Bem vindos ao Fanfics da Cah. Sou Camila Cocenza, futura garota de programa! E não, não é o que estão pensando, apenas pretendo cursar Engenharia da Computação. Para mais informações: cahcocenza@hotmail.com

09/01/2011

I'll Be There For You - Capitulo 17 - Parte II

I'll Be There For You - Capitulo 17 - Parte II
Edward ergueu sua mão livre até meu rosto, tocando-me.
– Se eu lutei para conquistar tudo o que tenho, foi por você Bells. – Fechei os olhos apreciando sua caricia. – Teve algumas vezes que eu pensei em desistir de tudo, mas sempre vinha você em minha cabeça, isso me dava força para continuar. Eu jurei que iria te procurar, e eu tentei, só que era difícil conciliar trabalho, faculdade, na verdade eu não tinha tempo para sair de Londres e vir para cá.
Sorri para ele. Puxei-o pela gola da camisa e deslizando meu nariz em seu queixo.
– O que importa é que você está aqui, ao meu lado... – Sussurrei roçando meu rosto contra sua barba.
– Onde pretendo ficar para sempre. – Completou.
Sua mão veio para minha nuca, massageando-a. Tirei meu rosto do seu e busquei seus lábios, colando-os delicadamente. Eu havia passado a noite toda tentando adivinhar qual seria a sensação quando repetíssemos esse ato.
Macios, carnudos, molhados e quentes. Essas eram as características que mais me agradavam em seus lábios.
– Senti tanta saudade disso... – Sussurrou contra minha boca.
Ri baixinho.
– Vou matar sua saudade. – Mordi seu lábio inferior e o puxei. Automaticamente, a boca de Edward se abriu, dando permissão para que eu aprofundasse o beijo.
E foi o que fiz.
Deixei a ponta de minha língua encontrar-se com a sua, enquanto nossos lábios moviam-se um contra o outro, em um ritmo calmo.
Quando o ar começou a faltar separamo-nos, sorridentes.
– Como vamos ficar daqui para frente?! – Ele perguntou, entrelaçando nossos dedos.
Levei minha mão até seus lábios e limpei os vestígios de batom que havia ali.
– Como você quer que seja daqui pra frente?!
– Que pergunta retórica. – Revirou os olhos rindo. – Eu quero que você seja minha de novo.
– Você não pode ter algo que já tem.
– Tenho?!
– Sempre teve.
Seu sorriso se ampliou e seus olhos ganharam um brilho diferente.
– Juro que dessa vez ninguém vai me distanciar de você. – Beijou minha mão. Segurei seu queixo e o puxei para mais um beijo. Edward afastou-se rindo – Mas preciso pedir permissão ao homem da casa...
– O que Anthony te disse?! – Indaguei incrédula.
– Ele falou que se eu fosse te namorar teria que pedir a ele.
Revirei os olhos rindo.
– Aquele moleque é muito desinibido.
– Mas ele tem atitude e é muito inteligente. – Colocou minha franja atrás da orelha – Ele já está na escolinha?!
– Ainda não. – Respondi, voltando minha atenção ao meu prato. – Ele fez cinco anos mês passado. Eu quero que ele entre na escola o mais rápido possível, não porque ele é bagunceiro e hiperativo, mas sim pelo fato dele não ter amigos, não quero que ele passe sua infância solitário.
– Vocês parecem ser bem próximos.
– Sim. – Concordei – Todo meu tempo livre, que é pouco, é dedicado a ele. Sempre que da fazemos alguns programas diferente.
Edward riu.
Continuamos a conversar, enquanto voltávamos a comer. Assim que terminamos de almoçar Edward insistiu em pagar a conta.
– Só porque tem mais dinheiro que eu, não precisa ficar se exibindo...
– Não estou me exibindo. – Se defendeu – Digamos que estou retribuindo a você os almoços que pagou quando namorávamos.
– Ok – Concordei revirando os olhos.
POV Edward
Ela mordeu os lábios e encostou-se no meu carro. Dei um passo para frente, excluindo o espaço entre nós.
– Obrigada pelo almoço maravilhoso. – Pousei minhas mãos em seu quadril e escorreguei-as para a base de suas costas.
Bella esticou-se, tocando seus lábios nos meus.
– Eu que agradeço.
– Você tem algum compromisso essa noite?! – Perguntei abraçando-a.
– Eu prometi a Alice e Jake que iria com eles depois que saíssemos do hospital a um Pub que tem aqui perto. – Bella suspirou. Suas mãos subiram pelos meus braços, parando ao redor de meu pescoço.
– Você se importaria se eu... fosse também?!
– Claro que não, seria bom, você poderia convidar Emmett e Rosalie.
Colei minha boca na sua mais uma vez. Era difícil manter minha boca longe da dela, ainda mais depois de todo esse tempo que não a tive na minha.
Escorreguei meus lábios para seu queixo e desci trilhando beijos por todo seu pescoço, usufruindo do seu gosto e cheiro maravilhoso.
– Eu preciso ir... – Bella sussurrou com a voz rouca. Suas mãos entraram em meu cabelo, puxando-os.
Voltei a beijar seus lábios carnudos, mas dessa vez o beijo estava intenso e repleto de desejo. Infiltrei minha mão dentro de sua blusa e toquei a textura da pele macia de suas costas. Bella se arrepiou, fazendo-me rir.
– Acho melhor você ir...
– Sim. Te vejo as 22:30.
Bella puxou meu rosto para o seu mais uma vez. Tão cedo nos separamos e ela se foi.
POV Bella
– Ai meu Deus! – Alice começou a pular na minha frente. – Então vocês estão juntos?!
– Acho que sim. – Mordi os lábios e girei – Estou tão feliz!
– Então já deu pra ele?
– Jacob!
– Mona, só isso nos faz feliz.
– Eu o reencontrei ontem e só passei uma hora com ele hoje, olha na minha testa e diz se está escrito piranha? E aonde iríamos fazer isso? No restaurante?!
– Sei lá... no carro.
Revirei os olhos. E lhe dei um soco no peito.
– Acha que quero ter minha primeira vez com Edward dentro de um carro?!
– Mas você está tão feliz, só sexo deixa a mulher feliz.
– Ele tem razão Bella...
– Edward não pensa só com a cabeça de baixo. – Voltei a caminhar pelo corredor.
– Se você diz...
– Vou falar com Aro, depois vejo vocês.
– Ok.
Alice e Jacob acenaram para mim. Parei na porta de Aro e bati.
– Pode entrar...
– Com licença. – Abri a porta sorrindo.
– Bella, querida, entre.
Entrei na sala e caminhei até sua mesa.
– Aro, eu poderíamos conversar?
– Pode se sentar querida. – Apontou para uma das cadeiras. – Sobre o que deseja falar?
– Eu queria saber se... se teria alguma possibilidade de minhas férias saírem antes... – Me ajeitei na cadeira. – Minha prima vai se casar e...
– Bella... – Aro me interrompeu – Querida, não precisa dizer o por que. – Sorriu – Talvez seja bom você relaxar um pouco, já que quase não sai desse hospital.
– Olha, se isso não for possível tudo bem eu...
– Claro que é possível Bella. Quando você vai para Miami?
– Daqui dois dias.
– Certo, irei providenciar tudo.
– Obrigada Aro.
– De nada querida e aproveite, eu sei como esse mês de junho é difícil para você e...
– Eu vou aproveitar. – Eu o cortei. – Não quero tocar nesse assunto.
– Me desculpe.
– Tudo bem.
POV Edward
Sentei-me na sala, enquanto esperava o tempo passar. Olhei no relógio. Estava quase na hora de vê-la novamente.
– Estou me sentindo um adolescente... – Esfreguei minha mão na outra.
– Ansiedade? – Minha mãe riu.
– É. – Sorri para ela – Estou com saudades de Bella.
– Gamadão! – Emmett socou meu ombro.
– Olha quem fala... – Revirei os olhos rindo – Ursão.
– Certo. – Ele sorriu – Eu também sou gamadão.
Voltamos nossa atenção para TV
– Vão sair?! – Tânya se rastejou da escada até o sofá.
– Isso te importa?!
– Emmett! – Mamãe o repreendeu.
– Vamos. – Respondi.
– E você... quer companhia?! – Tânya mordeu os lábios, tentando ser sexy.
Emmett e eu gargalhamos.
– Eu vou estar bem acompanhado, obrigada.
– É, ele vai estar bem acompanhado.
Levantei-me e fui para a cozinha beber um copo de água.
– Como assim “bem acompanhado”?
Respirei fundo. Rodei em meus calcanhares para olhá-la.
– Com minha namorada. – Dei de ombros.
Seu queixo caiu.
– Como assim “namorada”?
– Você pergunta muito “como assim”... – Bufei um tanto irritado. Ela mal me conhecia, como poderia ter tanta ousadia de vir questionar minha vida pessoal. – O que faço ou deixo de fazer em minha vida é problema meu. – Dei-lhe as costas e sai da cozinha.
– Estamos prontos Edward. – Rosalie e Emmett se levantaram do sofá.
– Vamos? – Perguntei empolgado.
– Sim.
POV Bella
A Ferrari de Edward entrou no estacionamento.
– É ele!
– Bella você disse a mesma coisa para os outros três carros que entraram anteriormente.
Ignorei meu amigo. Observei Edward, Rosalie e Emmett, saírem do carro e caminharem até nós.
– Desculpa a demora... – Edward aproximou-se sorrindo, enlaçou minha cintura e colou nossos lábios.
– Hã, hã...
O dedo de alguém se chocou entre nossas bocas.
Eu sabia quem era.
– Emmett! – Cuspi no chão. – Nojento!
– Vocês estavam quase se comendo... – Gargalhou. Virou-se para Jacob e deu um passo para trás – E você nem tenta ralhar em mim.
– Poxa... – Jacob fez bico.
– Rose, Emm, essa é Alice. – Apontei para minha amiga, que por incrível que pareça estava calada.
– Oi. – Minha amiga estendeu a mão. – Prazer, sou Alice Brown.
– Sou Rosalie. – Minha prima segurou sua mão sorrindo – Esse é meu noivo, Emmett.
– Prazer - Alice esticou a mão para o grandão, mas Emmett, exagerado como sempre a ergueu no ar.
– Nossa você é levinha. E, ah... prazer também.

– Certo, vamos.
Puxei Edward em direção ao meu carro.
– Emm, vai com o meu! – Jogou a chave para meu o irmão.
– Ok. – O grandão sorriu – Não desviem do caminho.
[...]
– Vem comigo. – Edward estendeu a mão para mim. Eu a aceitei.
– Para onde vamos?! – Indaguei enquanto era puxada.
– Um canto qualquer. – Ele sorriu dando de ombros.
Edward me levou para o outro lado do Pub onde tinha alguns sofás vermelho. Ele se sentou, e eu me sentei ao seu lado. Antes que conseguisse falar algo, Edward já estava abocanhando meus lábios. Enrolei meus dedos em seus cabelos puxando-o para mim.
Desde que chegamos ao pub, não trocamos nenhum beijo tão intenso quanto aquele.
Ficamos assim por um bom tempo, apenas curtindo um ao outro e matando a saudades, até que as coisas começaram a... esquentar.
– Vamos... sair daqui. – Suguei o lóbulo de sua orelha. – Vamos para o meu apartamento.
Edward não respondeu nada, só levantou-se e me puxou para fora do Pub.
POV Edward
Assim que as portas do elevador se abriram, Bella me puxou para fora dele.
A abracei por trás enquanto caminhávamos pelo corredor até a porta de seu apartamento. Quando Bella parou para procurar a chave em sua bolsa, aproveitei para usufruir de seu pescoço. Deixei meus lábios escorregarem para seu ombro onde a mordi.
– Droga! Não consigo me concentrar! – Ela resmungou virando-se para me beijar.
Puxei a bolsa de sua mão e comecei a procurar as chaves, sem quebrar o beijo.
– Achei. – Separei nossos lábios e lhe devolvi a bolsa.
Bella enfiou a chave na fechadura e a rodou. Puxou-me para dentro do apartamento e empurrou-me contra a parede, jogou suas coisas no chão para logo depois fechar a porta com o pé.
– Deus... – Sussurrou ela. Suas mãos entraram por de baixo da minha camisa e subiram pelo meu abdômen.
Inverti nossa posição. Meus lábios descolaram dos seus para descer pelo seu pescoço. Aproveitei para abrir os botões de sua camisa. A cada botão que eu abria, descia mais minha boca pela sua pele.
– Como sinto saudades de te tocar... – Deslizei a ponta dos meus dedos pelo contorno do bojo de seu sutiã, sentindo-a se arrepiar. – Mulher alguma conseguiu me deixar tão louco como você me deixa, só você me causa essas sensações deliciosa, eu me sinto aquele garoto virgem com borboletas no estomago.
Bella mordeu os lábios, como sempre fazia quando estava pensando.
– Foram muitas?!
– Me desculpa... – Sussurrei – Eu não devia ter tocado nisso.
– Não. – Ela tocou meu rosto – Eu preciso saber, pois eu também fui para a cama com outros homens tentando te esquecer.
– Você... queria me esquecer?!
– A dor era insuportável... – Ela fechou os olhos. – Eu só queria que parasse de doer, mas nunca adiantava, eu dormia com um homem buscando nele as suas qualidades, mas nenhum conseguiu essa proeza. Seus toques não tinham a mesma que reação que você me proporcionava, não era seus lábios que se chocavam contra os meus... Não era você. E na manhã seguinte eu me sentia uma vadia. Até que eu tive um colapso e percebi que isso só estava piorando as coisas, então parei.
– Quando foi isso?!
Ela desviou os olhos.
– Semana passada.
Afundei meu rosto em seu pescoço.
– Obrigada por ser sincera. – Apertei meus braços ao redor de sua cintura – Eu não vou negar, também tive com algumas mulheres, mas nenhuma era como você. Todas só queriam meu dinheiro... – Bella franziu a testa e bufou – Mas vamos esquecer isso, já que a partir de hoje só eu te toco e vice versa.
Enlacei minha cintura com uma de suas pernas.
– Então me faça sua... – Pediu.
– Aham...
Pressionei meu quadril contra seu ventre fazendo-a gemer.
– Não faz isso Nick!
Afastei-me de Bella.
– O que?! – Perguntou ofegante.
– Você ouviu isso?! – Sussurrei para ela.
– Eu não ouvi nad...
– OMG, coitado!
Bella franziu a testa. Soltei sua perna e dei um passo para trás dando-lhe espaço para abotoar sua blusa.
– Vem. – Bella me puxou pela mão.
A entrada do seu apartamento parecia um corredor pequeno. Demos dois passos e entramos na sala.
Bella gemeu frustrada, eu prendi o riso.
– EU AMO CSI, EU AMO CSI, MINHA TIA TAMBÉM, NOIS AMEMO CSI! – Anthony pulava no sofá, enquanto cantarolava.
[N/A: Pra quem não sabe, CSI é um seriado, onde os criminalistas Florence solucionam crimes]
– Não era para você estar dormindo? E não é amemo, é amamos.
O garoto virou-se assustado por ser flagrado e logo deu um sorriso torto.
– Tava sem sono, vim assistir CSI. E você o que ta fazendo aqui?!
– Pelo que me lembre essa é minha casa também.
– Eu saibo.
– Não é saibo, é eu sei.
– E o que eu disse?!
– Eu saibo.
– Mas eu saibo que é eu sei.
Bella esfregou as mãos no rosto.
– Que tal meu sobrinho preferido ir dormir? – Ela sorriu para ele, apontando para o corredor.
– To sem sono! – Ele sorriu – Ei tio, vem assistir comigo!
Bella gemeu. Aproximei-me dela.
– Fica calma... – Sussurrei em seu ouvido – Temos o resto da vida para isso, certo?! – Ela assentiu, voltei a olhar para Anthony – Adoro CSI.
– Maneiro. – Anthony jogou o cabelo para trás – Tia, faz pipoca!
Bella revirou os olhos e caminhou para outro cômodo do apartamento. Caminhei até o sofá e me sentei ao lado do garoto.
– Qual episódio é? – Indaguei.
– Sete palmos abaixo da terra. – Respondeu e arrastou-se para meu colo – Nick foi pego por um psicopata que o enterrou de baixo da terra.
– Você é bem...
– Estranho? – Ele perguntou rindo – Tia Bella diz que sou prei...precon...precoins...
– Você quis dizer precoce?!
– É isso ai! – Ele bateu na própria testa.
POV Bella
Enquanto a pipoca estourava, fiquei imaginando o que eu e Edward estaríamos fazendo se Anthony não estivesse acordado, mas isso só me fez ficar mais frustrada, no entanto, eu não posso culpar o pequeno.
Talvez fosse melhor esperar, nós não precisamos apressar as coisas.
Coloquei a pipoca em uma vasilha e voltei para a sala, parei na soleira da porta para observá-los.
Anthony estava esparramado no colo de Edward e os dois riam, pareciam amigos de longo tempo.
– A Catherine é muito bonitona! – Meu sobrinho falou com seu típico sorriso torto no rosto.
– Prefiro a Sarah – Edward riu – Eu gosto das morenas.
– Tia Bella é morena.
– Eu sei.
– Porque não namora ela?
– Só falta a sua permissão.
– Permissão dada! Agora você é meu tio de verdade, quando você se casar com tia Bella eu posso ir morar com vocês?! Ter um quarto só para mim? E ter um papagaio, peixe, cachorro e gato, eu amo animal, mas não posso ter um porque a vovó tem alergia a pêlos!
– Há mais algum animal que você queira?! – Edward ironizou.
– No meu aniversario eu pedi um sagüi, mas tia Bella falou “Isso está fora de cogitação, se quiser podemos levar um hamister”.
Ri, caminhei a mesinha de centro e coloquei a vasilha ali.
– Prontinho. – Sorri para Anthony. Ele torceu os lábios. – O que?!
– Cadê a coca?
– Eu não peguei – Mordi os lábios. – Vá à cozinha e pegue você.
– Certo.
Anthony desceu do colo de Edward e foi saltitando em direção a cozinha.
– Então você prefere a Sarah?! – Me sentei ao sei lado.
– Ela é bonita. – Ele deu de ombros rindo – Mas você é mais.
– Hmm...
Segurei seu rosto e o puxei contra mim, colando nossos lábios.
– Que droga! Só tem Sprit...
Edward e eu rimos.
– Ele é assim todos os dias? – Indagou passando o braço ao redor dos meus ombros.
– Sim. – Ri.
Anthony voltou, com uma latinha de Sprit na mão.
– Da licença. – Ele se sentou sobre minha perna e a de Edward – Eu tava aqui primeiro.
Revirei os olhos.
Edward tirou o braço de mim para que eu pudesse dar espaço a Anthony.
Nós ficamos ali. Eu, Edward e o empata foda entre nós.
Estiquei meu braço por de trás de Anthony e afaguei os cabelos de Edward.
– Tio Edward disse que eu posso ir morar com vocês quando se casarem... – Anthony virou-se sorrindo – Ele disse que eu posso ter um sagüi.
– Não foi bem isso que eu disse.
– Certo. Eu disse tudo. – Anthony jogou as pernas no meu colo – Faz massagem?
Edward riu.
Aproximadamente uma hora depois Edward decidiu pegar um taxi para ir embora, já que seu carro ficou com Emmett.
– Te vejo amanhã?
– Sim.
Colei meus lábios nos seus mais uma vez antes dele ir.
Tranquei a porta do meu apartamento e fui para meu quarto.
– Se importa se eu dormir aqui? – Anthony estava sentado na beira da cama balançando as pernas.
– Se eu disser não, você vai para seu quarto?
– Não.
Ri.
– Vou tomar um banho, trocar de roupa e já volto. – Caminhei até meu closet e peguei um short curto e uma camisa.
[...]
Subi na cama e me deitei ao lado de Anthony que se arrastou para meus braços e enlaçou minha cintura com uma de suas pernas.
– Tia, você já conhecia tio Edward?!
Desliguei um dos abajures e virei-me para olhá-lo.
– Sim. – Mordi os lábios. – Edward foi meu primeiro namorado.
– Ele te acha bonitona. – Sorriu.
– Eu sei. – Ri – Eu sou bonita!
Anthony revirou os olhos rindo, mas logo parou e franziu a testa, um tanto preocupado.
– Você vai me deixar com a vovó quando se casar com ele?
Beijei sua testa e acariciei seu braço.
– Quem disse que nós vamos nos casar? – Toquei seu nariz – E se por um acaso um dia eu me casar, acha que consigo viver sem você?
Ele suspirou e seus lábios voltaram a sorrir.
– Ninguém consegue.
– Ninguém. – Apertei sua bochecha – Agora vamos dormir, já está tarde.
Thony rolou pela cama e apoiou o rosto na mão.
– Você vai trabalhar amanhã? – Fez bico.
– Não. – Sorri – Se esqueceu? Miami nos espera!
Seus pequenos olhos brilharam.
– NÓS VAMOS?!
– Aham... – Assenti. – Não grite, sua avó esta dormindo.
Anthony rolou na cama de novo, só que voltando para meus braços.
– Eu te amo!
– Eu também pequeno, mas agora vamos dormir. Estou cansada.
– Certo.
Puxei o edredom para cima de nós dois e o abracei.
Não demorou muito para que pegássemos no sono.

Nenhum comentário:

Postar um comentário