe que eu não consigo controlar então é melhor não.

Fiz um enorme bico. Bella riu mordendo minha boca.

- Você é tão má... – Choraminguei.

Minha mulher me ignorou, levantou-se da cama e foi até o closet.

- Vou tomar um banho e já volto.

Assim que ela entrou no banheiro eu me despi e fui atrás dela. Abri o Box e a observei. Bella sussurrava uma musica enquanto lavava os cabelos, os olhos fechados, a boca entreaberta, seu corpo molhado...

Entrei no Box e fechei a porta de vidro. Eu a abracei por trás e corri meus lábios por seu ombro.

- Oi.

- Edward, você é impossível!

- Pois é amor. – Ri virando-a de frente para mim e colando nossos lábios.

Escorreguei minha mão para sua cintura e a ergui. Suas pernas enlaçaram minha cintura e seus braços passaram ao redor do meu pescoço.

- Você sempre consegue o que quer. – Ela resmungou jogando a cabeça para trás dando espaço para que eu usufruísse de seu pescoço.

- Eu sei princesa, você me deixou muito mimado.

Suas mãos agarraram meus cabelos e forçaram-me a deixar seu pescoço para beijar sua boca. Não tínhamos muito tempo, pois como eu conhecia bem meu filho logo ele estaria abrindo o berreiro querendo mamar.

- Vem logo amor...

Tirei uma de suas pernas da minha cintura e a coloquei no chão. Abaixei um pouco meu quadril encaixando meu pau em sua entrada. Antes de deixar meu membro escorregar para dentro de sua apertada boceta eu colei nossos lábios prevendo os gemidos altos que com toda certeza ela soltaria.

Desloquei meu quadril, forçando sua entrada abrir para me acolher.

Fiquei ali por algum tempo, sentindo seu núcleo quente me apertando, dilatando ao redor de mim.

Abri meus olhos buscando os dela.

Colei minha testa na sua enquanto continuava meus movimentos frenéticos de vai-e-vem.

- Eu amo você princesa...

Seus olhos castanhos reviraram-se e suas unhas deslizaram por minhas costas. Ela não respondeu, apenas abriu os olhos e me puxou para mais um beijo. Meus movimentos tornaram-se lentos e calmos, fazendo ela gemer baixinho em meu ouvido.

Era incrível como ela ficava tão alienada enquanto estávamos fazendo amor. Uma bomba poderia explodir e ela ainda continuaria rebolando contra mim, gemendo meu nome e arranhando minhas costas.

- Edward... mais...

- Isa.

Ela riu entre gemidos.

Seu corpo começou a ficar gelado e tremulo em minhas mãos, a tirei da parede e abracei seu corpo embaixo do chuveiro.

- Não para... – Bella implorou mexendo-se contra mim.

Voltei a colocá-la contra a parede e continuei a fazer o que estava fazendo antes. Dando prazer a minha mulher.

Os olhos dela se apertaram e sua boceta mastigou meu pau, contraindo-se varias vezes.

- Você vai...

- Sim, eu vou...

Bombei mais rápido dentro dela, alcançando ao ápice junto com ela.

A retirei do meu colo e fomos para baixo do chuveiro.

- Foi rápido mais foi bom. – Beijei a testa dela.

- Sempre é bom amor.

Devorei a boca dela em um beijo lento. Terminamos nosso banho, nos trocamos e descemos para o andar debaixo.

- Bom, nem quero saber o que vocês dois estavam fazendo lá encima... – Esme torceu os lábios, assim como Elizabeth.

- Vocês têm a mente tão poluída! – Bella tentou mentir, mas ruborizou.

- Estávamos fazendo amor. – A abracei por trás – E bem gostoso.

Minhas mães riram da cara de Bella.

Anthony deu um gritinho esticando os braços para ela enquanto sugava os próprios lábios.

- Esta com fome bebê? – Minha mulher o pegou do colo de Elizabeth. Anthony deu mais um gritinho puxando o decote da regata que Bella usava.

- Esse é meu filho. – Ri sentando-me ao lado de Bella no sofá.

- Porque Edward? Você ainda anda puxando decotes por ai?

Arregalei os olhos e neguei com a cabeça.

- Só o seu, Isa. – Sussurrei baixinho em seu ouvido. Abracei-a pelos ombros e beijei seu pescoço, depois deitei minha cabeça no ombro dela, vendo Anthony sugar o meu seio. – Guloso.

Rimos quando ele balbuciou algo e se remexeu todo no colo de Bella, chutando o ar.

- Já pensaram em ter mais?

Olhei feio para Elizabeth.

- Não, um só está bom.

- Amor, por quê? – Bella me olhou confusa.

- Eu quase te perdi da ultima vez, não quero correr o risco de novo.

- Deixe de ser bobo, nós vamos ter pelo menos mais uns dois.

Torci os lábios fazendo-a rir. Era impossível tentar discutir algo com Bella, ela sempre ganhava.

- Ok, vamos ter quanto você quiser. – Beijei sua bochecha e sussurrei – Mas teremos que começar a treinar sabe, para fazer uns bebês lindos.

Ela corou.

- Urgh, vocês dois não conseguem ficar sem pensar em sexo por um minuto? – Mamãe Esme se levantou – Tenho que ir embora, Carl está me esperando em casa.

- Também tenho que ir embora.

Eu acompanhei as duas até a porta, quando voltei Isa e Anthony não estavam mais na sala. Fui para o quarto e os encontrei na cama. Minha mulher estava deitada na cama, com nosso garoto sentado em sua barriga, ela cantarolava uma musiquinha infantil para ele, fazendo-o gargalhar no final.

Sorri e continuei observando-os.

-... Agora deixe a mamãe respirar um pouco. – Isa pediu, mas Thony começou a resmungar – Filho, a mamãe não disse que não vai brincar com você, só espere um minutinho.

- Obedeça sua mãe. – Mandei, fazendo-o cessar o resmungo e me olhar com um beiço enorme.

- Amor, não fale assim com ele... – Bella o puxou contra seu peito, alisando os cabelos lisos dele.

Caminhei até o closet rolando os olhos.

- Você o mima muito Isa.

- Claro, é meu filho.

Retirei meu terno do closet e voltei a olhar para a cama. Anthony ainda tinha aquele bico nos lábios.

- Não faça esse bico para mim. – Resmunguei me aproximando deles – Você sabe como deixar o papai e a mamãe na sua mão. – Coloquei o terno sobre o sofá que havia ali e me sentei na cama, puxando-o para meu colo – Desculpa o papai.

Meu filho riu enquanto abria a boca para começar a chupar meu queixo.

- Vai sair?

- Sim Isa, mas volto rápido. – Sorri para ela – Vou apenas para a empresa assinar alguns papeis e volto para passar o dia com vocês.

- Certo.

Inclinei-me beijando sua testa e passei Thony para ela. Levantei-me da cama e fui me trocar no canto do quarto. Obvio que aproveitei a oportunidade para exibir meu corpinho gostoso, e Isabella não tirava os olhos de mim.

- Porque que, como qualquer pessoa normal, você não se troca no banheiro?

- Qual o mal em eu me trocar aqui no quarto?

Isa não respondeu nada, apenas voltou sua atenção a Anthony, mas de vez enquanto eu a pegava me admirando.

- Eu volto logo amor... – Comecei a abotoar minha camisa branca – E você poderá ter esse corpinho gostoso para você.

Ela deixou Thon y na cama e veio até mim rolando os olhos, retirou a gravata de minhas mãos e a pôs ao redor do meu pescoço.

- Pare de falar essas coisas perto de Anthony... – Isabella sussurrou, como se Anthony estivesse mesmo entendendo.

- Amor ele é um bebê ainda, não sabe nada sobre as coisas boas da vida. – Coloquei minhas mãos na cintura dela, apertando-a.

- Isso é o que você acha.

- Bom, de qualquer forma um dia ele vai saber mesmo o que é isso. – Fiz biquinho para beijá-la, mas ela se afastou rindo e finalizou o nó em minha gravata, ajeitando-a, depois se afastou e mordeu os lábios. – Não faça essa cara Isa...

- Que cara?

- Essa de quem viu um doce gostoso e quer comer.

- Edward!

Puxei ela para mim, roubando um beijo seu enquanto ela ainda resmungava. Anthony riu, fazendo-nos nos afastar.

Peguei minha pasta e sai de casa, eu realmente não tinha a intenção de demorar, queria passar o resto da tarde com Isabella e Anthony.

POV Bella

Eu estava deitada no sofá da sala com Anthony em meu peito quando a campainha tocou.

Suspirei desanimada.

Edward havia acabado de ligar avisando que já estava voltando, eu não queria visitas nesse momento... queria apenas aproveitar a tarde com meu marido e meu filho.

- Bella, visita para o Edward. – Marie parou ao lado do sofá. – James Brown.

Ao ouvir aquele nome todo meu corpo ficou tenso.

- Quem? – Me sentei, apertando Anthony contra meu peito.

- Isabella, querida... – James entrou na sala, parando ao lado de Marie – Vim fazer uma visitinha, estive fora da cidade e faz muito tempo que não vejo meu grande amigo Edward.

- Ele não está. – Me levantei com Anthony em meus braços. James cerrou os olhos, encarando meu filho – Você pode ir embora e voltar mais tarde, eu aviso Edward que você esteve aqui.

- Acho melhor eu esperar aqui. – Ele sorriu para mim, mordendo os lábios – Você se importa?

Olhei para Marie buscando ajuda, ela apenas me olhava confusa e indecisa.

- Eu... – Suspirei, tentando me manter calma. – Não, fique aqui, Marie lhe fará companhia enquanto coloco Anthony para dormir.

James travou o maxilar.

Olhei de relance para Marie enquanto subia as escadas. Já no meu quarto, fechei a porta e caminhei até a cama, colocando meu filho ali.

 Passei a mão pelos cabelos. Uma sensação horrível se apoderava de mim: uma mistura de nojo e medo.

As lembranças daquela noite vieram em minha memória... A boca nojenta de James sobre a minha, suas mãos em meu corpo.

Levantei-me da cama, correndo para o banheiro e vomitando.

Anthony começou a chorar, aprecei-me em lavar minha boca para voltar ao quarto. Quando cheguei lá minhas mãos tremeram. James estava inclinado sobre Anthony que tentava soltar sua pequena mãozinha da de James.

Caminhei até a cama e peguei Anthony.

- Saia do meu quarto. – Ordenei friamente.

- Filho de algum amigo de Edward ? – Ele apontou para Thony – Poderia ser até meu...

- Seu imundo, não diga idiotices! – Abri a porta – Saia do meu quarto e espere Edward na sala.

- Você realmente acha que eu vim ver Edward? – Ele rolou os olhos levantando-se. – Se ele tivesse um corpo gostoso como o seu eu até que concordaria...

- Não se aproxime de mim. – Dei um passo para trás.

- Fique tranqüila, tenho certeza que Edward não ira se incomodar. Prefere que façamos isso com o garoto aqui? Eu não me incomodo nem um pouco, criança não entende nada mesmo.

- Edward não é a favor disso! – Me desesperei – Saia agora do meu quarto!

- Olha, não estou com paciência. – A mão dele se fechou em meu braço, machucando-me.  No mesmo instante Marie bateu na porta, chamando-me. James colocou sua boca em minha orelha, sussurrando – Dê o garoto para essa empregada e diga para ela que irá procurar alguns documentos que preciso, invente algo.

Encarei seu s olhos e percebi que ele estava falando serio.

Puxei meu braço e respirei fundo tentando me acalmar. Abri a porta do quarto e Marie entrou olhando para os lados até encontrar James.

- Eu peguei a água que o senhor pediu.

- Ah sim. – Ele sorriu pegando o copo da mão dela – Obrigada. Eu ia ficar esperando lá embaixo, mas aproveitei para vim pedir a Isabella que procure alguns papeis meus que estão com Edward.

- Mas Edward não deixa tudo no andar debaixo? No escritório? – Marie franziu a testa confusa.

- Esses documentos estão aqui em cima. – Minha voz tremeu – Pode descer com Anthony?

- Claro.

Esperei ela sair e fechei a porta do quarto já sentindo as lágrimas escorrerem por meu rosto.

Não conseguia entender o porquê de aquilo estar acontecendo comigo. Edward e eu estávamos tão bem, desde que voltamos nunca mais chorei de tristeza, apenas de alegria.

- Fica tranqüila... – Fechei os olhos ao sentir o corpo de James atrás do meu – Vou fazer gostoso como da ultima vez... – O nariz dele roçou em minhas costas – Edward tem que se orgulhar por ter uma vadia como você em casa, deve ser uma delicia te comer o dia todo...

Eu só precisava saber de uma coisa.

- Edward sabe que você está aqui?

- Ele me deu passe livre para te comer quantas vezes eu quiser.

Um soluço escapou de meus lábios.

 Aquilo não poderia estar acontecendo...

O pesadelo estava voltando a ser real. Era o fim do meu conto de fadas.

POV Edward

Encostei meu carro quando meu celular começou a tocar. Eu o peguei e sorri quando vi que era de casa. Não fazia nem 5 minutos que eu havia ligado lá. Sem duvida Isa estava com muita saudades.

- Alô?

- Edward?

- Marie, algum problema?

- Eu não sei direito, mas eu acho melhor você vir para casa.

- Já estou a caminho. – Voltei a ligar o carro, arriscando ser multado por algum policial. – Me explique melhor, é algo com Anthony? Ele está bem?

- Um amigo seu está aqui, mas ele é estranho e Bella parece mais estranha ainda.

Franzi a testa.

- Amigo meu?

- Sim, ele se identificou como James Brown. – Quase perdi o controle do carro quando Marie falou aquilo – Agora ela e ele estão lá encima no quarto, procurando um documento.

Apertei meus dedos no volante. Desliguei o celular e afundei meu pé no acelerador.

O ódio estava explodindo dentro de mim. Se aquele desgraçado ousasse...  Ousasse tocar em um fio de cabelo dela, eu o mataria.

- INFERNO! – Gritei.

Eu estava com mais ódio de mim do que de James, afinal, aquilo era culpa minha. Antes que James viajasse fui eu que permiti que ele a tocasse...

A culpa toda era minha, e talvez, nesse instante, aquele desgraçado esta tocando a MINHA mulher.

Agora sim eu entendia o quanto Bella sofria comigo... Só a hipótese de outra pessoa estar tocando o corpo da pessoa que amamos... Era tão doloroso, quase insuportável.

Dirigi em uma velocidade sobrenatural, felizmente eu não estava muito longe de casa e o transito estava calmo.

Deixei o carro estacionado de qualquer jeito próximo a calçada. Entrei em casa sem falar com Marie – que estava ali na sala com Anthony nos braços. – Minha cabeça só conseguia projetar imagens de Bella na cama, com James sobre ela... Beijando sua boca... Seu pescoço.

Subi as escadas pulando os degraus e quando cheguei ao quarto minha mão envolveu a maçaneta e travou. Eu não sabia se era capaz de suportar o que estava acontecendo ali.

- Por favor...

- Acho bom você não gritar, ou seu filho vai ouvir a vadia da mãe gemendo...

- Edward não pode ter permitido isso. – O choro de Isabella era agonizante. – Ele mudou, ele disse que nunca mais me magoaria...

- Eu já disse para calar a boca e abrir essas pernas.

Meu celebro estalou “Ele ainda não havia feito nada”

POV Isabella

As mãos nojentas de James prendiam a minha sob minha cabeça.

O que mais estava me machucando, naquele momento, não era a força com que James prendia minhas mãos, ou a força com que seus dentes mordiscavam meu corpo, mas sim o que ele havia dito antes...

Ele me deu passe livre para te comer quantas vezes eu quiser

Eu não conseguia entender. Estávamos tão bem...

- Por favor...

Implorei.

- Acho bom você não gritar, ou seu filho vai ouvir a vadia da mãe gemendo...

- Edward não pode ter permitido isso. – Solucei, as lagrimas molhando meu rosto. Fechei os olhos. – Ele mudou, ele disse que nunca mais me magoaria...

- Eu já disse para calar a boca e abrir essas pernas.

James soltou minhas mãos e forçou a abertura de minhas pernas, mas parou quando a porta do quarto foi aberta brutamente, logo não senti mais o peso do corpo de James sobre o meu.

- Escute o que eu vou te dizer... – Abri os olhos quando ouvi a voz fria e ameaçadora de Edward. Ele estava com um joelho sobre o peito de James, com as duas mãos em seu pescoço. – Nunca mais, eu disse nunca mais ouse tocar em minha mulher, ou eu te mato.

Edward estava com o rosto vermelho, assim como seus olhos. Há tempos eu não o via com aquela expressão de ódio e fúria.

- Amor... – Eu o chamei, entre soluços.

 Os olhos dele voltaram para mim, quando me encontraram seu maxilar ficou travado. Edward voltou a olhar para James.

- Desgraçado!

Edward fechou a mão em punho e desferiu socos no rosto de James, ele parecia não ficar satisfeito, quando mais sangue escorria dos lábios de James, mais Edward batia nele.

- Por favor Edward, pare... – Me sentei na cama, puxando o lençol dela para cobrir meu corpo. Abracei minhas pernas contra meu peito e coloquei meu rosto ali. – Por favor...

Meu corpo todo tremia.

Senti dois braços quentes fecha ndo-se ao meu redor.

- Me perdoa Bella, me perdoa... – A voz fraca de Edward me reconfortou. – Me perdoa... É tudo minha culpa. – Implorou. Tirei meu rosto das minhas pernas, seus olhos estavam vermelhos e lagrimas escorriam por seu rosto. Apertei-me agarrei nele, enquanto meus olhos iam para o chão, onde James estava quase desmaiado. – MARIE, LIGUE PARA A POLICIA!

- Não! – Implorei – Não.

Edward retirou meu rosto de seu ombro e me olhou com tristeza.

- COMO NÃO?

- Você... Ele vai dizer que foi você...

- FODA-SE ISABELLA! – O corpo dele tremia, enquanto sua voz aumentava mais ainda – ESSE DESGRAÇADO QUASE TE ESTUPROU E VOCÊ ESTA PREOCUPADA COMIGO? FIQUE SABENDO QUE A CULPA DISSO TUDO É MINHA! – Ele soluçou, tentando me empurrar para longe do seu corpo, sua voz voltou a ser baixa, mas havia muita dor... – É tudo culpa minha, eu mereço pagar se for preciso, mas esse desgraçado não vai sair impune depois de ter tentado te... Te...

- Eu não posso te perder. – Me apertei mais contra ele – Ninguém vai acreditar no que ele disser... Por favor... Por mim, por Thony.

- Isa, eu não merecia ter uma mulher linda e carinhosa como você. – Os dedos dele escorregaram por meu rosto – Eu sou covarde o suficiente para não me afastar de você e de Anthony, sou um idiota, mas te amo tanto... Eu não posso deixar você livre, não agora que eu estou feliz e completo.

# - 6 Meses Depois... - #

- Isso... – Edward abriu os braços para Anthony – Um passinho de cada vez.

- Vai com o papai bebê.

Thony estava de pé, agarrado com as duas mãos em meus dedos indicadores.

- Papa!

- Sim, vem comigo meu amor. – Edward ajoelhou-se, chamando-o com a mão.

- OMG!

A platéia que assistia – Esme, Elizabeth, Marie, Emmett, Carlisle, Rosalie, Jullie, Alice, Jasper e minha afilhada Anne – se surpreendeu quando meu filhote soltou meus dedos e foi em direção ao pai, dando um passinho de cada vez. Obvio que eu fui atrás, caso ele se desequilibrasse eu o pegaria.

- Isso garotão, falta pouco.

- Vai com o papai garotão. – Meu irmão incentivou, filmando com a câmera.

Anthony parou, e com ele, nós também.

Para nossa tristeza, Thony sentou-se e fez o trajeto restante engatinhando.

- Assim não vale! – Edward rolou os olhos enquanto nosso menino subia em seu colo.

- Dessa vez chegamos perto! – Emmett sorriu abraçando Rose.

Sorri para eles.

- Talvez na próxima, não é bebê?

Edward levantou-se do chão, com Anthony nos braços.

Ele estava um pouco triste, já que ultimamente vinha com uma idéia estranha de ele e Anthony jogarem futebol juntos.

- Bom, vamos jantar. – Passei um dos meus braços por sua cintura, acompanhando-o até a sala de jantar.

  Todos nos sentamos.

-... Ai você fala assim para a gata. – Emmett estava sentado do outro lado de Edward e conversava com Anthony – Eu queria ser um envelope pra tu me encher de selinho.

- Emmett! – Me inclinei para bater na cabeça dele.

- Emmet. – Rosalie também o repreendeu.

- Qual é? Só estou ensinando meu sobrinho ser um cara feliz.

Rolei os olhos quando Anthony chamou o tio e se jogou nos braços dele.

Edward riu, colocando o braço sobre meu ombro.

Era bom vê-lo sorrindo. Há meses ele estava deprimido desde que ocorreu aquilo... Felizmente hoje era um dia especial para nós dois.

- Quem diria... – Sussurrei, alisando seu peito – 4 anos de casados...

- Para você ver como é sortuda. – Ele piscou. – Ter um homem como eu não é para qualquer uma.

- Pois é, eu não sou qualquer uma. – Sorri mordendo a bochecha dele. – Amo você.

- Te amo muito mais minha linda. Mas eu prefiro dizer que estávamos casados a 1 anos 2 meses. – Ele torceu os lábios. – Pois foi nesse tempo que eu realmente fui capaz de te fazer feliz.

- Sou feliz desde o primeiro beijo que você me roubou.

Ele sorriu, beijando meus lábios.

- Vamos recomeçar novamente amor?

- Como assim?

Edward se levantou, chamando a atenção de todos.

- Recomeçar. – Sorriu – Casasse comigo novamente? Me deixa vivenciar esse momento novamente? Digamos que da ultima vez eu... –Ele abaixou a cabeça, envergonhado – Queria que aquilo passasse o mais rápido possível.

- Mas já somos casados. – Suspirei, tentando conter o choro.

- Eu sei, mas é só para reforçar. – Edward mordeu os lábios e arrastou a cadeira para poder se ajoelhar – Conversei com um padre, ele disse que é permitido... – As mãos dele foram para seu bolso e de lá tirou uma pequena caixinha – Por favor?

Sorri.

- Vai ser um prazer reviver um dos momentos mais felizes da minha vida.

- Ótimo. – Edward enfiou a aliança em meu dedo rapidamente – Melhor colocar logo, vai que você recupera a sanidade.

- Bobo.

Ele se levantou e me puxou, abraçando-me e logo em seguida me beijando.

 Enrolei meus dedos em seus cabelos, entregando-me ao beijo, sem se importar com os assovios do meu irmão e com as palmas dos meus amigos.

- Eu te amo.

- Eu também princesa. – Ele sorriu – Eu te amo mais do que tudo e que todos.

- PAPA! – Afastamo-nos para olhar nosso menino que choramingava. – Mamã meu!

- Quase todos. – Edward corrigiu.

Apesar de todos os momentos horríveis e tristes que passei, eu me submeteria tudo, tudo de novo se tivesse um final como esse... Um final, finalmente, feliz.


9 comentários:

evelyn caroline disse...

Oi?? Morri! Achei muito lindo esse final! Como sempre, vale a pena esperar

Jessie disse...

ooooooooooown fico lindo. ADOREI
É O bebe oooown Apaixonei com ele coisinha fofa
é o Edward é a Bella oooooooooooh que coisa linda eles *-----*
Edward defendendo ela do James foi muito massa \õ/
ADOREI FLOR! Agora é esperar o Triste :S

Paula Taylaine disse...

Droga, minha mãe acha que tenho problemas, porque eu to chorando igual um bebe aqui, droga, muito lindo esse final.

Vanessa Ruguê disse...

CHOREI QUE NEM UM LOUCA AQUI =') P E R F E I TO *O*

♥nanah♥ disse...

Onwt'
Esse capitulo ta mais que perfeito.
Ai meu Deus e james, mais ainda bem que deu tudo certo.
Ameei.

dhêê disse...

OMG
que lindo, deu tudo certo ainda bem
mesmo depois de tudo que o Edward fez, estava torcendo p/ eles (mas só pq ele disse que amava ela no parto)

adoreiiiiii :)

Anônimo disse...

lindo ,excelente ,mangifico,maravilhoso......não encontro mais palavras pra descrever....
só podia vir de uma autora maravilhosa como você!!!

Anna Pirees disse...

ooooooooooown amei fikou mto perfeito...
me apaixonei pelo Thony...mto fofo ooooooooooown
amei o Ed todo carinho e protetor com a Bella
ficou simplesmente fantástico.

Zenilda disse...

Oi linda...
O capitulo estava mágico.
E é outro Thony em que me apaixono tbm
Os seus Anthony são lindos
O capitulo superou minhas expectativas
Parabéns querida
beijusss

Postar um comentário