Bem vindos ao Fanfics da Cah. Sou Camila Cocenza, futura garota de programa! E não, não é o que estão pensando, apenas pretendo cursar Engenharia da Computação. Para mais informações: cahcocenza@hotmail.com

06/03/2011

I Never Told You - Capitulo 12


Capitulo 12 – Então? Topa?

Em passos largos e rápidos, duas pessoas andavam pelo estacionamento da escola. Os olhos duro do rapaz buscava pelo carro prata, já a garota olhava para todos os lados quase que desesperadamente. Ninguém poderia vê-la ali, muito menos ao lado dele.

- O carro dele fica ali – A garota apontou para o lado esquerdo. Logo avistaram o volvo prata.

O rapaz que estava acompanhando ela deu um sorriso maligno, retirou um canivete do bolso, o abriu e se aproximou do carro.

- Minha parte já está feita... – Murmurou enquanto furava o pneu do carro – Agora é com você linda.

- Ok. – Ela mastigou os próprios lábios.


POV Edward


Assim que o sinal bateu juntei minhas coisas e corri para fora da sala, eu ainda tinha que ir para meu trabalho e se não me apressasse chegaria atrasado.  Desci os degraus da saída, pulando dois em dois.

As garotas me admiravam e acenavam para mim.

Ok, eu sou o máximo!

Corri para o estacionamento me desvencilhando de algumas pessoas. Quando cheguei a meu carro destravei a porta, joguei minha mochila no banco de trás e assumi o volante. Rodei a chave e dei ré, mas o carro pendeu para o lado esquerdo.

- Ei Edward! – Emmett se aproximou – Seu pneu de trás está murcho.

- O que? – Gemi – Ah droga, não pode ser!

Sai do carro batendo a porta, parei ao lado do meu cunhado. Passei as mãos pelo rosto nervoso.

Aproximei-me do carro e chutei a roda. Inferno!

- Mano, eu até te daria uma carona, mas tenho que ficar na escola. – Tocou meu ombro sorrindo – Liga para Bella, aposto que ela não vai te negar isso.

- Ótima idéia. Valeu.

Tirei meu celular do bolso e disquei para Bella. Não demorou muito para que ela atendesse.

Edward?

- Existe outro? – Sorri, pegando minha bolsa do banco de trás e travando as portas.

Ela riu.

Não, por enquanto não.

Rolei os olhos. Caminhei para a escadaria da escola e me sentei, continuei a conversar com Bella.

- Sabe o que é... bem, furaram o pneu do meu carro...

E você quer que eu banque sua motorista particular?

- Exatamente. Não posso chegar atrasado ao serviço.

Ok. Eu estou saindo de um supermercado próximo a sua escola, em alguns minutos estarei ai, mas você sabe, vou querer algo em troca por ter gasto meu tempo e minha gasolina com você.

Gargalhei, chamando a atenção de algumas pessoas.

- Sem problemas, depois você me diz o que quer.

Eu vou cobrar ok? Logo estarei ai, beijos.

- Beijos.

Desliguei o celular e me peguei sorrindo como bobo para ele. Balancei a cabeça tirando aquele sorriso retardado do meu rosto.

Droga, o que estava acontecendo comigo?

- Oi Edward.

Dei um pulo quando vi Tânya sentando ao meu lado.

- Ér... oi.

- A fim de sair hoje? A galera toda vai pra praia.

- Não sei... – Cocei a cabeça – Acho que essa noite não da.

- Hm... – Ela deu de ombros – Vai ficar aqui?

- Não. Na verdade o pneu do meu carro está furado...

- Ah, nossa, se quiser eu posso te dar uma carona sabe, ai a gente podia...

Sorri vendo o carro preto conversível parar próximo ao meio fio e buzinar.

Virei-me para Tânya, que ainda tagarelava.

- Obrigada Tânya, mas minha carona já chegou.

Levantei-me, joguei a mochila sobre o ombro e caminhei até o carro.

- Oi – Sorri, pulando para dentro.

Deixei meus olhos vagarem pelo corpo dela. Bella usava uma calça jeans preta e uma blusa azul toda decotada. Lambi os lábios.

- Quem é ela? – Bella apontou para Tânya.

- Eu estou ótimo, obrigada por perguntar.

Ela rolou os olhos.

- Que ótimo, agora vai responder minha pergunta?

- Uma garota ai da minha sala – Dei de ombros. – Vamos? Não posso me atrasar.

- Não mesmo? – Ela fez um lindo bico enquanto ligava o carro – Pensei que talvez você quisesse passar lá em casa primeiro, sabe, para almoçar.

Ri apertando sua coxa.

- Eu nunca negaria esse convite, mas eu realmente não posso me atrasar.

- Ok. – Ela acelerou e acenou para alguém, virei à cabeça e vi Emmett dando seu melhor sorriso pervo.

[...]

- Como assim vamos perder? – Rolei os olhos enquanto lambia meus dedos que estavam sujos de sorvete – Eu nunca perco.

- Mas os lobos selvagens são... selvagens! – Derick estremeceu ao meu lado – Eles vão nos esmagar, como sempre

- Lobos o que? Que tipo de retardado da um nome desses a um time de futebol?

- Eles são da reserva – Joey começou a falar. Eu havia convidado ele e Derick para tomar sorvete, estréia meu primeiro pagamento. – Estão com um novo técnico desde o ano passado, ele veio de Nova York e dá aulas.

- Não importa. – Dei de ombros – Nós vamos ganhar. Não vamos?

Eles assentiram.

Sorri para meus pirralhos-aprendizes.

- Bom, agora terminem logo isso, pois eu preciso ir... – Tirar dinheiro da carteira para pagar o meu sorvete e os dos de Derick e Joey – Tenho que fazer uma coisa.

- Vai ver aquela moça bonita? – O garoto arqueou as sobrancelhas.

- Quem? É gostosa? Apresenta pra gente.

- Vocês não acham que são pequenos demais para pensar nisso? – Ri – Vocês nem tem pêlo no saco ainda.

- Ei, ontem nasceu meu primeiro filzinho. – Derick se levantou – Quer ver?

- NÃO! – Joey e eu gritamos, depois gargalhamos.

- Nossa, não precisava gritar... – O garoto voltou a se sentar, olhando para baixo – Eu só queria mostrar meu primeiro pêlinho para vocês.

- Mostre para seu pai. – Eu aconselhei.

- Ele nem fica em casa e quando vou falar para ele sempre acabo levando um safanão.

Suspirei. O garoto realmente sentia falta de uma companhia masculina.

- Bom, temos que ir embora, Derick te dou uma carona.

- Ok Treinador.

- Tchau Joey.

- Tchau Sr.Cullen.

Fui até o caixa, paguei os sorvetes e saímos de lá.

- Se importa em passar um lugar antes? – Indaguei enquanto fechava o sinto ao meu redor.

- Não, claro que não. – Derick sorriu fazendo jóia.

- Beleza, vou precisar da sua opinião.

- Ok.

Manobrei para fora do estacionamento.

- Posso ligar o rádio? – O garoto pediu. Olhei para ele e assenti.

O caminho todo fomos ouvindo musica e conversando, quando parei o carro o garoto arqueou as sobrancelhas.

- Vai pedir ela em casamento?

Rolei os olhos rindo.

- Não, mas estou pensando muito no que minha mãe disse.

- E o que Tia Esme te disse?

Arregalei os olhos.

- Conhece minha mãe?

- Claro, eu sempre almoçava na sua casa... – Ele bateu na barriga – Será que eu posso jantar lá hoje?

Ri.

- Depois falamos sobre isso, mas voltando, minha mãe disse que toda mulher gosta de ganhar presentes.

- Né, são mercenárias.

- Você sabe o que são mercenárias?

- Mulheres que ficam com homem por interesses.

- Garoto, você é impossível, agora vem.

Saímos do carro. Parei em frente à Tiffany e ponderei. Será que era um passo maior que minhas pernas?

- Ei, vai ficar ai? – Derick abriu a porta – Vem, eu tenho um ótimo gosto.


POV Bella



- Eu nunca imaginaria isso, amiga. – Rosalie quicou ao meu lado em seu sofá. Eu estava em seu apartamento e há horas conversávamos. – Mas isso não significa que eu ainda não esteja chateada ok? Poxa, eu pensei que você gostasse de mim.

- Rose eu gosto de você, é que bem, era tudo tão... delicado.

- Mas você contou para Alice.

- Me desculpe.

Ela fez biquinho, mas logo riu me abraçando.

- Ok, papa-anjo.

Rolei os olhos, me afastei dela e me levantei do sofá.

- Você também não... – Resmunguei – Preciso ir, nos vemos outro dia.

- Ok cunhada. Temos que combinar de sair todos juntos, sabe, casais.

- Edward e eu não somos um casal.

- Ainda.

Neguei com a cabeça enquanto me dirigia para a porta, sendo acompanhada por Rosalie.

- Diz para Emm que eu mandei um beijo.

- Ok, eu aviso.

Sai do apartamento de Rosalie, peguei meu carro e dirigi para minha casa. Quando dobrei a esquina e entrei em minha rua vi o carro de Edward parado enfrente minha casa. Ele estava encostado na lataria do automóvel, trajava uma bermuda branca, camiseta verde, chinelos, um boné na cabeça e rodava algo entre os dedos. Quando notou meu carro se aproximando, guardou o que tinha na mão e sorriu acenando.

Estacionei o carro na minha garagem.

- O que faz aqui tão cedo? – Indaguei, enquanto fechava as portas e saia da garagem.

Ele deu de ombros sorrindo.

- Estava em casa sem fazer nada, então eu olhei no relógio e vi que ainda eram 17h00min, ai eu pensei por que não convidar Bella para dar um role.

Role?

- Sim, sabe, dar uma volta. – Deu de ombros mordendo os lábios. – Você não deve conhecer a única coisa de legal que tem aqui em Forks.

- Bom, eu não freqüentei nenhum motel daqui ainda. – Brinquei vendo-o revirar os olhos.

Agarrei a mão dele e o guiei até a porta abrindo-a e dando espaço para ele entrar.

- Não vou te levar a um motel.

- Então não quero ir!

- Bella!

- Estou brincando... – Fechei a porta e fiquei na ponta dos pés para tocar meus lábios nos dele – O que devo vestir?

- Bom, ponha algo simples. – As mãos dele escorregaram pelo meu quadril.

- Me dê um minuto.

- Tudo bem.


POV Edward


Desliguei o carro e encarei Bella. Ela arqueou as sobrancelhas enquanto mordeu os lábios e olhava ao redor.

- Eu preferia ter ido a um motel. Edward, não quero transar no mato!

- Bella! – Soltei meu sinto e sai do carro – Não vou transar com você no mato.

- Sei...

- é sério!

- Ok.

Rolei os olhos. Dei a volta no carro e abri a porta para ela sair.

- Vem... – Segurei a mão dela e sai guiando-a. – Quero te mostrar um lugar.

- Um motel no meio do mato?

A encarei incrédulo. Qual era o problema daquela mulher? Ela achava mesmo que eu transaria com ela no meio do mato?

- Não há nenhum motel aqui, não vamos transar no mato.

- Então o que estamos fazendo aqui?

Soltei a mão dela e coloquei a mão no bolso, apertando a caixinha que estava ali.

Aquilo parecia pesar toneladas!

- Da para parar com as perguntas? Poxa, confie em mim, vem.

Felizmente, Bella calou a boca. Fizemos uma pequena trilha, passando pelo meio da reserva. Logo foi possível ver a areia branca da praia.

- Eu não sabia que aqui tinha praia... – Minha professora parou ao meu lado. Ela me olhou rindo – Deus! Nunca transei na praia!

Ri. Ela era mesmo impossível.

Tirei meus chinelos, Bella fez o mesmo com sua sapatilha.

- Bom, quase ninguém gosta de vir aqui, a água é muito gelada e não, não vamos transar, mas se você quiser podemos fazer o que desejar.. – Falei, enquanto a puxava pela mão – Eu vinha aqui com James e a galera.

- O que vinham fazer aqui?

Apertei meus lábios.

- Beber, jogar conversa fora...

Sentei-me na areia e a puxei para se sentar ao meu lado.

- Aqui é lindo. – Ela suspirou – Mas porque realmente me trouxe aqui?

Mastiguei meus lábios e cocei a nuca. Encarei minha mão enquanto formulava o que dizer.

- Eu andei pensando muito sobre a gente... – Comecei. Ergui o rosto para olhá-la. Bella me encarava atentamente. Peguei a mão dela. – Eu realmente tenho um carinho enorme por ti, mas acho que não podemos continuar as...

- Ok, eu já entendi. – Ela se levantou pegando a bolsa – Não precisava gastar seu tempo me trazendo em um lugar bonito para dizer que não quer mais nada comigo, podia ter me poupado e ti poupado.

- Ei, espera. – Me levantei agarrando o pulso dela – Você nem me deixou terminar de falar.

- Eu já ouvi isso varias vezes sei que você ia completar a frase com um “foi bom o que passamos juntos, mas acho que não da mais”. – Coloquei a mão na barriga e joguei minha cabeça para trás gargalhando. – Está rindo do que idiota?

- Bella... eu... – Respirei fundo – Eu não ia falar nada disso. Vem cá. – Tirei a bolsa da mão dela e joguei na areia. Sentei-me na areia e a puxei junto. – Eu só acho que estou pronto para dar um passo a frente e que não podemos mais ficar assim, sem uma definição para nosso relacionamento, sabe, andei pensando no que minha mãe me disse. Mulheres não gostam de ser enroladas e, bem, eu te vejo todos os dias, querendo ou não, podemos nos considerar namorados já que agimos como namorados, mas acho melhor deixar isso oficializado.

- O que você está... falando?

Senti minhas bochechas corarem enquanto vasculhava meu bolso.


POV Bella


Ok, eu tinha certeza que Edward havia batido o carro.

Isso era a única explicação para aquilo.

Eu esta morta, ou isso tudo é um sonho.

- Está... – Observei ele mexer no bolso enquanto corava – Aqui.

Mordi os lábios vendo-o erguer no ar uma pequena caixinha preta de veludo.

- Isso é o que eu estou pensando?

- Se você tiver pensando que isso aqui é um motel, não, não é um motel.

Ajoelhei-me na areia observando ele abrir a pequena caixinha.

- Acho que não da pra gente transar ai. – Fiz uma piada tosca, tentando descontrair.

Na verdade, eu estava tremendo por dentro.

Ele realmente ia fazer o que eu estava pensando... OMG!

- Eu adoro esse seu jeito. - O garoto abriu a caixinha e sorriu para mim - Então... Topa?!

- O que?

- Isso.

Edward pegou a aliança e a ergueu.

- Isso o que?

- Bella...

- Vamos Edward, eu não entendi.


POV Edward


Maldita hora que eu decidi dar um passo a frente.

Ela queria mesmo ouvir aquela frase inteira?

- Ah... você sabe o que isso significa, não preciso desenhar.

- Vamos lá Ed, são apenas três palavrinhas...

Ela parecia se divertir com toda a situação.

- Pra que dizer? Você já sabe quantas palavras são e quais são...

- Mas desse jeito não tem graça.

Deitei-me na areia fitando o céu.

Porque era tão difícil dizer aquelas três palavras? Tudo bem que a palavra “namorar” sempre me assustou um pouco. Ok, na verdade – como um galinha, um ex-galinha – a palavra namorar sempre me assustou, muito.

Mas eu realmente gostava de Bella, era algo que eu nunca havia sentido nem vivido. Eu não podia deixá-la livre para outros caras, para Jacob Black.

- Vamos lá gatinho... – Minha professora escorregou a mão por meu peito – Prometo que não vou dizer não.

- Eu sei que você não vai dizer não, afinal, eu sou gostoso.

Ela riu deitando-se ao meu lado.

- Qual é o seu medo?

- Eu não sei talvez eu não esteja pronto ou talvez eu tenha medo de que o que há entre nós dois mude. Mas por outro lado, sou egoísta o suficiente querendo que você fique comigo e não com um cara mais maduro e que tenha barba.

- Depois eu é que sou absurda! – Ela rolou os olhos rindo e puxou os anéis da minha mão – Que tal fingirmos que esses anéis são meus e eu sou o garoto da relação.

- Homem – A corrigi – O homem da relação.

- Ok, que seja. – Ela pigarreou enquanto colocava seu corpo sobre o meu – Bella quer namorar comigo? Prometo não te levar para transar no mato, e prometo também te fazer ter orgasmos múltiplos.

Ela fez uma péssima imitação da minha voz, o que me fez rir.

Enlacei o pescoço dela, como ela fazia comigo, e distribui beijos por seu rosto.

- Oh sim Edward! – Afinei minha voz – Como eu poderia não aceitar? Você é suuupeer gostoso e muito bom de cama, eu não perderia a chance de ser sua primeira namorada.

- Ei! – Ela socou meu ombro – Eu não falaria assim...

- Eu também não prometeria te levar para o mato, já que nem se quer passou pela minha cabeça fazer isso.

Ela riu do seu jeito lindo. Pegou minha mão direita e colocou a aliança. Minhas mãos tremeram um pouco quando repeti o ato.

- Ok, você tem que me fazer ter orgasmos múltiplos, prometeu tem que cumprir.

- Não. – Corrigi – Foi você quem prometeu.

- Mas eu era você ora!

- Que tal deixarmos isso para mais tarde? – Me sentei, fazendo-a se sentar também. Bella girou em meu colo e pousou as costas em meu peito. Beijei seu ombro enquanto enlaçava sua cintura, entrelacei nossos dedos e fitei o anel de prata no dedo dela e no meu – Uau...

- Eu sei – Ela suspirou – O pôr-do-sol está lindo.

- Não! – Me levantei, pulando no mesmo lugar – Tipo... Eu to namorando, eu to namorando!

- Se você ficar saltitando como um viadinho, juro que termino o que acabou de começar. – Parei de pular e fiz bico. Ela suspirou – Ok pule, mas não se acostume, está bem?

Voltei a pular.

[...]

POV Bella


Apoiei minha cabeça no ombro dele enquanto andávamos pela beira da praia. Já se passava das 19h00min, o sol já havia se posto e agora a lua começava tomar o céu.

- Não há perigo em deixar seu carro lá no meio do mato?

Ele negou com a cabeça rindo.

- Não. Aliás, ali não é “meio do mato”, é uma reserva.

- Mas tem mato.

- Ok Bella, não quero ter minha primeira discussão contigo sobre mato e reserva.

- Tem razão namorado. – Suspirei – Edward, e seus pais?

Ele sorriu.

- Sabe, está faltando menos de três meses para os fins da escola. E menos de dois para que minhas aulas com você acabem.

- Vai contar para eles sobre nós quando minhas aulas contigo acabar?

- Exatamente. – Ele sorriu – Se importa?

- Claro que não, eu posso esperar.

Andamos mais um pouco, e alguns metros a frente encontramos um grupo de garotos e garotas, eles riram próximos a uma fogueira.

- Legal, um mini-luau.

- Bella. – Edward apertou minha cintura – Vamos embora.

- Por quê?

Ele não respondeu, apenas girou meu corpo e me forçou a andar.

- Ei, vocês ai! – Um rapaz se levantou e começou a vir em nossa direção.

- Edward, acho que estão falando com a gente.

- Bella, continue andando.

- Mermão, porque você e sua mina não se juntam a nós? – Insistiu o garoto.

- Não obrigada. – Edward murmurou sem olhar para trás.

- Edward? É você?

- Merda... – Meu namorado praguejou baixinho e me olhou cabisbaixo. Depois entrelaçou nossas mãos e se virou com um sorriso para o rapaz – Ei James é você?

- Sim. Não me reconheceu?

- Não.

Esse era o tal James? O mesmo das drogas?

- E ai, não vai me apresentar à mina?

- Essa é Bella, minha... Minha namorada.

O rapaz arregalou os olhos olhando para as nossas mãos depois caiu sentado na areia rindo.

Ele estava... bêbado?

- Ok... esse é o acontecimento do ano. Edward Cullen namorando? – Ele se levantou da areia e virou-se para o grupo de garotos que nos encaravam – GALERA, VEM CÁ, VOCÊS PRECISAM OUVIR ESSA! EDWARD CULLEN ESTÁ NAMORANDO!

Rolei os olhos enquanto o resto do grupo de aproximava.

- James, sinto muito, mas precisamos ir.

Eu comecei a gostar daquilo quando vi as meninas que estavam no vestiário.

- Não amor, deixe-me conhecer seus amigos.

- Mas Bella...

- Edward.


POV Edward


- Edward namorando? Ok, eu sou seu fã mulher. – Taylor brincou.

- Bom, esses são Taylor, James, Caio e Mike. Essas são Tânya, Victoria, Kate e Irina. Pessoal, essa é minha namorada, Bella.

- Namorada até quando? – Tânya rolou os olhos – Você nunca fica com uma garota mais do que um dia e...

- Estamos juntos desde aquele dia da boate. – Cortei a ruiva. – Quando eu te dispensei, lembra?

Ela engoliu em seco olhando Bella de cima a baixo.

- Se juntem a nós. – James convidou.

- Desculpem, mas Edward e eu temos algumas coisas para fazer... – Minha namorada piscou para eles – Tchau garotos, tchau garotas.

Enquanto nos afastávamos, pude ouvir James comentar.

- Sério agora eu entendo o porquê de quase não vermos mais Edward, com uma gostosa dessas...

Voltamos até aonde havíamos deixado o carro.

Levei Bella para casa.

- Está entregue namorada. – Sorri para ela.

- Obrigada Edward. – Ela soltou o cinto.

Fiz o mesmo e me inclinei, capturando a boca dela. Deixei a ponta da minha língua escorregar por entre os lábios dela. Sua mão subiu pelo meu braço até minha nuca, massageando o local.

- Você precisa mesmo ir? – Bella mordeu meu lábio inferior – Poderia jantar comigo.

- Me desculpe, mas prometi para dona Esme que estaria lá para jantar com ela e com meu pai.

- Ok, te vejo amanhã pela manhã.

- Bella, amanhã cedo não vou poder te ver, lembra que eu comentei que terei meu primeiro jogo como técnico?

- Sim. – Ela riu apertando minha bochecha – E eu estarei lá.

- Vai mesmo? Sabe que não precisa se preocupar...

- Não tenho nada para fazer amanhã cedo. Te encontro lá.

- Não. – Apertei meus lábios contra os dela – Eu passo aqui para te pegar. É isso o que os namorados fazem certo?

- É. – Ela concordou me beijando mais uma vez – Essa é uma das coisas que o namorado faz...

- Por favor... não faça assim... eu realmente preciso ir. – Apertei meus olhos com força.

Droga, ela me deixava tão louco...

- Tudo bem. – Bella se afastou e abriu a porta – Mas amanhã à noite eu vou querer você todo para mim.

- Sim senhora.

Ela me mandou um beijo e fechou a porta. Abaixei o vidro e a observei caminhar para dentro de sua casa.

Namorados deviam esperar sua namorada entrar em casa né?

[...]

Assim que cheguei em casa, pude ouvir risadas vindo da sala de jantar.

Garoto você é hilário!

É, eu saibo.

Conte mais uma.

Ok, eu conhecia aquela voz infantil.

O Justin Bieber decidiu pular de pára-quedas, qual é o nome da música?

Entrei no cômodo e vi Derick sentado á mesa entre meus pais.

- Borboletas? – Meu pai chutou.

- Não! Garota radical! – O garoto começou a rir. Meus pais franziram a testa, confusos – Qual é, vai dizer que nunca ouviram banda cine? Aposto um beijo que você me quer...

- Boa noite... – Cumprimentei, sentando-me a mesa.

- Oh querido, que bom que chegou, só faltava você para começarmos jantar. – Minha mãe se levantou, me deu um beijo e foi em direção a cozinha – Vou servir o jantar.

- Eai. – Sorri para Derick – Errou de casa?

- Não, sua mãe me chamou encher o bucho. Né Tio Carl?

- Sim garotão.

Rolei os olhos rindo.

- Mas me conta treinador... – O garoto quase se deitou na mesa – A gostosa gostou do anel? Ela aceitou namorar com você?


- Na verdade eu até me esqueci de perguntar se ela gostou, e sim, ela aceitou a namorar comigo.

- Yay! Bate aqui. – Ele ergueu a mão, e eu bati – Sou teu fã, quando crescer quero ter uma namorada igual a tua.

- Estou surpreso... – Meu pai balbuciou – Você está mesmo namorando?

Ergui minha mão, exibindo o anel de prata.

- OMG! – Fechei minha mão quando vi minha mãe correndo em minha direção – Meu bebê está usando uma aliança?

- Mãe...

- Sim, é uma aliança. – Derick deu um sorriso torto – Bonita né? Fui eu quem escolhi.

[...]

- Seu pai sabe que você vai dormir aqui? – Perguntei, enquanto jogava um travesseiro para o garoto.

- Sabe. – Deu de ombros se ajeitando no colchão no chão – Na verdade ele nem liga muito...

- Hm... – Fechei os olhos suspirando. Eu realmente estava cansado. Não que meu dia tivesse sido agitado, mas minha mãe me cansou.

Você tem que trazer sua namorada para eu e seu pai conhecermos.

Ela repetiu essa frase a cada colherada que dava.

- Boa noite treinador.

- Boa noite Derick. – Abri os olhos vendo o garoto rodar pela cama – Algum problema ai?

- Isso aqui é duro! É assim que recebem uma visita na sua casa? Tem uma beira ai pra mim?

- Não!

- Qual é, ela é de casal.

- Exatamente, não somos um casal.

- Pensei que você me amasse...

Cerrei os olhos observando-o atentamente. O garoto colocou um bico nos lábios.

- Ok, você venceu. – Gemi.

- Yay!

Rolei para o lado dando espaço para ele se acomodar ao meu lado.

- Deixe-me impor algumas regras... – Passei a mão por meus cabelos. – Nada de jogar as pernas, nada de abraçar, nada de roncar, muito menos fazer xixi. – Ele riu assentindo. – Agora tente dormir, amanhã acordamos bem cedo.

- Aham...

Derick fechou os olhos e se encolheu. Apaguei o abajur, joguei o edredom sobre o garoto.

Virei-me para o outro lado e voltei a fechar os olhos.

E não demorou muito para que eu pegasse no sono.

<<< Capitulo 11                                                        Capitulo 13 >>>

2 comentários:

helenafrancisco2010 disse...

posta mais ,ansiosa pelo próximo!
(bom carnaval)

Zenilda disse...

Nossa nós estamos namorando e isso é fantastico
parabens amiga estava lindo
beijusss

Postar um comentário