Bem vindos ao Fanfics da Cah. Sou Camila Cocenza, futura garota de programa! E não, não é o que estão pensando, apenas pretendo cursar Engenharia da Computação. Para mais informações: cahcocenza@hotmail.com

21/02/2011

I'll Be There For You - Capitulo 15


2º Fase – Capitulo 15 – O jantar (Part. I)


Batuquei meus dedos no balcão da recepção.

- Bella você está me irritando! – Alice colocou sua mão sobre a minha, parando meus movimentos frenéticos.

- Me desculpa... – Suspirei – Estou me sentindo mal... sabe quando você sente um aperto no peito?!

- Ah claro que sei! Eu sempre tenho que regular meus sutiãs!

Revirei os olhos.

- Estou falando em uma forma figurativa, como se algo fosse acontecer... – Passei a mão por meu cabelo.

- Fica calma. – Ela sorriu – Do jeito que sua vida está, é impossível piorar.

- Uau, e eu que pensei que você fosse minha amiga...

- Sorry – Ela riu. Seus olhos fitaram algo atrás de mim. – Eles chegaram!

Virei-me para ver Jacob e Anthony, que estava em suas costas agarrado em seu pescoço.

- Chegamos! – Anunciaram em unissom.

- Jake, obrigada! – Tirei Thony de suas costas e o coloquei no chão.

- Que isso mona, não custou nada!

Eu havia ligado para Jacob e pedido para que quando ele estivesse vindo para o hospital que passasse em casa e pegasse Anthony.

- Então vamos?! – Perguntei para Anthony, bagunçando seus cabelos.

- Vamos!

- Vejo vocês depois! – Acenei para Alice e Jake.

Peguei a mão de Anthony e saímos juntos para o estacionamento.

- O que tio Jake tem?! – Anthony indagou, entrava no banco de trás do carro.

Inclinei-me sobre ele e prendi seu sinto. Fechei a porta e entrei na frente.

- Ele não tem nada, por quê? – Ajeitei o retrovisor e por ele vi Anthony franzindo a testa.

- Ele é... diferente.

Eu sabia do que ele estava falando.

- Sabe, muitas pessoas são diferentes, mas não é por isso que devemos menosprezá-las, tratá-las mal ou repeli-las.

- Eu nunca trataria tio jake mal, ele é legal.

Ri.

- Acho que está na hora de irmos.

[...]

Fechei mais um botão de sua camisa e o virei em direção ao espelho.

- Como eu to?! – Perguntou.

- Se você fosse um pouco mais velho... eu te paqueraria.

- Para tia! – Ele virou para o outro lado, mas pude ver um rubor tomando suas bochechas.

- Mas é você quem tem que decidir, gostou dessa?! – Indaguei.

- Eu achei muito... feio!

Revirei os olhos.

- Você está um gato.

- Se você diz... – Ele sorriu torto – Pode ser essa!

Ajudei-o a retirar aquela camisa e por a outra com que veio. Fomos ao caixa e pagamos.

- Sabe... de repente bateu uma fome... – Ele falou como se não fosse uma indireta para mim.

- Você almoça quando chegarmos em casa. – Menti.

- Ew! A comida da vovó é ruim! – Fez cara de nojo.

- Eu sei Renée nunca foi boa na cozinha.

- Porque você fala mais Renée do que mãe?

Respirei fundo.

- Bom... eu... acho que eu... acostumei. – Dei de ombros e procurei mudar o assunto. – Mas e ai, vamos almoçar?!

- SIM!

Peguei nossas coisas e seguimos para a praça de alimentação. Entramos em um restaurante simples, conseguimos uma mesa facilmente.

- O vai querer?! – Perguntei.

- Deixa eu ver... – Ele pegou um cardápio.

Joguei a cabeça para trás e ri.

- Anthony, você não sabe ler... – Puxei o cardápio de sua mão e ri mais ainda – E estava de ponta cabeça.

- Droga! – Choramingou – Nenhuma mulher gosta de caras burros!

- Ei, você só não tem idade suficiente para aprender a ler, mas quando tiver, garanto que você vai ser o melhor.

Ele riu.

- Eu já sou o melhor!

Revirei os olhos.

- Convencido!

Logo pedimos nossos pratos, comemos e logo depois tomamos sorvete.

- Temos que ir. – Anunciei, enquanto limpava o canto dos seus lábios. – Preciso te deixar em casa e voltar para o hospital.

- Ta!

Paguei a conta e saímos de lá.

Levei Anthony para casa, tomei um banho e voltei para o hospital.

 [...]

Olhei no relógio. Eram exatamente 19h40min quando estacionei meu carro no estacionamento do edifício. Sai do carro, apertei o botão do elevador e passei a aguardá-lo. Aproveitei para ligar para Rosálie.


POV Edward


O celular de Rosálie começou a tocar sobre a mesa de centro.

- Emmett, o celular de sua noiva está tocando. – Apontei para o aparelho.

- Numero desconhecido. – Ele franziu a testa – Será que é o amante?!

Gargalhei.

- Atenda logo! – Bati em sua nuca.

Emmett pigarreou antes de atender.

- Alô... Sim é o celular de Rosálie... Quem deseja?!... Ah, estou louco para te conhecer madrinha! – Ele riu – Espera um minuto, vou chamá-la. – Emmett tirou o telefone do ouvido. – ROSE!

- Oi Ursão?! – Rosálie entrou na sala, sendo seguida por sua mãe, Elizabeth. As duas usavam um vestido preto, só que o de Rosálie era mais curto e justo.

- Sua prima. – Estendeu o celular para a loura.

Rosálie sorriu. Pelo modo como ela falava dessa Isa, as duas deviam ser grandes amigas.

- Isa?! – Rose pegou o celular, ficou um tempo esperando sua prima falar – Sem problemas... Ah fique calma prima, claro que não... nos vemos lá.

Rose desligou o celular e sentou-se no sofá.

- O que sua prima queria?! – Elizabeth indagou.

- Só avisar que ela saiu tarde do hospital. – Rose deu de ombros.

- Então é hoje que eu conheço essa famosa Isa... – Emmett riu.

- Do tanto que Rosálie fala, eu já até imagino ela. – Brinquei – Morena, extrovertida e...

- Você está totalmente errado! – Assustei-me ao ver Tânya se sentando ao meu lado, aquela mulher não saia do meu pé – Rosálie fala tudo isso dela, mas pode ter certeza queaquela lá não é nada disso.

Arqueei uma sobrancelha.

- Não ligue para ela. – Rosálie revirou os olhos rindo. – Isa e Tânya não se dão bem desde que eram crianças...

- Ela sempre me invejou... – A loura jogou os cabelos para o lado. – Fui obrigada a fazer faculdade no mesmo lugar que ela.

- Acho que vou gostar dessa Isa. – Eu e Emmett falamos juntos.

Tanto eu como ele, não tínhamos ido a cara de Tânya.

- Demorei?! – Minha mãe desceu as escadas, junto com meu pai.

- Não Esme. – Rosálie sorriu. – Minha prima acabou de ligar, avisando que vai se atrasar um pouquinho, pois só conseguiu sair do hospital agora.

- Então ela é medica?! – Meu pai indagou.

- Sim ela é, assim como eu. – Tânya levantou-se e foi até minha mãe – Uau, como à senhora está linda Sra. Cullen.

Minha mãe franziu a testa.

- Obrigada.

- Vamos?! – John, o pai de Rosálie nos chamou.

- Vamos.


POV Bella


- Anthony eu já disse que não.foi.minha.culpa. – Falei pausadamente, para ver se ele conseguia enfim entender. Pelo espelho vi seus pequenos olhos rolarem. – E eu liguei para Rosálie, avisando que o atraso é por minha culpa.

- Menos mal. – Ele ajeitou o colarinho de sua nova camisa.

Coloquei meus brincos e comecei a me maquiar. Anthony andava de um lado para o outro com suas pequenas mãozinhas no bolso de sua calça.

- Pronto. – Girei – Como estou?

- Linda! – Ele respondeu rapidamente, veio até mim e pegou minha mão – Agora vamos!

- Apressadinho.

[...]

- Posso ir dirigindo?! – Anthony perguntou enquanto nos aproximávamos de meu carro.

- Você não tem idade suficiente. – Renée respondeu.

- Porque quer dirigir? – Indaguei curiosa. Eu adorava ouvir suas respostas, elas eram sempre espontâneas.

- Pra impressionar! – Explicou – Se ela me ver no seu carrão, vai ta na minha.

Revirei os olhos. Abri a porta do carro para ele, enquanto ele entrava, dei-lhe um tapa na nuca.

- Ai! – Resmungou.

- Nós mulheres não somos interesseiras!

- Não precisava ter batido... – Choramingou.

- Nem foi tão forte.

Dei a volta no carro e assumi o volante.

- Chata!

- Chato!

- Vocês dois, parem já! – Renée nos repreendeu. Reviramos os olhos. – Bella, você não é criança, mas está parecendo uma!

- HAHÁ! – Anthony tombou no banco de trás e jogou as pernas para o ar. – Criançona!

- Enquanto você não se sentar e colocar o sinto, não vamos sair daqui. – Ameacei.

- Já to pondo, já to pondo.

Assim que Renée o ajudou a fechar o sinto de segurança, sai do estacionamento.

O percurso até o restaurante não ia demorar muito, já que ficava próximo ao meu apartamento.

- Hã, hã... – Anthony pigarreou. Olhei pelo retrovisor e o vi arquear uma sobrancelha para o vidro – E ai Rose, se lembra de mim?!... – Ele fez uma careta e bagunçou os cabelos. – Ok, isso não vai impressionar ela.

Prendi o riso, voltei minha atenção para a pista.

- Tentar ser você mesmo. – Opinei.

- Ta, que tal... – Olhei no retrovisor a tempo de vê-lo dar um sorriso torto e uma piscadela. – Então, o que achou?!

- Bem... sedutor.

- Yay!

Enfim, chegamos ao restaurante. Saímos do carro, e entreguei a chave ao manobrista.

Assim que coloquei meu pé dentro do restaurante, senti um arrepio percorrer minha espinha.

- Algum problema filha?

- Não. – Neguei. – Só estou um pouco cansada.

Peguei a mão de Anthony e seguimos para o balcão de recepção.

- Boa noite. – Sorri.

- Boa noite – A simpática atendente sorriu para mim. – A senhora possui mesa reservada?!

- Rosálie Halle está nos esperando.

- Ah sim. Sigam-me, por favor.

Ela nos guiou para o fundo do restaurante onde havia outra porta que dava acesso para fora. Poucas mesas estavam naquela área, mas uma chamou minha atenção.

- É aquela. – A moça apontou para a enorme mesa.

- Obrigada.

Enquanto caminhávamos até a mesa pude notar varias pessoas.


POV Edward


Voltei minha atenção ao pequeno anel na palma de minha mão. Desde que cheguei a LA, fiz questão de ficar com aquela aliança junto de mim.

- Será que sua tia vai aceitar?! – Emmett perguntou á Rosálie.

- Acho que não terá problema algum, ela não usa a casa na praia.

- Edward... – Senti a mão de Tânya parando sobre meu braço.

Virei-me para encara-lá e, disfarçadamente, tirei meu braço de seu alcance.

- Sim?

- Depois desse jantar podíamos dar uma volta pela cidade. Morei aqui por muito tempo, conheço uns lugares legais.

- Não. Obrigada.

- Pensei melhor... – Ela mordeu os lábios. – Podemos ter uma noite divertida.

Respirei fundo, odiava ter que repetir algo duas vezes, mas mantive minha postura.

- Não, eu recuso.

- Te dou até o fim do jantar para pensar.

Que mulher insistente!

- Rosálie?!

A voz veio de trás.

Um arrepio percorreu meu corpo, minha respiração de repente tornou-se ofegante. Tentei virar meu corpo, porém, algo me prendia, eu estava em choque.

Depois de alguns segundos consegui rodar meu pescoço.


POV Bella


Meu corpo estava paralisado, nem eu sei ao certo como consegui chamar Rosálie. Eu simplesmente não conseguia acreditar no que meus olhos viam.

- Que bom que você chegou Isa. – Rosálie levantou-se e segurou minha mão. – Quero te apresentar meu noivo, Emmett... – Ela, incrivelmente, apontou para Emmett, que me olhava boquiaberto.

Aquele era um momento tenso, mas eu ri.

- Você e o Emm?! – Indaguei incrédula.

- Bellita! – Emmett saiu de seu transe e veio até mim, me olhando de cima a baixo – É você?! Ai meu Deus, é claro que é você! – Surpreendendo a mim, Emmett enlaçou minha cintura e me ergueu no ar.

- Emmett, me põem no chão! – Ri.

- Não consigo acreditar, é você!

- Como assim?! – Rosálie franziu a sobrancelha – De onde vocês se conhecem?!

Foi então que a ficha caiu. Corri meus olhos pela mesa, encontrando: Tia Elizabeth, Tio John, Carlisle, Esme e finalmente ele...

Por um segundo, minha mente rodou. Emmett me segurou, impedindo que eu caísse.

- O impacto é tão grande assim?! – Ele indagou em um sussurro, rindo.

- Oi. – Anthony puxou uma cadeira vaga e se sentou. – Eu sou Anthony Swan.

- Swan?! – Todos repetiram em unisson.

Não consegui ouvir mais nada, minha mente desligou deles novamente, eu só conseguia me concentrar naquelas duas belas orbes verdes que me encaravam.

- Acho melhor você se sentar. – Emmett sugeriu – É muita emoção para uma noite só.


POV Edward


Eu queria falar, gritar, me levantar. No entanto, meu corpo permanecia parado no mesmo lugar. Céus, ali, na minha frente estava a mulher da qual procurei por 5 anos.

Coloquei forças em minhas pernas, erguendo-me da cadeira.

Dei dois passos passos em sua direção, tirando-a dos braços de Emmett.

E depois de cinco anos... ela estava em meus braços novamente.

Escorreguei minhas mãos para sua cintura e a ergui minimamente, deixando-a na minha altura, podendo novamente olhá-la nos olhos.

- Deus... – Balbuciei, em êxtase. – A onde você se meteu mulher?

Enfiei meu rosto em seu ombro. A respiração de Bella estava tão ofegante quanto a minha. Seus braços enlaçaram meu pescoço, apertando-se contra meu corpo.

[...] Continua [...]

Nenhum comentário:

Postar um comentário