Bem vindos ao Fanfics da Cah. Sou Camila Cocenza, futura garota de programa! E não, não é o que estão pensando, apenas pretendo cursar Engenharia da Computação. Para mais informações: cahcocenza@hotmail.com

09/01/2011

I'll Be There For You - Capitulo 22


Capitulo 22 – Sentimentos? Você?


POV Bella



- O que eu faço com você?! – Me debrucei sobre Anthony.

Ele puxou o edredom, cobrindo a cabeça.

- Eu estou bem tia! – Murmurou com a voz fraca.

Puxei o edredom e levei minha mão até sua testa.

- Você ainda continua com febre. – Suspirei.

- Bella... – Esme entrou no quarto, trazendo o remédio de Anthony e entregando-o para mim.

- Ew! – Thony rolou para o outro lado da cama. – Eu não vou tomar esse negocio ruim!

- Mas você precisa! – Eu o puxei pela perna, trazendo-o para perto.

- Eu ainda acho que você deve levá-lo ao hospital. – Edward, que estava ao meu lado, sussurrou em meu ouvido.

- Ele vai tomar o remédio, se a febre não diminuir, amanhã iremos ao hospital.

- Eu vou ficar melhor! – Anthony falou rapidamente. Sentou-se na cama, pegou o copo e entornou, fazendo careta. – Ew!

- Eu preciso sair com Rosalie, volto logo, ok?

- Beleza.

- Sair? Para onde? – Edward indagou.

- Ela vai provar seu vestido de noiva, eu vou acompanhá-la, aproveitar e comprar o meu vestido.

- Hmm... – Ele torceu os lábios – E vai ficar muito tempo fora?

- Por quê? – Ri.

- Vou ficar com saudades.

- Ew! – Anthony fingiu vomitar. – Quanta melação!

Eu o empurrei, deitando-o na cama.

- Você fique aqui e descanse. – Beijei sua testa.

- Vou ficar bom rapidão.

- Promete?

- Prometo.

Edward e eu saímos do quarto, já no corredor ele enlaçou minha cintura puxando-me contra seu peito

- Quando vai?

- Agora

Ele apertou os braços ao redor de mim e beijou meu pescoço.

- Não da tempo de nós dois irmos ao meu quarto?

- Não amor.

Ele me virou de costas e me abraçou por trás.

- Só um pouquinho...

Joguei minha cabeça para trás, deitando-a em seu ombro. Sua mão erguia um pouco minha blusa e alisava minha barriga.

- Não posso... – Sussurrei um pouco perdida.

- Vai ter coragem de me deixar assim? – Pressionou seu quadril contra mim.

- Edward... – Mordi os lábios prendendo um gemido.

- Sem querer atrapalhar... Isa precisamos ir.

Afastei-me de Edward e encarei Rosalie – que estava no começo do corredor, no topo da escada.

- Eu já estava descendo. – Sorri para ela e me virei para beijar Edward – Te vejo mais tarde.

- Vou sentir saudades.

- Eu vou sentir mais.

- Não, eu vou sentir mais.

- Ok. Ok. – Rosalie veio até nós e me puxou pelo braço – Vocês dois vão sentir saudades iguais, agora vamos, ou iremos nos atrasar.

Enquanto ela me arrastava, Edward me dava leves selinhos.

- Pode ficar de olho em Anthony? – Perguntei a ele.

- Claro amor.

- Qualquer coisa me liga.

Edward assentiu.

[...]

- Como estou?

Rosalie girou.

- Você está linda prima!

E estava mesmo. Seu vestido branco era simples, mas moldava-se perfeitamente em seu corpo. Não era nada vulgar. Simplesmente, perfeito.

- Será que Emmett vai gostar?

- Com toda certeza. – Caminhei até ela e peguei sua mão, girando-a. – Droga, agora quando as pessoas forem no meu casamento vão me comparar com você! – Brinquei. – “Ow, Isabella está bonita, mas não se compara com a prima”.

Rosalie riu.

- Você é linda Isa! – Ela mordeu os lábios e arqueou as sobrancelhas – Mas, já estão pensando em casamento?

- Edward me pediu em casamento, quando fomos para LA.

- E não contaram a ninguém ainda?

- Não.

Ela sorriu, mas logo mudou para um bico.

- Eu nem tive a chance de dizer que sinto muito. – Rose me abraçou. – Porque nunca me contou?

- Só evito cutucar a ferida... – Resolvi mudar de assunto – Mas... me ajuda a escolher o meu vestido?

- Claro!


POV Edward



Anthony parecia um pouco cansado, mas sua vontade de me vencer era maior.

- Dessa vez eu ti ganho! – Afirmou ele, segurando o controle do Playstation.

- Não acha melhor deitar-se um pouco? – Falou minha mãe, que estava desde... sempre na sala, plantada ao nosso lado.

- Estou ótimo Esme. – O garoto sorriu para minha mãe.

- Avó? – Ela mordeu os lábios surpresa.

- Essa idade que você tem da pra ser minha avó né? E eu só tenho uma, seria da hora ter outra. Quer ser minha vovó fake?

- Ow. – Mamãe levantou-se da cama e se sentou entre nós dois – Eu não sei o que é fake, mas adoraria!

Ri.

- Fake é de mentira mãe. Alguém ou algo que você não é.

Ela torceu os lábios.

- Ok, eu topo.

O garoto soltou o controle e pulou para o colo dela.

- Sabe, vovós dão presentes...

- Anthony! – Revirei os olhos.

- Qual é tio, ta chato que nem tia Bells. Qual o mal em minha nova avó me dar um presente? Ciúmes?

- Eu só...

- Não ligue para Edward. – Minha mãe apertou as bochechas de Anthony – Você pode pedir o que quiser.

- Viu! Viu! – Ele mostrou a língua para mim e virou para minha mãe – To doido por um carrinho de controle remoto.


POV Emmett


Não tinha como.

Algo estava errado!

Algo estava muito errado!

Cinqüenta e dois... Cinqüenta três... Cinqüenta quatro...

Esfreguei meu rosto nervoso. Ao contrario do que muitos pensam, eu não sou burro e sei muito bem quantas vezes trepo com minha futura e amada mulher. Eu trouxe para Miami o total de Cem camisinhas, agora, pasmes, só tem Cinqüenta e Nove.

Sim! Cinqüenta e Nove!

Pelo que eu me lembre Rosalie e eu só havíamos feito, como ela gosta que eu diga, amor... 2 + 3 – 5 + 4 – 1 + 15 x 2 – 12 = aproximadamente 13 vezes desde que estamos aqui. Então estava faltando exatamente 28 camisinhas.

Isso só significava que...

Rosalie está me traindo com alguém e usando minhas próprias camisinhas ou...

- CLARO! Como não pensei nisso?! – Pulei da cama.

Rolei os olhos nervoso. Coloquei minhas camisinhas na mala, separando-as em ordem alfabética, cor e gosto.

Guardei minha mala embaixo da cama e sai do meu quarto, em busca do ladrão de camisinhas. Eu o encontrei na sala jogando vídeo-game, com aquele típico sorriso torto nos lábios.

- Foi você! – Apontei para ele.

- Hein? – O garoto desviou os olhos da TV e me olhou com as sobrancelhas arqueadas – Ta doido?

- Sua tia não ensinou a você que não se deve mexer nas coisas dos outros?

- Emmett não fale dessa maneira com Anthony. – Minha mãe levantou-se – O que está acontecendo? O que Anthony pegou?

- Ele sabe...

- Não peguei nada não.

- Pegou sim. E eu vou contar pra tua tia.

O pirralho me olhou confuso.

- Garoto você pegou algo de Emmett? – Me irmão indagou.

- Já falei que não! – Anthony se levantou, bateu o pé no chão duas vezes, sua voz estava embargada.

Rolei os olhos.

- Ah, sim... Então minhas camisinhas criaram pernas e saíram correndo de minha mala, que estava debaixo da minha cama, no meu quarto.

- Camisinha? – Anthony arqueou as sobrancelhas com um sorriso maroto nos lábios – Aquilo que se usa para...

Edward, como o estraga prazeres que era, tapou a boca do garoto.

- Emmett... – Meu irmão resmungou, ele olhou para o garoto e depois para mim, destampou a boca do moleque e tampou suas orelhas, que por sinal, eram grandes, estranhamente grandes... olhando de outro ângulo até pareciam com as de Edumbo, sim esse era o apelido do meu mano no primário. Uma vez tentei jogá-lo pela janela para ver se ele voava, mas... – Hei! – Me afastei dos dedos de Edward que estalavam enfrente ao meu rosto, tirando-me das minhas recordações – Precisamos conversar...

Olhei ao redor.

Espera, cadê o garoto?!

- Não, primeiro preciso recuperar minhas ca...


POV Edward


Desviei os olhos de Emmett e virei-me para minha mãe e Anthony.

- Podem dar licença para nós dois, por favor.

- Claro filho... – Minha mãe piscou para mim e saiu arrastando meu sobrinho postiço para fora da sala.

Voltei minha atenção ao meu irmão que encarava minha orelha.

- Fui eu quem peguei suas camisinhas... – Confessei, mas meu irmão parecia mais interessado em minhas orelhas. – Hei! – Estalei os dedos estalei os dedos enfrente ao seu rosto – Precisamos conversar.

Ele olhou ao redor.

- Não, primeiro preciso recuperar minhas ca...

- Emmett! – Segurei seu braço, impedindo-o de sair – Não foi o garoto...

- Então...

- Sim, é isso o que você está pensando.

- Droga! Rosalie está me traindo e usando minhas próprias camisinhas!

Ri. Quanto mais o tempo passa, mais burrice meu irmão adquiria.

- Não Emmett, quem pegou suas camisinhas fui eu.

Sua cara de choro  transformou-se em maliciosa.

- Você e a Bellinha hein... 28? Já gastaram tudo?

Bufei.

- Isso não te interessa, e que idéia é essa de acusar Anthony? Ele é apenas uma criança inocente, jamais fará nada de errado.


POV Anthony


CAMISINHAS, CAMISINHAS, CAMISINHAS...

Eu já havia visto um documentário sobre essas bolas de bexigas maneiras. Jonas, o garoto de 12 anos que mora no apartamento ao lado do de Tia Bella disse que Camisinhas são bolas de bexigas diferentes, mas que ficam muito loucas quando são cheias.

CAMISINHAS, CAMISINHAS, CAMISINHAS...

Droga, queria uma!

Voltei até a sala, onde tio Ed e Emm conversavam. Fiquei encostado na parede ouvindo o que eles sussurravam.

-... Bom, se você quiser posso devolver as camisinhas que restaram, elas estão lá no quarto de Bella, guardadas no criado mudo, ao lado da cama.

- Que isso Ed, pode ficar pra ti irmão, eu...

Não ouvi o resto, disparei pelas escadas e fui para o quarto da minha tia. Abri a gaveta e elas estavam lá...

Acho que Tia Bells não ficaria nervosa se eu pegasse uma, já que foi ela mesma quem me disse uma vez...

FLASH BACK ON

Hoje era um daqueles dias em que minha tia estava de folga do hospital e me levava para dormir em seu apartamento.

Havia vários Drop’s de menta sobre seu criado mudo e tipo... EU AMO DROP’S.

- Tia... posso pegar um? – Pedi.

Ela sorriu para eu.

- Claro querido, nem precisa me pedir, quando quiser algo é só pegar.


FLASH BACK OFF.


Aquele dia eu colei mais 5 chicletes atrás do meu guarda-roupa.

Voltei minha atenção à gaveta, meti minha mão ali dentro pegando uma camisinha roxa, eu amo roxo, é minha cor favorita, é a cor do Barney.

Desembrulhei a bola-camisinha-de-bexiga e a guardei no bolso.

Desci para a sala onde Tio Ed ainda conversava com o grandão, quando me viram, ficaram mudos.

- O que está aprontando?

- Eu? Puff... Nada! – Apertei minha bexiga no bolso e sorri.

- Hmmm... – Murmuraram juntos.

Caminhei assoviando – ou melhor, cuspindo, eu não sei assoviar – já na cozinha corri para o canto entre a geladeira e o armário, tirei minha bexiga do bolso e comecei a enchê-la.

Era super maneiro! Cada soprada, maior e mais longa ela ficava.

- Anthony, onde você está...

Droga, eu estava lascado. Era minha avó e eu sabia que ela ia me encher por eu ter pegado algo de tia Bella.

Em um movimento rápido corri até o fogão, levantei a tampa da panela e joguei minha camisinha ali.

- Estou aqui vovó do meu coração... – Gritei sentando-me na mesa como quem não estava fazendo nada.

- Ai está você... – Vovó Renée entrou na cozinha e sorriu para eu. – Não é uma boa idéia ficar na cozinha enquanto o almoço está sendo feito, você pode esbarrar no fogão e algo cair sobre você.

- Você... ta... fazendo comida? – Olhei de esgoela para a panela.

- Claro querido, logo todos estarão em casa para almoçar.

Ótimo, eu estava ferrado!


POV Edward


- Senti saudades... – Beijei o pescoço de Bella.

- Não, eu senti saudades. – Ela sussurrou.

- Nada disso... – Me desgrudei de Bella, virando a cabeça em direção a voz infantil – Eu senti mais saudades.

- Thony, querido... – Bells se soltou de mim e caminhou até ele, agachando em sua frente. – Vejo que está melhor.

- Eu disse que ia ficar bom...

O garoto a abraçou pelo pescoço pousou a cabeça em seu ombro. Me surpreendi quando ele me deu a língua.

Impressão minha ou ele estava começando uma disputa?!

- Coisa mais linda da tia... – Minha namorada puxou o garoto para seu quadril e enlaçou as pequenas pernas em sua cintura, parecia um macaquinho com a mamãe macaca.

- Ah tia, assim você me deixa envergonhado... Sabe, nem todo mundo precisa ouvir essas verdades

Rolei os olhos.

- Bella querida, chegaram cedo... – Minha mãe entrou na sala sorrindo – Vamos almoçar?

- Claro, estamos indo.

- Tia... acho que to sem fome...

- Nada disso. Você precisa se alimentar.

- Mais...

- Mais nada, vamos.

Me levantei do sofá e acompanhei eles até a sala de jantar.

[...]

- Estou faminto!

Meu irmão foi o primeiro a pegar um prato e começar a se servir.

- McCarty, tenha modos!

- Mãe!

Desviei minha atenção para Anthony. Ele estava quieto demais, algo que era difícil de se ver. Coitado, devia mesmo estar mal.

- Emmett, coma feijão querido, você precisa de ferro!

- Mãe, não sou mais um bebê ok?

- Amor, obedeça sua mãe.

Eles ainda conversavam, mas meus olhos estavam fixos em Anthony. O garoto estava com os olhos fechados murmurando algo. Ele estava... Rezando?

- AI MEU DEUS! – O berro do meu irmão me fez olhá-lo – Alguém andou se divertindo pela cozinha?

- O quê? – Renée falou confusa.

- Como isso veio parar aqui?

Meu irmão tirou de dentro da panela uma camisinha.

- OMG!

- OMFG!

-OMG, OMFG!


POV Anthony



Meu pé direito já estava no chão, estava quase saindo despercebido quando a cadeira cantou no chão.

Todos olharam para mim.

Dei meu melhor sorriso.

- Eu peço a pizza.

Antes que alguém me alcançasse, corri dali.

- ANTHONY!!!


POV Bella


- Me desculpa...

Suspirei olhando para Anthony.

- Tudo bem... vem cá. – Eu o puxei para meu colo – Não precisa se culpar, a falta de responsabilidade foi minha. – Ele deu um sorriso murcho e bocejou. – Você anda tão sonolento...

- E você não dorme mais comigo, estou com ciúmes ok? Me sinto abandonado..

Beijei sua testa rindo, impossível alguém mais dramático.

- Prometo, que a partir de hoje, dormirei ao seu lado gatinho. – Ele ia falar alguma coisa, mas foi interrompido por leves batidas em minha porta – Entre.

- Oi... – Renée passou pela porta – Bella será que podemos conversar? A sós.

- Querido desça e fique com os outros, logo estarei lá ok?

- Certo tia.

Renée deu espaço para que Anthony passasse e logo depois fechou a porta. Ela ficou parada me olhando, como se refletisse por onde começar a falar.

- Olha, se for sobre o ocorrido na cozinha não precisa falar nada, eu sei que foi minha culpa então...

- Não querida, não é sobre isso... – Suspirou – Bem que eu queria que essa conversa entre nós duas fosse fácil assim...

Franzi a testa.

- Então...?

Eu nunca havia visto minha mãe daquele jeito. Ela estava visivelmente nervosa, apertando uma mão na outra enquanto mordia os lábios.

- Acho que por mais que eu tente fugir e adiar esse dia, a probabilidade de você me perdoar vai diminuir, mesmo eu tendo certeza que você nunca vai me perdoe.

- Ok, pare, você está me assustando. – Pedi, mas ela me ignorou, passou a andar de um lado para o outro enquanto falava.

- Eu sei que nada justifica o que fiz, mas antes deu te contar você precisa saber que era para o seu bem, para o seu futuro. Se eu não tivesse feito... aquilo, talvez você não estivesse tendo o que tem hoje, ou talvez tivesse, mas... droga. Eu só quero que você não me odeie mais do que já odeia.

- Pare de andar de um lado para o outro – Me levantei da cama e a segurei pelos ombros – Diga de uma vez o que quer falar, não estou entendendo nada!

Suas mãos tremulas capturaram as minhas. Eu a olhei surpresa. Sua voz estava rouca e chorosa.

- Quero falar com você sabe o seu filho...

Puxei minhas mãos da dela e lhe dei as costas.

- Não quero falar sobre disso... – Fechei os olhos tentando me controlar – Isso não diz respeito a você.

- Bella, claro que diz.

- Não, não diz! O filho era meu e de Edward, fui eu quem o perdi, agora pare de falar nisso! Droga, será que você não percebe que isso ainda me machuca? Alias, sempre vai machucar! Deixe que eu sofra sozinha, comigo mesma, em pensamento.

- É isso o que eu estou falando, você não precisa sofrer, nunca precisou.

Me virei, encarando-a.

- Não sofrer? – Travei meu maxilar – Como não sofrer? – As lágrimas que eu prendia agora começavam a  escorrer por minhas bochechas – Ao contrario de você, eu amava meu filho e o queria mais que tudo.

- Está dizendo que eu não te amo?

Levei minhas mãos aos meus cabelos. Ela querendo falar de amor?

- Você não sabe o que é amor... – Cuspi – Você nunca amou ninguém, apenas si mesma. Sempre manipulou a minha vida e a de Charlie, se ele morreu foi por sua culpa, ele não merecia aquilo!

Renée me olhou. Ficamos assim por algum tempo, apenas nós encarando. Eu me sentia um pouco aliviada por ter soltado o que estava entalado em minha garganta.

- Diga de uma vez o que veio dizer ou saia daqui e me deixe em paz!

Ela desviou o olhar.

- Eu não consigo mais guardar isso comigo, ao contrario do que você pensa eu também tenho sentimentos e...

- Você? Sentimentos? – Respirei fundo tentando me acalmar. – Não estou com cabeça para os seus teatros, não enrole, diga o que quer dizer.

- Tudo bem... – Assentiu – Eu menti. O seu f...

Antes que ela terminasse de falar, a porta do meu quarto foi aberta abruptamente por Emmett.

- Bella... rápido – Ele estava ofegante. – Desça!

- O que houve?

- É o garoto... ele...

Não esperei que ele terminasse. Sai do quarto e desci as escadas.

Nenhum comentário:

Postar um comentário